O QUE FOI O MANIFESTO OBERHAUSEN

manifesto-de-oberhausen

A matéria de hoje é, de longe, a mais simples. Não há um grande conceito, complexo e difícil de explicar. Mas o Manifesto de Oberhausen é importante para o Novo Cinema Alemão, além de ser um conceito que pipoca na internet quando procuramos saber a história do cinema alemão.

Para começar, de onde vem o nome Oberhausen?

Até o mente menos criativa, deduz que é o nome de uma cidade ou vilarejo na Alemanha. Bom, é uma cidade, que recebeu este nome devido à sua estação ferroviária de 1847, que por sua vez, recebeu o nome do Castelo de Oberhausen.

Este Castelo recebeu o nome do cavaleiro de Overhus, do final do século 12.  Com passagem do domínio para clãs rivais, o castelo era frequentemente saqueado e apreendido devido à sua posição geográfica.


O Senhor do castelo, Friedrich Adolf Freiherr von Boenen zu Berge und Oberhaus, casou-se com a herdeira Wilhelmine Franziska von Westerholt-Gysenberg em 1770 e assumiu o nome e o brasão de sua linhagem ao ser nomeado para a corte imperial hereditária pelo Kaiser. No entanto, os Westerholt-Gysenbergs então residiram em Schloss Berge e deixaram o castelo de Oberhausen em decadência.

Em 1801, Friedrich Adolf atribuiu o castelo como uma propriedade senhorial arrendada e domínio da família a seu filho Maximilian Friedrich Graf von Westerholt-Gysenberg e a nora Friederike Karoline von Bretzenheim, filha ilegítima do eleitor da Baviera-Palatinado Karl Theodor. A partir de 1808, o arquiteto paisagista e jardineiro da corte de Dusseldorf Maximilian Friedrich Weyhe, projetou o parque e os jardins do local.

Em 1896, a cidade de Oberhausen comprou os terrenos do castelo e redesenhou-os como domínio público. O próprio castelo tornou-se propriedade da cooperativa Emschergenossenschaft em 1908, que o vendeu para a cidade em 1911.

Durante a Segunda Guerra Mundial, partes do edifício principal e também o telhado do Pequeno Castelo foram destruídos. Em 1947 foi inaugurada a Galeria Municipal com uma coleção que incluía paisagens impressionistas de Max Liebermann, Max Slevogt e Lovis Corinth. 

O bairro, que virou cidade...

O novo bairro foi formado em 1862 após o afluxo de pessoas para as minas de carvão e siderúrgicas locais . Com direitos de cidade concedidos em 1874, Oberhausen absorveu vários bairros vizinhos, incluindo Alstaden, partes de Styrum e Dümpten em 1910. Oberhausen se tornou uma cidade em 1901, e incorporou as cidades de Sterkrade e Osterfeld em 1929. A fábrica de óleo sintético Ruhrchemie AG foi um alvo da Segunda Guerra Mundial, e as forças dos EUA chegaram à fábrica em 4 de abril de 1945.


Em 1954, a cidade começou a sediar o Festival Internacional de Curtas-Metragens de Oberhausen, e em 1962, o Prêmio de Cinema Alemão foi concedido a um grupo que escreveu o Manifesto de Oberhausen.

E o que dizia o Manifesto?

"O declínio do cinema alemão convencional tirou o incentivo econômico que impunha um método que, para nós, vai contra a ideologia do cinema. Um novo estilo de filme tem a chance de ganhar vida.

Curtas metragens de jovens roteiristas, diretores e produtores alemães conquistaram diversos prêmios em festivais internacionais nos últimos anos e conquistaram o respeito da crítica internacional.


Suas realizações e sucessos mostraram que o futuro do cinema alemão está nas mãos de pessoas que falam uma nova linguagem do cinema. Na Alemanha, como já em outros países, o curta-metragem tornou-se um campo educacional e experimental para o longa-metragem. Estamos anunciando nossa aspiração de criar esse novo estilo de filme.

O filme precisa ser mais independente. Livre de todas as convenções usuais da indústria. Livre do controle de parceiros comerciais. Livre do ditado das partes interessadas.

Detalhamos ideias espirituais, estruturais e econômicas sobre a produção do novo cinema alemão. Juntos, estamos dispostos a correr qualquer risco. O filme convencional está morto. Acreditamos no novo filme."

Oberhausen, 28 de fevereiro de 1962

Manifesto de Oberhausen foi assinado por:

Bodo Blüthner, Walter Krüttner, Fritz Schwennicke, Boris v. Borresholm, Dieter Lemmel, Haro Senft, Christian Doermer, Hans Loeper, Franz-Josef Spieker, Bernhard Dörries, Ronald Martini, Hans Rolf Strobel, Heinz Furchner, Hans-Jürgen, Pohland Heinz, Tichawsky, Rob Houwer, Raimond Ruehl, Wolfgang Urchs, Ferdinand Khittl, Edgar Reitz, Herbert Vesely, Alexander Kluge, Peter Schamoni, Wolf Wirth, Pitt Koch, Detten Schleiermacher

Legado

Assim como as "Nouvelle Vagues", o manifesto tem a intenção similar, mostrando novos caminhos que precisavam ser seguidos. O Festival Internacional de Curtas-Metragens de Oberhausen manteve sua reputação como uma das principais vitrines de curtas-metragens do mundo desde sua fundação. Seus vários componentes incluem programas com curadoria de novos curtas, seções dedicadas a videoclipes, filmes infantis e trabalhos produzidos regionalmente, holofotes sobre cineastas específicos. 

O manifesto tem sido uma parte central da história e identidade de Oberhausen nas últimas décadas. Ele foi o epicentro do Cinema Novo Alemão.
Tecnologia do Blogger.