COMBOIO DO TERROR (1986) - FILM REVIEW

comboio-do-terror-1986-film-review.

Who made who?  who made you?

Dizer que "Comboio do terror" é uma obra prima parece leviano. Mas já dizia o velho ditado "Que ama o feio, bonito lhe parece". Sendo assim, amo o filme. Mesmo. Assisti mais de 100 vezes, sendo ele um dos filmes que mais vi na vida, ladeado de Tubarão (251) e Bons Companheiros (135). E revejo até hoje. Alguém pode me perguntar o por quê?

Chamá-lo de “Guilty Pleasure” é uma maldade. Para quem não sabe, “Guilty pleasure” é um termo usado para definir aquelas coisas que nós amamos, mas sentimos uma culpa por gostar. Algo  fora dos padrões, mas que de alguma maneira acaba nos conquistando. Então, não podemos chamar um "Poderoso chefão" de G.P. Mas, teoricamente, "Comboio do terror" pode ser considerado G.P. por que muitos o consideram horrível, inclusive boa parte dos críticos.


Não discordo, mas defendo o direito de que qualquer filme, mesmo ruim, pode ser idolatrado por conta de uma série de fatores, principalmente nostalgia. E no meu caso especificamente, os filmes que assisti nos anos 80 são muito nostálgicos. Foi a época que eu me descobri cinéfilo, revendo dezenas de vezes os filmes que passavam na TV. Comboio do terror foi o segundo filme que gravei no meu novíssimo JVC na época. Quem me conhece, sabe que o primeiro foi Tubarão. 

Então, Comboio do terror foi tipo, meu primeiro amor.  Na história, durante a passagem de um cometa pela Terra, uma espécie de rebelião de máquinas contra os humanos toma forma. Os caminhões da cidade começam a se mover por conta própria, parecendo ter o poder de pensar e todos que estão em seu caminho são perseguidos até a morte.


A julgar pela música do grupo AC/DC usada como tema, "Who made who?", o filme faz uma previsão do que seria o mundo tomando pelas máquinas, criadas pelo próprio homem. Algo mostrado anteriormente em Exterminador do futuro. Dois anos antes, para ser preciso.  O roteiro foi vagamente baseado no conto, escrito por Stephen King, intitulado no Brasil de "Caminhões" (Trucks) do livro Sombras da Noite (Night Shift) de 1978. Naquele período eu não fazia ideia de quem era Stephen King e nem imaginava que me tornaria um assíduo maratonista das suas adaptações para o cinema ou TV.  Aliás, este foi o único filme dirigido por Stephen King. Teve uma espécie de refilmagem para a TV em 1998, chamada “Trucks - Comboio do Terror”, que particularmente, achei sofrível. 

Quem criou quem, quem criou você?
Quem criou você?
ninguém te contou?
Quem criou quem, quem criou você?
Se você os criou e eles criaram você
Quem pagou a conta e quem criou quem?
Quem criou você?
Quem girou o parafuso?
AC/DC


Vou discorrer prós e contras do filme a seguir. Mas já adianto, nem de longe é um Batman Vs Superman, ou seja: ame ou deixe. É um filme que reflete uma época de limitações artísticas e com atores queridinhos da época. O principal nome é Emilio Estevez, que além de ser filho de Martin Sheen, era popular em filmes juvenis, como Freejack e Jovem demais para morrer.

Stephen King , sendo um ex-viciado em cocaína, mais tarde admitiu que estava "enlouquecido" o tempo todo em que estava fazendo o filme e muitas vezes não sabia o que estava fazendo. Ele comentou que gostaria de tentar dirigir novamente algum dia, desta vez, sóbrio.


A parada de caminhões "Dixie Boy" era um conjunto construído a 16 quilômetros de Wilmington, na Carolina do Norte. Foi convincente o suficiente a ponto de que vários caminhoneiros tentaram parar e, eventualmente, os produtores tiveram que colocar anúncios em jornais locais dizendo que o "Dixie Boy" era apenas um cenário de filme. Alguns caminhões usados ​​no filme eram de empresas locais e os nomes reais das empresas permaneceram nos veículos.

