VINGADORES: ULTIMATO (2019) - FILM REVIEW

vingadores-ultimato-2019-film-review


The end fo all things


Sai do cinema pensando em tanta coisa. Mas acabei me atendo a um personagem específico. Aliás, um ator: Samuel L. Jackson. O vovô de 70 anos teve duas missões importantes na vida e não foi ser Julius em Pulp Fiction, apesar de ali, ele indicar que era um super-herói ao ser inatingível pelas balas. Sua primeira foi ser Nick Fury e ajudar a dar um propósito a heróis tão distintos. A segunda, ser Sr. Vidro. Se um tinha uma função prática, a outra era filosófica. Ele mostrou para todos nós que os heróis são pessoas especiais, como eu e você que esta lendo o texto.

Pais, filhos, amigos são os verdadeiros heróis do dia a dia, que se não tem superpoderes como os heróis da DC, eles podem ser super pessoas, com habilidades que acima do normal, que podem ser os verdadeiros heróis de nossas vidas. O Sr. Glass discorre sobre isto. Em sua teoria, os heróis sempre existiram e tiveram sua realidade aumentada para os quadrinhos a fim de romancear suas histórias e torná-las mais incríveis.


Como sou cinéfilo raiz, sai do cinema tão empolgado, que vou fazer neste momento uma maratona e ver TODOS os filmes em suas sequências e ir comentando, filme a filme aqui. Foi uma jornada de 10 anos, mas também é uma jornada que pode sempre ser revivida, como uma viagem no tempo, elemento, aliás, imprescindível para que tudo se resolva da forma mais magnífica possível neste universo.

Abaixo, vou comentar cada filme, colocar curiosidades, easter eggs, bilheterias, cenas pós-créditos e as participações especiais do já saudoso Stan Lee. 

Homem de ferro (2008)


Tony Stark (Robert Downey Jr.) é um industrial bilionário, que também é um brilhante inventor. Ao ser sequestrado ele é obrigado por terroristas a construir uma arma devastadora mas, ao invés disto, constrói uma armadura de alta tecnologia que permite que fuja de seu cativeiro. A partir de então ele passa a usá-la para combater o crime, sob o alter-ego do Homem de Ferro.

Paz significa ter um bastão maior que o inimigo.
Tony Stark, se referindo a uma frase do pai, Howard

A jornada começa aqui. Em abril de 2008 saiu esta, que é uma das mais memoráveis incursões de um herói no cinema. A resposta nas bilheterias foi generosa: 585 milhões. Para um filme de origem, foi um belo indicativo das intenções do público.


Aqui temos a primeira aparição do Nick Fury, nos apresentando sua ideia da “Iniciativa Vingadores”. No filme conhecemos Pepper Potts, Happy Hogan (o diretor do filme, inclusive), James Rhodes, Agente Coulson, Nick Fury, JARVIS (voz de Paul Bettany e que viria ser o Vingador Visão em filmes posteriores. Ele inclusive disse na época que foi o dinheiro mais fácil de sua vida, tendo trabalhado por apenas duas horas e embolsado uma grande soma). Muitos não sabem o que JARVIS significa: Just A Rather Very Intelligent System e é uma homenagem a Edwin Jarvis, o mordomo de Howard Stark, pai do Tony.

Ao contrário dos filmes da DC, que insistiam em seus erros, a Marvel teve visão de que o ator Terrence Howard não seria um bom Máquina de combate. Eles não poderiam estar mais certos. Havia problemas internos, como o alto salário do ator, a insatisfação do diretor com sua atuação e o fato dele ser uma figura difícil no set. Mas de qualquer forma, a Marvel acertou em cheio ao trocar ele por Don Cheadle no segundo filme.


Mas tudo poderia ter sido, evidentemente, pior, já que Tom Cruise era o nome forte para viver o Homem de Ferro no cinema. Imaginem como seria? Rachel McAdams foi a primeira escolha de Jon Favreau para interpretar Pepper Potts, mas ela recusou o papel. Ela desempenhou um papel em Doutor Estranho (2016). Favreau iria originalmente dirigir Capitão América: O Primeiro Vingador e Joss Whedon , um grande fã da história em quadrinhos, estava em negociações para dirigir Homem de Ferro, mas a história se desenhou de outra forma (graças da Deus). O diretor Louis Leterrier esteve interessado em dirigir Homem de Ferro, mas recebeu do produtor Avi Arad a oferta de dirigir o Incrível Hulk.




E claro, há a participação de Stan Lee, no que viria a ser uma das marcas registradas dos 11 anos da Marvel. Ele aparece numa ponta, quando Tony Stark chega a um evento, roubando a atenção de todos.

Homem de Ferro continua sendo, 11 anos depois, um dos melhores (em todos os sentidos) filmes deste Universo Marvel.


Incrível Hulk (2008)


Vivendo escondido e longe de Betty Ross (Liv Tyler), a mulher que ama, o cientista Bruce Banner (Edward Norton) busca um meio de retirar a radiação gama que está em seu sangue. Ao mesmo tempo ele precisa fugir da perseguição do general Ross (William Hurt), seu grande inimigo, e da máquina militar que tenta capturá-lo, na intenção de explorar o poder que faz com que Banner se transforme no Hulk.

Hulk se revelou um filme problemático, porém com vários elementos que seguiriam firmes até a última cena de Vingadores: Ultimato. Uma delas, O General Ross (William Hurt). Com a Marvel bancando os filmes, e um projeto gigantesco à frente, ela não poderia se dar ao luxo de errar. Hulk custou 150 milhões, fora o marketing  e rendeu 263, ou seja, quase empatou o capital. Para se ter uma ideia, não houve Hulk 2, e o personagem foi agregado como personagem “secundário” em outras produções.


