GARY SHERMAN - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

 gary-sherman-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto incrível. São apenas 7 perguntas, mas que fornecem um pequeno mosaico da carreira e paixão do entrevistado (a) pelo cinema.

E hoje, com vocês o diretor Gary Sherman

Boa sessão:


1)  É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

G.S.: Eu amo o cinema! Eu literalmente cresci nos cinemas. Criados por dois pais viciados em trabalho no setor de varejo, todos os sábados, eu e meu irmão mais velho, e nossos dois primos que moravam no andar de baixo, fomos "jogados" no cinema local, onde administravam uma matinê durante todo o dia para crianças. Vimos todos os episódios de Flash Gordon, Os Três Patetas, Gene Autry, Roy Rogers e Tarzan que já foram filmadas. Assim como todos os desenhos animados da Disney e Looney Tunes. E todos os filmes da Disney. Mas o único filme que realmente se destaca em minha memória foi "Museu de cera", em 3D, estrelado por Vincent Price. Eu tinha uns 8 anos. Meu irmão tinha 14 anos. Ele me levou. Eu penso que ele achou engraçado me assustar. O que ele não sabia era que estava moldando o resto da minha vida. Algumas das minhas melhores lembranças transpiraram na escuridão de um cinema.


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

G.S.: Psicose de Hitchcock! Bem ... talvez ... o Bebê de Rosemary de Polanski! Ou ... eu não sei ... que tal ... All That Jazz -de Fosse! (Aposto que esta opção te surpreendeu !!!

M.V.: Definitivamente. Ele contrastou com os dois primeiros.


G.S.: Verdade. Tem também... Cidadão Kane de Welles! Talvez quase qualquer filme de Kurosawa… Mas existem muitos filmes contemporâneos excelentes.  Baby Driver  do Wright! Parasita - Jong-Ho! Jojo Rabbit- Waitiki! E ... espera ... eu esqueci ... Os Bons companheiros de- Scorsese! Hmm ... não consigo escolher um. Você pode?

M.V.: De forma nenhuma. Eu já me perderia em escolher entre Poderoso Chefão, Sete Samurais, Era uma vez no Oeste, Bons companheiros e tantos outros...


3) Você dirigiu filmes como "O metrô da morte", "Poltergeist 3", Lisa, "Os mortos Vivos", mas você não é um fã ardoroso de filmes de terror. Como isso funcionou? Você foi influenciado por algum filme de gênero?

G.S.: De certa forma, tenho o horror nas veias. Sempre tive. Como eu disse anteriormente, a "O Museu de Cera" me iniciou. Depois, anos de Shock Theater na TV, tarde da noite assistindo aos clássicos. Eu era fã, mas com toda a sinceridade, direi que nunca realmente aspirei a escrever e dirigir horror. Meu início de carreira foi dirigindo comerciais. Quando decidi que queria fazer um filme, alguém sugeriu o horror como um bom ponto de entrada. Percebi que o roteirista pode "esconder" uma crítica social no horror, fazendo dele um animal político. O Metrô da Morte nasceu assim. Eu me tornei um diretor de horror. Se Polanski pode  fazer o "Bebê de Rosemary", quem  eu era para não fazer horror?


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Eu particularmente amo "Procurado vivo ou morto".  Caso se lembre, pode ser sobre ele mesmo...

G.S.: Uma situação complicada aconteceu justamente neste filme. A sequência (de interior) final de "Procurado vivo ou morto",  foi escrita para ocorrer dentro de uma indústria química. Rutger Hauer como Nick Randall caçando Gene Simmons como Malak el Rahim. Por razões óbvias, não poderíamos ter explosões e disparar dentro de uma indústria química real. Então, encontramos uma indústria geradora de vapor que parecia perfeita. A usina consistia em três gigantescas torres a carvão. Centenas de metros de altura e cada um quase a um quarteirão da cidade. A desvantagem foi que, quando uma torre estava operando, o barulho era realmente ensurdecedor. A empresa de energia que operava no local garantiu que apenas duas torres estivessem trabalhando em um determinado momento.



Portanto, poderíamos filmar  em uma torre que estava silenciosa. Com base no cronograma de rotação, escolhemos nossa localização. Estava programado para ficar off-line nas duas semanas que precisaríamos. Levaria uma semana para equipá-lo para obter luz e efeitos especiais (tiros, etc.) e uma semana para filmar a cena. Bem... a semana de preparação foi ótima. Nós ensaiamos as cenas. Definimos os storyboards. Instalamos as luzes e o SFX. E tudo foi equipado. 

