XANDER BERKELEY - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

xander-berkeley-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será sendo diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês o ator Xander Berkeley

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

X.B.: Desenvolvi meu amor pelo cinema com meu pai. A primeira grande memória de cinema, o Dr. No (James Bond). Eu e ele tivemos que ver todos os que se seguiram. Eles me levaram para ver os Pássaros de Hitchcock quando eu tinha cinco anos. Me marcou por toda vida. Vi a projeção em 16 mm, num clássico (gótico) preto & branco. Descobri ali uma linha inacabada que eu precisava percorrer.


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

X.B.: Filme mais importante da minha vida ... Tão difícil. Muitos. Eu acho que quando os filmes de Tarkovsky foram lançados. Em sucessão, e numa casa de arte em Los Angeles, havia um pequeno grupo (que eu fazia parte) que iria se apaixonar por cada um dos filmes. Nostalgia, vem à mente em particular. O sentido de poesia e pintura em uma sinfonia emocionante do cinema! A intimidade das performances, a arte em todos os quadros. A beleza onírica e a quietude do meio ambiente. Um mestre russo no exílio na Itália, trabalhando com os melhores dos melhores. Um amálgama de Bergman e Fellini!


3) Você é um artista e também um ator. Você pintou Stephen Ogg, que estava em Walking Dead com você e, claro, é o marcante o personagem Trevor em GTA. Desde quando a pintura faz parte da sua vida? E como a arte mudou sua vida?

X.B.: Meu pai era um grande artista. Ele dava material de arte para minha irmã e para mim em cada aniversário e Natal. Minha irmã mais velha tornou-se pintora desde o início. Fui atraído pela escultura primeiro. Sempre desenhando em todos os lugares que eu fui. Mais tarde comecei a pintar. Foi minha companheira de longa data como ator. Eu nunca fiquei ocioso, esperando o telefone tocar. Havia obras de arte comigo e eu podia ser criativo sem ser contratado, ou em conformidade com os padrões estabelecidos por outros, e podia estar sozinho. Atuar é uma atividade comunitária, a solidão sempre foi reconfortante. Também viajava para trabalhar passando muitos dias, semanas sozinho nos dias de folga, em cidades e países onde eu não conhecia ninguém... Mas eu tinha um bloco de desenho, carvão e lápis para sentar em um café e desenhar pessoas em situações corriqueiras da vida. Foi uma grande chuva de coisas positivas, tanto como artista quanto como ator, recebendo constantemente as impressões do comportamento humano e armazenando-as na 'base de dados' da minha vida.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo…

X.B.: Bem, como você e seu público são brasileiros, vou contar sobre um período em que eu estava trabalhando com um diretor que estava um pouco louco... Alex Cox. Acabamos de filmar Sid e Nancy em Nova York e logo fomos para a Espanha para filmar "A caminho do inferno"  com todos os músicos que fizeram a trilha sonora de Sid e Nancy tentando atuar em um Western Spaghetti  nos velhos sets de Sergio Leone em Almeria ... que era insano no começo ... Mas então estávamos todos na Nicarágua para filmar um filme de época chamado Walker...

M.V.: ...que amo de paixão!!!


X.B.:... Enquanto a guerra estava acontecendo em 1987! Eu falava espanhol apenas o suficiente para aprender muito sobre os sandinistas e o regime anterior. E ... depois de três meses lá fui enviado para outro filme por mais três meses ... No Chile. Sob o regime de Pinoche. Da extrema esquerda do comunismo revolucionário à extrema direita do fascismo de direita. Não vou entrar em detalhes, exceto dizer que as experiências confirmaram minhas convicções como centrista democrático! Meu coração vai para o Brasil com todas as lutas que teve ao longo dos anos. Eu amo muito a América Central e do Sul.


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dela, uma obra prima sendo realizada, qual seria o diretor e o filme? E claro… porque?

X.B.: No auge da minha juventude eu teria dito um filme de Bergman como O Sétimo Selo (um herói de infância, Max Von Sydow, falecido infelizmente) e ele está em minha mente. Mas eu teria que dizer a luxúria luxuosa de Felini que marcou minha vida e o que vem à minha mente agora: La Dolce Vita, em particular. A mistura de arte cinematográfica, filosofia  e sensualidade  que se juntam tão perfeitamente nesse filme. É ótimo convidar amigos para trazer sua pizza favorita, ou uma garrafa de vinho tinto e se jogue em um loop em todos os cômodos da casa por uma longa noite de bacanal que termina cumprimentando o amanhecer!

