O QUE É A NEW FRENCH EXTREMITY

o-que-e-new-french-extremity

Os movimentos cinematográficos nascem em função de um pensamento novo que começa a ser difundido e é aceito pela geração cinematográfica vigente, buscando criar similaridades e adotar discursos com certa função, além de dar identidade aos filmes.

A New French Extremity não foi diferente. E ela foi controversa, como o próprio nome sugere, que veio do crítico de cinema James Quandt para as características de alguns filmes subversivos em sua crueza. Surgidos principalmente no final da década de 90, ganharam força na virada do século 21,


Curioso é que o nome foi dado de forma pejorativa, tal como foi a "Pornochanchada", mas estilisticamente diversificado, tanto de filmes quanto cineastas. Independente das visões diferentes, algumas representações passaram a ser recorrentes, como a excessiva brutalidade (aqui cito a brutal cena do espancamento a olho nu em Irreversível como momento chave),  sexualidade á flor da pele, porém muitas vezes mostrada com tensão ou violência (como o próprio Irreversível), a violência cotidiana aliada uma decadência social, construindo para depois destruir a identidade dos personagens, impulsos quase psicóticos surgindo, mesmo nos protagonistas e ainda assim, tentado deixar uma crítica político/social.

Influências

Através deste pequeno mosaico de características, pode-se notar uma relação estreita com outros realizadores e movimentos. De Pasolini a  David Cronenberg, passando por Massacre da Serra elétrica,  Jean Luc-Godard e até obras de  Salvador Dalí e Pablo Picasso. De Luis Buñuel a Roman Polanski. Sem esquecer os slashers, os filmes de home invasion e os body horrors. Uma miscelânea tão dispare que fica difícil de entender sem ver o resultado nas telas. Mas basicamente, sua origem vem dos cinemas dos anos 60 e 70. 


Se pensarmos que os cineastas mais importantes do movimento nasceram nesta época, tem-se ai a explicação do por que desta afinidade. Que é apaixonado por cinema tem sua raiz associada ao seu próprio natalício. Eu por exemplo, nasci em 1976. E o cinema que sou apaixonado é basicamente, dos anos 70 e 80. Curioso não?

Misoginia?

O movimento vem sendo acusado de ser misógino, o que é uma besteira tão grande quanto dizer que uma série como "Queer as folk" tem muitos integrantes LGBTQIA+. Movimentos são um espelho comportamental, uma manifestação artística de um grupo menor, que atrai sistematicamente quem compactua com suas ideias. Por exemplo, os filmes slasher eram misóginos e mesmo assim, vários deles foram dirigidos ou roteirizados por mulheres, sem que estas estabelecessem novos parâmetros para o subgênero. 


Ou seja, não adianta "acusar" um movimento, gênero ou sub-gênero de características que se modificadas, vão transformá-lo em outra coisa. Ame ou deixe-o. Simples assim. A New French Extremity é uma onda orgânica de cinema deliberadamente transgressivo, e como tal, causa incômodo entre filmes de arte, terror, terror e exploração. Os filmes desta NFE não são, no final das contas filmes violentos, mas sim obras sobre a violência e seu maior impacto no mundo 

Gostaria de escrever um livro que enlouquecesse os homens, que fosse como uma porta aberta levando-os aonde jamais teriam consentido em ir, enfim, uma porta que se abre para a realidade.
Antonin Artaud - poeta, ator, escritor, dramaturgo, roteirista e diretor de teatro francês de aspirações anarquistas.  Foi colocado num hospício e lá foi sujeito a inúmeras sessões de eletrochoque, até ser morto pelo processo poucos anos depois.


Deixou legado?

Bom, como ela está em andamento, não há legado, mas certamente influencia filmes de outros locais, como México e EUA, mas a Europa é o principal foco da onda. Enquanto escrevia este post, assisti a um filme chamado “Sozinha”, dirigido por John Hyams (filho de Peter Hyams) sobre uma viajante recentemente viúva que é perseguida por um cara bastante suspeito. E o filme é um New French Extremity raiz que vale muito a pena ser conhecido. Com todas as suas virtudes e defeitos. 

Abaixo, uma lista de 10 filmes essenciais, seja na forma, seja no conteúdo. Seja por ser um filme importante dentro do movimento, seja um filme que propõe uma releitura de alguma história clichê, mas com a roupagem da New French Extremity.


