LAURENE LANDON - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

laurene-landon-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será sendo diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês a atriz Laurene Landon

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é uma apaixonada por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

L.L.: Obrigado por esta pergunta provocativa! Sim, sou apaixonada pelo cinema. Quando eu era menininha, folheava o Guia de TV e perguntava ao meu pai, Douglas, se essa determinada produção era boa de assistir. Meu amado pai não apenas sabia a resposta, mas ele sabia o ano exato em que os filmes foram feitos! Eu me apaixonei pelo cinema quando éramos recém-chegados nos Estados Unidos desde que saímos de Toronto, Canadá. Meu pai preferiria muito que nós quatro sentássemos e assistíssemos a grandes filmes antigos, como Na noite do passado (1942), O morro dos ventos uivantes (1939) ou qualquer outro filme de Marlon Brando ou James Cagney.

Eu sempre fantasiava como seria estar do outro lado daquela tela de vinte e cinco polegadas. Bette Davis foi minha heroína junto com Marlon Brando. Eu dizia ao meu pai: "Papai, um dia espero conhecer meu Marlon Brando". Em retrospecto, descobriu-se que parte do motivo pelo qual papai nos queria em casa à noite era se distrair do macrocosmo concupiscente da adolescência. Ele era muito protetor conosco. Sou muito grato por ele estar agora nos meus últimos anos. Até hoje, meus filmes favoritos ainda são os dos anos quarenta e cinquenta. Adoro filmes com personagens tridimensionais e encorpados, que muitos filmes hoje infelizmente não têm. Não é sobre qualidade, é sobre receita. Hoje, refiro-me à maioria dos filmes como "Capítulo: 11 Filmes" porque eles estão à falência de boas histórias.


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

L.L.: Sem dúvidas foi o filme Morro dos ventos uivantes, de 1939, estrelado por Sir Laurence Olivier e Merle Oberon. Eu devo ter visto ele dezenas vezes e teve um grande impacto na minha vida. Ensinou-me que a profundidade do amor é medida pela quantidade de sofrimento por outro ser humano. Durante a maior parte da minha juventude e idade adulta, eu gravitava em direção a homens que eram procurados pelo FBI, eram “meninos maus” ou distantes e misteriosos. Em retrospecto, perdi oportunidades de passar meus anos com homens gentis e respeitosos que, infelizmente, em meus devaneios, eram entediantes na época.

Fui neste ritmo até eu ter uma epifania, muito mais tarde na vida, que as pessoas que te amam incondicionalmente com um maravilhoso senso de humor, homens que querem estar com você em um campo de jogo equilibrado são os homens que são os "Cavaleiros de Armadura Brilhante". Homens que transcendem o desejo lubrificante; homens que são seus melhores amigos nos piores momentos. Homens de confiança. Tantos relacionamentos em potencial de longo prazo terminaram em desastre porque eu adorava aqueles que não me amavam. Minha carreira estava no auge, mas minha autoestima era muito baixa. Isto é tão errado. Eu sempre usava uma máscara, porque quando os seres humanos reprimem ou reprimem aspectos de sua personalidade que são inconsistentes com os padrões da sociedade, nos negamos. Hoje, através da terapia e do A.A., espero ter aprendido a me tornar uma pessoa autêntica e a valorizar as almas descendentes.


3) Você fez ótimos filmes dos anos 80 como A coisa, Nasce um monstro 3, A ambulância, dirigidos por Larry Cohen. Como foi trabalhar com ele?

L.L.: Foi muito engraçado como conheci Larry. Eu vou direto ao ponto. Meu agente na época, Beverly Hecht ligou para me dizer para ir à John Burroughs High School, no Vale, onde um cavalheiro chamado Larry Cohen estava dirigindo "Trapalhadas de um Lobisomem". Quando cheguei lá e o vi pessoalmente, fiquei aterrorizada com o quão bonito ele era. Larry começou a fazer piadas imediatamente e conversamos por um bom tempo. Ele me disse que estava demitindo a atriz principal porque ela era terrível. Larry me ofereceu o papel principal!! Fiquei atordoada, estupefata e chocada. Eu disse: "Não posso estrelar seu filme porque tenho uma audição para fazer!" Sem piscar, Larry disse: - Você é uma idiota? Ofereço a você o papel principal neste filme e você deve comparecer a uma audição que provavelmente não passará!!?? ”.

Eu disse: “Sim, eu realmente tenho que ir a essa audição agora” e corri para o meu carro. Devo ter avançado todos os sinais para correr para chegar em casa e me esconder debaixo do meu cachorro. Claro, não houve audição. Bem, meu agente ligou furioso, mas eu não atendi ao telefone desde que saí de uma longa fila de covardes. Três dias depois, Beverly ligou e eu atendi. Ela me explicou que Larry havia escolhido a atriz principal no filme, mas que havia um papel que ele havia escrito especialmente para mim: era uma garota do filme que teria um ataque de pânico maciço e desmaiaria quando visse o Lobisomem. Esse era mais meu estilo de personagem, então voltei.


