SIMON BOSWELL - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

simon-boswell-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto incrível. São apenas 7 perguntas, mas que fornecem um pequeno mosaico da carreira e paixão do entrevistado (a) pelo cinema.

E hoje, com vocês o compositor Simon Boswell


Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

S.B.: Como muitas crianças da minha geração, fiquei traumatizado ao assistir o 'Bambi' da Disney - que foi minha primeira memória de um filme. Mais tarde, no início dos anos 60, minha mãe levou meu irmão e eu para ver 'Lawrence da Arábia', que foi a primeira vez que notei a música no cinema... 


E não posso dizer que inspirou minha carreira, pois realmente me tornei compositora de cinema por acidente. Como John Lennon observou com muita sabedoria: "A vida é o que acontece com você quando você está ocupado fazendo outros planos". Mas, tendo acabado acidentalmente como compositor de filmes, sinto-me extremamente sortudo porque amo o cinema acima de todas as outras artes. Paradoxalmente, acho isso mais real que o teatro, provavelmente porque os microfones permitem que os atores falem em volumes normais no filme, sem ter que projetar sua voz como um turista enlouquecido em uma terra estrangeira.

M.V.: Turista enlouquecido foi a melhor definição. Lembrei-me imediatamente do grande Al Pacino, que grita até em propaganda de hospital.  


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

S.B.: Contatos imediatos de terceiro grau. Pelas ideias, não pela música. Exceto claro, pelos tons reproduzidos em um sintetizador ARP 2500 no final do filme. Brilhante.


3) Você expressou certa vez ser influenciado músicos de rock clássico para compor suas trilhas. Confesso que Hardware: O Destruidor do Futuro e Phenomena estão entre as minhas preferidas. Existem artistas atuais que influenciam ou lhe interessam?

S.B.: Sendo sincero? Não. Continuo pensando em  Hendrix e Stravinsky.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo…

S.B.: Depois da estreia de  SANTA SANGRE no festiva de Cannes, Alejandro Jodorowsky e eu fizemos uma conferência de imprensa. É claro que ninguém estava muito interessado em mim, mas um jornalista perguntou a Alejandro o que diabos tinha em sua mente quando ele fez esse filme? Ele respondeu: ‘Eu não faço filmes com minha mente. Eu os faço com meus testículos. Foi épico.


5) Sempre olhamos para o cinema clássico com admiração. Diga-nos qual trilha sonora de um filme, que você gostaria de ter feito?

S.B.: Apocalypse Now. Não recordo de nenhuma música original que tenha um impacto real em mim. É claro que havia o Doors, Hendrix e Wagner, mas eu adoraria ter conseguido uma pontuação ritualística original para este filme.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

S.B.: O trabalho do qual ainda me orgulha depois de 30 anos é definitivamente SANTA SANGRE.
Eu realmente não me arrependo de nada. Você aprende com tudo, bom e ruim.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

S.B.: "Posso começar dizendo como estamos emocionados por tê-lo aqui. Somos fãs da sua música e de todos os seus discos. Não estou falando de você pessoalmente, mas de todo o gênero do rock and roll"
Isto é Spinal Tap (1984)

M.V.: Obrigado amigo. Foi uma honra.

Tecnologia do Blogger.