BEATRIZ SALDANHA - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

beatriz-saldanha-entrevista

Através das 7 perguntas capitais eu conheci o mundo, literalmente. Consegui conversar com pessoas que eu jamais imaginaria que seria possível. Foi um projeto de 100 entrevistas, mas que terminou, depois de vários anos de muito trabalho e persistência. Foi cansativo mas valeu a pena. 

Por isto resolvi iniciar um novo projeto, desta vez com menos entrevistas (50 no total) e com um formato um pouco diferente, mas mantendo a ideia de serem 7 perguntas. Eu sempre fazia uma introdução do(a) entrevistado (a), mas desta vez será diferente. Vão conhecê-lo (a) ou saber mais sobre ele (a) através da entrevista. 

E hoje, com vocês, a cineasta, crítica de cinema, curadora e pesquisadora  Beatriz Saldanha

Boa sessão:


1) É comum lembrarmos com carinho do início da nossa vida cinéfila. Os filmes ruins que nos marcaram, os cinemas frequentados (que hoje, provavelmente, estão fechados), as extintas locadoras de VHS que faziam parte do nosso cotidiano. Como foi o nascimento da sua paixão pelo cinema? Se lembra de fatos curiosos e maluquices que fazia?

B.S.: Vixe, senta que a história vai ser longa (risos).  Eu nasci em Fortaleza, mas, devido ao trabalho da minha mãe, morei uma parte significativa da minha infância no interior do Ceará. Lá não tinha cinema, então minha educação cinéfila desde cedo foi baseada em ver os filmes que passavam na televisão e depois nas fitas que eu pegava na locadora. Eventualmente eu viajava para a capital, onde havia cinemas, e a minha primeira lembrança de ir ao cinema de fato foi aos sete anos de idade. O filme era “Uma equipe muito especial”, sobre os desafios do primeiro time feminino de baseball. Eu fui levada por minha irmã mais velha, que era muito fã da Madonna (gosta até hoje), e lembro que quis ir ao banheiro no meio da sessão. Como naquela época era permitido emendar sessões, minha irmã me obrigou a ficar para a próxima sessão com ela, para assistir ao trecho que havíamos perdido quando fomos ao banheiro. 


Quando eu tinha doze anos, fiquei alucinada para assistir Titanic, pois não se falava em outra coisa. Fiz minha mãe programar uma viagem até a capital e ela me levou pra ver o filme no São Luiz, o cinema mais antigo do estado, um dos mais lindos do país, ainda hoje de pé. É curioso que a escola onde eu estudava no interior do estado adotou a figura do Carlitos como símbolo, então na fachada e nos muros principais, e também nos uniformes dos alunos, estava estampada a imagem do Charles Chaplin. Tinha um mural imenso lá dentro com a famosa imagem dele abraçando o Jackie Coogan em “O garoto”. O melhor de tudo é que literalmente do lado da escola tinha uma locadora, chamada Chaplin. Então eu saía da escola e a locadora era minha primeira parada no caminho pra casa. Mesmo criança, eu conseguia locar os filmes sozinha, já que era figurinha carimbada por ali. 

Quando completei 12 anos, voltei a morar na capital, Fortaleza, aí ninguém me segurava. Havia um bom número de cinemas e locadoras, então eu ia ao cinema semanalmente (sempre tive o hábito de ir sozinha), às vezes via três filmes por dia, e sempre pegava muitas fitas na locadora. Como eu gostava mais de clássicos e o aluguel desse tipo de filme era muito barato, eu locava inúmeras fitas com pouco dinheiro. Também ficava sempre ligada no que ia passar na TV, principalmente de madrugada. Instalava um colchão na sala e acabava dormindo ali mesmo. No dia seguinte, pra ir pra escola de manhã cedo, era um sufoco!


2) Muitos adoram fazer listas de filmes preferidos. Outros julgam que é uma lista fluida. Para não te fazer enumerar vários filmes, nos diga qual o filme mais importante da sua vida. E há uma razão para a produção que citar ser destacada?

B.S.: Filme mais “importante”, a meu ver, não significa que seja o melhor filme já feito ou o meu preferido. Quando paro pra pensar em algum filme que teve importância na minha vida, penso em “O fabuloso destino de Amélie Poulain”, que vi aos 16 anos e que me apresentou a um universo que eu não conhecia ainda. Eu não me lembro de ter visto um filme europeu antes disso, e Amélie me incentivou a buscar produções de diferentes países, o que mudou minha vida pra sempre. 

Além disso, foi por causa dele que eu comecei a estudar francês, fiz faculdade disso e até trabalhei por algum tempo como professora do idioma. Hoje, revendo, eu percebo uma série de maneirismos e defeitos, mas não tem como eu negar a importância desse filme na minha vida de adolescente.


3) Você criou a “Revista Les Diaboliques” para destacar o papel da mulher no cinema. Imagino que o nome seja uma referência ao clássico de Henri-Georges Clouzot, que trata de duas mulheres que se unem para se vingar do sádico marido de uma delas (e amante da outra). Conte-nos como fluiu a ideia de criar este veículo, que é tão importante em seu propósito. E quais desafios têm enfrentado?