Larry (que com muita tristeza, faleceu em 23 de março de 2019) contava sempre esta história para todos. Trabalhar com Larry foi um sonho. Ele era brilhante e possuía o senso de humor mais luminoso e me incentivava a improvisar, o que eu adorava fazer. Ele era uma joia para se trabalhar e fez rir todo o elenco e a equipe. Por outro lado, ele geralmente demitia alguém no primeiro dia para que todos soubessem que ele era o "Chefe", porque muitos atores ou equipe apareciam bêbados ou atrasados. Larry tinha tolerância zero para esse tipo de situação

M.V.: Eu tenho uma amiga em particular que ama Robert Z'Dar. Como foi fazer um dos filmes de terror mais memoráveis ​​da década de 1980? E, claro, como foi trabalhar com Robert?


L.L.: Adorei trabalhar com Robert Z’Dar nos filmes da série Maniac Cop. Ele era um gigante gentil e costumava pregar peças nas pessoas. Ele era um profissional supremo. Bobby tinha uma namorada na época, Issus (Deusa da Vida Eterna), que era uma pessoa psicótica. Ela estava loucamente com ciúmes de mim e um dia, quando eu apareci no set de Long Beach nas docas, ela tentou atropelar Bobby com o carro na minha frente. E esse foi um dia calmo para ela. Eu insisti que éramos apenas amigos, mas ela estava convencida de que Bobby a estava traindo com todas as garotas do set  (e alguns animais, sem dúvidas). Eles tiveram o relacionamento mais vitriólico e amargo que eu já testemunhei. Ele nunca a traiu com colegas de trabalho. Partiu muitos de nossos corações quando Bobby faleceu.

A última vez que o vi foi em uma reunião do elenco de Maniac Cop em Burbank e ele estava em uma cadeira de rodas e muito, muito frágil. Ele tinha metade do tamanho de sua aparência quando trabalhamos juntos. Dei a ele US$ 400 algumas semanas antes, porque ele estava muito pobre e sabia que nunca poderia me pagar, mas estava tudo bem. Até hoje me surpreende como a série Maniac Cop se tornou um clássico cult. Eu ainda sou reconhecida quase todos os dias pelos dois filmes da série em que participei e sempre me perguntam sobre o querido Larry Cohen.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo.

L.L.: Sim, eu tenho muitas, mas espero que uma apenas seja suficiente. Eu estava filmando "Madrugada dura na queda" para um MGM, ao lado de Peter Falk e disse a todos o quanto eu adorava Peter O'Toole. Todo mundo sempre me provocava e dizia que Peter estava aqui na MGM! Eu largava tudo e corria em todas as direções para encontrar meu herói, que nunca esteve lá. No entanto, um dia durante o almoço, um de nossos produtores, Bill Aldrich, declarou em voz alta na frente de todos na mesa do almoço que Peter estava no trailer de seu pai falando sobre negócios. Derrubei toda a mesa do almoço e corri como uma louca para o trailer do Sr. Adrich. Eu tive uma queda terrível no caminho e ficou sangrando muito na minha perna esquerda. Alguns funcionários tentaram me levar até a Cruz Vermelha (risos), mas eu gritei para me levar até Peter!


Eles concordaram e, quando cheguei lá, o Sr. Aldrich abriu a porta do trailer e disse: "Laurene, ele acabou de sair, mas voltará amanhã". No final do dia seguinte, quando terminamos de filmar e praticar luta livre no ringue, olhei para a direita, e eis que... estava Peter O´Toole batendo palmas! Ele estava com John Cassavetes, que depois de falar comigo estava rindo e disse: "Laurene, você está fora de sincronia e eu te amo". Bob Mackie, o estilista famoso também estava lá. Suando no ringue, fui até Peter e ele disse que estava absolutamente admirado com a nossa luta. Eu namorei Peter por alguns meses. Um dia, ele veio almoçar no condomínio que eu estava alugando em Malibu e convidei meu irmão e minha mãe que não acreditavam em mim.

M.V.: Deus do céu !!! Namorou o eterno Lawrence da Arábia? Este é um dos 10 maiores filmes do cinema !!!


