13 CURIOSIDADES SOBRE O FILME "KING KONG (1976)"

13-curiosidades-king-kong

Fazer um remake de um clássico é encarado por muitos como uma ofensa, quase pessoal. Mas para o lendário produtor Dino De Laurentiis, era só mais um dia de trabalho. Seu filme, ainda que não tenha qualquer importância, se comparado ao de 33, é uma obra que ganhou espaço nos corações cinéfilos com os anos. Afinal de contas, o filme tem um diretor acima da média, um elenco bem legal, uma linda trilha, Rick Baker nos efeitos, ou seja, uma mistura que não tinha como dar errado. 

Não é uma obra prima. Mas é obrigatória para amantes do cinema. Veja abaixo 13 curiosidades sobre a produção: 

1) O boneco mecânico de "King Kong" foi construído à escala natural (12 metros de altura) por Carlo Rambaldi, recomendado a Dino de Laurentis por Mario Bava, que declinou a oferta para se ocupar dos efeitos especiais por não se querer ausentar de Itália. Durante todo o filme a única cena em que se vê a estrutura na sua totalidade é a da apresentação de Kong (com a coroa) no parque de diversões de Nova Iorque.Dino De Laurentiis abordou Ray Harryhausen para fazer os efeitos de stop motion para Kong. Harryhausen recusou-o, pois sentiu que 12 meses não eram tempo suficiente para realizar uma sequência tão detalhada.


2) Para as cenas de Kong segurando Jessica Lange, os cineastas construíram gigantescos braços hidráulicos de gorila. As mãos tinham 2 metros de largura e os braços pesavam 750 kg. cada. Eles não estavam prontos até as filmagens começarem. Quando eles foram finalmente construídos, Dino De Laurentiis foi convidado para o set para assistir a um teste. Ele entrou no estúdio e um braço gigante se estendeu em sua direção. Então o dedo médio lentamente se desenrolou e se estendeu. De Laurentiis retribuiu.


3) Sete máscaras diferentes foram criadas por Carlo Rambaldi e moldadas por Rick Baker para transmitir várias emoções. Máscaras separadas eram necessárias, pois havia muitos cabos e mecânicos necessários para que todas as expressões se encaixassem em uma única máscara. Elas eram compostas por um crânio de plástico sobre o qual foram colocados grupos musculares artificiais ativados por cabos que entraram no traje através dos pés de Kong, com as peles externas de látex moldadas por Baker por cima.

As máscaras usavam o sistema hidráulico para fornecer movimento, e assim como o Kong e as mãos mecânicos, as expressões faciais eram controladas pela equipe de operadores que trabalhavam com os painéis de controle. Para completar a aparência de um gorila, Baker usava lentes de contato, para que seus olhos se parecessem com os de um gorila.


4) Para construir as miniaturas do World Trade Center, o designer de produção Dale Hennesy obteve as plantas e os desenhos arquitetônicos dos prédios reais, o que lhe permitiu reproduzir todos os aspectos dos prédios com detalhes exatos.

Na realidade, vários conjuntos foram criados. O primeiro foi uma recriação da praça principal, construída em um estúdio e incluía uma reprodução em três lados da Torre Sul e uma reprodução em dois lados da Torre Norte.


5) O começo de carreira já é naturalmente complicado. Para mulheres consideradas feias, mais curvas neste caminho eram adicionadas. No início dos anos 1970 Meryl começou a participar de testes de elenco. Dino De Laurentiis tinha visto ela em uma peça e a convidou para uma conversa com o seu filho, em um lindo edifício no 33º andar em um escritório incrível que dava para ver toda Manhattan. Ela entrou e ele estava muito animado por apresentar uma nova atriz para o filho.

Quando De Laurentiis a apresentou, ele respondeu, em italiano, “Por que você me trouxe essa coisa feia?” E ela respondeu também em italiano: “Me desculpe, mas eu entendi o que você disse, e me desculpe se eu não sou bonita o suficiente para estar em King Kong”. Ele não imaginava que Meryl tinha estudado e se formado em italiano.


6) Estreia no cinema de Jessica Lange e John Lone. Kim Basinger tentou o papel de Dwan. Foi sua primeira audição para cinema. Sua estreia finalmente veio em 1981, com Terra indomável de David Greene. E neste intervalo de 5 anos, participou de séries e filmes para a TV. Foi oferecido a Bo Derek o papel de Dwan, mas ela recusou. Sua estreia no cinema foi logo depois, com Orca: A Baleia Assassina, lançado em 1977.

Curiosamente, outro filme de conflito com um animal. Fay Wray (a Ann Darrow do filme original) recebeu um convite para fazer participação especial neste Kong. A atriz já tinha se aposentado em meados dos anos 60. Ela recusou porque não gostou do roteiro. Dino De Laurentiis também procurou Britt Ekland para o papel de Dwan, que recusou. Já Melanie Griffith fez teste para o papel de Dwan, mas não foi aprovada..


7) Em sua autobiografia de 1989 "Seria tão bom se você não estivesse aqui ...", Charles Grodin relata que seu personagem originalmente iria sobreviver no filme, e que Dino De Laurentiis já estava planejando uma sequência e perguntou se ele estaria interessado em reprisar o papel.

Mas nas exibições teste, as plateias não gostaram da cena em que Kong tentou pisar em Fred Wilson (Grodin) e errou. Ela foi reeditada para parecer que Wilson havia sido esmagado.