B.S.: Meu site existe há pouco mais de três anos e nesse entretempo passou por um hiato, mas recentemente voltei a trabalhar intensamente nele. Sim, o nome é uma referência ao clássico de Clouzot, um dos meus filmes preferidos. Eu vejo filmes de horror desde criança, por influência da minha irmã mais velha (a mesma que me levou ao cinema pela primeira vez). Depois de alguns anos escrevendo sobre cinema, comecei a me aprofundar no horror, conhecer melhor a história do gênero, e mesmo que eu ainda não me considerasse uma especialista, eu percebi que as pessoas me associavam muito ao horror e quando surgiam trabalhos eram quase sempre específicos sobre este assunto. 


Foi quando decidi que teria um site especializado, mas queria que ele tivesse um olhar atento à participação feminina nos filmes de horror. Não necessariamente na questão da representação da mulher, algo que outros sites fazem muito bem, mas numa tentativa de mapear e catalogar os filmes de horror dirigidos por mulheres. Não se trata exclusivamente disso, falo de filmes de horror em geral, mas é algo que pretendo evidenciar cada vez mais. Tenho muitas ideias relacionadas a isso, por exemplo, uma seção com perfis das mulheres que se destacam no gênero. A minha ideia no início era ter uma equipe de mulheres especializadas, mas não há uma verba para o funcionamento do site e eu não considero manter pessoas escrevendo para mim de graça. Portanto, eu mantenho sozinha o site, e a dificuldade que enfrento é mantê-lo atualizado, pois a demanda por conteúdo é grande e é difícil competir com portais que têm diversos colaboradores. 

Atualmente, tenho aplicado bastante esforço nas redes sociais (em especial no Instagram), tentando criar conteúdo de consumo rápido para que o nome chegue até as pessoas. Outro desafio que percebo é como me manter relevante escrevendo críticas numa época em que se valoriza tanto a comunicação audiovisual (YouTube) e textos curtíssimos nas redes sociais. No Instagram há incontáveis perfis voltados aos filmes de horror e muitas vezes, para o leitor apressado, uma cotação basta.


4) Toda pessoa que ama cinema tem histórias marcantes para contar. Principalmente quem consegue mesclar a paixão, o hobby e ainda trabalhar com o cinema. Se lembra de alguma história legal que possa compartilhar?

B.S.: Quando eu era adolescente, ainda na escola, eu comecei a escrever aqueles indefectíveis caderninhos de crítica. Escrevia sobre tudo que via e alguns amigos mais próximos sempre pediam para ler e me consultavam sobre filmes para assistir. Acho que foi aí que eu comecei a treinar para fazer o que faço até hoje. Com uns 15 anos eu fui pela primeira vez ao Cine Ceará, o maior festival de cinema do estado, um dos mais importantes do Brasil. 

Lá eu conheci a equipe de um portal de cinema que estava começando ali (hoje é um dos maiores do país) e me juntei ao grupo. Era a única redatora além dos donos do site. Nessa época eu frequentava o festival como espectadora, mas recentemente, através da Aceccine, fiz parte do grupo de curadores de uma mostra integrante do festival e foi emocionante pensar como eu estava voltando ao festival onde tudo começou. Também foi lá que fiz minha primeira (e atrapalhadíssima) entrevista da vida, com o diretor Carlos Reichenbach, hoje falecido. Ele foi muito simpático e paciente comigo.


5) Se pudesse, por um dia, ser um diretor(a) famoso (a) do cinema, e através deste dia, ver pelos olhos dele, uma obra-prima sendo realizada, qual seria o diretor (a) e o filme?

B.S.: Sem dúvida alguma, David Lynch. O filme poderia ser “A estrada perdida”, “Cidade dos sonhos”, mas principalmente a série Twin Peaks. Não sou fã de séries de TV em geral, mas minha obra audiovisual preferida da vida é Twin Peaks, independentemente de ser uma narrativa seriada. Minha paixão por essa série é praticamente impossível de colocar em palavras (tanto que tenho duas tatuagens que falam por mim). Lynch é um artista que me interessa em todas as formas de expressão (cinema, televisão, artes plásticas, música) e cujo processo criativo me interessa mais do que nenhum outro, então pra mim seria o maior dos privilégios poder, por um dia, enxergar através de seus olhos.


6) Agora relacionado à sua área de atuação. Qual trabalho realizado você ficou profundamente orgulhosa? E em contrapartida, o que você mais se arrependeu de fazer ou faria diferente?

B.S.: Fiquei bastante orgulhosa de fazer a ‘Única’, uma publicação voltada a estudos hitchcockianos. Foi minha estreia na organização de um livro. Conseguimos mobilizar diversas pessoas que surgiram com temas surpreendentes e estamos trabalhando no segundo volume. O sucesso da Única nos deu ânimo para pensar em muitos outros projetos de publicação, então é basicamente nossa principal atividade no momento. Sendo absolutamente clichê, reconheço muitos erros, mas não me arrependo de nenhum trabalho que fiz, pois acho que tudo serve de experiência e aprendizado.


7) Para finalizar, deixe uma frase famosa do cinema que te represente.

B.S.: “Eu te amo”, em Invasores de Corpos, de 1978. É uma frase totalmente genérica que está em praticamente todos os filmes já feitos, mas no contexto do filme ela tem uma dimensão que me toca bastante. As pessoas estão sendo desumanizadas e o fato do personagem de Donald Sutherland ser capaz de amar a amiga, interpretada por Brooke Adams, adquire uma profundida revolucionária, mostra que ele ainda tem uma alma. Amar, em tempos de ódio, é um ato de coragem.

M.V.: Perfeita interpretação de algo aparentemente simples, mas que realmente queria dizer muito. Obrigado Beatriz. Foi um prazer.



Tecnologia do Blogger.