O MILAGRE NA RUA 34 (1947) - FILM REVIEW

o-milagre-na-rua-34-1947-film-review

O milagre pela fé

Milagre na Rua 34 utiliza de uma figura desacreditada para nos mostrar a importância de ter fé. O filme conta a história de Susan (Natalie Wood bem antes de ser assassinada), uma menininha criada  pela mãe Doris (Maureen O’Hara) para não acreditar nas figuras de infância como Coelho da Páscoa e Papai Noel. 

Descrente no espírito natalino, por um capricho do destino, se vê obrigada a contratar um substituto para o Papai Noel em alguns eventos e acaba contratando um que se diz o verdadeiro Papai Noel. Acusando-o de louco, Doris submete Kris a exames médicos que atestam que ele é insano. A questão é que Susan (Natalie Wood), filha de Doris, acredita fielmente que Kris seja o verdadeiro Papai Noel e passa a compreender o verdadeiro sentido do Natal.

Escrito e dirigido por George Seaton, baseado em conto de Valentine Davies, o filme ficou mais conhecido por “De Ilusão também se vive”.  O filme foi rodado durante um inverno extremamente frio em Nova York. Em várias ocasiões, as câmeras literalmente congelaram. Maureen O'Hara lembrou que uma mulher chamada Vaughn Mele vivia do outro lado da rua de onde eles estavam filmando exteriores e permitia que a equipe se aquecesse em sua casa. Em agradecimento, O'Hara levou ela e seu marido ao famoso restaurante "21" e ela ficou tão animada que tudo o que conseguiu beber foi um copo de leite.

De ilusão também se vive

Sem o conhecimento da maioria dos observadores do desfile, Edmund Gwenn representou o Papai Noel no desfile do Dia de Ação de Graças da Macy's, realizado em 28 de novembro de 1946. Ele cumpriu as funções da maioria do Papai Noel no desfile, incluindo dirigir-se à multidão da tenda da Macy's após o término. Ele foi apresentado à multidão por Philip Tonge, que interpretou o Sr. Shellhammer. Esse gesto simbolizou a abertura da temporada de Natal ali.

Como tal, uma preparação da cena foi cuidadosa, já que novos takes estavam obviamente fora de questão. A 20th Century Fox tinha câmeras posicionadas ao longo do percurso do desfile na linha de partida na 77th Street, no Central Park West, no terceiro andar de um prédio de apartamentos na 253 West 58th Street, na Herald Square e na 34th Street na 7th Avenue. "Foi uma corrida louca para conseguir todas as tomadas de que precisávamos, e tivemos que fazer cada cena apenas uma vez", disse Maureen O'Hara em sua autobiografia de 2004 "'Tis Hersel". "Estava muito frio naquele dia e Edmund e eu invejamos Natalie e John Payne , que assistiam ao desfile de uma janela."

De acordo com a biógrafa de Natalie Wood, durante as filmagens ela se convenceu de que Edmund Gwenn era na verdade o Papai Noel (segundo todos os relatos, ele era um homem muito bom no set). Foi só na festa de encerramento que ela percebeu que ele não era o Papai Noel.

Quando Edmund Gwenn recebeu o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, ele disse: "Agora eu sei que Papai Noel existe." O filme ganhou três dos quatro prêmios para os quais foi indicado ao Oscar, mas perdeu o de Melhor Filme para A Luz é para Todos (1947).

O elenco e a equipe técnica eram unânimes em sua opinião sobre Edmund Gwenn: eles o amavam. Alvin Greenman, que interpretou Alfred, o chamou de "um querido, querido homem", e Robert Hyatt , que interpretou Tommy Mara Jr., disse em uma entrevista de 2001: "Ele era um cara muito legal, sempre feliz, sempre sorrindo. Ele tinha um brilho em seus olhos. " Maureen O'Hara completou: "... no momento em que estavam no meio das filmagens, todos nós acreditávamos Edmund realmente era Papai Noel Eu nunca vi um ator mais naturalmente adequado para um papel.".

