ALEX PROYAS - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

alex-proyas-responde-as-7-perguntas

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será sendo diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês o diretor Alex Proyas

Boa sessão:


1)  É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é um apaixonado por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

A.P.: Os filmes são melhores que a vida real. Fazendo-os e assistindo-os. A vida real não pode competir. Sou cineasta na prática desde os 10 anos de idade... Estava em espírito desde que vi 2001; uma Odisseia no Espaço quando eu tinha 6 anos. Essa é quase a minha vida inteira e quanto mais velha fica, essa parte da vida quando eu não fazia filmes é principalmente uma memória esquecida. Então, eu realmente não conheço uma vida sem filmes.


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga  qual o filme mais importante da sua vida. E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

A.P.: Bem, acho que acabei de responder isso na pergunta acima. Mas eu tenho muitos filmes favoritos e, mais ainda, diretores favoritos. Kubrick, é claro, Hitchcock, Tarkovsky, Bunuel, Fellini. Eu acho que ótimos cineastas fizeram muitos ótimos filmes, e se eles fizeram filmes ruins, é simplesmente porque eles estão constantemente ultrapassando seus próprios limites. Não julgo os artistas por seus erros, apenas os tolos fazem isso, escolho apenas reconhecer seus triunfos.

M.V.: Genial colocação.


3) Você fez algumas obras-primas do filme, como O Corvo e Dark City. Eu sou particularmente um grande fã de seus filmes. Eu amo também "Presságio" e "Eu, Robô". Mas o filme "O Corvo", além de ser um ótimo filme, foi marcado por um episódio fatídico. Sei que pode ser difícil voltar naquele dia, mas me pergunto como foram esses momentos. Como a tragédia tomou conta da equipe e como eles conseguiram terminar o filme, e de maneira tão magistral?

A.P.: Brandon e eu tivemos uma amizade muito próxima. Nós nos conhecemos muito antes de começarmos a produção, e ficamos juntos e discutimos nossas paixões por filmes. Acho que, como resultado, tivemos a colaboração mais próxima que já tive com um ator em qualquer um dos meus filmes - o que tornou a tragédia do que aconteceu ainda mais difícil de superar. Eu terminei o filme porque vi o excelente trabalho de Brandon no filme, que merecia ser visto e se tornou seu legado.


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra-se de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores, por exemplo…

A.P.: Bem, todo filme tem suas "histórias incríveis”... é difícil responder a uma pergunta tão ampla. Eu acho que todo filme é realmente um milagre, se é que existe: montar um filme é uma série de eventos quase aleatórios que conspiram para tornar esse filme em realidade. Tive muitos projetos nos quais me esforcei muito e nunca foram realizados por vários motivos. Eu escolho me concentrar no que estou fazendo agora, montando meu próximo filme. Mas uma curiosidade exclusiva para você: William Hurt questionou por que eu iria molhar as ruas em Dark City. Ele apontou corretamente que, como os Estranhos tinham medo da água, por que eles deixavam as ruas molhadas? Eu disse a ele que as ruas estavam molhadas porque, embora os Estranhos fossem deuses da cidade sombria, o diretor era o deus do filme, e o diretor queria as ruas molhadas porque isso fotografava melhor (risos).

M.V.: Ri alto aqui


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor (ou diretora) do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dele (a), uma obra prima sendo realizada, quem seria e qual o filme? E claro… por quê?

A.P.: Eu não vejo o objetivo disso. Na obsessão cinematográfica de hoje em refazer o passado, tudo o que me interessa é olhar para o futuro. Embora possa ser divertido viajar de volta em sua máquina do tempo imaginada para observar um dos cineastas que admiro, acho que me diria mais sobre a paisagem cinematográfica da época do que me forneceria uma visão real da metodologia do artista. Eu acho que não há nada a ser ganho com um vislumbre do passado. Esse mundo se foi para sempre. O método do artista é claramente visível no trabalho deles, e eu tenho acesso a ele a qualquer momento em seus filmes.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhoso? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

A.P.: Não me arrependo de nada. O arrependimento é uma emoção inútil. O orgulho é ainda mais tolo, pois o impede de ser um artista. Você precisa continuar melhorando, esse é o seu trabalho e sua vida.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

A.P.: "O que temos aqui é uma falha na comunicação" -  Rebeldia indomável.

M.V.: Obrigado amigo. Foi uma honra

Tecnologia do Blogger.