Na cena pós créditos de O Incrível Hulk, vemos Tony Stark (cujo filme havia sido lançado apenas há alguns meses) conversando diretamente com o General Ross. Há também a segunda participação de Stan Lee, tomando o suco verde.

Nos quadrinhos o personagem Emil Blonsky é um agente da KGB que passa a ter aparência de um réptil, tornando-se o Abominável. O diretor Louis Leterrier decidiu não usar a ligação do personagem com répteis no filme, fazendo com que seu visual fosse redefinido de forma a que seus músculos e ossos fossem exagerados, assim como ocorre com o Hulk.

Louis Leterrier queria Mark Ruffalo para o papel de Bruce Banner, mas a Marvel insistiu em Edward Norton, já que ele é melhor ator inclusive e foi recomendado por Lou Ferrigno (O Hulk antigo). Ele achava Norton parecido com Bill Bixby (o Banner antigo). Edward tinha em seu favor a brilhante interpretação em Clube da luta. Quem viu sabe o porquê.


Porém Norton não continuou como Hulk no filme a seguir, Os Vingadores,  e explicou que sua separação com a Marvel Studios se deu por razões criativas. Disse que, apesar de ter gostado de interpretar um personagem dos quadrinhos, sabia que iria se exaurir ao fazer o personagem de novo e de novo. Além disso, não queria comprometer seu calendário com o de produções da Marvel, podendo perder oportunidades como Birdman.  Mas claro, a fama dos bastidores foi a de que ele foi demitido por não ter espírito de equipe.

Homem de ferror 2 (2010)


Após confessar ao mundo ser o Homem de Ferro, Tony Stark (Robert Downey Jr.) passa a ser alvo do governo dos Estados Unidos, que deseja que ele entregue seu poderoso traje. Com a negativa, o governo passa a desenvolver um novo traje com o maior rival de Stark, Justin Hammer (Sam Rockwell). Jim Rhodes (Don Cheadle), o braço direito de Tony, é colocado no centro deste conflito, o que faz com que assuma a identidade de Máquina de Combate. Paralelamente, Ivan Vanko (Mickey Rourke) cria o alter-ego de Whiplash para se vingar dos atos da família Stark no passado. Para combater Whiplash e a perseguição do governo, Stark conta com o apoio de sua nova assistente, Natasha Romanoff (Scarlett Johansson), e de Nick Fury (Samuel L. Jackson), o diretor da S.H.I.E.L.D.


O filme é a única continuação que se encaixou na primeira fase do Universo Marvel, sendo responsável por colocar em cena os Vingadores Viúva Negra e o Máquina de combate, que no filme passado havia apenas flertado com o uniforme.

Samuel L. Jackson quase não voltou a interpretar Nick Fury, devido a problemas contratuais. Entretanto, o ator fechou um acordo com a Marvel Entertainment para que retornasse ao papel em até nove filmes produzidos pela empresa.

O vilão Chicote Negro/Whiplash (Mickey Rourke) é uma mescla de dois inimigos do Homem de Ferro nos quadrinhos: Crimson Dynamo e o próprio Whiplash. No filme, Chicote Negro/Whiplash tem o nome e a nacionalidade de Crimson Dynamo nos quadrinhos.


Emily Blunt chegou a acertar sua participação para a personagem Viúva Negra, mas acabou deixando o papel por conta do compromisso assumido com a produção de As Viagens de Gulliver (2010).

Como Jon Favreau dirigiu um dos melhores filmes, ele deveria ter carta branca para fazer o que quisesse. Mas pelo contrário, ele estava em atrito constante com a empresa, que preferia sacrificar a história, mas manter o Shield e os personagens do próximo Vingadores mais próximos. Resultado, ainda que o filme também tenha sido um sucesso, rendendo 623 milhões de dólares mundialmente, Favreu não aceitou voltar à direção do terceiro filme, que se por um lado é um dos filmes da Marvel que bateram 1 bilhão nas bilheterias, por outro é considerado o pior filme de todos. Seu estrondoso sucesso foi, certamente por conta da incrível aceitação de Vingadores, um ano antes.

Dê-me uma loira, uma garrafa e um barco, e eu irei embora ...
 Frase de uma tatuagem de Vanko


Foi confirmado pelo ator Tom Holland, que interpreta Peter Parker no filme Homem-Aranha de volta ao lar, que seu personagem apareceu no filme, e era o garotinho da Stark Expo usando o capacete do Homem de Ferro quando a exposição é atacado por drones da Hammer Tech. Tony o salva da morte eminente, já que o robô pensa que ele é um homem de ferro.

A cena pós créditos faz o link com Thor.

Thor (2011)


Thor (Chris Hemsworth) estava prestes a receber o comando de Asgard das mãos de seu pai Odin (Anthony Hopkins) quando forças inimigas quebraram um acordo de paz. Disposto a se vingar do ocorrido, o jovem guerreiro desobedece as ordens do rei e quase dá início a uma nova guerra entre os reinos. Enfurecido com a atitude do filho e herdeiro, Odin retira seus poderes e o expulsa para a Terra. Lá, Thor acaba conhecendo a cientista Jane Foster (Natalie Portman) e precisa recuperar seu martelo, enquanto seu irmão Loki (Tom Hiddleston) elabora um plano para assumir o poder. Mas os guerreiros do Deus do Trovão fazem a mesma viagem para buscar o amigo e impedir que isso aconteça. Só que eles não vieram sozinhos e o inimigo está presente para uma batalha que está apenas começando.


