JAMES MORRISON - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS



Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto incrível. São apenas 7 perguntas, mas que fornecem um pequeno mosaico da carreira e paixão do entrevistado (a) pelo cinema.

E hoje, com vocês o ator James Morrison.

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

J.M.: Suponho que tenho o mesmo relacionamento com o cinema que todo mundo que o ama. É uma pausa do mundo em que estou e me mostra mundos com os quais nunca sonhei. Minha lembrança mais antiga disso é andar de bicicleta no Queen Theatre, em Bountiful, Utah, no início dos anos sessenta, repetidas vezes, para ver Ben Hur (eu devo ter visto ele uma dúzia de vezes) Spartacus,  e qualquer outro filme da Segunda Guerra Mundial que estivesse passando ou repercutindo enquanto eu voltava para casa. 


Desde então, quer eu esteja trabalhando no set como ator sendo produzido, ou esteja assistindo filmes no cinema ou em casa, a absorção completa da magia e o amor pelo cinema é o mesmo.

2) O que a levou a atuar? Como você decidiu que era isto que queria ser profissionalmente?

J.M.: O que me levou a atuar foi o mundo do faz de conta. A brincadeira de criança que finge ainda é a mesma, mas as regras são diferentes, são regras para adultos, mas o jogo é o mesmo. E assim é a alegria da criação e a ilusão quando ela estiver completa. Quando me rendo a isso, nunca estou longe do motivo pelo qual decidi fazer isso para viver. 


Eu acho que você tem que ser um pouco ingênuo, ter parte da mentalidade de jogo dessa criança que você nunca perde, para pensar que é algo que você ganhará a vida quando começar. Suas prioridades devem estar certas. 

O dinheiro não importa para você, segurança etc. Você precisa aprender, e essa é a lição mais difícil, quando tiver uma pele grossa e quando tirar a pele e deixar sua alma nua. E como se proteger quando sua alma está exposta e as pessoas se aproveitam disso. Essas, para mim, foram as lições mais difíceis. Mas perseveramos porque amamos o que fazemos.


3) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

J.M.: Dois filmes vêm à mente: O primeiro é "Sindicato de padrões". Simplificando, é o melhor exemplo de "fazer a coisa certa quando o mundo está contra você" que me lembro. E a outra é mais recente, "Domando o destino", sobre uma estrela em ascensão do rodeio que precisa reavaliar sua vida depois que não pode fazer o que ama. A atuação de ambos é uma lição para todos os atores. O elenco do filme não é de atores profissionais, eles são pessoas que se interpretam e é uma revelação - e as histórias são lições para todos nós de como nos tratarmos.

M.V.: No ano em que Roma estava arrebatando todos os prêmios, "Domando o destino", foi eleito o melhor filme do ano por associação de críticos dos EUA. É um belo filme realmente.


4) Falando da série "24 horas", quando você interpretou Bill Buchanan, você percebeu que seria uma parte tão grande e importante da série? E você se lembra de alguma história curiosa ou engraçada que aconteceu durante a execução deste trabalho em particular e que você pode compartilhar conosco?

J.M.: Quando entrei para o seriado, não fazia ideia de quanto tempo estaria lá e nem ninguém. Eu fui episódio por episódio pelo resto da quarta temporada. Lembro-me de duas coisas: quando estávamos na festa de encerramento do elenco e da equipe da quarta temporada e Joel Thusow me chamou de lado e simplesmente disse: "Adoramos o que você está fazendo e queremos que você volte no próximo ano como um membro regular do elenco". Isso aconteceu depois de 14 episódios,  de pegar o roteiro e ficar surpreso por eu ainda não ter sido morto...

Outra coisa que me lembro é a combinação de satisfação, gratidão e tristeza quando terminei de filmar minha última cena e o carinho genuíno que todos mostramos uns aos outros quando me despedi. Passei mais de 4 anos trabalhando, tocando, aprendendo, passando férias e passeando com alguns dos mais incríveis e talentosos atores, equipe, equipe e produtores, e sabia o quão feliz eu era, mas sabia que um dia acabaria.


5) Se pudesse, por um dia, ser um ator (ou atriz) do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? E claro…porque?

J.M.: Pergunta interessante. Eu tenho que dizer Buster Keaton ou Charlie Chaplin. Nenhum outro artista no cinema trabalhou mais. Eles abriram o caminho para atores e cineastas modernos. Desde os dias em que eram artistas performáticos até a morte, eles nunca tiveram um momento ruim e foram facilmente os artistas mais inventivos e disciplinados de todos os tempos.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?


J.M.: Sou mais orgulhoso da peça solo que escrevi chamada "Leave Your Fears Here". Eu o desenvolvi na Conferência de dramaturgos de Ojai em 2019, com o diretor e dramaturgo Robert Egan, e espero que seja levado ao festival Solo Flights do Theatre Aspen para desenvolvimento adicional. É sobre o que eu descobri sobre mim mesmo através da jornada do tumor cerebral e da recuperação do meu filho, e o que precisamos da perspectiva que ganhei em termos de amor, comunidade e estar lá um para o outro em momentos de necessidade.
E não tenho nada que eu me arrependa, porque tudo de eventualmente ruim que eu tenha feito, serviu de aprendizado.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

J.M.: "É uma linha tênue entre inteligente e estúpido." - do filme Isto é spinal tap, dirigido por Rob Reiner

M.V.: Obrigado. Foi um grande prazer


 

Tecnologia do Blogger.