MICK GARRIS - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

mick-garris-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será de outra forma. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês o diretor americano Mick Garris

Boa sessão:


1)  É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

M.G.:
 É minha paixão, meu hobby, minha vocação. Eu me apaixonei por filmes desde muito cedo, e eles têm sido uma parte importante da minha vida desde então. Tudo começou com os filmes de terror da Universal e a  série Além da imaginação, além dos livros de Ray Bradbury e Richard Matheson.


2)  Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

M.G.:
 Eu realmente não faço listas; assim como eu não acredito em prêmios como competições. Cinema e arte não são esportes competitivos. Mas como eu disse, os primeiros filmes da Universal foram uma grande influência. Hitchcock e Cronenberg significam muito para mim. Mas Preston Sturges e Guillermo del Toro também. E meus interesses vão muito além do gênero de terror, pode acreditar.


3) Como jornalista e crítico de cinema, fiz análises sobre alguns filmes que tiveram sua assinatura: Amazing stories, Criaturas 2, Sonâmbulos, Iluminado e Dança da morte. Você esteve envolvido no roteiro, produção e direção com diversos filmes de terror e ficção científica, incluindo muitas adaptações de Stephen King. Por que esse gênero é tão importante para você?

M.G.:
 Eu acho que você é mais capaz de expressar imaginação em gêneros baseados na realidade, mas também pode passar para o mundo dos sonhos, para o surreal, abraçando nossos medos e tornando-os vivos sem que eles sejam ameaçadores. Eu gosto de poder brincar de forma segura com a morte. E é importante poder compartilhar histórias com pessoas que não se sentem parte da sociedade, para abraçar o outro lado.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores por exemplo…

M.G.: Uau. essa é uma pergunta muito geral. É tão ampla que não sei como responder.
M.V.: Como foi, por exemplo, trabalhar com Stephen King?
M.G.: Ele é o homem mais generosamente criativo que eu já conheci, e tenho muita sorte não apenas de ter trabalhado com ele, mas também de me tornar seu amigo. Não há experiência como essa.


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? E claro…porque?

M.G.:
 Hmmm ... também é uma pergunta difícil. Mas seria incrível estar envolvido no Psicose original. Embora eu tenha tido a sorte de dirigir o Psicose IV e trabalhar com Anthony Perkins e o diretor assistente de Hitchcock, Hilton Green, teria sido notável ter visto tudo isso como aconteceu.
E talvez, o filme tenha sido tão importante porque eu o vi Psicose em um cinema drive-in em Los Angeles quando eu tinha apenas sete ou oito anos de idade.


6) Voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

M.G.:
 Não há nada que me arrependa de ter feito. Não gosto de olhar para trás. Claro, tudo poderia ter sido melhor do que era; não existe perfeição nas artes, no que me diz respeito. Você faz o melhor trabalho possível nas circunstâncias oferecidas a você. Mas meu filme "Montado na bala", que escrevi, produzi e dirigi de forma independente, com base em um conto de Stephen King, é o mais pessoal. Acrescentei muito a ele da minha própria vida e tentei fazer algo emocional e evocativo sobre a perda de entes queridos, e o filme não teve sucesso. Não foi amplamente visto. Provavelmente não é o melhor filme que já fiz, mas é o que me sinto mais próximo.

M.V.: Curioso. De todos os filmes que fez, é o único que nunca revi.


7) Agora, para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente ou uma lição para deixar aos leitores.

M.G.:
Você gosta de fazer perguntas difíceis hein? Mas, para mim, fazer filmes é cercar-se de pessoas ansiosas e talentosas, trabalhando juntas para contar uma história que envolverá o público, lhes trará sentimento, além de uma experiência memorável da qual farão parte.

M.V.: Obrigado amigo. Foi uma honra.

Tecnologia do Blogger.