KAREN SHAKHNAZAROV - 10 FILMES ESSENCIAIS

karen-shakhnazarov-10-filmes-essenciais

O homenageado de hoje é Karen Shakhnazarov, cineasta, produtor e roteirista soviético, nascido em Krasnodar, na região de Kuban, no Cáucaso. Ele formou-se em 1975, pelo VGIK (Instituto Estatal de Cinema). Com muitos prêmios nacionais e internacionais, seus filmes apresentam uma densa reflexão crítica sobre a restauração do capitalismo e o desmembramento da União Soviética. Assumiu em 1998 a direção geral do Mosfilm, o maior estúdio de cinema da Rússia.

Confira seus 10 filmes essenciais e algumas matérias sobre os filmes:

Aleksei Beglov fora um famoso bailarino de sapateado na década de 1950. Depois de 30 anos, trabalha como um modesto professor de um grupo de variedades. Sua antiga fama só é conhecida pelos seus amigos e músicos próximos. Tudo começa a mudar quando um jovem um tanto estranho, com uma perna quebrada, vem lhe pedir que o ensine a sapatear. Apesar das deficiências do aluno, Beglov se envolve e ganha novo fôlego, como se voltasse à juventude. E a oportunidade de voltar a brilhar vem quando o programa de TV “Nomes Esquecidos” informa que ele não está mais vivo.

Vivendo durante o governo de Mikhail Gorbachov (1985-91) numa sociedade à deriva, Ivan, rapaz sem noção da realidade, consegue um emprego de office boy. Através de uma das entregas ele conhece o professor de Pedagogia Kuznetzov, e sua filha Katya. Para irritar o professor, Ivan afirma ter engravidado Katya. Para sua surpresa ela confirma a história. O roteiro é baseado na novela, de mesmo nome, do diretor Karen Shakhnazarov.

Durante a Perestroika, quando tudo parece estar de cabeça para baixo, Aleksei Varakin, representante de uma indústria de Moscou, é enviado a uma pequena cidade para tratar com um fornecedor de máquinas de ar condicionado. O que era uma viagem de negócios corriqueira se transforma em pesadelo, à medida que Varakin se envolve em situações bizarras. Para completar o absurdo, Varakin descobre que não é possível deixar a cidade.


Cidade Zero é uma obra surreal que flerta com o surreal (meio David Lynch meio Terry Gilliam), mas de forma genial, se estabelece com os pés no chão, mais perto da realidade possível. 

Timofyev (Malcolm McDowell), um paciente de uma instituição de problemas mentais nos dias atuais acredita ter sido o responsável pela morte do Czar Alexandre em 1881 e do Czar Nicolau II em 1918. O doutor Smirnov (Oleg Yankovsky) decide aplicar um método terapêutico peculiar a ele, mas as coisas acontecem de maneira inesperada. Eles decidem fazer uma regressão para reviver aqueles momentos e então descobrir o que realmente aconteceu.

Na década de 90 do século XIX, a condessa Prizorova sonha que é Masha Stepanova, faxineira de um bar em Moscou, no ano de 1993. Em suas incursões ao futuro a aristocrata vê o marido vender fotos dela nua na rua, a fim de ganhar o dinheiro necessário para comprar comida pelos preços altamente inflacionados, com Yeltsin chegaram a 2000%. Mais tarde, os funcionários do governo a intimam a servir de atração sexual para convencer um representante do FMI a liberar os créditos prometidos, mas não concedidos à Rússia.

O russo Varakin é abandonado pela mulher, que decide viver com um americano nos EUA. Quatro anos depois, Varakin viaja à América para rever a filha, agora com sete anos de idade. A menina mora com a mãe e o padrasto em uma casa luxuosa e sua família é o estereótipo do "sonho americano". Contudo, a garota parece insatisfeita e logo se afeiçoa a Varakin, um homem divertido, verdadeiro e carismático. Mas que não fala inglês.


O filme tem fortes conexões com outra obra prima de Wim Wenders, Paris, Texas, de 1984. Ainda que a história caminhe para outros rumos, há diversas cenas muito parecidas, mesmo que em contextos diferentes.  

Moscou, União Soviética, inverno de 1973. Estudante do primeiro ano na escola, Sergei Narbekov (Aleksandr Liapin) ganha dinheiro vendendo os livros de seu avô – um renomado arqueólogo – para um comerciante de livros antigos, a fim de comprar jeans e discos dos Rolling Stones no mercado negro, além de ir a restaurantes com seus dois amigos: Kostia Denisov (Ivan Kupreenko) e Stepan Molodtsov (Egor Baranovskii).

Baseado em um conto de Chekov, Ward No. 6 conta a história de um psiquiatra que se torna paciente do asilo que antes comandava. Adaptado para a Rússia dos dias atuais, o filme é uma mistura de ansiedade e mistério, mostrando como é fácil nos tornarmos o que mais tememos.

Encontrado quase morto entre destroços fumegantes no campo de batalha, o tanquista Ivan Naidionov tem uma recuperação surpreendente que desafia a capacidade de compreensão dos médicos. Mais misteriosa se torna a história quando ele revela que foi atingido pelo Tigre Branco, indestrutível tanque alemão que surge e desaparece por encanto, deixando um rastro de destruição e morte. Ligados por um elo sobrenatural, o homem e a máquina se empenham numa batalha que se projeta para além daqueles tempos.


Este filme foi uma das produções soviéticas mais aplaudidos de 2012 e representante do seu país na disputa por uma indicação ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Corria o ano de 1904. Um hospital militar russo funciona numa semi-abandonada aldeia chinesa. Serguey Karenin, chefe desse hospital, fica sabendo que o oficial ferido que está sendo operado é o conde Vronsky, amante de sua mãe. Karenin vai até Vronsky e lhe dirige a pergunta que o atormentara por toda a vida: o que fez sua mãe querer deixar de viver? Publicado em 1877, o aclamado romance de Tolstoi narra o trágico caso extraconjugal de Anna Karenina. Nesta adaptação cinematográfica, Shakhnazarov o tempera com os escritos Vikenty Veresaev sobre a guerra russo-japonesa, avançando 30 anos no tempo para recontar a história sob o ponto de vista de Vronsky, em vários flashbacks.



Anna Karenina é um romance do escritor russo Liev Tolstói. A história começou a ser publicada por meio da revista Ruskii Véstnik entre janeiro de 1875 e abril de 1877, mas seu final não chegou a ser publicado nela por motivos de desacordo entre Tolstói e e o seu editor, Mikhaíl Katkov, sobre o final do romance. Portanto, a primeira edição completa do texto apareceu em forma de livro ainda em 1877.


A CPC Umes filmes lançou 7 (!!!) obras do diretor Karen Shakhnazarov, sendo que o filme Anna Karenina saiu também em BLURAY.


Os filmes podem ser adquiridos no próprio site da empresa, que abastece o mercado com grandes obras soviéticas. É só clicar na imagem abaixo e ser feliz...


Acesse também:






Tecnologia do Blogger.