O filme fez quase 450 milhões de dólares no mundo todo. Surpreendendo a mídia especializada, Kenneth Branagh assumiu a direção e se declarou um grande fã do personagem desde a infância. O ator, conhecido pelos filmes de Shakespeare, em um filme como este, foi uma (grata) surpresa mundial, demonstrando como os filmes de heróis se tornaram visados. Hiddleston declarou que seu Loki foi inspirado no príncipe Edmund, de Rei Lear. Na peça escrita por Shakespeare, Edmund é um príncipe invejoso que engana o pai para que seu irmão seja exilado. Antes de Thor, Hiddleston já havia trabalhado com Kenneth Branagh em Conspiração (2001), na série de TV Wallander (2008) e na peça teatral Ivanov.

Nesse filme a Marvel começou a explorar os conceitos de super-heróis cósmicos, mostrando outros planetas e raças que compõem o seu universo. E nele somos apresentados a figuras como Loki, Lady Sif, Jane Foster, Odin, Erik Selvig, Heimdall e ao Vingador Gavião Arqueiro.


Stan Lee faz uma divertida ponta como um motorista que tenta mover o martelo de Thor com um carro, aos 36 min.  Mesma hora que vemos o Agente Coulson voltando à ação. 

Da direção ao elenco, é de longe o elenco mais estelar das produções de origem dos personagens Marvel. Thor foi um dos personagens que mais foram modificados ao longo das produções. O principal elemento que foi acrescentado é o humor. Mas até mesmo sua vestimenta mudou drasticamente ao longo dos filmes. Inicialmente, o alter ego de Thor, o dr. Donald Blake, estaria também presente no filme. Mas acabou sendo apenas citado por Selvig como identidade de Thor, quando ele está preso pela SHIELD.

No papel de Fandral houve uma inacreditável dança das cadeiras. Zachary Levi (Shazam !) foi chamado para o papel, porém teve que declinar por conta de conflitos de agenda. Entrou em cena  Stuart Townsend. Dias antes do início das filmagens Stuart Townsend brigou com os produtores e ficou fora do filme. Em seu lugar foi contratado Joshua Dallas. Só que no segundo e terceiro filmes, quem interpretou Fandral foi ... Zachary Levi !!


O filme faz mudanças consideráveis em relação á mitologia nórdica nos quadrinhos. No filme, Odin perdeu um olho em uma batalha com os Jotuns. Na "realidade" ele desistiu de um olho para obter sabedoria cósmica. Loki é irmão adotivo de Odin, não de Thor. Laufey era originalmente a mãe de Loki, e não seu pai (essa mudança foi considerada divertida na Islândia, uma vez que Laufey ainda é um nome feminino popular lá).

Capitão América: o primeiro Vingador (2011)


2ª Guerra Mundial. Steve Rogers (Chris Evans) é um jovem que aceitou ser voluntário em uma série de experiências que visam criar o supersoldado americano. Os militares conseguem transformá-lo em uma arma humana, mas logo percebem que o supersoldado é valioso demais para pôr em risco na luta contra os nazistas. Desta forma, Rogers é usado como uma celebridade do exército, marcando presença em paradas realizadas pela Europa no intuito de levantar a estima dos combatentes. Para tanto passa a usar uma vestimenta com as cores da bandeira dos Estados Unidos, azul, branca e vermelha. Só que um plano nazista faz com que Rogers entre em ação e assuma a alcunha de Capitão América, usando seus dons para combatê-los em plenas trincheiras da guerra.


Dirigido pelo competente Joe Johnston, de filmes como Jumanji e Jurassic Park 3, Capitão América foi o quarto filme da série, chegando no cinema poucos meses depois de Thor. No filme, conhecemos os personagens Bucky Barnes (o Soldado invernal), Agente Carter, Caveira Vermelha, Dr. Armin Zola.

Dos três personagens centrais dos Vingadores, com trilogias no cinema, Capitão América é de longe, a melhor trilogia de todas, produzindo inclusive dois dos melhores filmes da série toda (Soldado invernal e Guerra Civil). 

A ponta de Stan Lee acontece em 1h 12 min, com ele fazendo um pequeno comentário, enquanto uma plateia guarda o Capitão América para um discurso. Nick Fury também volta, como tem feito até aqui, fazendo o link entre os personagens. A aparência deformada do Caveira Vermelha é explica da pela rejeição do seu corpo ao soro e, como ele não era digno, o soro o deixa ainda mais louco. Isso é exatamente o que aconteceu em O Incrível Hulk (2008) para Emil Blonsky quando ele injetou o soro, o que leva à sua transformação em Abominação.


O filmes da Marvel são sempre abarrotados de referências. Tanto à cultura pop quanto aos quadrinhos e claro, os demais filmes. Porém, neste há várias a um determinado filme específico: Caçadores da arca perdida. O diretor trabalhou naquela produção na parte de efeitos especiais. Algumas mais marcantes: O Capitão America joga um cara da HYDRA na hélice de um avião de guerra, similar a uma cena famosa com Harrison Ford; Caveira Vermelha faz um comentário sobre  Adolf Hitler "procurar por bugigangas no deserto", alfo que ele faz em Caçadores da arca perdida; e a forma de o Caveira Vermelha é consumido pelo Tesseract é similar ao final dos vilões no filme de Spielberg.

O filme rendeu 370 milhões de dólares, que não foi um valor expressivo (foi a segunda pior, atrás apenas de Incrível Hulk), mas isto não assustou a turma da Marvel, sabendo o potencial do que eles tinham em mãos.