Estávamos prontos. Então, no dia anterior às nossas filmagens, uma das outras torres funcionou mal e caiu! "Nossa torre" disparou automaticamente e entrou em funcionamento! Essas torres estavam fornecendo energia para todas as cidades ao longo da costa, de Long Beach quase a San Diego, por isso tinha entrar em operação.


O barulho era tão alto que era preciso usar proteção para os ouvidos. Tivemos que usar walkie-talkies com fones de ouvido para ouvir alguém a mais de alguns centímetros de distância. Além disso, por lei, todos dentro de uma torre ativa tinham que usar capacete. Eles nos disseram que abririam uma exceção para os atores quando estavam diante das câmeras. E tínhamos cenas de diálogo para filmar! Como poderíamos fazer isso? Discutimos todas as alternativas. Não havia nenhuma. O custo de não filmar como programado era proibitivo. Então... eu tive que reescrever rapidamente as cenas, perdendo a maior parte dos diálogos.

O responsável pelo som ligaria Rutger e Gene com vários microfones de rádio. As faixas que obteríamos seriam apenas faixas paralelas, utilizáveis ​​apenas como faixas-guia para dublar as cenas posteriormente na pós-produção. Essas cenas eram emocionalmente intensas e os atores não ficaram muito felizes, mas não tivemos escolha. O outro problema eram os capacetes de segurança. Toda a equipe se tornou um mar de esferas de plástico amarelo. Ninguém conseguiu encontrar ninguém.



O fato de ninguém poder me ver se tornou um problema real. Nosso diretor de cenários resolveu esse problema. Ele ligou o meu capacete de segurança com luzes vermelhas! Parecia realmente estúpido, mas funcionou. Eu poderia ser encontrado. Então, passamos vários dias fazendo as cenas de ação. O barulho constante era estressante, mas conseguimos. A equipe foi ótima. Rutger e Gene eram soldados reais numa zona de guerra.

Tudo o que nos restava a fazer era a cena do diálogo. Nós tínhamos ensaiado fora do set, mas infelizmente estava saindo tudo diferente no set. Rutger parecia distraído. Ele simplesmente não estava recebendo a energia certa. Gene não conseguiu o que precisava, não conseguiu reagir. Eu me juntei aos dois. Nossos rostos estão a centímetros um do outro, mesmo assim tivemos que gritar para nos ouvir. Assegurei-lhes que entendia o quão difíceis eram essas condições. Então eu entrei no âmago das emoções de cada personagem para motivá-las. De repente, no meio do meu discurso filosófico, Rutger começou a rir. "Eu não preciso de motivação! Eu preciso que você tire esse maldito chapéu estúpido e piscante! Toda vez que vejo você nele, não consigo parar de rir! Tanto Gene quanto eu rimos alto. Tirei o chapéu. Voltei para a câmera. Todos se reposicionaram Ligaram o som. Ligaram a câmera ... Ação!" A cena foi perfeita! "Isso é um filme!"


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor (ou diretora) do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? E claro… por quê?

G.S.: Sempre invejei os pioneiros do cinema. Há muitos. Mas eu vou escolher Charlie Chaplin quando ele estava fazendo "Tempos modernos". Ele teve que inventar tudo. Cada  filmagem desta obra foi inovadora. Construindo comentários sociais em uma ótima comédia visual. Nada nesse filme é derivado. Estar dentro desse cérebro enquanto ele resolvia cada problema seria o paraíso.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?


G.S.: Eu sou muito orgulhoso dos efeitos práticos de "Poltergeist III", embora como filme, como narrativa, seja o meu menos favorito. Tenho orgulho do visual e da atmosfera de "Os mortos vivos", da emoção do “Vice Esquadrão”, mas acho que meu maior orgulho é o "Homem" no Metrô da morte,  criando um "monstro" sem voz, animalesco e predatório, com mais humanidade e mais simpatia do que a maioria dos personagens "humanos".

Meu único arrependimento foi parar quando parei. Eu tinha minhas razões então, mas agora gostaria de ter continuado o caminho em que estava em vez de desviar para coisas diferentes. Havia mais filmes a serem feitos.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

G.S.: "A vida de cada homem toca tantas outras vidas. Quando ele não está por perto, ele deixa um buraco terrível, não é?” Clarence para George Bailey em "A felicidade não se compra (1946)"  de Frank Capra

M.V.: Filme inesquecível. Obrigado. Foi um grande prazer


Tecnologia do Blogger.