PARCERIAS NO CINEMA: PETER CUSHING E CHRISTOPHER LEE


Peter Wilton Cushing  foi um ator britânico de cinema, teatro e televisão.

Interpretou na Broadway e no Canadá. Em apoio à sua pátria, contribuiu para o esforço de guerra durante a Segunda Guerra Mundial unindo-se à Associação de Serviços Militares de Entretenimento.

Após a guerra, teve grande participação no filme Hamlet, com Laurence Olivier, no qual seu futuro amigo e companheiro de filmagens, Christopher Lee, teve um pequeno papel. Ambos também apareceram em Moulin Rouge, porém só voltariam a se reunir nos clássicos filmes de terror. 


Christopher Frank Carandini Lee foi um ator britânico conhecido por sua versatilidade e longevidade cinematográfica.

Christopher Lee também foi voluntário em apoio ao exército finlandês durante a Guerra de Inverno contra a União Soviética, entre os anos 1939 e 1940. Começou sua carreira no teatro, desde cedo dedicando-se a papéis de malfeitores. 

Peter e Christopher eram normalmente rivais em cena. Mas grandes amigos na vida fora das telas.  Coincidentemente, Peter fazia aniversário dia 26 de maio. E Lee, dia 27.

Veja abaixo os filmes que estas duas lendas do horror trabalharam juntas...


O príncipe dinamarquês Hamlet (Laurence Olivier) deseja vingar a morte de seu pai, o antigo rei. O problema é que Hamlet descobre, através de uma aparição fantasmagórica de seu próprio pai morto, que o assassino é o seu tio, Cláudio (Basil Sydney), homem que assumiu o trono e casou-se com a mãe de Hamlet, Gertrude (Eileen Herlie).

  • Este Hamlet foi a primeira versão sonora para os cinemas da clássica história de William Shakespeare;
  • Ao longo de toda a história do cinema, já foram realizadas mais de 70 adaptações de Hamlet.


O Moulin Rouge, famoso cabaré em Paris, recebe com frequência a visita do artista francês Henri de Toulouse-Lautrec (José Ferrer), que enquanto bebe seu conhaque também pinta as dançarinas de can can da casa. O proprietário então lhe diz que se ele pintasse um cartaz para o Moulin Rouge, ele poderia beber o quanto quisesse. Essa é uma proposta sedutora para alguém que gosta tanto de viver na boêmia, mas sua vida muda quando ele conhece uma mulher na rua.

  • O artista Marcel Vertès, cuja mão podemos ver fazendo os desenhos de Lautrec no filme, custeou parte dos seus estudos forjando e vendendo desenhos de "Lautrec".
  • Grande parte da fotografia do filme foi feita para lembrar ao poster artístico de Toulouse. Alguns figurinos e a maquiagem dos atores também prestaram uma homenagem ao artista.
  • O alto ator José Ferrer foi transformado no baixinho Toulouse-Lautrec pelo uso de ângulos de câmera, maquiagem, figurino e dublês menores que ele. Ferrer também usou um tipo especial de joelheira para que ele pudesse andar nos joelhos. O problema foi que ele sentia muita dor ao fazer isso, e só podia filmar assim por períodos curtos de tempo. Talvez isso explique a bengala que ele usa na maioria das cenas, história que foi contada na revista LIFE em 1952, que a tal bengala era de extrema necessidade.
  • John Huston só terminou a edição final horas antes do lançamento do filme em dezembro, para qualificá-lo a indicação a um Oscar.


Alexandre (Burton) é um homem perturbado pelo conflito entre a elevada sabedoria de seu professor, Aristóteles (Barry Jones), a lealdade a seu pai (March), um guerreiro, e seu próprio grandioso desígnio de dominar o mundo. Em um mundo turbulento de política conturbada, este jovem ambicioso ergue-se acima de todos os conflitos a fim de julgar os continentes da Europa e Ásia e tornar-se um dos maiores e mais famosos governantes de todos os tempos.


Barão Frankenstein (Peter Cushing), prestes a ser executado na guilhotina, relata sua história ao padre local. Sua juventude como herdeiro de uma fortuna, seus estudos com seu mentor Paul Krempe (Robert Urquhart), as suas pesquisas, culminando com a descoberta de como devolver à vida criaturas mortas, quando ele decide criar um ser humano a partir de restos mortais - mas alguns imprevistos tornam sua criatura (Christopher Lee) um ser agressivo e irracional.