Os Vingadores (2012)


Loki (Tom Hiddleston) retorna à Terra enviado pelos chitauri, uma raça alienígena que pretende dominar os humanos. Com a promessa de que será o soberano do planeta, ele rouba o cubo cósmico dentro de instalações da S.H.I.E.L.D. e, com isso, adquire grandes poderes. Loki os usa para controlar o dr. Erik Selvig (Stellan Skarsgard) e Clint Barton/Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), que passam a trabalhar para ele. No intuito de contê-los, Nick Fury (Samuel L. Jackson) convoca um grupo de pessoas com grandes habilidades, mas que jamais haviam trabalhado juntas: Tony Stark/Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Steve Rogers/Capitão América (Chris Evans), Thor (Chris Hemsworth), Bruce Banner/Hulk (Mark Ruffalo) e Natasha Romanoff/Viúva Negra (Scarlett Johansson). Só que, apesar do grande perigo que a Terra corre, não é tão simples assim conter o ego e os interesses de cada um deles para que possam agir em grupo.


Podemos dizer que  Vingadores é a primeira maior realização nerd de todos os tempos. A união heterogênea de egos, astros em seus filmes, é perfeita. Tudo funciona em sintonia, algo que passa longe em Liga da justiça. Foi um sucesso estrondoso, fazendo 1 bilhão e meio, recorde só  batido pelos Vingadores Ultimato e Guerra infinita.

- Sua mãe sabe que você usa suas cortinas?
A frase dita por Homem de ferro a Thor foi improvisada por Robert Downey Jr.

Ele foi o primeiro filme da Marvel a ter duas cenas no meio e no final dos créditos. Uma delas apresenta pela primeira vez o temido vilão Thanos (originalmente na pele de Damion Poitier). Seu servo o informa sobre a derrota de Loki na Terra, e denota que desafiar os Vingadores seria cortejar a Morte (provavelmente sua amada), fazendo Thanos sorrir.  A participação de Stan Lee é uma das mais breves e quase no apagar das luzes , quando pessoas emitem suas opiniões em relação aos acontecimentos finais em Nova York.


Mimimi

Apesar do sucesso do filme, houve críticas a uma cena, na qual Thor diz que Loki, é na verdade filho adotivo. O momento, que deveria ser uma piada, foi entendido para alguns como uma crítica a filhos adotivos. Alguns pais de filhos adotivos e adotados decidiram entrar na justiça para exigir desculpas dos produtores por causa da cena.

Há easter eggs curiosos no filme:

Na primeira DR entre os Thor e Loki, dois corvos são vistos voando através da tela. Estes são obviamente Huginn e Muninn, os corvos de estimação de Odin, que sugerem que o Deus de Asgard passou o tempo todo de olho no que acontecia na Terra.


Na emblemática conversa com Loki no final do filme, Tony Stark se refere ao recém formado bando de super-heróis como "Os mais poderosos heróis da Terra, ou algo do tipo', fazendo menção direta à descrição dos Vingadores que aparece na capa de suas histórias em quadrinhos desde 1963.

Em vários momentos do filme, Tony Stark aparece vestindo uma camiseta da banda de rock Black Sabbath que, entre outros títulos, fez sucesso nos anos 70 com uma canção chamada Iron Man, nome original, em inglês do Homem de Ferro.


Homem de ferro 3 (2013)


Desde o ataque dos chitauri a Nova York, Tony Stark (Robert Downey Jr.) vem enfrentando dificuldades para dormir e, quando consegue, tem terríveis pesadelos. Ele teme não conseguir proteger sua namorada Pepper Potts (Gwyneth Paltrow) dos vários inimigos que passou a ter após vestir a armadura do Homem de Ferro. Um deles, o Mandarim (Ben Kingsley), decide atacá-lo com força total, destruindo sua mansão e colocando a vida de Pepper em risco. Para enfrentá-lo Stark precisará ressurgir do fundo do mar, para onde foi levado junto com os destroços da mansão, e superar seu maior medo: o de fracassar.


Talvez o filme mais desconectado da série. Podemos dizer que ele não evolui nada as consequências do ataque de Nova York (como, por exemplo, Homem aranha - de volta ao lar, faz). Os filmes seguintes inclusive ignoram os rumos que Homem de ferro 3.  É o primeiro filme da Fase Dois do universo Marvel nos cinema, composto também por Thor: O Mundo Sombrio (2013), Capitão América - O soldado invernal (2014), Guardiões da Galáxia (2014), Os Vingadores - a era de Ultron (2015) e Homem-Formiga (2015).

Apesar da saída da direção, Favreau aparece no filme interpretando mais uma vez o personagem Happy Hogan. Homem de Ferro 3 marca a segunda vez em que o diretor e o ator Robert Downey Jr. trabalharão juntos. A outra foi em Beijos e Tiros (2005).Trata-se também do primeiro filme estrelado pelo Homem de Ferro em que o personagem Nick Fury, interpretado por Samuel L. Jackson, não está presente.


As empresas responsáveis pelos efeitos especiais de Homem de Ferro 3 foram a Digital Domain e a Weta Digital. Nos filmes anteriores da série quem cuidou dos efeitos especiais foi a Industrial Light & Magic. Ainda que bastante competentes, os efeitos da ILM são imbatíveis.

E mesmo que tenha recebido muitas críticas, principalmente por conta dos vilões, o filme bateu 1 bilhão e 200 nas bilheterias mundiais. Assim como no filme anterior, a participação de Stan Lee é rápida e sem inspiração. Para compensar, há a divertida cena pós crédito com Stark e Banner.



Thor - Mundo sombrio (2013)


Enquanto Thor (Chris Hemsworth) liderava as últimas batalhas para conquistar a paz entre os Nove Reinos, o maldito elfo negro Malekith (Christopher Eccleston) acordava de um longo sono, sedento de vingança e louco para levar todos para a escuridão eterna. Alertado do perigo por Odin (Anthony Hopkins), o herói precisa contar com a ajuda dos companheiros Volstagg (Ray Stevenson), Sif (Jaimie Alexander), entre outros, e até de seu irmão, o traiçoeiro Loki (Tom Hiddleston), em um plano audacioso para salvar o universo do grande mal. Mas os caminhos de Thor e da amada Jane Foster (Natalie Portman) se cruzam novamente e, dessa vez, a vida dela está realmente em perigo.

