MELANIE KINNAMAN - RESPONDE ÁS 7 PERGUNTAS CAPITAIS


Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será de outra forma. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês a atriz e dançarina  Melanie Kinnaman

Boa sessão:

1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS e DVD que faziam parte do nosso cotidiano. Você é uma apaixonada por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

M.K.: O Cinema sempre foi uma espécie de magia para mim, especialmente quando criança. Adorei ir ao cinema e “fugir” para outro mundo! A emoção de ver o mais novo lançamento ... o cheiro da pipoca estourando e ouvir as vozes animadas de quem corre para seus lugares. E os filmes eram tão transcendentais! Eu amei especialmente os musicais do final dos anos 1960 e todas as animações da Disney. É a razão pela qual me tornei cantora e dançarina.

2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga qual o filme mais importante da sua vida.

M.K.: Mary Poppins, estrelado por Julie Andrews. O filme teve o maior impacto em minhas memórias. Foi uma época turbulenta na minha infância, pois meu pai estava doente e morrendo. Minha mãe me levou para ver Mary Poppins no domingo de Páscoa, apenas nós duas, e isso significou tudo para mim. Fiquei fascinada quando a cortina abriu e o filme me transportou para outro lugar e tempo. Foi pura felicidade por duas horas e mudou meu ano. Eu aprendi e cantei todas as músicas do show e ainda faço.

3) O que desencadeou seu desejo de se tornar uma atriz? Como você traz o personagem do roteiro para a vida? Qual parte de uma filmagem é mais desafiadora?

M.K.: Comecei a dançar com quatro anos de idade e me tornei uma cantora e dançarina profissional aos 13 anos. E durante uma apresentação ao vivo no palco, eu queria me tornar atriz. Cantar e dançar são formas de atuação, sabe? Foi uma progressão natural. 

Ao trabalhar e criar um personagem, você procura um terreno comum para se conectar com aquele personagem. Ao trabalhar e criá-lo, você procura um terreno comum para se conectar com ele. Você pesquisa para encontrar quem é essa pessoa... o que a motiva”. Você então torna essa conexão verdadeira para você. Você personifica essa pessoa. Você os leva da palavra escrita para o seu coração. Além disso, viajar para novos locais para filmar é o mais desafiador.

No entanto, ser levado para longe de casa e ter familiaridade ajuda no processo criativo. Estar em um território desconhecido desencadeia uma centelha criativa em mim!

4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. 

Lembra de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores por exemplo…

M.K.: Vou contar uma história engraçada: quando eu tinha 19 anos, fui escalada para um dos primeiros longa-metragens de Jonathan Demme, “O Abraço da Morte”, estrelado por Roy Scheider. Eu interpretei uma prostituta na cidade de Nova York. Estávamos filmando minha cena na 8th Avenue com a 42nd Street e eu estava com pouca roupa. 

Era uma cena minha andando pela rua sozinha enquanto recebia uma proposta de “Johns”. Alguns pedestres não sabiam que era um filme e que eu estava atuando. Um maluco pulou na minha frente me agarrou, o diretor gritou “corta” e salvou minha vida… ou pelo menos minha “virtude”  (risos) !!!


5)  Se pudesse estar num set de filmagens num dia, e através deste dia, ver uma obra prima sendo realizada, qual seria o filme? E por quê?

M.K.: O filme seria certamente "E o Vento Levou" e qualquer obra do diretor seria Quentin Tarantino.  Imagino que nenhuma explicação é necessária!!


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 

E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?


M.K.: Quanto a arrependimentos... Não tenho nenhum. E tenho muito orgulho do meu trabalho no palco, especificamente interpretando o papel de “Maggie” em Gata em teto de zinco quente.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

M.K.: "Toto, tenho a sensação de que não estamos mais no Kansas ”!!
Mágico de Oz

M.V.: Obrigado. Foi um prazer.




Tecnologia do Blogger.