SERGIO MARTINO - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

sergio-martino-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será sendo diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês o realizador Sergio Martino.

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

S.M.: Faço parte de uma geração que tinha a sala de cinema como ponto de referência. Ainda não havia TV e, portanto, também era um entretenimento à tarde para ir ao cinema. A disseminação da TV e a pirataria (e a incapacidade de combatê-la) levaram ao fim do charme do cinema como um ponto de encontro.

Durante a minha juventude, o cinema era entretenimento de verdade, o lugar para levar a garota para um primeiro encontro e começar a primeira aproximação de amor, mesmo na escuridão da sala.

M.V.: Verdade, era super charmoso, não? Um verdadeiro evento.


2) Existem filmes que influenciam a nossa vida como um todo. "Keruak - o exterminador de aço", por exemplo, foi um dos filmes que me fez amar o cinema de androides. Revi mais de 100 vezes e ainda tenho o VHS. 
Muitos gostam de fazer listas de filmes favoritos. Outros acham que é uma lista fluida. Para não deixar você listar vários filmes, conte-nos o filme mais importante da sua vida.

S.M.: Definitivamente os filmes de Charly Chaplin, mesmo os mudos. Era a verdadeira essência do cinema. Também adorei os filmes de Orson Welles, Sam Peckinpah, Sergio Leone e Luis Buñuel. Mas vou citar um filme em particular: 8,1/2 do Federico Fellini.

Mas curiosamente, "Z" da Costa Gravas me motivou muito na criação do filme "A Cauda do Escorpião".


3) Você trabalhou como assistente do grande Mario Bava ... Qual recordação tem dele e quais os maiores aprendizados levou para sua filmografia? 

S.M.: Leia meu livro Mille peccati... nessuna virtù? '(você pode encontrá-lo na Amazon clicando no link) e leia a história em detalhes de como ele resolveu uma cena em meia hora com um ator que teve que recitar uma longa piada em inglês. Ele certamente tinha um grande respeito pelos custos de produção e, como todos os diretores de filmes de gênero, queria respeitar os orçamentos. Lembro-me de que ele levava em conta as atas de assembleia adquiridas diariamente e frequentemente cortava as cenas sem precisar filmar, se acreditava que eram inúteis. A maioria de seus filmes teve menos de uma hora e meia de edição.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo…

S.M.: Eu teria muitos para contar e você encontrará todas estas histórias divertidas no meu livro. O cinema por trás da câmera, especialmente se houver harmonia na equipe e a parte mais bonita desse trabalho.


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor (ou diretora) do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? 

S.M.: Não consigo responder a essa pergunta. Há muitos filmes que eu amei num momento em que os vi e talvez se revistos depois de anos que achei menos belos. Portanto, se eu disser um filme hoje, pode ser que amanhã eu não quisesse mais vê-lo sendo feito.

M.V.: Verdade. Isto aconteceu comigo recentemente. Revi Dr. Jivago desde meus 15 anos até 2019. Nestes 30 anos, ele sempre esteve entre os 20 filmes da minha vida. A última vez que assisti, achei-o totalmente desinteressante. Louco não? Amanha, posso amá-lo novamente...

S.M.: Mas, um me vem a mente: "Nós que Nos Amávamos Tanto" do Ettore Scola. É um filme que ainda gosto de ver novamente, também porque conta um momento histórico da minha vida como adulto e uma atividade profissional que faz parte da minha vida. Então, é um filme que gostaria de enxergar pelos olhos de Scola.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

S.M.: Não posso avaliar todos os meus filmes porque quase sempre tive que aceitar compromissos, esvaindo-se o trabalho autoral. Gosto muito da segunda metade de Torso, que ainda me parece eficaz hoje, os títulos de abertura do filme "Mannaja - Um homem chamado Blade (1977)", o encontro inicial de Barbara Bach com "A ilha dos homens peixe (1979)", algumas cenas de ação (reais) de "Profissionais violentos (1973)" e a atuação de Claudio Cassinelli em "Morte suspeita de uma adolescente (1975)".

Talvez "La bellissima estate (1974)" seja um filme mais sentimental com Senta Berger, parece-me que é um filme que não cai no lugar comum. E também o estilo barroco de algumas sequências  de Cugini carnali (1974).

Você certamente ficou surpreso com estas indicações não é? São filmes além daqueles mais conhecidos (ou reconhecidos) na imaginação dos amantes de filmes de gênero atualmente.

M.V.: Verdade; Confesso que esperava filmes como O estranho vício da Senhora Wardh (que amo) ou Todas as cores do medo.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

S.M.: Boa pergunta. No meu livro abordo o assunto. O cinema de gênero traz as melhores e mais emblemáticas frases.

"O cinema é uma arte simples, difícil apenas pelas pessoas que o fazem;

M.V.: Obrigado amigo. Foi uma honra

S.M.: Saudações



Tecnologia do Blogger.