Vários filmes da Marvel se passam paralelamente após a batalha de Nova York, como é o caso de Thor - mundo sombrio (como Homem de ferro 3, Homem aranha - De volta para casa ...) mostrando coesão na distribuição dos heróis após uma batalha central.


Patty Jenkins (que acabou migrando para a D.C e foi fazer a Mulher Maravilha) chegou a ser anunciada na direção do longa, mas deixou a função alegando divergências criativas com os produtores. Natalie Portman não ficou nada feliz com a notícia de que Patty Jenkins não iria mais dirigir o longa. Ela tinha aceitado retornar para o projeto justamente por ele marcar a estreia de uma diretora mulher em uma adaptação dos quadrinhos. Com isto, Natalie não topou voltar à cena, mas isto ocorrerá de forma turbinada no novo Thor, aonde ela erguerá o martelo.

Brian Kirk (Game of Thrones) foi cotado para dirigir o filme, mas acabou perdendo a vaga para outro nome da série da HBO, Alan Taylor. Thor: O Mundo Sombrio é um dos primeiros filmes dirigidos por Alan Taylor para o cinema. O diretor é mais conhecido por comandar episódios de séries de TV, como A família Soprano e Game of Thrones.

Mads Mikkelsen estava escalado para viver o vilão Malekith, mas teve que deixar o projeto para se dedicar à série de TV Hannibal. E acabou sendo o vilão de Dr. Estranho. Josh Dallas, que interpretou Fandral em Thor (2011), não pode participar da continuação. O ator foi substituído por Zachary Levi, que poucos anos depois, migrou para a D.C. e foi fazer Shazam.



Stan Lee faz a costumeira participação, quando Dr. Selvig está num hospício. Rápida e nada memorável.

Thor 2 também teve duas cenas nos créditos. A primeira delas prenuncia Guardiões da Galáxia, com Lady Sif (Jaimie Alexander) e Volstagg (Ray Stevenson) confiando a Éter (Joia da Realidade) ao Colecionador Taneleer Tivan (Benicio Del Toro), sem saber que ele está planejando rastrear as demais Joias do Infinito. Já a segunda mostra o retorno de Thor para Jane Foster — quando os dois ainda estavam juntos. Enquanto entretém colegas em seu apartamento em Londres, a cientista vê um portal abrindo em sua varanda, corre para encontrar Thor e os dois se beijam apaixonadamente. Depois, vemos uma fera de Jotunheim solta na Terra.

O curioso foi que a cena foi gravada depois do fim das filmagens, então Natalie Portman não estava disponível para encontrar Chris Hemsworth onde ele estava, em Hong Kong, e filmou sua parte em separado. Então, quem compartilhou o beijo com o ator? A própria esposa dele, Elsa Pataky.

A bilheteria do segundo filme evoluiu, mesmo o primeiro tendo sido um sucesso. O filme rendeu 644 milhões de dólares.



Foi a primeira aparição da Joia da Realidade e do personagem Colecionador. Suas aparições terão sequência em Guerra infinita, com a ida de Thanos em busca da Joia.

Capitão América: o Soldado invernal (2014)


Dois anos após os acontecimentos em Nova York (Os Vingadores - The Avengers), Steve Rogers (Chris Evans) continua seu dedicado trabalho com a agência S.H.I.E.L.D. e também segue tentando se acostumar com o fato de que foi descongelado e acordou décadas depois de seu tempo. Em parceria com Natasha Romanoff (Scarlett Johansson), também conhecida como Viúva Negra, ele é obrigado a enfrentar um poderoso e misterioso inimigo chamado Soldado Invernal, que visita Washington e abala o dia a dia da S.H.I.E.L.D., ainda liderada por Nick Fury (Samuel L. Jackson).

Levado aos cinemas pela dupla  Anthony Russo e Joe Russo, eles conseguiram diversos feitos na Marvel. Primeiro, este é considerado por muitos o melhor filme "solo" dos heróis da Marvel. Segundo, o filme Guerra Civil, que é igualmente excelente e mostra como são habilidosos em trabalhar vários personagens. Terceiro: Guerra infinita/Ultimato, os filmes que encerram a jornada dos heróis de forma soberba.


O filme traz pela primeira vez Bucky Barnes como Soldado Invernal, a Agente 13, o Falcão, Brock Rumlow (que se tornará o Ossos Cruzados), o Barão Von Strucker e os irmãos Feiticeira Escarlate e Mercúrio. A trama, intricada, no melhor estilo das clássicas espionagens, tem ecos na trama de "Três dias do Condor", filmaço de 1975 com ...Robert Redford. O filme cita também Todos os homens do presidente, famoso filme que trata do escândalo Watergate (conspiração no alto escalão), e com ... Robert Redford.

Com 1h.33 min Stan Lee faz sua tradicional aparição relâmpago, algo que virou essencial nos filmes da Marvel, porém sem a menor importância na trama em si.

Nas bilheterias, o filme obteve um desempenho bem acima do primeiro, que fez 370 milhões de dólares. Na verdade, foi quase o dobro, 714 milhões.  Este fato foi gradativo com várias sequências da Marvel. O terceiro, por exemplo, faturou 1 bilhão e 100 milhões de dólares.


