SPARTACUS (1977) - FILM REVIEW

spartacus-1977-film-review

Hoje vamos falar um pouco do balé Bolshoi, do Spartacus e da fusão destes dois numa belíssima filmagem feita em 1977  lançada em home vídeo pela CPC Umes filmes. E esta história começou numa galáxia distante...

Bolshoi

Oficialmente fundado em 1776, 3 anos antes já tinha o movimento de uma escola de dança para um orfanato de Moscou em 1773. Mas em 1776, dançarinos da escola foram contratados pelo Príncipe Pyotr Vasilyevich Ouroussoff e pelo empresário teatral inglês Michael Maddox, para formar parte de sua nova companhia de teatro.  Maddox tinha um histórico de sucesso estabelecido no Haymarket Theatre (o terceiro mais antigo teatro de Londres), em Londres.


Originalmente atuando em locais de propriedade privada, eles mais tarde adquiriram o Teatro Petrovsky, que, como resultado de incêndios, seria mais tarde reconstruído como o atual Teatro Bolshoi. Enquanto alguns dançarinos convidados vêm e vão de outras companhias de balé de grande prestígio como Mariinsky e American Ballet Theatre, muitos dançarinos de companhia são graduados na academia. 

Sua história foi cercada de momentos gloriosos e naturalmente, controvérsias. No final das contas, uma empresa tão antiga, que envolve beleza e glamour, tem alguns ossos enterrados no quintal. Certa vez, uma bailarina afirmou que as dançarinas eram forçadas a dormir com clientes ricos (Verdade? Sim ou com certeza?). Em janeiro de 2013, um ataque com ácido sulfúrico ao diretor de arte Sergei Filin mais uma vez mergulhou a empresa em um escândalo. O dançarino do Bolshoi, Pavel Dmitrichenko, foi condenado por organizar o ataque e foi condenado a seis anos de prisão. Os motivos do ataque incluem corrupção dentro da empresa. 


Em 2014, a bailarina de 25 anos Olga Demina desapareceu misteriosamente. Em setembro de 2020, investigadores russos anunciaram que Demina pode ter sido morta em uma trama de chantagem por Malkhaz Dzhavoev, com quem ela estava namorando e alguns diziam ser seu "empresário". 

Em julho de 2017, o Teatro Bolshoi cancelou a estreia de um balé sobre o dançarino soviético assumidamente gay Rudolf Nureyev. O Diretor-Geral afirmou que era devido à má qualidade da dança; no entanto, a dançarina principal Maria Alexandrova afirmou que foi o primeiro sinal de uma 'nova era' de censura. 


Mas como amante do cinema, eu afirmo: o que vale é o espetáculo. Os bastidores, que nem sempre ficam nos bastidores, é outra história, que merece atenção, mas dissociada da obra que vemos. Um exemplo disto é o ator Kevin Spacey. O ator é um criminoso em diversas esferas, mas algumas de suas interpretações são absolutamente memoráveis. Os escândalos mudam isto? Nunca. O que muda é que ele dificilmente terá grandes papéis pela frente (sem falar na criminalização dos seus atos).

A palavra "bolshoi" significa "grande" em russo. A companhia opera em um sistema hierárquico, semelhante aos usados por outras companhias europeias de balé, com bailarinos seniores classificados como protagonistas, e decrescendo em ordem de importância por solista principal, primeiro solista, solista e finalmente, corpo de ballet. Devido ao seu tamanho, a empresa opera duas trupes de corpo de balé. Hoje o Balé Bolshoi continua sendo uma das principais companhias de balé do mundo, além de ser uma das maiores, com aproximadamente 220 bailarinos. 


Eu sou Spartacus

O general que se tornou escravo, o escravo que se tornou gladiador, o gladiador que desafiou o imperador.
Só que não!

Mas foi parecido. O escravo abalou o império durante alguns anos de uma rebelião com milhares de comandados que abalou a Itália. Ele foi morto de forma nada glamourosa, num ataque. Mesmo assim, ele fez história, quase 100 anos antes do nascimento de Cristo. No começo, ele fazia parte do exército romano mas não compactuava das regras que eram impostas.


Formou um exército com pessoas que não tinham a menor experiência em combate, mas este bando de escravos chegou a quase 100 mil revoltados. E com este grupo, ameaçaram o império de forma real, e à frente deste grupo, estava o ex-gladiador, que era exímio militar, Espártaco.

Como estes eventos são situados num tempo distante, não se pode cravar nada em relação aos acontecimentos. E historiadores divergem de suas qualidades. Alguns demonstram que ele seja um Lampião ou um Lamarca. Outros, um herói da Marvel (Ou DC? ). Entre estudos e especulações, a visão de Spactacus no cinema foi imortalizada pelo final grandioso do filme de Kubrick.


Anarquia

Roma era o Império Intergaláctico de Star Wars. Espártaco era uma mistura de Luke, Han Solo com as qualidades de combate e iniciativa de Maximus. Mas Roma não perdeu a batalha, ainda que tenha corrido riscos.  O grupo foi se formando naturalmente, e pelo caminho, foram acontecendo situações similares às histórias de Robin Hood: eles cercavam carregamentos romanos e num destes, eram armas. As autoridades romanas demoraram em se dar conta da gravidade da situação, talvez (ou com certeza), pela arrogância.

Já com o circo pegando fogo (e não Roma, claro, pois aí seria outra história), Crasso é encarregado de acabar com a mitologia. Falhou miseravelmente, mas conseguiu extinguir a vida do guerreiro, gladiador, escravo, que virou lenda. 


Em seu romance, o marxista americano Howard Fast, cria um Espártaco idealizado, herói sem mácula que luta de modo desigual, contra a cruel ordem estabelecida no mundo romano. 

Spartacus, o balé.

À partir dos anos 50, Spartacus passou a ser um nome conhecido no cinema, principalmente em 1960, com Kirk Douglas e Stanley Kubrick.  Escrito em 1954, é considerado um dos maiores balés do repertório do Bolshoi. Na história, que logicamente acontece no cenário (literalmente), da Roma Antiga, Spartacus, guerreiro trácio, é capturado por Crasso, junto com sua esposa Frígia. Forçado a lutar como gladiador e matar um de seus amigos, ele planeja e lidera um levante sem precedentes. 


Para amantes do balé, a produção, dirigida pelo bailarino e coreógrafo soviético Yury Nikolaevich Grigorovich e por Vadim Derbenyov, cinegrafista no Estúdio de Cinema da Moldávia, é deslumbrante. O fato de a direção ser dupla, com uma pessoa relacionada ao cinema, dá ao balé um tom cinematográfico. A direção de artes e cenários é maravilhosa. 

A obra, lançada em DVD, é um belo registro, que vale a pena ser assistido, principalmente, para fãs do formato.



A CPC Umes filmes lançou o filme em DVDO filme pode ser adquirido no próprio site da empresa, que abastece o mercado com grandes obras soviéticas. É só clicar na imagem acima e ser feliz...

Informações sobre a edição:


Tecnologia do Blogger.