O QUE FOI A NOUVELLE VAGUE SOVIÉTICA


o-que-foi-nouvelle-vague-sovietica

De forma bastante resumida, a Nouvelle Vague Soviética se situa durante um curto período de liberdade criativa no país, além de aproveitarem o relaxamento dos censores para (re) lançar clássicos proibidos anteriormente. 

Abaixo, vamos situar o momento histórico, principais filmes lançados, relançados, diretores mais importantes e características do movimento. 

Momento histórico


Um dos movimentos menos familiares dos cinéfilos é a Nouvelle Vague Soviética, ocorrida no início dos anos 1960, que foi uma reação imediata ao "degelo" político que estava gradualmente ocorrendo sob o reinado de Nikita Khrushchev.


Nikita Khrushchev (1894-1971) foi líder da União Soviética durante os anos 1958-1964. Khrushchev criticava as políticas de Stalin e é tentou promover, durante a Guerra Fria, uma coexistência pacifica com países que não eram comunistas. Ele foi combatente na guerra pós-revolucionária que se prolongou até 1920 e participou na Segunda Guerra Mundial. Tornou-se secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética em 1953, ocupando o cargo até 1964. A primeira denúncia do estalinismo aconteceu numa reunião secreta do partido, em 1956, e foi da sua autoria. Em 1958, assumiu o cargo de primeiro-ministro. 

O seu programa político de “desestalinização” teve como consequência revoltas na Polónia e na Hungria (1956), que foram reprimidas, e problemas econômicos internos. Nas relações com o exterior, deu-se o corte com a China de Mao Tsé-Tung, em 1960, e a crise dos mísseis em Cuba, em 1962, teve como resultado o seu afastamento por Leonid Brezhnev e Alexei Kossiguine. Foi durante o período de governação de Khrushchev que a União Soviética, em competição feroz com os Estados Unidos, enveredou pela exploração do espaço, lançando o primeiro satélite (Sputnik) em 1957.


O horror, em contrapartida... 


Stalin foi o ditador russo que comandou a União Soviética até sua morte em 1953. Ele Implantou o regime socialista, mais tarde batizado de Stanilismo. Seu nome real  é Josef Vissarionovitch Djugatchvili. Ele nasceu em Gori, na Geórgia, no dia 18 de dezembro de 1878. Entre os anos de 1902 e 1913, ele foi preso e exilado seis vezes. Depois de cinco fugas recebeu o nome de Stalin (Homem de Aço). Em 1917, Stalin participou da Revolução Russa, ao lado de Lenin e teve importante papel na guerra civil, que desagregou o regime czarista. 

Depois da vitória do movimento, Lenin chefiou o governo até sua morte, em 1924. O poder soviético foi então disputado por Leon Trótski, chefe do exército, e Stalin, secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética. A partir de 1928, a economia soviética, sob o comando de Stálin, viveu a socialização total, com a abolição da NEP, política adotada por Lênin, e a instauração dos “planos quinquenais”.

Stalin levou adiante uma intensa política de centralização do poder. Usando métodos de extrema violência, reafirmou sua autoridade ao afastar todos os potenciais opositores por meio de julgamentos, condenações, expulsões do partido e punições, em processos que ficaram conhecidos como “expurgos de Moscou”. 


Desta forma, entra em cena a censura nas artes, já que estas costumam ditar comportamentos, e ele não aceitaria concorrência...

Degelo de Kruschev


O Degelo de Kruschev refere-se, como dito mais acima,  ao período entre 1956 e 1964. Com ele, veio a liberalização relativa da informação nos meios de comunicação estatais, nas artes e cultura, assim mesmo a URSS abriu-se parcialmente ao mundo através de festivais internacionais e pela autorização de exibição de filmes estrangeiros, a supressão da censura em certos livros nacionais e estrangeiros, proibidos durante o longo regime stalinista. 