No século XIX na Alemanha, Jonathan Harker (John Van Eyssen) vai até o castelo do Conde Drácula (Christopher Lee), mesmo sendo advertido por sua esposa Lucy (Carol Marsh) a não ir. Ao chegar lá ele é atacado por uma vampira, e espera o momento em que ela e Drácula estejam dormindo em seu caixão para atacá-los. Ele enfia um punhal no peito da mulher e está prestes a fazer o mesmo com Drácula quando este acorda e o surpreende. Quando o Dr. Van Helsing (Peter Cushing), um estudioso de vampiros, chega até a cidade procurando por Harker, ele descobre que seu amigo virou um deles. 

  • O título nos Estados Unidos foi mudado para o "Horror of Dracula" para evitar confusão com a versão clássica de 1931 (Dracula). Essa era uma preocupação real porque a versão de Bela Lugosi ainda estava passando nos cinemas, o que durou até o pacote de filmes clássicos de terror da Universal ser lançado na televisão.
  • Enquanto gravava a cena em que Dracula sepulta Mina, Christopher Lee caiu na cova no chão bem cima da dublê.
  • Em diversas ocasiões, Christopher Lee reclamou das lentes de contato que ele que usar em algumas cenas. Não só era bem doloroso, como também ele não conseguia ver nada.
  • Christopher Lee tem apenas 13 falas no filme.


Durante os anos de 1740, o cruel aristocrata Sir Hugo Baskerville embriaga-se em uma festa na sua mansão rural e tenta abusar de uma serva que foge por uma janela. Ele a persegue auxiliado pelos seus cães de caça e quando a encurrala numa ruína dentro de sua propriedade, é morto por uma fera misteriosa. A história se torna a lenda sobre a maldição da família, pois outros descendentes apareceram mortos supostamente pelo mesmo animal que se tornou conhecido como o "Cão dos Baskervilles".


Egito, 1895. Três arqueologistas britânicos, John Banning (Peter Cushing), Stephen Banning (Felix Aylmer) e Joseph Whemple (Raymond Hutley), descobrem o túmulo de uma princesa egípcia, Ananka (Yvonne Furneaux), que morreu há quatro mil anos. Sem imaginar o que realmente fazia, Stephen lê o "Pergaminho da Vida". Isto faz voltar a vida Kharis (Christopher Lee), o guardião da tumba, que recebe a ajuda de Mehemet Bey (George Pastell), um egípcio que não aceita o túmulo ter sido profanado por "infiéis".


Em 1910, a pequena cidade alemã de Valdorf está atemorizada depois de uma série de assassinatos misteriosos que ocorreram nos últimos cinco anos. O legista Dr. Namaroff e o chefe de polícia Inspetor Kanof escondem as circunstâncias das mortes, evitando que a população descubra que as vítimas morreram por se transformarem em pedra. Quando tentam acusar o suicida pintor Bruno pela morte de sua amante Sascha, também petrificada, o pai dele, Jules Heitz, não se conforma e decide investigar. 


Cinco pessoas embarcam num trem e, logo em seguida, entra um sexto passageiro. Esse último passageiro é uma figura misteriosa que se auto-intitula Doutor Schreck (Peter Cushing), doutor em metafísica. Um dos passageiros lhe questiona a origem do nome e a resposta é que significa terror. O estranho passageiro carrega cartas de Tarot e alega possuir dons de antever o futuro. Para tanto, convida cada um dos ocupantes do compartimento a tocarem três vezes nas cartas, que chama de “casa dos terrores”. As 4 primeiras cartas predizem o futuro e a 5ª como mudá-lo. O misterioso passageiro passa a narrar o destino de cada um e por fim tira a 5ª carta que revelará sua sorte (ou não) no evento.


Colecionador de objetos esotéricos adquiri o crânio do lendário Marquês de Sade e, alguns dias depois,  percebe que está sendo controlado por forças ocultas que o forçam a cometer crimes grotescos. Tudo leva a crer que tal energia está sendo emanada do crânio. 

  • O roteiro foi escrito por Milton Subotsky e é baseado na obra "The Skull of the Marquis de Sade", do grande Robert Bloch, que se inspirou na verídica história do sumiço do crânio do Marquês de Sade para criar um conto de horror fantástico. 
  • Inicialmente, o filme se chamaria "Infamies of the Marquis de Sade", mas teve que mudar de título às pressas devido a uma ação movida pelos descendentes do Marquês. 

