OLIVIA DELAURENTIS - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

olivia-delaurentis-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto incrível. São apenas 7 perguntas, mas que fornecem um pequeno mosaico da carreira e paixão do entrevistado (a) pelo cinema.

E hoje, com vocês, a atriz, roteirista, produtora e diretora Olivia DeLaurentis (e filha da também atriz Diane Franklin)

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é uma apaixonada por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

O.L.: Comecei a fazer filmes de comédia aos 5 anos e comecei a escrever roteiros para  filmes aos 12 anos. Passei a maior parte do ensino médio lendo livros de roteiro e preenchendo meus verões dirigindo, escrevendo, editando e atuando em comédia de 30 minutos. filmes que foram a festivais de cinema como o LA Film Fest, o SoHo International Film Festival e o International Student Film Festival Hollywood. Recebi a Bolsa Mike Wallace Memorial no New York News & Documentary Emmys e um clipe do meu documentário foi exibido durante a premiação. Em seguida, frequentei a Escola de Teatro, Cinema e Televisão da UCLA, onde me formei com bacharelado. em Roteiro!


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

O.L.:  "Jovem Frankenstein" é definitivamente o meu filme favorito de todos os tempos. Primeiro, eu sempre idolatrei cineastas que escrevem e atuam em seu próprio material, e sempre fiquei realmente impressionada com o fato de Gene Wilder ter escrito o roteiro. Para mim, esse filme é a mistura perfeita entre o humor bobo e sarcástico, além de ser uma paródia genial.


3) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores por exemplo…

O.L.: Eu tenho várias! Uma vez, eu estava tentando filmar uma cena dramática e uma banda de verdade passou pela tomada, do nada. Outra vez, minha parceira de comédia Sydney e eu estávamos filmando uma cena no apartamento dela. Falávamos muito alto e de repente policiais entraram pela porta dos fundos porque outra pessoa no apartamento pensou que havia uma briga acontecendo (os policiais foram SUPER legais e tudo foi esclarecido depois, mas foi definitivamente insano no momento!).


4) Se pudesse, por um dia, ser uma atriz do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dela, uma obra prima sendo realizada, qual seria atriz e o filme? E claro… por quê?

O.L.: Eu adoraria ter sido Ruth Gordon em "Ensina-me a Viver" por um dia! Foi uma das minhas comédias de humor negro favoritas e um dos filmes mais inspiradores  quando eu era mais jovem, e as performances de todos são tão reais, engraçadas e ótimas!


5) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhosa? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

O.L.: Estou super orgulhosa de "Apocalypse Goals", que é o primeiro programa cujo minha parceira de comédia Sydney Heller e eu fizemos contrato! Escrevemos, dirigimos, atuamos e editamos a série digital para o Snapchat e obteve milhões de visualizações, mas o mais importante é que tem exatamente o tom que queremos e foi tão divertido de fazer. Dito isto, o trabalho do qual eu mais me orgulho é uma série da web que fizemos anos antes na faculdade, chamada “Sugar Babies”, porque fizemos por conta própria, com talvez uns 250 dólares, às vezes sem diretor de fotografia e apenas amigos. Mesmo tendo sido uma guerra pessoal que enfrentamos, fiquei tão orgulhosa que não esperávamos que "tudo fosse perfeito" para tornar engraçado o que pensávamos, e isso acabou nos levando a ter representação!


Sobre o que mais me arrependo... Boa pergunta! Não tenho certeza se realmente me arrependo de qualquer trabalho que fiz porque tudo o que você faz leva a aprender algo novo e seguir em frente com sua carreira, MAS se tivesse que escolher alguma coisa, provavelmente me arrependo de ter sido imprudente on-line porque queria ser um comediante e pensei que me tornaria mais engraçada parecer maluca nas redes sociais ... Mas percebi que você não precisa fazer isso para ser engraçada.


6) Você é atriz, diretora, editora, produtora, roteirista. Qual dessas funções melhor destacou seus anseios profissionais?

O.L.: Definitivamente, minha parte favorita é escrever, mas também é a parte mais difícil de realizar. A melhor parte de escrever para mim é saber que realmente produziremos, dirigiremos e editaremos o script que estamos escrevendo... Assim, todos os trabalhos estão entrelaçados para mim. O melhor é que minha parceira de comédia Sydney Heller e eu gostamos de editar e editamos todas as nossas coisas, porque sabemos a importância da edição, especialmente para a comédia.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

O.L.: "Vá por esse caminho, muito rápido. Se algo estiver no seu caminho, desvie"
do filme 'Minha vida é um desastre'.

M.V.: Obrigado, foi um prazer.

O.L.: Muito obrigado a você

 

Tecnologia do Blogger.