RICK MCCALLUM - RESPONDE ÁS 7 PERGUNTAS CAPITAIS


Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto incrível. São apenas 7 perguntas, mas que fornecem um pequeno mosaico da carreira e paixão do entrevistado (a) pelo cinema.

E hoje, com vocês, o dublê Rick McCallum.

Boa sessão:  


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS e DVD que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

R.M.: Meus pais me levavam muito ao cinema quando eu era jovem, e me apaixonei pela ação, pelos heróis, gostava muito de faroeste e John Wayne era meu ator favorito. Eu podia me imaginar estando ao lado dos atores e fingir que era outra pessoa. Isto sempre foi atraente para mim. Eu ia aos cinemas tão frequentemente quanto podia.

2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga qual o filme mais importante da sua vida. 

R.M.: O filme mais importante da minha vida foi facilmente Depois do Vendaval, estrelado por John Wayne e Maureen O’Hara .. Apenas assisti-los naquele filme, a química entre o casal, foi mágico.

3) Seu primeiro foi McQuade, o lobo solitário, que na minha visão, é um dos melhores filmes que reverenciam o western, Como e por que você começou a ser dublê? 

R.M.: Quando eu tinha cerca de 3 anos, meus pais me levaram a um filme de faroeste, e em uma das cenas um cowboy dirigiu uma carroça de um penhasco. Fiquei fascinado por vê-lo cair de tão alto e depois aterrissar na água.

Quando chegamos em casa mais tarde, tínhamos acabado de jantar e mamãe e papai se acomodaram no sofá para assistir TV. Nós morávamos em uma casa que tinha uma escada íngreme que descia até a porta da frente. Em um dia, enquanto eles estavam sentados lá, vim dobrando a esquina em meu pequeno velocípede, pedalando o mais forte que pude direto para as escadas. 

Meu pai saltou para tentar impedir que eu caísse, mas eu estava quase na escada e indo rápido demais. Ele assistiu com horror enquanto eu voava pela escada e batia de cara no patamar na parte inferior da escada, e ganhei dois olhos roxos por minha travessura. Desde aquele dia meu pai sempre disse que eu seria dublê, e ele estava certo!

M.V.: Quanto treinamento você precisou para entrar na profissão? 

R.M.: Durante todo o ensino médio, pratiquei muitos esportes e fui muito atlético. Treinei para muitos esportes diferentes, então sabia que poderia fazer acrobacias. Naquela época, o negócio de dublês era mais uma coisa do tipo mentor, onde você aprenderia observando os outros dublês, e se você mostrasse alguma habilidade, eles geralmente mostrariam mais. A cada filme em que você trabalhasse, você aprenderia mais habilidades e técnicas, como como dar um soco de maneira adequada, como receber um soco e como fazer com que pareça real. Muitos caras trabalharam juntos e você aprenderia mais estando lá. Assim que eles vissem que você era bom o suficiente, eles começariam a trazê-lo para outros filmes.

M.V.: Você já recusou um papel porque era muito perigoso?

R.M.: Eu saltei do capô de carros em barris de aço, saltei de um mini trampolim correndo a toda velocidade, virei no ar e bati em uma porta de metal enrolad e depois caí no concreto. O negócio de dublês não é para os tímidos. A única façanha que recusei foi quando me pediram para pular de uma varanda em uma mansão que teria mais de 6 metros de altura até o concreto sem uma almofada de choque, apenas o concreto. Podemos não ser tímidos, mas nós também não somos estúpidos, pois eu poderia facilmente ter quebrado minhas pernas ..

4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. 

R.M.: Uma história interessante e engraçada aconteceu quando Kane Hodder (que interpretou Jason em quatro dos filmes Sexta Feira 13) e eu estávamos em Nova York e tivemos que recriar a famosa cena de Footloose para o filme "Old 37", onde a garota sobe em 2 carros enquanto dirigem pela estrada, e ela tem um pé em cada carro .. A última vez que fizemos isso estávamos fazendo curvas a 60 Km/h, uma coisa muito difícil de fazer. Claro que ela estava amarrada a um dos carros, mas ainda era muito perigoso. .

Depois de termos finalizado as várias tomadas para que pudessem pegar todos os ângulos, o diretor perguntou se poderíamos fazer uma arrancada com os carros, pois eles tinham o veículo da câmera com o equipamento em uma haste na parte de trás, e poderia ser movido para cima e para baixo conforme necessário. Kane disse ao diretor que subiríamos um ao lado do outro, chegando muito perto, como se estivéssemos tentando assustar um ao outro, e então iríamos seguir em frente e cortar na frente do outro carro, e então eu iria faça o mesmo com ele, interrompendo-o.

Quando o fiz, olhei e estávamos indo rápido na abertura da câmera, e a ela foi apontada para baixo. Eu vi Kane indo com intensidade, fingindo que ia bater no meu carro e fiquei pensando que seria o fim porque estávamos chegando muito perto da câmera e eu sabia que Kane não tinha espaço suficiente para ultrapassar na minha frente, olhei e ele o fez bruscamente, mirando meu pneu dianteiro esquerdo, então empurrei o volante com força para a direita, com as duas atrizes gritando desesperadamente enquanto Kane passou voando por mim direto para a câmera ..

O cinegrafista filmou a câmera no momento em que Kane travou os freios e parou bem embaixo dela. Foi uma experiência incrível de fazer! Voltamos para o local onde o diretor e a equipe estavam assistindo a cena nos monitores e todos começaram a gritar e aplaudir. O diretor veio até nós e disse empolgado: “Kane, pensei que você fosse colidir com frente do carro de Rick!". Kane replicou que sabia que eu não o deixaria ele me bater e eu sabia que Kane não me deixaria bater nele. 

Estávamos indo embora quando sussurrei "Eu realmente gostaria que você tivesse tivesse esta certeza, seu rato" e nós dois começamos a rir ..

5) Há um filme que você gostaria de ter trabalhado? Pode ser de qualquer época, mas preferencialmente, um clássico.

R,M.: Adoraria ter feito "Depois do vendaval"!

6) Agora voltando para sua área de atuação. Qual trabalho você fez com muito orgulho? E em contrapartida, qual você mais se arrependeu de ter feito?

R,M.: O trabalho que mais me orgulho são as cenas de direção de que falei acima. Foram muito difíceis de fazer, perigosas, pois tínhamos o dublê de pé em ambos os carros, o que significava que os carros tinham que estar muito próximos para que suas pernas alcançassem, e nós não poderíamos colidir com os carros ou ela poderia perder o equilíbrio. Provavelmente fizemos a cena pelo menos uma dúzia de vezes. Quanto aos arrependimentos, não me arrependo de nada. Fui apanhando ao longo dos anos de vez em quando, mas isso acontece no ramo.

7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

R,M.: Acho que a melhor frase que representa as acrobacias seria no filme Tombstone, quando Doc Holliday e Johnny Ringo estavam se preparando para filmar e Doc olha para Ringo e diz: “diga quando”.

M.V.: Obrigado amigo. Mas não posso deixar de comentar. Na minha entrevista anterior, o entrevistado citou a mesma frase. Uma coincidência gigante, já que a frase é marcante apenas para quem curte o filme.


Tecnologia do Blogger.