O segundo Capitão América também teve duas cenas nos créditos. A primeira, prevendo Vingadores: Era de Ultron trazia a HYDRA ainda em atividade, estudando o Cetro (Joia da Mente) e fazendo experimentos com seres humanos, entre eles, Mercúrio (Aaron Taylor-Johnson) e Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen). A outra mostra o Soldado Invernal (Sebastian Stan) disfarçado, pronto para voltar à ativa, se infiltrando em uma exposição sobre o Capitão América e encontrando um memorial para Bucky Barnes.

Guardiões da Galáxia (2014)


Guardiões da galáxia é a prova de que a Marvel acerta a mão em filmes de equipe. Eles conseguem traduzir perfeitamente as divergências dos personagens e mostrando a gradual incorporação à equipe de figuras tão conflitantes.

Na trama, Peter Quill (Chris Pratt) foi abduzido da Terra quando ainda era criança. Adulto, fez carreira como saqueador e ganhou o nome de Senhor das Estrelas. Quando rouba uma esfera, na qual o poderoso vilão Ronan, da raça Kree, está interessado, passa a ser procurado por vários caçadores de recompensas.

Para escapar do perigo, Quill une forças com quatro personagens fora do sistema: Groot, uma árvore humanoide (Vin Diesel), a sombria e perigosa Gamora (Zoe Saldana), o guaxinim rápido no gatilho Rocket Racoon (Bradley Cooper) e o vingativo Drax, o Destruidor (Dave Bautista). Mas o Senhor das Estrelas descobre que a esfera roubada possui um poder capaz de mudar os rumos do universo, e logo o grupo deverá proteger o objeto para salvar o futuro da galáxia.


Chris Pratt passou por um rigoroso regime de treinamento e dieta muito por 6 meses,  perdendo quase 30 quilos para suas cenas sem camisa - e para, eventualmente, levar às telas um Peter Quill com a famosa "barriga de tanquinho". E ele teve sucesso! Em entrevistas recentes, Pratt contou que o trabalho foi muito duro, quase torturante, mas que, ao assistir às suas primeiras imagens no monitor, durante as filmagens, sentiu que todo o esforço valeu a pena e ficou "imensamente feliz em se ver em sua melhor forma física possível".

Vin Diesel disse que teve de gravar mais de mil vezes a icônica frase "Eu sou o Groot", que é tudo que seu personagem diz durante o filme. Bradley Cooper citou Tommy DeVito, o inesquecível personagem de Joe Pesci em Os Bons Companheiros (1990), como influência na dublagem de Rocket Racoon. Certamente, ambos têm muito em comum, a começar pelo pavio curto.


O  filme rendeu surpreendentes 773 milhões de dólares. Considerando uma equipe que não era popular, foi um feito e tanto. Esta foi produção que verdadeiramente expandiu o Universo Marvel. Descobrimos mais sobre a vida pelo universo e sobre o vilão Thanos. Também é neste filme que a Joia do Poder aparece pela primeira vez.

Numa das cenas pós-crédito mais bacanas da Marvel! Um Baby Groot dança "I Want You Back" de The Jackson 5 enquanto Drax, o Destruidor (Dave Bautista) afia suas facas. Quando Drax se vira para olhar para ele, Groot congela e só continua quando o colega Guardião olha para o lado. Curiosamente, os movimentos de Groot foram feitos pelo diretor James Gunn. Na outra, o Colecionador Taneleer Tivan senta entre as ruínas de seu museu. Cosmo aparece e lambe seu rosto. Então, Howard o pato, personagem da Marvel que já ganhou o seu próprio filme (Howard, O Super Herói, em 1986), declara que aquilo fora "nojento".



A cena de Lee, como sempre é rápida. Em Xandar, quando somos apresentados aos personagens de Rocket Raccoon e Groot, vemos o guaxinim escanceando o local e criticando as pessoas. Uma dessas pessoas é Stan Lee que está dando em cima de uma garota bem mais jovem que ele.

Vingadores - Era de Ultron (2015)


Tentando proteger o planeta de ameaças como as vistas no primeiro Os Vingadores, Tony Stark busca construir um sistema de inteligência artificial que cuidaria da paz mundial. O projeto acaba dando errado e gera o nascimento do Ultron (voz de James Spader). Capitão América (Chris Evans), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Thor (Chris Hemsworth), Hulk (Mark Ruffalo), Viúva Negra (Scarlett Johansson) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) terão que se unir para mais uma vez salvar o dia.

O filme passa a sensação de que é o Vingadores 1,5 enquanto Capitão América - Guerra Civil parece ser o Vingadores 2. A trama parece mais episódica que central, mas se olharmos o todo, entenderemos como o filme, ainda que soe intimista, é fundamental para o destino de tudo que ocorre para frente.


Demorou um ano para Joss Whedon convencer Aaron Taylor-Johnson a aceitar o papel de Mercúrio. Johnson estava preocupado sobre a intensidade dos contratos da Marvel, as limitações de tempo, e o fato de que ele estava integrando um grande elenco. Mesmo depois de aceitar o papel, o ator ainda estava nervoso, mas foi consolado depois de saber que sua amiga e co-estrela de Godzilla (2014), Elizabeth Olsen interpretaria sua irmã, e seria sua parceira de filmagem durante a maior parte do filme.

