TIM LUCAS - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

tim-lucas-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será sendo diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês o crítico de cinema, biógrafo, romancista, roteirista e blogueiro.

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

T.L.: Sou apaixonado pela presença do grande e inegável cinema. Sinto falta dos dias em que podia encontrar um cinema vagando pela chuva em uma tarde aleatória. Atualmente, amar o cinema significa acumulá-lo e selecioná-lo em DVD e Blu-ray. Portanto, se os interesses de alguém são tão amplos quanto os meus, ele começa a se intrometer no espaço de sua casa e na sua vida alguém. Esse aspecto se torna afortunado: a paixão de alguém se torna uma esposa irritante, sempre exigindo atenção e mais espaço na sua vida. Eu ainda amo ser surpreendido, animado e até devastado pelo novo cinema, mas já faz muito tempo desde que senti minha vida mudada por um filme.


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. 
E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

T.L.: O filme mais importante da minha vida é Histórias extraordinárias (1968), a versão em inglês baseada na coleção de contos publicados por Edgar Allan Poe chamado HISTOIRES EXTRAORDINAIRES. Ele foi co-dirigido por Roger Vadim, Louis Malle e Federico Fellini, que vi pela primeira vez aos 13 anos. Em 2018 publiquei uma monografia sobre o romance pela Electric Dreamhouse / PS Publishing no Reino Unido. Isso me levou diretamente à minha obsessão por Mario Bava, cujo filme  Mata, Baby, Mata (Operazione Paura - 1966) originou um personagem que Fellini usou em seu episódio de Poe. Encorajo qualquer pessoa interessada em saber mais a ler meu livro, onde reconto as razões do meu fascínio com muito mais detalhes do que posso oferecer aqui.


3) Por que Mario Bava o inspirou a escrever o livro "All the Colors of the Dark" e por quanto tempo esse projeto foi produzido?

T.L.: Respondo em parte na pergunta 2. Mas para explicar melhor, Bava me obcecou além do meu ponto original de descoberta, porque eu pude ver imediatamente o gênio de seu trabalho e suas técnicas, mas não conseguia entender por que seu trabalho não foi apreciado pelo establishment crítico. Acabei pesquisando Bava por um período ínfimo de tempo: por mais de 30 anos!!! e descobrindo tanta informação original que hoje é um dado adquirido, como o fato de que ele criou seus próprios efeitos especiais usando técnicas antigas de câmera . Escrever o livro depois de pesquisar foi difícil por várias razões, mas basicamente se tornou três livros em um: sobre o diretor, o operador de câmera, o técnico de efeitos especiais.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? 

T.L.: Aparentemente, tenho uma acuidade visual melhor do que o habitual e posso ver coisas como imagens subliminares na tela. Atualmente, estou trabalhando (entre outros projetos em andamento) em um livro sobre o diretor ítalo-americano Joe Sarno, que fez alguns filmes eróticos sobrenaturais nas décadas de 1960 e 1970 com orçamentos muito baixos. Eu estava assistindo recentemente um desses filmes e havia uma cena em uma discoteca com muitas luzes estroboscópicas. Senti que vi algo nos flashes de luz e revi as imagens, um quadro de cada vez, para entender minha intuição.


Lá, para minha surpresa, vi uma série de imagens em um único frame que mostravam o próprio Joe no set (ele nunca fazia participações especiais como Hitchcock) dançando com sua esposa Peggy (que não estava nesse filme, embora ela já tivesse atuado anteriormente). Eu assisti o resto do filme, depois voltei e fiquei acordado a noite toda capturando cenas dessa sequência, que apresentei a Peggy, agora com 80 anos,  na manhã seguinte, como um  mimo. Ela ficou tão surpresa ao vê-los e me elogiou por tê-los encontrado. É claro que ela não fazia ideia de que essas imagens haviam sido preservadas. A sequência aparece apenas na versão sueca do filme. "Como éramos jovens!" ela disse saudosa. Não é exatamente uma história engraçada, como você solicitou, mas comigo acontecem coisas mais estranhas do que histórias engraçadas.

M.V.: Mas achei muito interessante. Principalmente porque eu procurei ver tudo do Sarno recentemente por conta do meu interesse pela atriz Mary Mendum (que também era creditada como Rebecca Brooke). Acho a atriz maravilhosa e acabei descobrindo que ela faleceu em 2012, afogada. Ela encerrou a carreira em 1977 após 15 filmes.


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor (ou diretora) do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? E claro… por quê?

T.L.: Há tantas respostas que eu poderia dar... Obviamente, eu adoraria ver Mario Bava trabalhando em um de seus filmes. Mas estou ainda mais impressionado e confuso com o trabalho de Georges Franju, que produz efeitos tão estranhos e faz filmes que parecem sonhos acordados. Bava também ficou fascinado por ele. Jean Rollin também. Eu gostaria de poder observar Franju no processo de fazer Os olhos sem rosto (1968) ou Judex (1963), ou talvez Alain Resnais fazer  "O Ano passado em Marienbad". Estes são filmes preciosos para mim.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

T.L.: Agora posso relembrar uma carreira de quase 50 anos. Minha primeira redação foi publicada  em 1972. Eu tive muitas, muitas realizações. Suponho que sou mais orgulhoso dos meus dois romances publicados, "Throat Sprockets" e "The Book of Renfield". Há outro trabalho não publicado que fiz nesta área - porque tudo foi criado do zero e porque valorizo ​​a literatura  tanto quanto os filmes. Eu sinto que meus dois romances são importantes para o gênero de terror. No meu roteiro, sinto-me mais humilde do que orgulhoso de "All the colors of the dark", pois me senti escolhido para escrevê-lo, e minha esposa e eu demos muitos anos à sua criação.


Cumprimos esse trabalho quase como um serviço cortês, e fomos humildes e honrados em realizá-lo. Além disso, nos sentimos da mesma maneira em nossos 25 anos como os editores da revista VIDEO WATCHDOG, que foram publicados por 184 edições e duas edições especiais. Nos dois casos, o trabalho envolvia tanta dor quanto prazer e exigia certa quantidade de auto sacrifício. Por esse motivo, o livro de que mais me orgulho é meu "Spirits of the dead", que é um livro que fluiu a escrita, em um único mês. Esse tipo de coisa pode acontecer apenas uma vez na carreira.

M.V.: Arrependimentos?

T.L.: Não me arrependi de nada que escrevi.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

T.L.: "É impossível, mas eu, Lucas, vou fazer isso!"- Frase dita por Nestor Paiva no filme de Jack Arnold "O monstro da lagoa negra".

M.V.: Obrigado amigo. Foi uma honra

Tecnologia do Blogger.