DIANE FRANKLIN - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

diane-franklin-7

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo, mas valeu a pena.

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do (a) entrevistado (a), mas desta vez será sendo diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista.

E hoje, com vocês a atriz Diane Franklin

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa relação com o cinema. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Você é uma apaixonada por cinema? Conte-nos um pouco de como é sua relação com a 7ª arte.

D.F.: Quando eu era criança, nos anos 60, os filmes geralmente não eram feitos para o público jovem. A maioria das crianças foi criada na televisão. Então, minha primeira influência foi de um programa de TV americano chamado "Que garota", estrelado por uma atriz chamada Marlo Thomas. Lembro que ela era uma das poucas atrizes americanas de cabelos escuros na TV na época. Ela tinha uma personalidade borbulhante como eu, e interpretou "uma atriz" na série de TV, o que talvez me deu a ideia de me tornar atriz! A partir de então, sonhei em estar “na televisão”, cantando, dançando e atuado em casa para minha família. Quando eu tinha 10 anos, meu sonho se tornou realidade. Comecei a atuar profissionalmente, e só então me tornei consciente da "atuação cinematográfica". Lembro-me de ir com meus pais para assistir a filmes PG-13, que geralmente mostravam palavrões que você não podia ver na televisão.


Embora eu não me lembre do primeiro filme que vi, lembro da tela grande e do efeito que isso teve em mim! Foi cativante! Foi uma experiência sensorial avassaladora !! Lembro-me de me apaixonar por atores bonitos e de querer ser como as belas atrizes que vi na tela. Às vezes eu me colocava no lugar dos papéis que eles desempenhavam e me comportava como eles na vida real! As histórias continuavam comigo depois da exibição do filme. O cinema tem um poderoso efeito posterior. Então comecei a fazer testes para filmes aos 12 anos e, de repente, descobri como os filmes eram feitos. Aprendi que meu papel era apenas uma pequena parte de um processo muito grande. Passei a ir ao cinema para estudá-los. Eu estudaria as performances dos atores e atrizes. E meu amor pelo cinema cresceu. Lembro-me de fazer um teste para filmes com classificação R (restrita), nunca tendo visto um! Geralmente havia linguagem ruim, violência ou nudez parcial dos personagens. Uma história engraçada sobre isso é quando eu fiz o teste para o papel principal no filme de terror, O Exorcista, eu não tinha ideia do que significavam todas os palavrões que eu estava lendo! Mas isso não me dissuadiu do meu amor por ser atriz. Continuei a atuar porque estava apaixonada pela tela grande!

Outra experiência engraçada que tive foi quando eu era uma estrela de cinema, fui ver um filme em que eu estava, em um cinema. Eu tinha 20 anos e fui ver Amityville II. Lembro que tive que mostrar minha identidade para me ver no filme. Eu disse ao rapaz da bilheteria: "Sabe, é irônico que você esteja pedindo a minha identidade, já que eu sou a pessoa que fez a performance que classificou o filme como Restrito!"


Mas valeu a pena assistir na tela grande! Anos depois, meus filmes seriam exibidos na televisão a cabo. Se você deixasse a sala por algum motivo, perderia parte da história, pois não podia voltar atrás! Durante esse período, os revisores tinham muito poder. Lembro que era muito caro ver todos os filmes, portanto, os críticos de cinema tinham poder para influenciar o público onde gastar seus cinco dólares!

E finalmente, os gravadores domésticos ficaram disponíveis ao público! VHS e Beta estavam sendo comprados. Isso deu aos telespectadores o poder de assistir qualquer filme que eles gostassem. Era mais barato porque mais de uma pessoa podia assistir ao mesmo tempo, e era mais divertido, porque você podia finalmente assistir suas cenas favoritas repetidamente, rebobinando. (Como você pode imaginar, isso tornou os filmes de sexo adolescente dos anos 80 muito populares.) Então, quando DVDs e BLU-Rays foram lançados, as pessoas agora podiam possuir cópias de seus filmes favoritos, tornando-o ainda mais emocionante! Agora, os fãs de cinema podem obtê-los autografados por suas estrelas de cinema favoritas, assinados em convenções em todo o mundo! Hoje, o filme ainda atrai o público com TV paga e streaming na Internet. Parece que, para as gerações futuras, o amor pelo cinema continuará, não importa o que aconteça!


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga qual o filme mais importante da sua vida. 
E  há uma razão para a produção que citar ser destacada?

D.F.:O filme que teve o maior efeito em minha carreira foi a Escolha de Sofia. Meus pais eram imigrantes europeus que sobreviveram à Segunda Guerra Mundial, então eu estava perto do assunto, mas ainda mais poderosa foi a atuação de Meryl Streep. Fiquei emocionada com seus gentis maneirismos, emocionada por sua profunda emoção e espantada com seu dialeto crível. Achei o trabalho dela tão memorável que comecei a praticar dialetos por conta própria. Isso afetou toda a minha carreira de atriz, porque eu sempre fui atraída por personagens com uma voz distinta. Streep provavelmente não sabe quem eu sou, mas sempre serei grato a ela.