Além disso, o relaxamento da censura experimentado durante este período, também permitiu que novas formas de entretenimento na então emergente televisão soviética, que iam desde desfiles e celebrações em massa, a música popular, espetáculos de variedades diversas, até sátiras e comédias, como Goluboy Ogonek.


Nova Onda


Não importa se já ouviu o termo Nouvelle Vague, New Wave ou Nova Onda. Eles significam sistematicamente a mesma coisa: mudança. Durante esse período, os cineastas voltaram a câmera para si mesmos e para a sociedade soviética em geral para fazer uma série de filmes que questionavam como eles haviam chegado onde estavam como país e onde estavam indo como uma superpotência. Talvez sentindo que essa janela de oportunidade não poderia permanecer aberta por muito tempo, houve uma onda de atividade por vários anos, até que a janela foi fechada com a invasão soviética da Tchecoslováquia em 1968 (ocorrido entre os dias 20 e 21 de agosto do ano de 1968, o conflito se deu quando os países do Pacto de Varsóvia organizaram uma invasão à República Socialista da Tchecoslováquia com o objetivo de deter a Primavera de Praga, que era a liberalização política no país, liderada por Alexander Dubček).

O cinema deste momento passou por duas fases distintas (e somente a segunda fase pode ser facilmente classificada como um movimento cinematográfico).


Na fase inicial, no final da década de 1950, elementos de inovação não podiam ser realmente separados do realismo socialista. A estrutura conservadora: os clichês pesados ​​das décadas passadas conviveram com uma abordagem "desestalinizada" e ideologicamente mais leve, oferecendo assim uma espécie de "realismo socialista com rosto humano". Os filmes mostram um patriotismo comum e uma confiança nos líderes de forma cega. O protagonista é ancorado em atos heroicos, fazendo relação com o realismo social.

Mas ai veio a década de 1960, com o movimento funcionando de forma mais plena. Vários cineastas consagrados surgiram neste momento (ou mesmo os já consagrados, fizeram obras importantes neste período). Estes jovens artistas demonstraram forte personalidade e independência sem precedentes, confrontando novos temas como os anseios dos jovens. Veio assim um cinema mais maduro, caracterizado por  uma abordagem anti-ideológica, resultando em anti-monumentalismo e anti-heroísmo, confrontando desta forma, o ranço que a primeira fase sofreu por influência histórica. Os personagens principais eram frequentemente jovens comuns, ansiando por individualismo e expressão própria. Foram fortemente influenciados pela Nouvelle Vague Francesa e pelo Neorrealismo Italiano.


O movimento é geralmente considerado como tendo terminado aproximadamente no final dos anos 1960, em conjunto com a nova política de censura imposta pelas autoridades soviéticas. Como resultado desta situação mais dura, muitos diretores jovens perderam em parte sua liberdade de expressão recentemente adquirida, enquanto outros tentaram preservar a mesma vitalidade seguindo novos gêneros, como Andrei Tarkovsky.

Filmes

Para os cineastas, o marco zero do seu novo cinema veio em 1957 com "Quando voam as cegonhas". Dirigido por Mikhail Kalatozov, o filme ganhou a Palma de Ouro em Cannes de 1958. A atriz Tatiana Samoilova recebeu uma menção especial. No filme, o casal Veronika (Tatyana Samoylova) e Boris (Aleksey Batalov) estão profundamente apaixonados. Com a Segunda Guerra Mundial, Boris entra no exército e é enviado para a linha da frente no dia antes do aniversário de Veronika, e eles não têm a chance de se despedir um do outro. Enquanto aguardava ter notícias de Boris, Veronika é estuprada pelo primo dele, Mark (Aleksandr Shvorin) e acabam casando. Porém, ela jamais esquece Boris e continua esperando por ele.  


Quando o filme foi lançado na União Soviética, causou uma sensação nova no público afastado do papel da propaganda. Pela primeira vez, o público podia desabar pela dor de perder milhões do seu povo na guerra. Também foi a primeira vez que temas como o mercado negro e especulações de guerra apareceram no cinema.

