VINGADOR DOS MARES (1962) - FILM REVIEW

vingador-dos-mares-1962-film-review

Um fato comum na história do cinema é de atores (e de forma pouco recorrente, atrizes) testarem novos horizontes dirigindo filmes. E outro fator comum é da filmografia na função ser curta. Kevin Costner, por exemplo, dirigiu 3 filmes. Charles Laughton e Toshirô Mifune apenas um. A lista é longa, mas o nome que nos importa hoje é Peter Ustinov. O ator inglês, vencedor de dois Óscares (por Spartacus e Topkapi) se aventurou na direção algumas vezes, sendo "O Vingador dos mares" seu melhor filme. 

A história se passa em 1797. Nela, o comandante do veleiro de guerra britânico chamado HMS Avenger (dai o "Vingador" do título) alista o jovem marinheiro do navio mercante "The Rights Of Man" ("Os direitos do homem") chamado Billy Budd (Terence Stamp). Ele é amigável com todos e um eficiente marujo, logo sendo promovido a chefe dos grumetes. No entanto, entre os oficiais do navio está o brutal e odiado mestre-de-armas John Claggart (Robert Ryan). 


John aplica castigos físicos com frequência nos tripulantes e, apesar de contrariados, os outros oficiais não intercedem para não afetarem a disciplina. Claggart desconfia que os homens estejam preparando um motim e acaba implicando Billy na conspiração. Os oficiais sabem que Budd é inocente, mas não querem confrontar Claggart.

A obra é uma adaptação da versão teatral do conto homônimo de Herman Melville, mais conhecido por Moby Dick. Billy Budd, Sailor é uma novela do escritor americano que foi deixada inacabada com a sua morte em 1891. Aclamada pela crítica como uma obra-prima quando uma versão transcrita às pressas foi finalmente publicada em 1924, rapidamente tomou seu lugar como clássico, perdendo apenas para Moby Dick entre as obras de Melville. 


O autor começou a obra no final de 1886, revisando e expandindo de tempos em tempos, mas deixou o manuscrito em desordem. A viúva de Melville, Elizabeth, começou a editá-lo para publicação, mas não foi capaz de decidir as intenções do marido em pontos chave, até mesmo o título pretendido. Raymond M. Weaver, o primeiro biógrafo de Melville, recebeu o manuscrito e publicou a versão em 1924, que foi prejudicada pela interpretação errônea de Elizabeth em função da péssima caligrafia do autor. Os estudiosos de Melville Harrison Hayford e Merton M. Sealts Jr. publicaram o que é considerado o melhor texto de transcrição e leitura crítica em 1962, mesmo ano do lançamento de Vingador dos mares.

O produtor independente Frank Gilbert adquiriu os direitos de exibição em 1956 (mostrando que o lançamento em 1962 foi mera coincidência) e atribuiu a adaptação a DeWitt Bodeen  (em seu último trabalho como roteirista). Os direitos foram posteriormente vendidos ao produtor e diretor independente Robert Rossen , que trabalhou com Bodeen em um segundo roteiro. Quando chegou à tela em 1962, foi vendido ao ator Peter Ustinov , que escreveu o roteiro final durante as filmagens, mas deu a Bodeen um crédito de co-roteirista.


Porém, quando o filme estreou na Grã-Bretanha em novembro de 1962, não havia menção a DeWitt Bodeen nos créditos do roteiro ou na publicidade. O roteiro foi creditado apenas a Peter Ustinov e Robert Rossen . No entanto, sempre que este filme foi exibido na televisão britânica (foi televisionado apenas em algumas ocasiões no Reino Unido), os créditos nomearam Bodeen como o único colaborador de Ustinov, e não mencionaram Rossen. Uma zona, poderíamos dizer.

Terence Stamp afirmou que ficou desconcertado por Robert Ryan mantê-lo à distância durante as filmagens. Mais tarde, ele percebeu que isso tinha sido feito deliberadamente para criar a tensão certa entre seus personagens. Ryan já era um ator experiente enquanto Stamp estava em seu ano de estreia. No mesmo ano fez Mentira infamante, com Laurence Olivier e Sarah Miles. Somente 3 anos depois ele passou a ser conhecido do público, pela obra prima O Colecionador, de William Wyler.


Já Peter Ustinov relatou que ficou horrorizado com as tentativas da Allied Artists de tornar o filme mais comercial. Uma ideia era editá-lo como um filme de piratas. Também houve repetidas tentativas de impor um final feliz ao filme. Ustinov sarcasticamente perguntou se eles achavam que "Ben Hur" teria sido um sucesso maior se Cristo tivesse sido dispensado da crucificação. O final trágico da história de Melville foi obviamente mantido. Ustinov também teve problemas com atritos entre os britânicos e espanhóis da tripulação, em parte porque os primeiros insistiam em seus intervalos sindicais para o chá e em ter banheiros mais sofisticados.

O filme veio num ano em que a concorrência foi desleal. Dois grandes filmes com temas muito parecidos chegaram aos cinemas. Revolta em Alto Mar, de Lewis Gilbert e com Alec Guinness, Dirk Bogarde e Anthony Quayle, que mostra Crawford, o comandante do navio de guerra H.M.S. Defiant enfrentando uma tripulação amotinada e a armada de Napoleão; e o O Grande motim, dirigido por  Lewis Milestone, com Marlon Brando, Trevor Howard e  Richard Harris, que mostrava o capitão William Bligh, cujos métodos agressivos não eram bem aceitos pela tripulação, e acaba causando um motim durante o percurso.


Em comparação a estes dois, Vingador dos mares acaba soando mais intimista e menos espetáculo. O público desavisado, talvez tenha ido aos cinemas buscando mais uma destas obras em que a luta é árdua, mas o bem vence o mal, e acabou se deparando um Joana D'Arc. E a expectativa costuma sabotar a experiência. Por isto cinema é tão fantástico. Uma obra como esta pode ser vista décadas depois, e quando tirada daquele contexto, se torna um grande filme.



Classicline  lançou esta obra inesquecível e atual, para colecionadores e curiosos, que pode ser comprada diretamente no site da própria empresa, com ótimos descontos no frete e promoções absurdas para ficarem tentados a levarem vários filmes. Não deixe de conferir. Só clicar na imagem acima e aproveitar...

Informações da edição:

Título: O Vingador dos Mares
Título Original: Billy Budd
Ano de Produção: 1962 
Audio: 1.0 / 2.0 Dolby Digital
Classificação Indicativa: 12 Anos
Cor Colorido
Elenco:Robert Ryan, Peter Ustinov, Melvyn Dougla
Direção: Peter Ustinov
Roteiro: Louis O. Coxe, Robert H. Chapman
Produtor: Peter Ustinov
Direção de Arte: Peter Murton
Fotografia : Robert Krasker
Duração: 123 min.  
Extras: Cartazes originais, trailer e clipe com galeria de fotos.
Formato de tela: Letterbox  
Midia; DVD
Gênero: Aventura
Idioma: Inglês
Legendas: Português
País: Estados Unidos
Qtd Discos: 1




Tecnologia do Blogger.