8) Rick Baker criou e usou quatro macacões. Uma roupa especial com músculos cheios de silicone representava realisticamente a musculatura apropriada sob o pelo. As mãos usavam extensões animatrônicas, controladas por operadores à distância, para dar a Kong adequadamente longos membros semelhantes a gorilas.

No final das contas, o filme usou tanto o mega Kong de Rambaldi quanto o prático de Baker.


9) Muita publicidade pré-lançamento enfatizou o gorila mecânico gigante, que no final das contas, apareceu pouco tempo em cena.

Muitas cidades do Brasil receberam Kong (só que a versão Rick Baker e não Carlo Rambaldi !!!), inclusive a minha, Juiz de Fora, a cidade que tudo acontece. Veja as raríssimas fotos da época na imagem abaixo:


10)  O lendário estúdio Hammer também pretendia fazer um remake do Kong de 33 alguns anos antes, mas foi descartado após a execução de alguns rolos de teste. No entanto, algumas das imagens foram usadas em um comercial da Volkswagen que poderá ver na imagem abaixo:


11) Um efeito sonoro usado no rugido de Kong foi usado em Máquina Mortífera 3 (1992), no início do filme, quando Riggs acidentalmente explodiu o prédio. O som pode ser ouvido quando o prédio desmorona (veja a cena abaixo).

Há duas situações curiosas ainda dentro desta curiosidade:

O produtor citou "Tubarão" na época sobre o fato que ninguém chorava no final, mas que em Kong, ele faria as multidões chorarem. "Tubarão", de 1975, faz exatamente a mesma coisa: usa um efeito sonoro de Encurralado (1971) numa cena capital (morte do tubarão e no caso do primeiro, a destruição do caminhão). Coincidentemente, o som dos dois filmes, de Kong e Máquina mortífera 3 são muito parecidos.

A outra coincidência é que a direção de Kong foi oferecida a Spielberg. Mas ele já estava envolvido com Contatos imediatos de 3º grau e sabia que Kong seria uma produção demorada.


12) Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, a Paramount Home Video retirou voluntariamente todas as cópias de DVD (e os VHS que restaram) do varejo que mostravam Kong no topo do World Trade Center cercado por aeronaves. Mais tarde, o DVD foi reeditado com uma capa diferente.

Se olharmos positivamente, Kong parece estar defendendo o prédio, não atacando (na cena do filme, inclusive, ele é o atacado, como sabemos). Mas os EUA nunca souberam lidar com seus traumas...

Aliás, A obra de arte do pôster foi apelidada de "Travolta Kong", devido ao estilo de seus cabelos (veja abaixo).

13)  Quando Dwan aparece pela primeira vez no filme, ela está em um bote de borracha flutuando em direção ao Petrox Explorer. Sua assistente de maquiagem disse-lhe mais tarde que um tubarão foi visto pela tripulação rondando seu bote. Acho que a atriz tem o hábito de atrair grandes animais...  

Quando Dwan explica como chegou ao iate que afundou, ela menciona que seu amigo Harry a levaria a Singapura para colocá-la em um filme. Ela também menciona que, quando o iate afundou, todos, exceto ela, estavam no convés, assistindo ao filme adulto chamado "Garganta Profunda (1972)". O fato indica que Dwan iria estrelar um filme pornográfico e que "Harry" era Harry Reems, astro de Garganta Profunda (1972).

Ou será que ela fez e não ficamos sabendo? Bora procurar?



Obras-Primas do Cinema, apresenta pela primeira vez no Brasil em alta definição, com venda EXCLUSIVA no SITE (www.colecioneclassicos.com.br) com mais de 1 hora de extras! Edição inédita com luva especial, capa rótulo duplo, 3 cards, pôster e livreto de 28 páginas!

Extras:

• “King Kong: A incrível experiência e os problemas de produção”, documentário exclusivo Obras-Primas do Cinema (40 minutos)
• Fazendo King Kong (22 minutos)
• Cenas deletadas (14 minutos)
• Trailer (2 minutos)


Formato da coleção:

- Luva: Papel 325 Triplex, laminação total 4x1
- Capa Blu-ray (rótulo duplo) 4x1
- Cards: 3 unidades
- 1 Disco Blu-ray (filme)
- 1 pôster (30x46cm)
- Livreto com 28 páginas

Informações técnicas da edição:

Título Original: King Kong
Ano de Produção: 1976
País de Produção: Estados Unidos
Gênero: Aventura
Direção: John Guillermin
Elenco Principal: Jeff Bridges, Charles Grodin, Jessica Lange, John Randolph, Rene Auberjonois, Julius Harris, Jack O'Halloran, Dennis Fimple, Ed Lauter, Jorge Moreno.
Resolução: 1080p High Definition (1920 x 1080p)
Idiomas: Inglês (original) | Português (dublagem)
Áudios: DTS-HD Master Audio 5.1, DTS-HD Master Audio 2.0 (Inglês), Dolby Digital 2.0 (português)
Legendas: Português - Inglês
Formato de Tela: 2.35:1
Cor: Colorido
Duração Aproximada: 134 minutos
Região: A-B-C
Faixa Etária: 14 Anos, Contém: Insinuação Sexual, Morte.




Tecnologia do Blogger.