Aventura fantástica produzida pela Hammer e baseada na popular novela de Sir. Henry Rider Haggard, o autor de As Minas do Rei Salomão, que havia sido levada à tela cinco vezes anteriormente. Após a Primeira Guerra Mundial, em Jerusalém, o inglês Leo Vincy (Richardson) sucumbe ante a extraordinária beleza de Ayesna (Andress), reencarnação de uma ancestral rainha egípcia e, com ela atravessa a Chama da Eterna Juventude, depois de inúmeras aventuras transcorridas numa cidade perdida, entre rituais exóticos e situações de perigo para o herói e seu companheiro, Major Holly (Cushing). 


Embora a Inglaterra esteja no meio de um inverno congelante, a pequena ilha escocesa de Fara experimenta uma onda de calor que ultrapassa os 40 graus e sobe diariamente. Sem muito o que fazer, a jovem e linda Angela Roberts dá um jeito de esquentar ainda mais a situação enquanto um cientista misterioso recém chegado, o Dr. Godfrey Hanson, faz pesquisas com o solo e instala câmeras pela ilha. Quando indagado, Godfrey diz suspeitar que a onda de calor seja obra de alienígenas e tentará provar sua teoria e dar um fim a tudo aquilo juntamente com o médico local, o Dr. Vernon Stone.


Chris Pepper (Peter Lawford) e Charlie Salt (Sammy Davis, Jr.) são proprietários de um clube noturno que está à beira da falência. Para conseguirem sair do prejuízo, vão recorrer ao irmão gêmeo aristocrata de Chris. Ele se recusa a ajudá-los e algum tempo depois, é encontrado morto. Pepper assume a identidade do irmão gêmeo para solucionar o caso.

  • Este é o único filme no qual Jerry Lewis dirige e não atua.
  • Na cena do baile, quando o regente da banda vai dar um aviso, a voz do ator é substituída pela voz de Jerry Lewis.
  • Um pouco depois do término das filmagens, a atriz Fiona Lewis (uma atriz britânica) deu uma entrevista para um jornal dizendo que Jerry Lewis era o maior egocêntrico que ela já conheceu. Curiosamente, quando o filme estreou no Reino Unido, meses depois da estréia americana, Jerry Lewis não foi visto em lugar nenhum.

Numa clínica, um atleta que sofreu um colapso quando corria pelas ruas de Londres, acorda e descobre que seus membros são amputados um a um. Enquanto isso, a polícia investiga um assassinato brutal de uma mulher e chega à casa do Dr. Browning, onde ela trabalhava. Outro assassinato ocorre e o policial-superintendente Bellaver teme estar às voltas com um psicopata assassino. Longe dali, num país totalitário da Europa, o misterioso oficial Konratz descobre uma arma secreta e manipula e mata para tomar o controle do poder.


Após mudar-se para uma antiga casa, o ator de filmes de terror Paul Henderson desaparece misteriosamente. Durante sua investigação, o Inspetor Holloway ouve quatro histórias sobre a casa:

Assassinato por Escrito: O escritor Charles Hillyer e sua mulher vão morar na casa onde ele passa a ser perseguido por Dominik, um personagem assassino de seu último livro.
Museu de Cera: Quando um museu de cera instala-se na casa, Phillip Grayson e Neville Rogers tornam-se obcecados por uma estátua que relembra uma mulher que conheceram no passado.
Doces para um Doce: A babá de Jane, Ann Norton, fica horrorizada com o jeito que o pai, John, trata a menina recusando-se até mesmo a dar-lhe uma boneca.
O Manto: Paul Henderson é um ator temperamental que está filmando uma produção de terror nas redondezas muda-se para a casa após comprar uma capa preta de um vendedor peculiar. A peça parece dar poderes ao homem e ele logo recebe a visita de sua co-estrela, Carla, que descobriu seu segredo.


Na Inglaterra dos anos 1800, o Dr. Marlowe faz experimentos com drogas intravenosas e resolve injetar em sí próprio um novo protótipo que supostamente deveria eliminar as inibições das pessoas. Isso liberta Mr. Blake, o alter ego de Marlowe, que a cada trasnformação fica mais monstruoso tanto na mente quanto na aparência. Agora, sua única saída encontra-se nas mãos do Dr. Utterson, seu amigo pessoal e colega de profissão.