Uma das características mais notáveis da produção é o então revolucionário uso da câmera de mão pelo cineasta Sergey Urusevskiy. Ele tinha aprendido a filmar assim quando era cinegrafista militar durante a guerra. Esse é um dos filmes favoritos de Francis Ford Coppola e Martin Scorsese.


O cinema é a mais poderosa de todas as artes
Lenin

Consequências?

Bom, são muitas como podem imaginar. Mas em particular, vou citar alguns casos envolvendo o mestre Sergei Eisenstein. Vocês nunca verão, por exemplo, a versão completa de "Prado de Bezhin", famoso por ter sido supostamente destruído antes de sua conclusão, ele conta a história de um jovem agricultor que está se opondo a seu próprio pai, que destina-se a trair o governo soviético por razões políticas sabotando a colheita anual. Inspirado no romance de Ivan Turgenev, é principalmente baseado na vida de Pavlik Morozov, um menino russo que se tornou um mártir político, após a sua morte, em 1932, depois que seu pai denunciou as autoridades soviéticas, sendo executado, em seguida, por sua família.

A produção ocorreu entre 1935-1937, até que foi apreendida pelo Governo Central Soviético, alegando certas falhas artísticas, sociais e políticas mostradas no filme, passou algum tempo até que o filme foi esquecido, pensando-se inclusive que tivesse sido perdido durante os bombardeios da II Guerra Mundial. Felizmente, nos anos sessenta encontraram-se cortes e cópias parciais do filme, e é com eles que começou uma recriação baseado em imagens estáticas, com base no roteiro original.


O canal de Fergana, de 1939. Filme planejado sobre a fertilização dos desertos do Uzbequistão desde a época de Tamburlaine até a construção do canal de Fergana. Foi imposto ao diretor que o abortasse. Apenas algumas tomadas de teste envolvendo a construção do canal foram filmadas e a filmagem, juntamente com fotos, foi usada em um pequeno documentário.

Ivan, o Terrível. A primeira parte saiu em 1944 e ganhou, mais uma vez, o sinal verde de Stalin. Multidões foram às salas de projeção para assistir ao filme e Eisenstein foi mais uma vez elogiado e prestigiado pela ditadura. A segunda parte, no entanto, desagradou e os censores soviéticos proibiram sua exibição. Eisenstein morreria em 1948, sem que a terceira parte fosse sequer terminada (os negativos do terceiro longa foram quase totalmente destruídos pelo governo). 

10 Filmes essenciais

Abaixo, listei 10 filmes para conhecer a evolução da Nouvelle Vague Soviética, deixando mais clara as mudanças durante o movimento. 

Direção: Mikhail Kalatozov

Veronika e Boris, um jovem casal de namorados, são separados pela convocação do rapaz para se juntar ao Exército Vermelho durante a 2ª Guerra Mundial. Ansiosa por notícias do front, a moça é acolhida pela família de Boris, quando sua casa é destruída por um bombardeio, e acaba forçada a se envolver com o primo do rapaz, com quem resignadamente se casa. Mas continua a esperar por Boris. 

Leia o review do filme aqui: Quando voam as cegonhas

Direção: Grigori Chukhrai

Durante a Segunda Guerra Mundial, o soldado do Exército Vermelho russo Alyosha Skvortsov recebe uma medalha por destruir dois tanques alemães, e a troca por uns dias de folga para visitar sua mãe. Durante sua jornada, o jovem militar enfrenta várias dificuldades, e conhece a bela Shura, por quem se apaixona.

Direção: Mikhail Kalatozov

Baseado no livro de Valery Osipov, conta a história de quatro geologistas à procura de diamantes na Sibéria. Depois de uma longa e cansativa jornada, eles finalmente encontram a mina tão procura e a colocam num mapa. Mapa este que deverá ser enviado imediatamente à Moscou. Mas no dia certo os geologistas são surpreendidos pelo caos durante incêndio numa floresta.

