VÁ E VEJA (1985) - FILM REVIEW

va-e-veja-1985-film-review.

Nos anos 80, vi o pôster de Vá e veja e achei fantástico. Lembrou-me na época o pôster do filme Stalker. Lembro bem de estar em mãos com os VHS dos dois filmes e compará-los. Na ocasião não aluguei nenhum dos dois e mal sabia eu que estava diante de dois dos maiores filmes soviéticos da história. 

Assisti ao filme, finalmente, muitos anos depois. Uma cópia ruim, distante do maravilhoso bluray lançados pela CPC Umes de uma cópia restaurada. Mas do VHS ao Bluray, Aleksey Kravchenko rouba a cena com seu desempenho estarrecedor. Aleksei Yevgenyevich Kravchenko foi o garoto chamado Florya, do exercito da resistência. Ele tinha 14 anos quando as filmagens começaram. Ele arrasa. Parece envelhecido, hipnotizado, destroçado. Daquelas interpretações como o Coringa de Heath Ledger ou Hans Landa de  Christoph Waltz: única na carreira.
E ele atinge o ápice com a cena citada acima. Crua, dura, brutal, desconcertante, desorientadora. A cena acompanha o garoto, vendo o horror ao seu redor acontecendo, contrastando com a paz no início do filme, quando brincavam na praia. O garoto simplesmente surta naquele meio desesperador, desesperançoso e cruel. A cena é tão forte, que causa a sensação que ele vai perder os sentidos em algum momento. Corpos arrastados para lá e para cá, muitos incendiados (enquanto nazistas aplaudem), e muitos outros momentos chocantes para uma criança assistir, sempre impotente, torna a cena uma das mais marcantes da história do cinema mundial.

O filme concentra-se na ocupação nazista alemã da Bielorrússia, e principalmente nos eventos testemunhados por um jovem adolescente partidário bielorrusso chamado Flyora, que contra a vontade de seus pais,  se junta ao movimento de resistência bielorrusso e depois testemunha as atrocidades nazistas e o sofrimento humano infligido sobre a população.


O diretor parece não querer contar exatamente uma história. Mas mostrar o horror diante daquele fato que mudou a vida de quem vivenciou.  A reflexão sobre ele é quase desnecessária, pois o que realmente deve ser extraído são os efeitos causados. Dentro do próprio filme, as palavras vão perdendo sua vez justamente porque a imagem fala por si. O próprio Klimov joga na tela memórias de sua juventude, tornando o filme mais pessoal e consequentemente, mais forte por ser real. É um relato contundente sobre o ataque nazista à URSS.  O diretor, que fez apenas 5 filmes, sendo este o último, realizou um espetáculo impressionante e emocionante, que quando visto não pode ser esquecido. 

Para tornar esta experiência mais realista possível, Klimov conseguiu vestimentas usadas pelos nazistas, munição de verdade (!!) e foi para as locações reais. Usou "planos sequência " para proporcionar maior realismo (e menos tempo para respirar !!!). Detalhe: estes planos envolvem muitos figurantes. Centenas. Tudo isto para estarmos bem no meio do horror da guerra, de forma mais realista possível. Não há espaço para corpos destroçados como em Soldado Ryan. O horror surge do medo, do surto psicológico, do desespero de ver entes queridos ou desconhecidos sendo mortos de forma cruel. O próprio Spielberg usou um recurso no início do ataque da Normandia parecido com o do filme: quando uma bomba explode ao lado de Florya, ele passa a ouvir um zumbido alto e insistente, que abafa quase completamente os sons do ambiente. O recurso é usado para enfatizar a desorientação.


Não à toa, o título do filme vem da bíblia, numa passagem de apocalipse 6:7,8 onde está escrito "venha e veja" (o tal "come and see" do título original, prontamente cagado pelos tradutores).

Vi quando o Cordeiro abriu o quarto selo. E ouvi o quarto Ser vivo dizer: ‘venha e veja'! Apareceu um cavalo esverdeado. Seu cavaleiro era a Morte. E vinha acompanhado com o mundo dos mortos. Deu par ele poder sobre a quarta parte da terra, para que matasse pela espada, pela fome, pelas pestes e pelas feras da terra. 

O horror, o horror

Muitos são os fatores contribuíram para que Hitler se decidisse por invadir a União Soviética (URSS). Era-lhe difícil precisar quanto tempo os soviéticos se manteriam fora do conflito, mas ele sabia que, mais cedo ou mais tarde, eles se envolveriam. Assim, decidiu tomar a iniciativa, atacando antes. Mas Hitler subestimou o potencial soviético e, de certa forma, sua opinião sobre a capacidade de resistência do Exército Vermelho era compartilhada pelos observadores ocidentais.