A adição de Mercúrio ao elenco provocou um amplo debate sobre a direção do personagem, que também apareceu em X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido (2014). Mercúrio havia sido discutido anteriormente como um personagem em potencial em ambos X-Men: O Confronto final (2006) e Os Vingadores (2012), mas as complexidades legais sobre a licença para o personagem resultou em sua omissão de ambos os filmes. No entanto, em maio 2013 tanto a Marvel e a Fox Studios anunciaram uma resolução para as questões jurídicas anteriores, e que Mercúrio iria aparecer neste filme, bem como uma sequência X-Men, embora sob certos parâmetros: nenhuma alusão a suas relações com o X- men ou Magneto (pai do personagem) poderia ser feito na série "Vingadores", e não poderia ser feito qualquer referência à integração de Mercúrio aos Vingadores em um filme "X-Men"; o contrato de direitos entre Fox e Marvel vai ainda mais longe ao estipular que o personagem não pode ser referido como um "mutante" em qualquer filme da Marvel.


Além disso, um dia após a Fox anunciar Evan Peters como Mercúrio, Marvel e Fox entraram em um impasse legal sobre as disposições do acordo de direitos para o personagem, incluindo a questão de saber se Peters seria autorizado a retratar Mercúrio em qualquer outro filme fora da franquia "X-men ", necessitando de um segundo ator para desempenhar o personagem em qualquer filme da Marvel, resultando em duas versões diferentes do mesmo protagonista que aparece em duas franquias cinematográficas concorrentes.

Vingadores - Era de Ultron integra a chamada fase dois dos filmes produzidos pela Marvel, cujo arco de história envolve ainda Homem de Ferro 3 (2013), Thor: O Mundo Sombrio (2013), Capitão América 2 - O Soldado Invernal (2014) e Guardiões da Galáxia (2014).

Neste filme, finalmente ficamos sabendo que a pedra que adornava o cetro utilizado por Loki no primeiro filme dos Vingadores era uma Joia do Infinito. Novamente o filme dos Vingadores marca a transição de fases do UCM, encerrando a Segunda Fase. E o filme marca também a inserção do Hulkbuster na trama, bem como o Visão.


A cena com Stan Lee é tão memorável que o próprio achava uma de suas favoritas. O filme rendeu 1 bi e 400, mostrando como o potencial da equipe é absurdo (o primeiro também bateu 1 bi e 500, o terceiro 2 bi e o quart 2 bi e 700!!!)

Nas cenas pós,  Thanos (Josh Brolin) volta a dar as caras. Cansado com a falta de progresso de seus seguidores em obter as Joias do Infinito, o Titã Louco coloca uma Manopla Infinita e promete procurar as Pedras pessoalmente.

Homem formiga (2015)


Originalmente, o diretor Edgar Wright, um grande fã do Homem-Formiga, propôs o filme para a Marvel em 2003, descrevendo-o como "uma comédia de ação e aventura; uma ação cross-gênera e efeitos especiais amenos." Ele vinha desenvolvendo o longa desde então, realizando testes de câmera, contratando o elenco, e estava próximo de iniciar as filmagens. Porém, em 2014, Wright desistiu devido a "diferenças criativas" entre ele e a Disney, que havia comprado a Marvel Studios dois anos antes. Mesmo fora do projeto, uma grande parte do roteiro escrito por Edgar ainda encontra-se na história.


Nesse filme, a Marvel amplia ainda mais a atuação dos super-heróis, mostrando que eles existem há vários anos, preenchendo o espaço de tempo entre Capitão América e o Homem de Ferro. No caso era Hank Pym e sua esposa Janet, o Homem- Formiga e a Vespa originais, que atuaram nos anos 1980, durante a Guerra Fria. A história principal do filme se passa em 2015, quando Scott Lang assume o manto de Homem-Formiga.

Homem-Formiga também teve duas cenas diferentes. Uma delas prenuncia o inédito Homem-Formiga e a Vespa e traz Hank Pym (Michael Douglas) apresentando a Hope van Dyne (Evangeline Lilly) um protótipo avançado do traje da Vespa. Ao que ela responde: "já era tempo!"  Outra, tirada de Capitão América: Guerra Civil, traz Steve Rogers (Chris Evans) e Falcão (Anthony Mackie) discutindo que o fazer com um Soldado Invernal amarrado. Com o acordo de Sokovia impedindo-os de contatar Tony Stark, Falcão revela que conhece "um cara" que pode ajuda,no caso, Homem-Formiga (Paul Rudd).


No finalzinho do filme, na cena pós-créditos, Stan Lee dá o ar de sua graça. Durante o flashback em que Luis conta como seu amigo tinha encontrado uma garota muito bonita em um bar, Stan Lee aparece como o bartender da história.

Fez 500 milhões de dólares nas bilheterias, mostrando  o poder de fogo da Marvel até mesmo em filmes "menores".


Capitão América: Guerra Civil (2016)


Steve Rogers (Chris Evans) é o atual líder dos Vingadores, supergrupo de heróis formado por Viúva Negra (Scarlett Johansson), Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), Visão (Paul Bettany), Falcão (Anthony Mackie) e Máquina de Combate (Don Cheadle). O ataque de Ultron fez com que os políticos buscassem algum meio de controlar os super-heróis, já que seus atos afetam toda a humanidade. Tal decisão coloca o Capitão América em rota de colisão com Tony Stark (Robert Downey Jr.), o Homem de Ferro.


Com a evolução dos heróis e vilões no cinema, Guerra Civil propõe as mais interessantes e necessárias discussões sobre a influência dos atos destes personagens na vida das pessoas. O controle proposto pelo tratado de Sokóvia pode ser analisado de duas formas bem coesas. Neste sentido, a desavença entre os heróis é totalmente pertinente.

Para o co-diretor Joe Russo, uma das cenas mais espetaculares do filme é quando o Capitão América impede um helicóptero de decolar, apenas usando a força das mãos. Para isso, o ator Chris Evans teve de trabalhar intensamente durante um período. Na gravação, ele segurou um pedaço de ferro perto do helicóptero, mas intensidade foi extremamente elogiada por seus diretores.