M.V.: Ri alto aqui imaginando a cena.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 
E em contrapartida, o que você mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

X.B.: Preferido? O filme que pode ser visto no Amazon Prime, O Maestro sobre o brilhante compositor Mario Castelnuovo Tedesco que foi exilado de Mussolini. A Itália é judia, mas depois chegou a Hollywood na década de 1940 e passou a ensinar os maiores compositores do século XX com seu lindo amor pela arte e pela vida.

Menos favorito? Tento esquecer as más experiências da vida e manter o foco no positivo, continuando agradecido e não amargo.


M.V.: No cinema, ainda que secundários, acho os papéis do Exterminador do futuro 2 - Julgamento final e Fogo contra fogo, bastante marcantes. E na tevê, claro, o odioso e mesquinho Gregory, de Walking Dead.

X.B.: "Fogo contra fogo" foi engraçado porque eu era o único ator que participara de "Os tiras de Los Angeles" do próprio Michale Mann. Poucos sabem a história de como era essencialmente o mesmo script. Eu interpretei o personagem Waingrow nessa versão. Mas Michael não conseguiu o intervalo de tempo que queria (foi filmado como piloto de TV), então ele o mostrou na Europa como um filme e o engavetou. Alguns anos depois, ele aparece com De Niro e Pacino nos papéis principais e o filma como um longa. Ele chamou meus serviços novamente, pois nos divertimos muito no primeiro, mas eu estava comprometido com Barb Wire e só podia fazer a pequena participação como Ralph. Todo trabalho que você diz sim em Hollywood invariavelmente tira outro emprego... então você só precisa rir e comemorar os destinos que permitem fazer o que você gosta de fazer!


M.V.: Gregory também foi marcante. Tão insuportável que torci para ele morrer, morte esta que veio de forma memorável.

X.B.: The Walking Dead era sua própria criatura e ainda estou me recuperando um pouco. O show runner do programa Scott Gimple me ligou em casa para me convencer a fazer o papel de Gregory. Ele parecia um vaso tão vazio, tão vazio de redenção, o tipo de personagem que serve apenas como uma folha para fazer com que outros personagens parecessem bons, mas que exigia um sacrifício tão completo da vaidade, que eu simplesmente não via o valor fazendo isso. Então eu disse a ele que fiquei lisonjeado que ele pudesse me ver sob uma luz tão desagradável e pude ver o que havia neles, ao fazê-lo ... mas perguntei o que havia nele para mim? 

Concordamos que, embora muitas vezes eu tenha trazido humor aos meus papéis, não tive oportunidade suficiente para fazer comédia, e ele disse que me daria coisas divertidas para  interpretar que me permitiriam alívio cômico.


E ... Steven Ogg. Ele disse que o viciado em cultura pop nele realmente só queria escrever cenas para o cara que interpretou George Mason na série 24 horas para interpretar ao lado do ator que fez Trevor no GTA!

Além do bromance que mais tarde incluía Austin Amelio (nós três nos tornamos grandes amigos).  Eu também adorava trabalhar e conhecer no dia a dia Andrew Lincoln. Que homem incrível. Tantas pessoas extraordinárias envolvidas com esse show. Mas os fãs? Alguns eram maravilhosos e muito divertidos, outros ... menos gentis. Vou deixar por isso mesmo (risos). A gratidão me domina. Mal posso esperar para ser levado a uma convenção no Brasil algum dia. Todo brasileiro que eu já conheci foi tão legal! Desejo todo o meu melhor para todos vocês!

M.V.: Muito obrigado.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

X.B.: Deixo uma frase de um certo filme que fiz em 92 “Eu voltarei”

M.V.: (Risos). Obrigado. Foi um grande prazer

X.B.: Vou deixar algum tempo passar depois que o personagem de Gregory deixou um gosto tão untuoso ... antes de voltar com algo completamente diferente:

M.V.: Eu esperarei.



Tecnologia do Blogger.