L.L.: (Risos). Fiz o almoço para Peter e depois fizemos um passeio de "cavalinho" na areia em Malibu! (sim, ele me pegou nas costas). Finalmente nos sentamos na areia quente e nos inclinamos em uma madeira velha. Quando Peter se levantou, sua camisa branca estava coberta de óleo preto !! Fiquei mortificada e, quando chegamos ao meu condomínio, ele me perguntou se eu tinha alguma coisa que ele pudesse "emprestar". Dei a ele um suéter rosa turva que ele adorava e queria guardar. Eu queria que tivesse tirado fotos dele nas minhas costas ou usando aquela gola rosa. Mencionei essa história talvez cinco vezes na minha vida, mas nunca em uma entrevista. Eu estava louca por Peter. Ele era tão humilde e um sábio sardônico. Quando saímos para jantar uma noite, a anfitriã do restaurante tentou afastá-lo da fila porque ele era uma estrela de cinema e a espera era de duas horas. Peter recusou educadamente e acabamos comendo do outro lado da rua no McDonalds. Ele deixou a Califórnia logo depois para fazer um filme e só tive notícias dele uma vez pelo correio. Devo guardar para sempre em meus devaneios, meu tempo compartilhado com esta alma notável.



5) Se pudesse, por um dia, ser uma atriz do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dela, uma obra prima sendo realizada, qual seria atriz e o filme? E claro… por quê?

L.L.: Eu adoraria estar em Corcunda de Notre Dame (1939) como Esmeralda, interpretada por uma das minhas atrizes favoritas de todos os tempos, a adorável e talentosa Maureen O'Hara. Ela interpretou uma garota cigana acusada de assassinato pelo apaixonado chefe de justiça, e apenas o tocador deformado da Catedral de Notre Dame, Quasimodo, se tornou seu aliado e campeão. Esmeralda era amável e gentil com ele e via além de sua aparência esquisita. Ela enxergava a beleza visceral dentro de sua alma. Foi-me dito que parte do filme foi filmada em minha venerável e estimada igreja, St. Brendans.

M.V.: É uma informação bem particular e talvez privilegiada. Até aonde eu pesquisei, ele foi filmado no Rancho RKO Encino, com o interior da torre sineira sendo filmado no Mudd Hall of Philosophy da Universidade do Sul da Califórnia. Os cenários de Paris e a Catedral de Notre Dame foram construídos por Van Nest Polglase.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhosa? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

L.L.: Eu sou profundamente orgulhosa de todos os meus filmes porque me deram uma chance e a confiança dos cineastas por trás da produção. Minha felicidade é eclipsada apenas pela gratidão, especialmente mais tarde na vida por filmes como "Portão de Agramon", por causa do incansável e vanguardista Harley Wallen. Eu o chamo de rei do comentário social por razões óbvias. Harley aborda questões da vida que a maioria dos cineastas de hoje evitaria. Thomas J. Churchill é outro diretor inovador e eclético que escreveu um papel fabuloso para mim no "Fogo da Nação", com a gloriosa Krista Grotte e o duas vezes indicado ao Oscar, Bruce Dern (fotos acima). Quando terminamos de filmar, Bruce disse em voz alta na frente de todo o elenco e equipe: “Laurene, eu trabalhei com os melhores dos melhores, e só há atriz melhor que você e essa seria minha filha, Laura Dern". Fiquei chocada e ainda estou até hoje. 

A única coisa que me arrependo de fazer é uma cena de briga na lama de topless, que Vicki Frederick e eu fomos informadas de que tínhamos que fazer. Cobrimos nossos seios nus durante esse longo dia de batalha de lama e no próximo dia. 

No dia em que Robert Aldrich nos chamou no escritório dele. Chegando lá nos deparamos com ele pálido. O cenário foi destruído na noite anterior e tivemos que refazer a cena. Eu estava tão envergonhada porque meu pai, um bastião da moralidade viu o filme e não falou comigo por um mês. Talvez um ano, porque ele ficou com muita raiva.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

L.L.: “- Que lixo!”, do filme "A Filha de Satanás". Este é o clássico de 1949, estrelado por Bette Davis, onde ela profere esta famosa frase. Eu me lembro de porque este filme é meu “guilty pleasure”. Sei que sou uma preguiçosa (mental) em série, e adoro esse filme! Tive a prodigiosa oportunidade de fazer um teste com a senhorita Davis para meu melhor amigo de quarenta anos, Larry Cohen, em "A madrasta". Imagine uma preguiçosa em série do Canadá com essas histórias inacreditáveis ​​para compartilhar. Só não me faça começar a falar do meu relacionamento com Marlon Brando, que me apelidou de Vanilla.

M.V.: (Risos). Obrigado Laurene. Foi um grande prazer

L.L.: Muito obrigado por me dar a abençoada oportunidade de compartilhar um pouco da minha vida. Sou eternamente grata a você por sua gentileza e interesse em minha carreira. Você tem minha permissão para, por favor, sinta-se livre para usar toda e qualquer fotografia que estou lhe enviando!

Com amor, Laurene




Tecnologia do Blogger.