MELISSA ANSCHUTZ - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS


Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será de outra forma. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês a atriz e produtora Melissa Anschutz

1)  É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é uma apaixonada por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

M.A.: Lembro que ir ao cinema tinha um ar romântico. Chegar para ver as pessoas indo e vindo me fez sentir como se estivesse vivendo o momento que queria. Ver as filas de rostos entusiasmados esperando nas filas por suas pipocas, doces e bebidas, esperando para serem arrastados por algumas horas para outro mundo quando se sentiriam pessoalmente conectados a pessoas que ainda não conheceram. Então vinha a caçada para encontrar os lugares perfeitos, sem alguém na minha frente, muito alto ou de chapéu, centralizado exatamente para que eu não perdesse um único momento de contemplação da tela. 

E quando as luzes começavam a diminuir, meu coração batia um pouco mais rápido em antecipação pela história diante de mim. Eu inclinava minha cabeça para trás, me acomodava e, em seguida, abria minha mente completamente para me permitir começar a ... imaginar. Isso é o que ir ao cinema foi para mim: um evento. E adorei cada pedaço desta experiência!


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. 
E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

M.A.: Dos filmes que trabalhei, sempre achei essa uma pergunta difícil. Tipo ‘quais dos seus filhos são mais importantes’ porque é assim que me sinto sobre todos os meus filmes, apaixonados e investidos. Cada um carregando uma qualidade única, tornando-os especiais. Se eu tivesse que escolher um, seria "Coração Perdido".  Nele, tive a oportunidade de trabalhar com muitos grandes talentos, Victoria Jackson e Don Most eram atores que eu assistia e admirava quando criança e, além disso, eram a natureza peculiar dos personagens do filme. Isso ofereceu a atores que podem não ser tão conhecidos, um palco para mostrar seus talentos excepcionais, e nenhum desses atores se deteve. 

Eles "se tornaram" a família e as pessoas da cidade de "Coração Perdido", guiando meu personagem para fora de seu quebrantamento. Eles ensinaram à minha ‘Hannah’ que o que mais importava era o amor. Cada ator na frente das câmeras e cada artista da equipe atrás, se dedicaram a esta história, a este mundo e a esta mensagem. "Coração Perdido" é elevado em meu coração, intocado, porque também foi o último filme que fiz enquanto o amor da minha vida "real" ainda estava vivo.


No cinema em geral, vou citar dois que impactaram minha vida. Primeiro "O Conde de Monte Cristo", porque ensina ao público que com ódio e vingança nunca sentirá felicidade ou paz de verdade, e o outro, "Força do destino", porque nos mostra que 'todo o sucesso do mundo, não significa nada, a menos que você tenha alguém com quem compartilhar', ironicamente essa também é uma frase de "Coração Perdido". E acontece que sou uma romântica incurável, então qualquer pessoa que tenha visto aquele filme provavelmente pode adivinhar minha cena favorita. As mensagens de ambos os filmes tocaram meu coração e tiveram um impacto profundo em minha vida.

3) O que desencadeou seu desejo de se tornar uma atriz? Como você traz o personagem do roteiro para a vida? Qual parte da filmagem você acha mais desafiadora?

M.A.: Por muito tempo, pelo que me lembro, eu adorava atuar, os scripts se desenrolavam na minha cabeça. Eu poderia me tornar qualquer um ... uma médica, uma advogada, uma policial, uma professora, pobre, bem-sucedida, louca, engraçada. Eu poderia mudar meu rosto, minha voz, eu poderia fazer as pessoas chorarem ou rir, eu poderia fazer as pessoas "sentirem" e isso pareceria um presente. 

Quando recebo um roteiro, leio tudo, depois leio de novo e desta vez, penso na minha personagem em cada momento que ela vive na história, o que ela pensa, sente e como seus maneirismos mudariam para refletir essas coisas, exatamente como fazemos em nossas vidas reais. Então eu analiso suas palavras, eu descubro seu subtexto e a partir daí eu viajo pela sua vida. Por que ela se tornou quem ela é ? Como foi sua infância, do que ela teme, o que a faz sorrir e lhe traz a verdadeira felicidade, quais são seus segredos, suas inseguranças, seus pontos fortes, seus objetivos. 

Ela sempre foi apaixonada, ela foi magoada ... na minha mente eu tento entender os menores detalhes de sua vida para me tornar quem ela é na história. Os desafios nas filmagens podem surgir porque os detalhes da vida da minha personagem podem diferir significativamente dos meus e até que eu esteja realmente "no set", os detalhes da minha vida real estão muito presentes enquanto tento mudar e me transformar em outra pessoa. Em outras palavras, por exemplo, meu personagem pode não ser uma mãe, filhos para ela podem ser um incômodo, mas eu sou uma mãe que está de todo o coração investida em seus filhos. Então, até que eu esteja realmente no set, devo mantê-la em um canto da minha mente e esperar para libertá-la completamente.

4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. 

Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo…

M.A.: Anos atrás, fiz um filme de terror, finalizamos o filme antes do esperado e eu estava ansiosa para ver minha família, então, ao invés de optar por voltar para o meu hotel, decidi dirigir durante a noite para chegar em casa. Eu estava com tanta pressa de pegar a estrada para poder surpreender meus meninos estando lá quando eles acordassem, que não tomei banho, nem me troquei antes de sair. Algumas horas de viagem, precisei parar para tomar um café. Entrei em um posto de gasolina e me dirigi para a bebida mais forte. 