O AC / DC foi selecionado para fazer a música do filme por Stephen King . Stephen King é um grande fã do AC / DC, e quando os conheceu, perguntou se eles fariam música para este filme. Ele também ofereceu à banda um papel no filme, mas o AC / DC se recusou, afirmando que não tinham esta vocação. Stephen King originalmente queria colocar Bruce Springsteen como ator principal.


Enquanto filmava a cena em que o rolo compressor atravessa o campo de beisebol, Stephen King solicitou que o departamento SFX colocasse uma bolsa de sangue falso perto do boneco de um jovem jogador que seria atropelado por ele. O efeito desejado seria que uma mancha de sangue aparecesse no rolo compressor e fosse manchada na grama repetidamente, como uma prensa de impressão. Enquanto filmava a cena, no entanto, a bolsa de sangue explodiu muito cedo e pulverizou por toda parte, fazendo parecer que a cabeça do garoto também havia explodido. King ficou emocionado com os resultados, mas os censores exigiram que o take fosse cortado.

Como nem tudo são flores, um acidente ocorreu em 31 de julho de 1985 durante a cena do cortador de grama controlado por rádio usado em uma cena. Ele ficou fora de controle e atingiu um bloco de madeira usado como suporte de câmera, disparando lascas de madeira que feriram o diretor de fotografia Armando Nannuzzi. Xomo resultado, ele perdeu o olho direito. Nannuzzi processou Stephen King (e equipe) em 18 de fevereiro de 1987. O processo foi resolvido fora do tribunal.

Se você quer que seja feito da maneira certa, você deve fazer isso sozinho.
Stephen King


A frase parece arrogante, mas se pensarmos que o diretor é próprio autor da obra em que o filme se baseia, não é tão absurda. Embora, ao longo dos anos, e justificasse que esta é uma das suas piores adaptações ao lado de Iluminado, de Stanley Kubrick. Considerando que este último é uma obra prima, a opinião de King é irrelevante neste processo...

No filme, os personagens falam sobre ir a uma ilha chamada Haven, onde não haveria carros. Anos mais tarde, Haven seria uma série, também baseada num trabalho de King chamado "The Colorado Kid", publicado em 2005. Ao longo dos anos, King tornou bem o comum esta ideia de  que várias de suas obras são canônicas. Na série, uma agente do FBI (Audrey Parker) chega à pequena cidade de Haven, em Maine, para um caso de rotina. Habilidades adormecidas da cidade começam a se expressar e Audrey ajuda a manter essas forças à distância enquanto descobre os segredos da cidade.  No episódio da segunda temporada,  chamado "Love Machine", carros e barcos são vistos ganhando vida e atacando seres humanos da mesma forma que fizeram neste filme.


No filme, a Terra passa pela cauda do cometa em 19 de junho de 1987. Em 19 de junho de 1999, King seria atingido e quase morto por um motorista de caminhão distraído. O número 19 tem sido proeminente em seus escritos durante a maior parte de sua carreira.

A produção foi cercada de rumores de que George A. Romero dirigiu uma grande parte do filme enquanto King procurava tratamento para seu vício em cocaína. Muitos fãs do trabalho de Romero notaram que o filme apresenta alguns de seus diferentes ângulos de câmera e opções de edição. Embora King nunca tenha admitido isso de antemão, ele mencionou que Romero estava constantemente no set e King costumava pedir conselhos sobre direção.

Obra prima ou não, é um dos filmes que me fizeram amar cinema. E sem a menor sombra de dúvidas, devo isto a Stephen King. Salve o Rei.


A One Movies/Dark Flix lançou mais um volume da COLEÇÃO STEPHEN KING, que pode ser comprado clicando na imagem acima. 

Cada um mais imperdível que o outro, este ainda vem com a trilha do AC/DC. Veja abaixo detalhes da edição.

COLEÇÃO STEPHEN KING – VOLUME 6
COMBOIO DO TERROR
(Maximum Overdrive)


⇰ Informações técnicas da edição:

98 Minutos – Colorido - Formato de Tela: Widescreen Original 2.35:1 – Áudio Inglês 2.0 Dolby Digital Estéreo – Legendas: Português/Espanhol/Inglês

⇰ Extras: Trailer de Cinema

⇰ Acompanha a: Trilha sonora original composta por AC/DC e um card colecionável

⇰ Embalagem: Amaray box translúcido + luva em cartão 350 gramas empastado laminado com aplicação de verniz local.


Tecnologia do Blogger.