Em sua autobiografia, Maureen O'Hara resumiu muito bem o que o filme passou a significar para ela ao longo dos anos. “Todos sentiram a magia do set e todos sabiam que estávamos criando algo especial. Tenho muito orgulho de ter feito parte de um filme que sempre foi exibido e amado no mundo todo há quase sessenta anos. De Ilusão Também se Vive (1947) perdurou todo esse tempo por causa do relacionamento especial entre o elenco e a equipe técnica, a história edificante e sua mensagem de esperança e amor, que rouba corações em todo o mundo todos os anos. Acho que nunca vou me cansar de crianças me perguntando: 'Você é a senhora que conhece o Papai Noel?' Eu sempre respondo: 'Sim, eu sou. O que você gostaria que eu dissesse a ele?' "

Tanto a Macy's quanto a Gimbel's foram abordadas pelos produtores para obter permissão para retratá-los no filme. Ambos queriam ver o filme acabado antes de dar a aprovação. Se um dos dois tivesse recusado, o filme teria que ser editado extensivamente e refeito para eliminar as referências. Felizmente, no teste de exibição, ambos ficaram satisfeitos com o filme e deram sua permissão.

O tempo de Maureen O'Hara com Natalie Wood foi algo que ela sempre valorizou. “Já fui mãe de quase quarenta filhos no cinema, mas sempre tive um lugar especial em meu coração para a pequena Natalie”, disse ela. "Ela sempre me chamou de Mamma Maureen e eu a chamei de Natasha, o nome que seus pais lhe deram."

Eu aliás, achei bem curioso os créditos iniciais mostrando em letras garrafais os nomes Maureen O'Hara e John Payne, sendo que, 5 anos depois, outro filme apresentava, de forma bem parecidas, os dois nomes principais do seu elenco: Maureen O'Hara e John Wayne. O filme era "Depois do vendaval".

Apesar de o filme ser ambientado durante o Natal, o chefe do estúdio Darryl F. Zanuck insistiu que o filme fosse lançado em maio porque argumentava que mais pessoas iam ao cinema durante o verão. Então o estúdio começou a se esforçar para promovê-lo, mantendo o fato de que era um filme de Natal em segredo.

Na década de 1970, Natalie Wood e Robert Wagner foram convidados a fazer um remake para a TV do filme com a filha de Natalie Wood, Natasha Gregson Wagner, como Susan. Wood recusou porque ela mesma tinha sido uma estrela infantil e não queria que Natasha começasse a atuar tão cedo.

Em 1999, a Macy's escolheu o filme como tema de sua famosa vitrine de Natal. As janelas foram adornadas com recriações em miniatura das cenas mais famosas do filme, com as antiquadas vitrines de estilo mecânico que foram eliminadas na década de 1960. O executivo de Design Criativo da Macy's, Sam Joseph, disse: "Eu pensei: 'Não seria legal dizer adeus a este século da maneira como eles se despediram do século passado? ' Que melhor veículo para usar do que De Ilusão Também se Vive (1947)? " Maureen O'Hara foi recrutada como convidada especial da Macy, que abriu as janelas ao público e deu autógrafos. “Eu sei que John Payne, Natalie Wood e Kris Kringle estão no céu olhando para nós e sorrindo”.

Julgamento da fé

A cena do tribunal, com o filme caminhando para seu final, é uma demonstração clara do julgamento daqueles que vivem pela fé. O Papai Noel tendo que ir á tribuna, e dizer que não é louco, mostra uma insanidade latente daqueles que julgam terem direito de julgar a fé das pessoas, como se o que a pessoa acredita, o torna danoso socialmente. Não se trata do fato do personagem ser ou não quem diz. Mas se trata do julgamento da fé, afinal, que mal tem uma pessoa acreditar em Papai Noel, Jesus, Deus? 

A crença, muitas vezes é a luz que guia. E afinal, de ilusão também se vive.



Classicline lançou este filme imperdível em DVD, que pode ser adquirido no site da empresa ou nas lojas parceiras. Abaixo, veja detalhes da edição. E para comprar, só clicar no link acima. 
 
Título: Milagre na Rua 34 (Digipack Duplo)
Título Original: Miracle on 34th Street
Ano de Produção: 1947    
Audio: 2.0 Dolby Digital   
Classificação Indicativa: Livre    
Cor: P&B / Colorizado
Elenco: Edmund Gwenn, Maureen O'Hara, John Payne
Direção: George Seaton
Roteiro: George Seaton
Produtor: William Perlberg
Direção de Arte: Richard Day, Richard Irvine
Duração:96 min. aprox.    
Extras: Trailer, Galeria de fotos e Cartazes originais.    
Formato de tela: Fullscreen    
Midia: DVD 
Gêneros: Drama 
Idioma: Inglês, Português    
Legendas: Espanhol, Português
País: Estados Unidos
Quantidade de discos: 2



Tecnologia do Blogger.