JFK - A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR (1991) - FILM REVIEW

jfk-pergunta-que-nao-quer-calar-1991

Normalmente, não olho para um trabalho de algum diretor e penso sobre a vida particular dele. Isto jamais direcionou a minha empatia por uma obra. Mas nem sempre a filmografia de Oliver Stone é desatrelada das suas crenças políticas, o que leva a antipatia de muitos aos seus trabalhos. Stone tem afinidade com a esquerda e já declarou publicamente visões controversas sobre figuras históricas como Adolf Hitler, Joseph Stalin e Hugo Chávez. Ao afirmar que Hitler foi bode expiatório, Stone cravou em sua lápide as palavras "Conspirador Nato".

Sendo assim, muitos dos seus filmes que envolvem política e governo tendem a expor uma face bastante tendenciosa, o que é a reclamação geral de historiadores e estudiosos, principalmente os que são cinéfilos. Eu, particularmente, discordo de quem reclama desta falta de veracidade, já que se tratam de filmes de ficção, baseados em personagens reais. Afinal, porque Tarantino pode matar Hitler e poupar Sharon Tate e Oliver Stone não pode dizer que Nixon tomou atitudes que não as fez na vida real? Dois pesos, duas medidas...

Hoje vamos revisar JFK.

JFK está entre os melhores trabalhos do diretor. Com elenco estelar, a trama acompanha a investigação do assassinato do presidente John F. Kennedy liderada pelo promotor público de Nova Orleans, Jim Garrison (Kevin Costner). Quando Garrison começa a duvidar da conjectura sobre o crime, ele se depara com a resistência do governo. Após o suspeito do assassinato de Kennedy, Lee Harvey Oswald (Gary Oldman), ser morto, o caso é encerrado. Mais tarde, porém, Garrison reabre a investigação e encontra provas de uma grande conspiração por trás da morte do presidente.

A vida modificada pela arte

O trabalho de Stone foi, em sua visão, mais próximo da realidade possível, levando as filmagens para os locais reais para aclimatar da melhor forma, todos os envolvidos. Oliver Stone mostrou este filme em dezembro de 1991 para todo o Congresso no Capitólio. Isso levou à Lei de Divulgação de Assassinatos de 1992. Essa lei permitiu ao público americano ver documentos importantes sobre o assassinato de JFK no período de 25 anos (o ano original para tal divulgação foi 2029). Em 26 de outubro de 2017, a Administração Trump divulgou grande parte dos documentos conhecidos como "Arquivos JFK". 

Quando Oliver Stone falou no National Press Club sobre o filme, alguém perguntou se ele queria insinuar que o governo estava envolvido nos assassinatos de Martin Luther King Jr. e Robert Kennedy, bem como no de JFK. Ele respondeu com uma resposta simples de uma palavra: "Sim". 

O assassinato de Oswald por Jack Ruby foi filmado em locações na garagem do porão da Prefeitura de Dallas, onde o tiroteio na vida real aconteceu. "X" ( Donald Sutherland ) é baseado em L. Fletcher Prouty , Chefe de Operações Especiais da Junta de Chefes de Estado-Maior (e, portanto, principal oficial de ligação entre o Pentágono e a CIA) durante a presidência de JFK. Ele foi um assessor técnico do filme. A prisão de Oswald foi filmada no verdadeiro Texas Theatre, onde aconteceu. O dinheiro dos produtores ajudou a restaurar o teatro e a mantê-lo em funcionamento.

Diferenças e semelhanças, mas e daí se o filme funciona?

Durante o flashback de Willie O'Keefe ( Kevin Bacon ), Clay Shaw (Tommy Lee Jones) está falando sobre fazer a barba de Fidel Castro cair para envergonhá-lo. Este foi um plano real da CIA, que falhou. O verdadeiro Jim Garrison nunca fez o discurso que Costner faz no final do filme. Foi tirado de vários discursos que ele fez, e parte dele de seu livro. Embora o assassinato de Robert F. Kennedy só tenha sido registrado em áudio por um repórter freelancer de um jornal, as consequências usadas no filme foram imagens reais gravadas em 5 de junho de 1968. A cena da prisão em Angola foi filmada inteiramente em locações com os verdadeiros guardas e presidiários.

O pai do ator Woody Harrelson, Charles Harrelson , foi um assassino condenado por assassinato em três ocasiões distintas. Na terceira ocasião, ele admitiu o assassinato do juiz federal John H. Wood Jr. e também admitiu ter participado do assassinato de JFK e uma testemunha afirmou que ele havia desenhado mapas do local em Dallas de onde disparou a arma.  O FBI desconsiderou suas afirmações. No entanto, Jim Marrs afirma no Crossfire de 1989 que Charles Harrelson é o mais jovem dos 'Os Três Vagabundos' questionado e libertado pela polícia no dia do assassinato. A artista forense Lois Gibson conduziu análises fotográficas e concluiu que o vagabundo mais jovem e mais alto é Charles Harrelson.

Obter permissão para filmar no Texas School Book Depository provou ser muito difícil. Os administradores exigiram 50 mil dólares para colocar alguém na janela onde Lee Harvey Oswald estava. Eles só podiam filmar em determinados horários do dia, com apenas cinco pessoas permitidas no chão ao mesmo tempo. 