3) A pergunta seguinte seria o que te motivou a ser atriz.. Mas já imagino sua resposta..
.
D.F.: Meryl Streep

M.V.: Exato


4) Algumas profissões rendem histórias interessantes, curiosas e às vezes engraçadas. E certamente, quem trabalha com cinema, tem suas pérolas. Lembra de alguma história legal que tenha acontecido  durante a execução de algum trabalho seu e que possa compartilhar conosco? Alguma história de bastidores por exemplo…

D.F.: Sempre me impressionou que as pessoas tenham visto "Amityville II: A possessão", porque no início dos anos 80 as sequências não eram comuns, nem populares. Pensava-se que o público só estaria interessado no filme original. Estou muito honrado que o filme ainda é amado hoje. Pessoalmente, acho que "Possessão" é o mais assustador de todos os filmes de Amityville e é um verdadeiro horror. 

M.V.: Para mim também. Acho o melhor e mais marcante filme da série de longe ...


D.F.: Baseia-se livremente na história verdadeira que ocorreu em 1974, na qual uma família foi assassinada em Amityville, Long Island. O filme se destaca por ser um retrato realista de abuso familiar, tiroteio, exorcismo e incesto. Entro em detalhes sobre isso em minha primeira autobiografia “Diane Franklin: The Excellent Adventures of the Last American, French-Exchange Babe of the 80s" agora disponível na Amazon. Eu levei meu papel de filha, Patricia Montelli, muito a sério. Eu tinha 20 anos quando filmei, mas parecia 15. Eu estava confiante no meu trabalho porque trabalhava há 10 anos e sabia desempenhar meu papel com vulnerabilidade e sinceridade. Tive a sorte de trabalhar com outros grandes atores profissionais, Burt Young, Rutanya Alda e James Olsen, pois esse foi apenas o meu segundo filme.

M.V.: Eu também tive a honra de entrevistar  Rutanya Alda, que também é super atenciosa. 


D.F.: Verdade...Meu papel no filme foi o de uma típica filha adolescente. Eu tinha que ficar divertida e relaxada e não esperar pelo medo, ou não seria capaz de desempenhar o papel. Dito isto, não pesquisei os assassinatos dos DeFeo, nem busquei nenhuma energia obscura para a minha psique durante as filmagens. Fiquei leve e inocente enquanto trabalhava, de forma que quando a casa começou a assombrar e os assassinatos começaram a acontecer, eu fiquei genuinamente surpresa. Mas em 2018, esse não foi o caso quando filmei "Os assassinatos de Amityville". Desta vez, interpretei a mãe, Louise Defeo. Coisas assustadoras ocorreram durante as filmagens. Falo sobre isso na edição BLU-RAY (Amazon), assim como outros atores no filme. Muito assustador e perturbador.

M.V.: E me diga se você realmente acredita nas histórias de Warren. Como você deve saber, eles investigaram o caso de Amityville.

D.F.: Eu absolutamente acredito que a história de Warren é verdadeira. A sensação que você sente quando entra em uma sala é algo real. Eu acredito que algumas pessoas podem sentir essa energia mais forte que outras.


5) Se pudesse, por um dia, ser uma atriz do cinema clássico (de qualquer país) e através deste dia, ver pelos olhos dela, uma obra prima sendo realizada, qual seria atriz e o filme? E claro, porquê?

D.F.: Que pergunta maravilhosa! Há tantas atrizes que imediatamente vêm à mente! Elizabeth Taylor (Gata em um teto de zinco quente), Marilyn Monroe (Quanto mais quente melhor), Catherine Deneuve (Último metro), Bridget Bardot (E Deus criou a mulher), Sophia Loren (Matrimônio à Italiana) são algumas das minhas favoritas Mas se eu tivesse que escolher apenas uma que eu pudesse olhar através dos olhos, teria que ser Natalie Wood. Teria sido um sonho experimentar sua vida quando ela estava filmando "Amor sublime amor", interpretando Maria. cantar, dançar e atuar. Eu nunca tive a chance de fazer isso em um filme, teria sido uma emoção viver durante esse tempo e trabalhar com esse elenco.


6) Agora voltando à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhosa? 
E em contrapartida, o que você  mais se arrependeu  de fazer, ou caso não tenha se arrependido, teria apenas feito diferente?

D.F.: Esta é uma pergunta difícil. No passado, tenho mais orgulho do meu papel como a estudante de intercâmbio francês, Monique, na comédia "Minha vida é um desastre", de 1985, porque meu personagem é um modelo heroico para meninas, mas também tenho orgulho do meu trabalho em Ultimo americano virgem (1982), porque, embora eu não teria feito as mesmas escolhas que minha personagem Karen fez, o filme ocupa um lugar especial no meu coração. No entanto, ao longo de toda a minha carreira, acho que meu melhor trabalho de atriz está no meu mais novo trabalho: "Os assassinatos de Amityville" de 2019. Cresci como atriz e sou grato por ter a oportunidade de interpretar a mãe na história, quando uma vez interpretei a filha, em Amityville II: A possessão.

E se eu me arrependo de ter desempenhado algum papel? Nem um pouco… Eu aprendi algo com cada performance que dei e cada coisa que aprendi me fez uma atriz melhor!


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

D.F.: "Tudo o que você precisa é de uma pequena amostra do sucesso, e você achará que combina com você ..."
Monique Junot  em Minha vida é um desastre

M.V.: (Risos). Obrigado. Foi um grande prazer

D.F.: Obrigado a você. Adorei as perguntas.



Tecnologia do Blogger.