Naquele contexto estava Ales Adamovich. Durante a Segunda Guerra Mundial, Alés Adamóvich, ainda estudante, tornou-se membro de uma unidade partidária entre 1942 e 1943. Durante esse período, os nazistas queimaram sistematicamente centenas de aldeias da Bielorrússia e exterminaram seus habitantes. Mais tarde, ele escreveu uma de suas obras mais reconhecidas, "A história de Kathyn", e depois o  roteiro de Vá e veja, baseado em suas experiências como mensageiro e guerrilheiro durante a guerra.

A "matança por queima de pessoas em celeiros", realizada sob o comando de Oskar Dirlewangers ocorreu em 1943 durante a "Operação Cottbus". Embora a suposta intenção dessa "Operação" fosse eliminar os "Partidários". Dirlewanger já havia usado esse método na Polônia. Oskar Dirlewanger foi um oficial da Schutzstaffel durante a Segunda Guerra Mundial. Comandou a 36ª Divisão Waffen Grenadier da SSque encobria os crimes cometidos pelos nazistas na Alemanha.


Somos obrigados a exterminar a população - isso faz parte de nossa missão de proteger a população alemã. Eu tenho o direito de destruir milhões de pessoas de uma raça inferior que se reproduzem como vermes. 
Adolf Hitler, 1941

A partir de 1944, ele retomou seus estudos. Após a guerra, ele entrou na Universidade Estatal da Bielorrússia, onde estudou no departamento de filologia e onde completou a graduação; Ele estudou, mais tarde, nos Cursos Superiores de Roteiristas e na Universidade Estadual de Moscou. Desde a década de 1950, ele trabalhou em Minsk na área de filologia e crítica literária; depois, ele também se dedicou ao cinema.

40 anos depois do fim da segunda guerra, Vá e Veja tomou forma. Klimov co-escreveu o roteiro com Ales Adamovich.  O diretor se convenceu de que aquela história seria um momento negro necessário a ser levado para o grande público após ouvir relatos de pessoas que sobreviveram.


Então, decidiu fazer um filme sobre esta tragédia, entendendo que o filme acabaria sendo duro demais. Para dar veracidade, chamou um elenco não profissional, se apoiando num ator novato e sem técnicas de atuação. Ele queria encontrar um garoto simples de quatorze anos de idade e prepará-lo para experiências mais difíceis e depois capturá-las em película e ao mesmo tempo, protegê-lo do estresse para que ele não fosse deixado na lixeira após o término das filmagens. O diretor planejava hipnotizar Aleksey Kravchenko por um psicoterapeuta durante as cenas mais terríveis e violentas, para que não afetassem sua mente jovem. No entanto, Kravchenko acabou por não ser suscetível à hipnose e teve que fingir o tempo todo. Mas isto lhe trouxe uma emoção tão forte  que seu cabelo ficou cinza durante as filmagens.

De acordo com Klimov, o filme foi tão chocante para o público, que às vezes as ambulâncias eram chamadas para levar espectadores particularmente impressionáveis, tanto na União Soviética quanto no exterior.



Klimov não fez mais filmes depois de Vá e veja e sobre isto justificou:

Perdi o interesse em fazer filmes... Tudo o que era possível, senti que já tinha feito.

Bom, não sei se tudo que era possível, mas entregou um dos 10 grandes filmes soviéticos da história e isto certamente não é pouco.



A CPC Umes filmes, em sua cruzada para abastecer o mercado com filmes soviéticos, lança mais uma obra prima do cinema, porém desta vez, uma que já havia sido lançada em DVD. A surpresa é que agora ela vem numa maravilhosa e restaurada copia em BLURAY. Veja detalhes da edição.

Vá e veja (Idi i smotri , 1985, 142 min.)
Direção: Elem Klimov
Elenco Principal:  Aleksey Kravchenko, Olga Mironova, Liubomiras Laucevicius

U+21F0.gif Informações Técnicas:

Distribuidora: CPC UMES FILMES
Título Original: IDI I SMOTRI
Idioma: RUSSO
Legendas: PORTUGUÊS
Ano de Produção: 1985
País de Produção: RUSSIA
Classificação Indicativa: Livre Região: All
Sistema de Cores:  COLORIDO
Quantidade de Discos:  1
Formato da Tela:  16:9 Pillarbox
Sistema:  NTSC
Duração: 142 minutos
Origem:  NACIONAL
Formato:  DVD
Preço sugerido: R$ 54,90






Tecnologia do Blogger.