Havia apenas alguns clientes lá naquela hora da noite, mas notei seus olhares enquanto saíam correndo.Quando fui até o balcão para pagar meu café, o jovem simpático que estava me encarando, se inclinou e sussurrou baixinho 'você está bem'? Eu sorri, pensando que era uma pergunta estranha, e respondi, ‘sim, tudo bem, como você está’? Ele acenou com a cabeça e me deu o troco, mas quando eu estava saindo, dois policiais entraram e me pararam. Digamos que eu tenha esquecido os efeitos especiais da maquiagem e como parecia incrivelmente ‘real’! Passei os próximos minutos explicando aos maravilhosos policiais que eu realmente NÃO estava ferida e apenas uma atriz a caminho de casa. 😃

Outra história (e uma lição maravilhosa na verdade), é sobre o incrivelmente talentoso Rance Howard, pai do muito conhecido Ron Howard. Estávamos em Yuma, Arizona, filmando o último filme de uma trilogia de missões, um filme chamado "O soldado de Cristo". Estava QUENTE naquele dia e estávamos bem no meio do deserto! Produtores e Assistentes de produção estavam andando por lá colocando toalhas frias no pescoço da equipe e segurando guarda-chuvas sobre suas cabeças. Vários atores comunicaram naquele dia que não tinha e não iria deixar o alívio dos trailers com ar-condicionado até que fosse absolutamente necessário para filmar suas cenas. Saí do trailer e notei Rance sentado do lado de fora no calor. Eu me aproximei e disse a ele. “Rance, você deve sair desse calor, é insuportável e o RV é bem legal e muito mais confortável”.

Rance respondeu com toda a sabedoria de seus mais de 80 anos: "Oh Melissa, eu prefiro muito mais aclimatar minha temperatura corporal às condições em que estarei filmando, quero dizer, quando eles me chamarem para filmar minhas cenas, eu" Não poderei estar rodeado pelo conforto do ar condicionado então, então ir e voltar do frio para o calor extremo é muito pior para o corpo do que prepará-lo para a mesma temperatura que terá de suportar durante as horas que terá levar para filmar minhas cenas ”. Achei suas palavras tão sábias que peguei uma cadeira, sentei-me ao lado dele e esperamos juntos em silêncio sermos chamados para sentar. Este foi o último filme que Rance foi capaz de filmar conosco e sempre irei me lembrar e valorizar os tempos que passei com ele no set. Seu talento e dedicação à história diante dele foram inspiradores.

5)  Se pudesse, por um dia, ser uma atriz do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dela, uma obra prima sendo realizada, qual seria atriz e o filme? E claro… por quê?

M.A.: Olhando pelos olhos de Vivien Leigh, por ela ser a escolha menos óbvia para o papel que apropriadamente lhe deu o prêmio da Academia de melhor atriz (E o Vento levou). Trabalhar com o diretor Kevin Reynolds seria um sonho. Como Kevin Reynolds entende a escalada dessa indústria, sinto que isso permite que ele se conecte verdadeiramente com seus atores por meio do crescimento de seus personagens. Eu adoraria fazer uma história "contra todas as probabilidades" com ele que ofereceria desafios intransponíveis, para mostrar, não apenas como eles foram superados, mas como eles podem parecer diferentes em sua vitória.

6)  Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhosa? 

E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

M.A.: Eu gostaria de responder a isso como um ‘todo’ para a indústria, em comparação com minhas experiências individuais com filmes. Não me arrependo do trabalho que fiz, sei que certamente houve projetos que careciam significativamente de valor de produção e que, claro, criaram um produto final inferior ao desejado, mas sinto como se cada um deles trouxesse algo que me ajudou a seguir em frente na minha carreira. 

Com cada projeto, aprendi, conheci pessoas, algumas das quais continuo um relacionamento maravilhoso hoje, e vim a entender as perguntas importantes a serem feitas sempre que considero projetos em andamento. Se eu tivesse que escolher arrependimentos, eles seriam, não dormir o suficiente por causa do trabalho de produtora e uma vez eu fiz um projeto quando estava muito doente. Escondi bem, mas quando vejo aquele trabalho, posso ver a dor da doença e isso me lembra de um momento muito difícil da minha vida, se eu tivesse que fazer de novo eu me pergunto se teria recusado a função. 

O que mais me orgulho... do mesmo papel ... não por causa do desempenho, mas porque foi um momento da minha vida em que encontrei forças para superar. Eu superei minha própria vaidade e a dor excepcional que estava sentindo para fazer o que eu mais amo ... e contar uma história.

7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

M.A.: Esta é muito importante, que tocao meu coração e é do meu filme favorito “O Conde de Monte Cristo” ...

“Reis para você”. Porque eu acredito, com cada pedaço de quem eu sou, em celebrar aqueles ao meu redor, mesmo que minha própria vida esteja no meio do caos ou do desafio.

M.V.: Obrigado. Foi um grande prazer.


Tecnologia do Blogger.