Manu e Nadine são duas jovens mulheres, que após passarem por situações traumáticas, são marginalizadas pela sociedade ao embarcarem em uma jornada destrutiva de sexo e violência. Quebrando normas e matando homens, elas provocam controversas cenas pela estrada da França.


Shane (Vincent Gallo) e June (Tricia Vessey) casaram-se recentemente e estão em plena lua-de-mel em Paris. Shane é um homem atormentado por ter um grande apetite sexual e, por causa disto, decide procurar seu velho conhecido Léo Semeneau (Alex Descas), um médico com quem trabalhou em experiências sobre a libido humana. O Dr. Semeneau está atualmente à procura de Coré (Béatrice Dalle), sua esposa, que era mantida presa no quarto mas fugiu recentemente. Shane decide ajudá-lo e acaba encontrando-a, agachada sobre um rapaz ensanguentado e cheio de mordidas.


O filme narra, de trás para frente, a história de uma vingança. A primeira sequência mostra dois amigos desesperados, Marcus (Vincent Cassel) e Pierre (Albert Dupontel), saindo pelo submundo de Paris à procura do homem que teria estuprado e espancado Alex (Monica Bellucci), a atual namorada de Marcus e ex-namorada de Pierre. Em seguida, a narrativa volta passo a passo no tempo para mostrar como Marcus e Pierre descobriram o nome do autor do crime, recuando até o próprio estupro e os eventos que o antecederam.


Alexia (Maiwenn) viaja com Marie (Cécile de France) até sua casa de campo, para as duas poderem estudar juntas para as provas que se aproximam. Quando anoitece, um violento maníaco aparece armado na casa e mata toda a família de Alexia, incluindo seu cachorro. Marie consegue se esconder do assassino, que leva sua amiga como refém. Ela, então, o segue para tentar salvá-la e descobrir a identidade do bandido.


Um dia Georges (Daniel Auteuil) e sua esposa Anne (Juliette Binoche) recebem uma fita de vídeo com imagens de sua casa, que fora filmada por uma câmara instalada na rua. Depois disso começam a receber desenhos sinistros. Assustado, o casal tenta descobrir o autor daquelas misteriosas ameaças que perturbam a paz de sua família. Logo percebem que quem os persegue conhece mais sobre o seu passado do que eles poderiam esperar.


Sarah, uma jovem fotógrafa, está sozinha na noite de Natal. Ela está assim desde que seu marido morreu num acidente de carro. Só e grávida, recebe apenas as visitas de sua mãe dominadora e de seu chefe egocêntrico. A noite de Natal é o último dia antes de ir para o hospital ter seu bebê. Mas o silêncio de sua casa é quebrado quando uma misteriosa mulher bate à sua porta. Sarah desconfia e não atende. Todavia, a mulher se recusa a ir embora. Quando as coisas começam a se complicar, Sarah fica temerosa e chama a polícia, enquanto a mulher a observa pela janela.


A fim de ajudar a uma jovem grávida que precisa desesperadamente esconder sua gravidez da família, seus amigos começam a roubar para reunir os fundos necessários para fazer o aborto na Holanda. Fugindo da polícia, o pequeno grupo se refugia num velho terreno de mineração improdutivo, num bosque na fronteira com Luxemburgo e descobre um albergue administrado por donos perigosos: neonazistas canibais!


Lucie, uma menina de dez anos que desapareceu meses atrás, é encontrada em uma estrada, desorientada, sem lembrar de nada que aconteceu. Seu corpo está todo maltratado e as razões de seu desaparecimento são um mistério. Internada em um hospital pelos traumas causados, ela faz amizade com outra menina chamada Anna. Quinze anos depois dessa terrível experiência, Lucie embarca em uma sangrenta vingança contra os seus opressores, ou quem ela acredita que são.


Na família de Justine (Garance Marillier), todos os integrantes trabalham com a área veterinária e são vegetarianos. No entanto, assim que Justine pisa na escola de veterinária, ela acaba comendo carne. As consequência deste ano logo serão sentidas e chocarão toda a família.


Três homens casados e ricos fazem anualmente uma espécie de caçada no deserto. Desta vez, um dos empresários decide trazer sua amante (Matilda Lutz). Quando ela é abandonada para morrer devido a uma série de acontecimentos, eles terão que lidar com as consequências de uma mulher que busca vingança.


Tecnologia do Blogger.