  • O filme seria feito em 3-D, mas a idéia teve de ser abandonada devido a conflitos de orçamento.
  • O efeito 3-D já havia sido incluído em metade do filme quando teve de ser abandonado, por isso a película perdeu um pouco do brilho e o filme ficou com algumas imagens estragadas.
  • Ainda é possível ver o efeito 3-D usando um óculos com a lente direita bem mais escura que a esquerda (também funciona se tirarmos a lente esquerda de um óculos de sombra).

Hyde Park, Londres, 1872. Uma luta sem tréguas acontece entre Lawrence Van Helsing e seu arqui-inimigo, o Conde Drácula (Christopher Lee). Van Helsing consegue destruir seu inimigo, que vira pó, mas em razão dos ferimentos sofridos acaba morrendo. Alguém pega o anel de Drácula e recolhe um pouco de suas cinzas em uma ampola. Exatamente 100 anos depois alguns jovens, comandados por Johnny Alucard (Christopher Neame), fazem uma missa negra, sendo que uma das participantes era Jessica Van Helsing (Stephanie Beacham), descendente do caçador de vampiros. Como ela quase todos estavam ali de brincadeira, mas quando a cerimônia toma um rumo inesperado a maioria foge e não vê que Johnny ressuscitou Drácula.


Uma expedição organizada por uma sociedade geológica britânica na Manchúria, em 1906, liderada pelo Prof. Alexander Saxton (Christopher Lee), descobre uma criatura congelada que pode ter milhões de anos. O antropólogo encaixota seu achado e embarca num trem trans-siberiano de volta à Europa. Porém, o monstro desperta e espalha o terror durante a viagem de trem, sugando o conhecimento de suas vítimas e deixando-as com os olhos brancos, enquanto torna-se uma ameaça cada vez mais perigosa.


Emmanuel Hildern, um cientista da época vitoriana, retorna à Londres com um esqueleto que achou em Papua Nova Guiné. Ao acidentalmente expô-lo à água, a carne volta a crescer nos ossos e a criatura se regenera e volta á vida deixando o cientista curioso sobre o uso da decoberta para curar pessoas. Mas seu irmão, o Dr. James Hildern, descobre que o que a criatura traz em seus ossos e carne é a pura essência do mal, fato que Emmanuel só se dá conta após ter injetado um soro feito com o sangue da criatura em toda sua família.


Quando diretores de um orfanato morrem misteriosamente, um coronel de polícia (Christopher Lee) passa a investigar os crimes e, com a ajuda de um psicanalista (Peter Cushing), descobre uma verdade terrivelmente macabra sobre a sinistra instituição


O professor Van Helsing (Peter Cushing) é chamado ao serviço de inteligência britânico para tentar desvendar o desaparecimento de cinco importantes oficiais do serviço secreto. Sua neta Jessica (Joanna Lumley), juntamente com o inspetor Murray, são sequestrados por um bando de motoqueiros a serviço de um bilionário recluso, Denham (Christopher Lee), que nunca é visto a luz do dia. Desesperado em salvar sua neta e o inspetor, Van Helsing entra na mansão maldita de Denham e descobre uma terrível realidade: ele é a reencarnação do Conde Drácula, o mais terrível vampiro da história. 


O malvado Califa Alquazar tem a sua alma presa em um espelho e agora, a única coisa que pode derrotá-lo é a Rosa mágica de Edhil. Ele recruta Hasan, um aventureiro que se diz príncipe, para encontrar a cobiçada rosa mágica , prometendo como recompensa, a princesa Zuleira. O ingênuo príncipe Hasan, desconhecendo os verdadeiros motivos de Alquazar, parte em busca da rosa.


Kenneth Magee, um escritor, é desafiado com uma aposta: escrever um romance em apenas um dia. Para isso, ele vai para uma mansão, em um lugar distante. Ao chegar no local, ele percebe que não está sozinho e que estanhas coisas acontecem lá, sem contar os misteriosos moradores da casa. Além dos empregados. A família que habita o imóvel mantém uma pessoa trancada no sótão há mais de quarenta anos e Magee percebe que não será tão fácil vencer a aposta.




Eles não trabalharam juntos, como sabem, mas trabalharam na mesma saga, fazendo grandes vilões.  E por isto, vieram como bônus do post.



Tecnologia do Blogger.