CREPÚSCULO DE UMA RAÇA (1964) - FILM REVIEW

crepusculo-de-uma-raca-1964-film-review

Raros são os casos em que um diretor, que realizou muitos filmes ao longo de décadas, cheguem a idades mais avançadas ainda no auge de seu ofício. É bem normal que percam o ritmo. Crepúsculo de uma raça é o penúltimo filme da extensa filmografia de John Ford, que se iniciou em 1917, ainda no cinema mudo. E por ele ter realizado tantas obras primas, principalmente entre os anos 40 e 50, este épico é menos bem visto pelos fãs. O que é um erro absoluto, já que estamos diante de um autêntico John Ford, com grande elenco, muito bem filmado e uma ótima história. 

Ela se passa em 1878, quando o governo deixa de entregar os suprimentos necessários à tribo indígena Cheyenne, como prevê um tratado assinado pelos governantes. Famintos e sentindo-se injustiçados, centenas de índios decidem sair da reserva em Oklahoma numa jornada de 1.500 milhas até o Wyoming, local original onde sempre viveram. Thomas Archer (Richard Widmark), um capitão da Cavalaria Americana, é designado para a missão de conter os Cheyenne e evitar a viagem. Mas durante o percurso, o oficial passa a respeitar a coragem dos índios e decide ajudá-los. 

A vontade de Ford em realizar um filme que contasse a história do êxodo de Cheyenne é antiga. Quase 10 anos antes, um roteiro, dando tratamento menos épico aos eventos já havia sido escrito. Sua intenção era fazer um filme em pequena escala, sem grandes nomes.  Os primeiros rascunhos do roteiro foram baseados no romance de Howard Fast, The Last Frontier. Mas ao longo do tempo, ele foi abandonando elementos do livro.

E com o tempo, nomes começaram a surgir para o elenco principal. Ford, ainda que contrariado, abandonou a ideia de um filme intimista e partiu para o épico. Ford queria que Anthony Quinn e Richard Boone interpretassem Dull Knife e Little Wolf como atores conhecidos por terem sangue nativo americano. Ele também sugeriu o ator Woody Strode para um papel. O estúdio insistiu no elenco de Ford, Ricardo Montalban e Gilbert Roland.

Spencer Tracy foi escalado pela primeira vez como o Secretário do Interior Carl Schurz, mas ele teve um ataque cardíaco e foi substituído por Edward G. Robinson . Suas cenas foram inteiramente filmadas em estúdios, incluindo a cena culminante do encontro entre Schurz e os chefes Cheyenne.

Quando o crítico de cinema Peter Bogdanovich visitou o set para entrevistar John Ford, ele foi apresentado a Nancy Hsueh, que interpretou Little Bird, que Bogdanovich posteriormente escalou em seu primeiro filme, "Na Mira da Morte (1968)." Enquanto Bogdanovich estava no set, Sal Mineo recomendou-lhe o livro "The Last Picture Show" de Larry McMurtry . Sete anos depois, Bogdanovich levou o livro às telas, como seu segundo filme, " A Última Sessão de Cinema (1971)". Ben Johnson, que aparece neste filme, também apareceu em "A Última Sessão de Cinema", pelo qual ganhou um Oscar.

O papel do tenente Scott foi originalmente oferecido a Jeffrey Hunter, que recusou para estrelar a série de TV "Temple Houston (1963)". O papel acabou sendo dado a Patrick Wayne. A série de Hunter só durou uma temporada antes de ser cancelada.

De acordo com John Ford e James Stewart, a Ford adicionou o segmento com Stewart no lugar de um intervalo. Ele não queria que as pessoas saíssem do cinema para ir ao banheiro ou bombonière, embora o filme fosse longo. Então ele criou o segmento de Wyatt Earp. Mais tarde, ele brincou com Stewart que o ator era o "melhor intervalo" no cinema.

Esta versão tinha em torno de 2 horas e 45 minutos, mas depois a Warner Bros. mais tarde decidiu cortar a sequência "Dodge City" do filme, reduzindo o tempo para 2 horas e 25 minutos, embora a versão integral tenha sido exibida nos cinemas durante o lançamento inicial do filme. Posteriormente, o trecho foi restaurado para o VHS e subsequentes lançamentos de DVD. Curiosamente, os INTERMISSION e o ENTRE'ACTE foram mantidos (começam em torno de 1 hora  e 39 minutos)

É bem curioso o fato de que a sequência parece realmente desencaixada do filme. Parece realmente o que foi: um trecho gratuito, sem nexo com o filme, só para ocupar o espaço do intervalo.

Ford manteve sua tradição e filmou grande parte do filme no Monument Valley, na fronteira do Arizona com Utah, onde Ford filmou algumas das cenas mais memoráveis do cinema em diversos dos seus filmes.  

De toda forma, é uma bela obra, que foi não somente o Crepúsculo de uma raça, como também de um cineasta. E todo John Ford merece um lugar de destaque na coleção de qualquer amante do cinema. 


Classicline lançou este filme imperdível em DVD, que pode ser adquirido no site da empresa ou nas lojas parceiras. Abaixo, veja detalhes da edição. E para comprar, só clicar no link acima. 
 
➤Informações do filme e da edição:

Elenco: Richard Widmark, Carroll Baker, Karl Malden
Direção: John Ford
Produtor: Bernard Smith
Roteiro: James R. Webb
Fotografia: William Clothier
Direção de Arte: Richard Day
Ano de produção: 1964
Pais de Produção: Estados Unidos
Formato de tela: Letterbox
Cor: Colorido
Duração Aprox.: 157 min aprox.
Idioma: Inglês , Português
Legendas: Espanhol , Português

Extras: Galeria de Fotos, Cartazes originais.




Tecnologia do Blogger.