Direção: Grigori Chukhrai

Durante os anos 1950, Sasha Lvova relembra os anos em que se apaixonou pelo piloto de caça soviético Aleksei Astakhov.
Nos anos 70, o filme quase não foi exibido nos cinemas e na televisão. A imagem traçava claramente o tema do terror pós-guerra de Stalin, que não correspondia ao clima da época.

Direção: Mikhail Romm

Dmitry Gusev e Ilya Kulikov são jovens cientistas amigos, mas rivais apaixonados. Depois de se casar com Lyolya, Dmitry sofre um grave acidente envolvendo radioatividade durante um experimento. Mas seu amor pela vida e pelo trabalho pode fazer com que ele se recupere mais rápido do que imagina.

Direção: Andrei Tarkovski

Nas frentes soviéticas da Segunda Guerra Mundial, o garoto órfão Ivan, de 12 anos, trabalha como um espião, podendo atravessar as fronteiras alemãs para coletar informação sem ser visto. Ele vive sob os cuidados de três oficiais russos que, após inúmeras missões desgastantes, eles tiram Ivan das batalhas e o enviam para a escola militar.
O longa ganhou o Leão de Ouro em Veneza, em 1962. Além de outros prêmios menores em São Francisco, Varsóvia e Nova York.

Direção: Georgiy Daneliya

Volodya é um escritor iniciante recém chegado da Sibéria. Foi chamado até Moscou pelo escritor Voronov, para discutirem o seu trabalho. Volodya conhece Kolya no metrô e os dois acabam amigos. Enquanto andam por Moscou Volodya é mordido por um cachorro e Kolya se vê na obrigação de ajudá-lo. Enquanto isso, Sasha, um amigo de Kolya está as voltas com o serviço militar e o desejo de casar com Sveta.

Direção: Marlen Khutsiev

Na União Soviética dos anos 60 um jovem recém dispensado do exército retorna pra sua casa no bairro operário de Moscou. No início sente-se confortável e feliz em ver os amigos e a família, mas com o tempo é tomado por diversas insatisfações que o fazem tomar novos rumos em sua vida. Ao mesmo tempo se envolve com uma estudante nascida numa família da elite burocrata da cidade.

Direção: Marlen Khutsiev

Lena estava de casamento marcado, mas deixou o noivo quando descobriu a péssima pessoa que ele era. Agora, em busca de um rumo para sua vida, ela passa a se aventurar com artistas que também procuram definir a própria identidade. Em um dia chuvoso, Zhenya cruza seu caminho.

Direção: Aleksandr Askoldov

Klavdia Vavilova (Nonna Mordyukova) é uma comissária do Exército Vermelho. Quando chega o momento de dar a luz ao bebê que está esperando, ela é obrigada a assumir a gravidez, até então escondida, e se afastar das linhas de frente. Para o parto, Klavdia fica na casa de Yefim Mahazannik (Rolan Bykov) e sua família judia e aos poucos se acostuma com a vida doméstica.

O primeiro filme russo em que os personagens judeus tinham papéis importantes e simpáticos. Depois de fazer o filme, Aleksandr Askoldov perdeu o emprego, foi expulso do Partido Comunista, acusado de parasitismo social, exilado de Moscou e proibido de trabalhar em longas-metragens para a vida. Foi-lhe dito que o único exemplar do filme havia sido destruído. Mordyukova e Bykov, grandes estrelas do cinema soviético, tiveram que pedir às autoridades que o poupassem de acusações ainda maiores. O filme foi arquivado pela KGB por vinte anos. Desta forma, encerramos as 10 indicações com um filme chave, que demorou mais de 20 anos para ser conhecido por causa da censura soviética ter voltado.


A dica de hoje é o filme mais importante do movimento acima e um dos mais sensacionais e aclamados filmes soviéticos, que foi lançado pela CPC Umes filmes. Confiram detalhes da edição clicando no link acima, e não deixe de ler o review desta obra prima.









Tecnologia do Blogger.