BRYAN KRUSE - RESPONDE À SETE PERGUNTAS CAPITAIS

bryan-kruse-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto incrível. São apenas 7 perguntas, mas que fornecem um pequeno mosaico da carreira e paixão do entrevistado (a) pelo cinema.

E hoje, com vocês o ator, diretor e produtor Bryan Kruse

Boa sessão:



1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

B.K.: Meu relacionamento com o cinema realmente começou com Superman (1978). Eu era tão jovem e cheio de imaginação, mas ver Christopher Reeve voar realmente fez algo em minha jovem mente. Fiquei cativado e isso criou essa necessidade de ver mais e, eventualmente, começar a procurar outros gêneros, etc. Também credito aos meus dois irmãos mais velhos por me torturarem com filmes de terror quando eu tinha entre 5 ou 6 anos Eu fiquei obcecado pelo Halloween de John Carpenter e que se ramificou na Sexta-feira 13, A  hora do pesadelo e todos os outros clássicos dos anos 70 e 80.


"Os irmãos caras de pau" é um dos meus filmes favoritos de todos os tempos, de qualquer gênero, não especificamente comédia, junto com "Eles vivem". A cada momento da minha vida, posso olhar para um período específico e há um filme que adorei que associo a ele. Eu era definitivamente o garoto que você via toda semana nas locadoras. Meus avós costumavam me levar a elas sempre que eles passavam por uma. Eu adorava sentar e assistir filmes com meu avô. Ele foi minha introdução a filmes como "Desejo de matar", "Perseguidor implacável", "Máquina mortífera"... A lista é interminável, na verdade. Excelente e saudosista pergunta!


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

B.K.: Se eu tiver que resumir tudo em um, o filme mais importante da minha vida é sem dúvida "O Corvo". Esse filme me fez uma pessoa melhor. Fez-me perceber minha própria mortalidade. E isso me lembrou que ninguém é verdadeiramente invencível. Que a vida é frágil e que todo momento, por mais trivial que pareça, pode partir. A morte de Brandon Lee durante a produção também teve um impacto profundo em mim. Eu sempre quis ser ator, e essa foi realmente a primeira vez que eu sabia que as pessoas podiam realmente morrer no set de um filme. Eu não acreditava que isto era possível antes disso. Tudo parecia seguro, porque era apenas um filme. Sua morte me ensinou que tudo pode acontecer, em qualquer lugar, a qualquer pessoa... Eu sempre levei isso a sério.


3) Você participou de filmes como "Em busca de vingança" (com o  Arnold Schwarzenegger), Gotti (com John Travolta), "O velho e a arma" (com Robert Redford) e Ted Bundy: A irresistível face do mal (com Zac Efron). Como foi a experiência de trabalhar em filmes tão fortes, com atores consagrados,  mesmo sendo em pequenos papéis?

B.K.: Para mim, em grande parte, trabalhei em filmes maiores fazendo pouco e filmes menores fazendo muito. Portanto, é muito humilhante estar em um set de filmes de Hollywood. É muito diferente das produções independentes. A máquina é muito maior, mais vasta e o escopo de tudo é muito maior. Há uma qualidade surreal em ver e conhecer atores e diretores famosos no set. Há muito respeito e um senso de comunidade muito unido em tudo o que eu amo fazer parte.



Quando você está em uma sala para almoçar com todo o elenco e a equipe e vê realmente como tudo é baseado nisso, é ao mesmo tempo humilhante e edificante. Uma sensação de "eu consegui", mesmo que eu ainda não tenha "realmente conseguido". Sinto como se fosse parte disso. E continuo trabalhando, então suponho que sim, apenas tento não analisá-lo demais. Sinto-me muito bem-aventurado por ter sido solicitado várias vezes para trabalhar em várias coisas em diferentes funções.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo…

B.K.: Eu tive que separar uma briga de bar com Frank Grillo na festa de encerramento do filme Donnybrook -  Luta pela redenção. Essa deve ser a história mais engraçada, de longe. Para encurtar a história, nenhum soco foi dado porque eles não queriam tomar iniciativa. Imagina a cena? Ri muito


5) Se pudesse, por um dia, ser um ator (ou atriz) do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? E claro… por quê?

B.K.: Eu acho que seria muito legal ser Michael Keaton no set de Batman (1989). Isso teria sido uma experiência incrível e surreal. Atuado contra Jack Nicholson no topo de seu auge... Ajudando Tim Burton a criar esse fenômeno. Seria incrível.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

B.K.: Eu realmente não me arrependo de nenhum trabalho que fiz. Eu sempre fui muito grato por ter sido convidado a fazer algo ou mesmo uma audição. Como disse, sinto-me muito feliz por ter tido as oportunidades que me foram dadas. Isso me fez muitos amigos e colegas ao longo da vida. O trabalho do qual mais me orgulho é, sem dúvidas "O Público", com Emilio Estevez, Alec Baldwin e Christian Slater. Eu trabalhei muito de perto  deles durante meu tempo naquele set e as coisas que aprendi, eu ainda carrego comigo.


Conhecer meus heróis não fez nada além de me fazer entender que eu jamais estarei em seus níveis algum dia. Todos eram incrivelmente humildes, fáceis de trabalhar e divertidos. E o filme é realmente maravilhoso... Dos trabalhos que produzi e me dirigi, "A máscara vermelha da morte" foi muito querido para mim. Representa o espírito do cinema independente, a paixão, a fome e a necessidade de vê-lo completamente. Levou muitos anos para montar o filme e estou profundamente satisfeito com o resultado. Colocamos o dinheiro nos bolsos na tela, criamos algo do zero e não desistimos quando pensamos que nunca conseguiríamos encontrar uma maneira de terminá-lo. O fato de termos conseguido divulgá-lo é uma grande conquista.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

B.K.: Do filme "O Corvo" -   "Acredite em mim, nada é trivial..."

M.V.: Obrigado amigo. Sucesso para você

B.K.: Realmente ótimas perguntas, a propósito! Eu realmente gostei delas ... Obrigado por me ouvir.

M.V.: Eu quem agradeço sua atenção


Tecnologia do Blogger.