Um patriota deve estar sempre pronto para defender seu país contra seu governo.

O co-produtor Clayton Townsend disse que a parte mais difícil de todo o processo foi conseguir permissão para transformar o prédio de volta à sua aparência em 1963. Isso levou cinco meses de negociação. As cenas do interior no sexto andar foram na verdade filmadas no quinto andar, já que o sexto andar é uma exposição de museu. Mas todas as cenas do ponto de vista da comitiva foram filmadas da janela real do sexto andar, bem como todas as cenas do atirador atrás da janela, visto de fora.

Para a recriação do assassinato em Dealey Plaza, os produtores tiveram que pagar à Câmara Municipal de Dallas uma grande quantia em dinheiro para contratar policiais para redirecionar o tráfego e fechar as ruas por três semanas. Stone teve apenas dez dias para filmar toda a sequência. O diretor de fotografia Robert Richardson empregou duas câmeras 35mm, cinco câmeras 16mm e quatorze rolos de filmes para esta cena.

Ironicamente, uma das razões pelas quais se sabe que Clay Shaw era homossexual é que o diretor do FBI J. Edgar Hoover manteve um arquivo sobre Shaw e fez com que o FBI espionasse sua vida romântica.

Stone contratou Jane Rusconi, recém-formada em Yale, para chefiar uma equipe de pesquisadores e reunir o máximo possível de informações sobre o assassinato, enquanto ele cumpria as funções de diretor do Nascido em 4 de Julho (1989). Enquanto Stone lia duas dúzias de livros sobre o assassinato, Rusconi leu bem mais de duzentos livros sobre o assunto. Depois de ler o livro de Jim Garrison, Stone imediatamente comprou os direitos pagando do próprio bolso.

Se levo trinta anos para pegar cada um dos assassinos, então continuarei esta investigação por trinta anos. Devo isso não apenas a Jack Kennedy, mas ao meu país.

Jim Garrison 


Em preparação para interpretar Marina Oswald , Beata Pozniak estudou os vinte e seis volumes do Warren Commission Report, leu todos os artigos das revistas "Time" e "Newsweek" sobre sua personagem e, então, realmente viveu com a verdadeira Marina por um tempo.

Oliver Stone escalou Kevin Costner para o papel principal com base em sua atuação em Os Intocáveis ​​(1987). Ele queria que ele ficasse tão obcecado em resolver o assassinato de Kennedy neste filme quanto estava em capturar Al Capone naquele filme. Coincidentemente, Costner conseguiu os dois papéis, neste filme e Os Intocáveis ​​(1987), depois que as duas escolhas principais, Mel Gibson e Harrison Ford, recusaram. E não à toa, numa fala de Joe Pesci com Costner, ele fala a palavra "Intocáveis", no contexto deste filme, claro. 

Perry R. Russo , que foi uma testemunha chave das conversas entre David Ferrie, Clay Shaw (também conhecido como Clay Bertrand) e Lee Harvey Oswald , interpreta um homem no bar no início do filme, onde Garrison e Lou estão assistindo a cobertura da televisão sobre o tiroteio. Russo grita sobre como eles deveriam dar ao atirador uma medalha por atirar em Kennedy.

Mesmo antes de o filme terminar de filmar, o correspondente de segurança nacional do Washington Post, George Lardner, apareceu no set e escreveu um artigo mordaz atacando o filme. Lardner baseou-se no primeiro rascunho do roteiro que havia lido. Outros jornais importantes seguiram o exemplo.  Após o lançamento do filme, muitos se ressentindo especialmente com a liberdade com os fatos que Oliver Stone havia tomado.

O filme gerou intensa controvérsia em seu lançamento, com muitos acusando Oliver Stone de inventar muitos dos fatos. Na verdade, Stone publicou uma versão comentada de seu roteiro, na qual ele justifica e atribui cada afirmação feita no filme. Stone posteriormente abordou a polêmica em seu filme para a televisão Wild Palms (1993), no qual fez uma participação especial. Esse filme se passa no século 21, e Stone aparece em um talk show discutindo como todas as suas teorias de conspiração em torno de JFK foram provadas verdadeiras.

"Fiat justitia ruat caelum."

"Faça-se justiça ainda que caiam os céus" 




Obras primas do cinema lançou este filme imperdível de Oliver Stone em BLU RAY, que pode ser adquirido no site da empresa ou nas lojas parceiras. Abaixo, veja detalhes da edição. E para comprar, só clicar no link acima. 
 
➤Informações do filme e da edição:

Diretor: OLIVER STONE
Formato:  BD 
Distribuidora: FOX
Origem:  NACIONAL
Áudio: INGLÊS
Legendas: INGLÊS, PORTUGUÊS, ESPANHOL
Quantidade de Discos: 1
Formato da Tela: WIDESCREEN 2.40
Duração: 205 min
Região: A

Extras:

Comentários em Áudio
Por Trás de JFK: A Questão da Conspiração
Cenas Excluídas
Estendidas
Ensaios Multimidia
Trailer de Cinema




 

Tecnologia do Blogger.