LEI DO MAIS VALENTE (1959) - FILM REVIEW


Assim como nos acostumamos a ver os soviéticos como inimigos dos EUA (consequentemente da humanidade) em filmes (como não se lembrar de Rocky 4, Rambo 3 por exemplo), os índios foram na maioria das vezes, os grandes vilões do western. O que poucos sabiam por que de certa forma, nem se interessavam em saber, é que a lei do mais forte imperava. Como no ataque da Normandia, durante Segunda Guerra. O que fez os EUA ter sucesso naquele desembarque era o numeroso número de soldados dispostos a morrer. Da mesma forma aconteceu na famosa batalha do Álamo. O exército que tem maior número vence porque fica mais forte desta forma. 


Eu mesmo me acostumei a ver os índios como sanguinários, dispostos a tudo por um escalpo. A sorte nossa é que de tempos em tempos aparece um filme para mostrar o outro lado da história. Como esquecer "Dança com lobos", por exemplo? E a "Lei do mais valente" entra neste hall. 

Baseado livremente na história de Luther Sage “Yellowstone” Kelly, este faroeste tem um elenco cheio de estrelas. Clint Walker é o personagem-título, um soldado caçador que faz amizade com as tribos indígenas norte-americanos em seu território de caça. Sua amizade com os índios Sioux é fortalecida quando ele salva a vida de seu cacique, mas quando a cavalaria dos EUA é atacada pelos índios, ele fica dividido entre suas amizades e lealdade ao seu país. As tropas são abatidas pelos Sioux, mas Kelly resgata Wahleeah (Andra Martin), uma garota índia Apache que está sendo mantida prisioneira pelos Sioux porque ela se recusa a casar com seu cacique. Agora, em nome de sua honra, ele terá que enfrentar toda uma nação indígena.


Luther Sage  era um explorador e escoteiro de fronteira. Serviu no Exército da União durante a Guerra Civil. Em abril de 1868, o alistamento de Kelly no exército terminou e ele foi dispensado no Fort Ransom.  Depois de deixar o exército, Kelly embarcou no que o New York Times mais tarde chamou de "o período mais aventureiro de sua vida", estabelecendo-se como "um dos maiores caçadores e batedores " do oeste americano.  Ele viajou pela primeira vez a Fort Garry , agora Winnipeg, no Canadá, onde se juntou a um grupo de mineiros, viajando com eles para o Rio Vermelho , onde passou o inverno. Ele deixou os mineiros para atravessar o rio Assiniboine, entrando com um grupo em direção ao rio Mouse . Depois de encontrar o famoso "Touro sentado" com esse grupo, Kelly seguiu sozinho em direção ao rio Missouri , chegando finalmente a Fort Buford no inverno.


Chegando lá, Kelly se ofereceu para guiar expedições para Fort Stevenson,  aproximadamente oitenta quilômetros ao longo do rio Missouri. Ele deixou o forte em 5 de fevereiro de 1869. A rota entre os fortes era considerada muito perigosa devido à presença de guerreiros sioux , mas Kelly foi só.  Ele chegou em segurança ao Fort Stevenson e partiu em sua jornada de volta, passando a noite no acampamento de Bloody Knife, chefe dos Arickaree. Na manhã seguinte, Kelly foi emboscado por dois guerreiros sioux. O primeiro feriu o cavalo de Kelly com um rifle, enquanto o segundo atirou em Kelly no joelho com uma flecha. Kelly conseguiu atirar e matar o primeiro atacante rapidamente, mas o segundo se escondeu atrás de uma árvore. Kelly finalmente atirou e matou seu segundo agressor, depois voltou ao acampamento de Bloody Knife para contar a história.  Kelly passou alguns dias no acampamento se recuperando de seu ferimento, depois voltou para Fort Buford, tornando-se "uma espécie de herói e uma celebridade local" por derrotar seus dois agressores.


Para quem não sabe, na época os "escoteiros" era batedores que iam na frente de caravanas para mapear os perigos ou caçadores (no sentido de procurar pessoas desaparecidas em ação). O gatilho para o movimento escoteiro foi a publicação de 1908 do Scouting for Boys, escrita por Robert Baden-Powell, com um programa de treinamento para jovens. Nascia ali os escoteiros, como conhecemos hoje. Kelly era um escoteiro do primeiro momento, realizando missões de procura. 

O filme ainda mostra como o amor entre etnias diferentes pode romper até mesmo os laços de amizade. São entrelinhas que não estávamos atentos há 50 anos, mas que hoje são totalmente visíveis. O filme também  faz referências à derrota do 7.º Regimento de Cavalaria em Litttle Big Horn. A batalha resultou na vitória dos Lakotas e dos Cheyennes do Norte, que aniquilaram um destacamento da cavalaria norte-americana comandado pelo general Custer. Foi a maior derrota do exército americano durante as chamadas Guerras Indígenas. Como dito lá em cima, foi a lei do mais forte vigorando (os índios eram muito numerosos).


Segundo a Warner, a produção iria ser dirigida por John Ford, com John Wayne no papel principal, mas eles escolheram produzir Marcha de heróis (1959). E assim, Yellowstone Kelly caiu nas mãos de outro competente diretor, Gordon Douglas e um elenco famoso por papéis na tv. O projeto foi anunciado em 1956. O roteiro foi escrito no ano seguinte, baseado no romance Clay Fisher publicado em abril de 1957. Após tomar forma, o filme foi finalmente lançado em 1959.


Classicline lançou esta obra imperdível para colecionadores e curiosos, que pode ser comprada diretamente no site da própria empresa, com ótimos descontos no frete e promoções absurdas para ficarem tentados a levarem vários filmes. Não deixem de conferir. Só clicar no nome da empresa e aproveitar...






Tecnologia do Blogger.