Os atores Chadwick Boseman e Tom Holland, que interpretam o Pantera Negra e o Homem-Aranha, respectivamente, trabalharam muito na preparação física para seus papeis. Chad viajou para África do Sul para se integrar mais realisticamente à cultura do seu papel. Já Tom escolheu trabalhar com mestres de artes marciais para diminuir a intervenção dos efeitos especiais nas acrobacias que o aracnídeo faz em tela, fazendo tantos movimentos que quase quebrou o nariz durante as filmagens após uma queda mal calculada.



Neste filme vemos a primeira vez Pantera Negra, Homem-Aranha, e Brock Rumlow caracterizado de Ossos Cruzados, além da volta do General Ross, dando importância ao filme "Incrível Hulk", que andava esquecido da timeline Marvel. Somos apresentados ainda ao vilão Barão Zemo, que futuramente voltará mascarado em sua forma original dos quadrinhos. Stan Lee aparece no apagar das luzes, como funcionário da Fedex e dizer uma de suas falas mais memoráveis: "Você é o Tony Sterco"

No filme há, como de costume, duas cenas pós-créditos. A primeira prenuncia Pantera Negra. Steve Rogers (Chris Evans) observa Bucky Barnes (Sebastian Stan) voltar à criogenia e agradece a T'Challa (Chadwick Boseman), que concedeu asilo a eles em Wakanda até que uma cura para a programação mental de Barnes pela HYDRA possa ser encontrada. Cap avisa a ele que se descobrissem que Bucky está lá, viriam atrás dele, ao que T'Challa responde: "Deixe que eles tentem". Curiosamente, a cena de Wakanda foi filmada nas Cataratas do Iguaçu, no Brasil.


Já prevendo Homem-Aranha: De Volta ao Lar, a segunda cena mostra Peter Parker (Tom Holland) descansando em sua cama enquanto tia May (Marisa Tomei) pergunta sobre seu olho roxo. Assim que ela sai da sala, Peter inspeciona os Atiradores de Teia e relógio que recebeu de Tony Stark (Robert Downey Jr.) enquanto eles exibem na um símbolo em forma de aranha no teto.

O filme bateu 1 bi e 100, mostrando que a dupla de irmãos que dirige o filme tem mesmo pé quente e mão boa na condução da história.

Doutor Estranho (2016)


Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.


Scott Derrickson é um diretor que parece figurar em multiversos e realidades paralelas. Afinal, como compreender que o cara faz uma bomba chamada Hellraiser V: Inferno e o excelente O exorcismo de Emily Rose. Novamente uma bomba chamada O dia em que a Terra parou  e em seguida dois ótimos filmes de horror A Entidade  e Livrai-nos do mal. Em seguida embarcou no sucesso Doutor Estranho, sem mostrar qualquer rastro dos filmes anteriores, os bons e os ruins. Curiosamente, o próximo Doutor Estranho, programado  para 2021, sugere ser de ... terror.

Doutor Estranho chegou ao Universo Cinematográfico da Marvel para expandir ainda mais os seus limites. Pode-se dizer que ele chegou para abrir as portas da percepção de seus expectadores, aprofundando ainda mais os conceitos sobre magia desse universo. Ainda de quebra, esse filme conta com a primeira aparição da Joia do Tempo.


O filme possui duas posições na cronologia do Universo Marvel. O início se passa em 2016, pouco depois dos acontecimentos de Guerra Civil, quando podemos ver Stephen Strange negar a cirurgia de James Rhodes. O resto do filme, após seu acidente, se passa em 2017.

A ponta de Stan Lee no ônibus é genial e uma das mais divertidas do Universo Marvel.

Na primeira das cenas pós-créditos, Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) pergunta a Thor (Chris Hemsworth) por que ele trouxe seu irmão Loki (Tom Hiddleston) para a Terra.  Ao descobrir que eles estão procurando por Odin, Strange oferece para ajudar, com a condição de que os três voltassem para Asgard assim que a missão fosse completada.


Na outra sequência traz Karl Mordo (Chiwetel Ejiofor) confrontando Jonathan Pangborn (Benjamin Bratt) e retira a magia dele, afirmando que ele está fazendo isso porque há "muitos feiticeiros". É bem possível que o personagem assuma sua personalidade vilanesca em filmes futuros, já que nos quadrinhos ele é conhecido por Barão Mordo.

Guardiões da Galáxia 2 (2017)


Imaginem, há uns 10 anos, se disséssemos que um dos melhores filmes de heróis dos últimos tempos teria nomes no elenco como Vin Diesel, Kurt Russel, Michael Rooker e Sylvester Stallone. Alguém acreditaria? Dificilmente. E ainda com um personagem infame da sessão tarde chamado Howard, o Pato?

Na trama Ayesha, líder da raça Soberana, contrata os Guardiões para proteger valiosas baterias de um monstro inter-dimensional em troca da irmã de Gamora, Nebulosa, que foi pega tentando roubá-las. Depois que Rocky rouba algumas baterias, os Soberanos atacam a nave dos Guardiões com uma frota de drones. Esses drones são destruídos por uma figura misteriosa, mas os Guardiões são forçados a cair em um planeta próximo. A figura revela-se como o pai de Quill, Ego, que o convida, acompanhado por Gamora e Drax, para sua casa, enquanto Rocket e Groot ficam para trás para consertar a nave e vigiar Nebulosa. Enquanto isso, Ayesha contrata Yondu Udonta e sua tripulação, que foram exilados da comunidade dos Saqueadores por tráfico de crianças, para recapturar os Guardiões.


"Vamos salvar a galáxia de novo?"
"Acho que sim."
"Legal! Vamos poder subir bastante nosso preço se salvarmos a galáxia duas vezes!"

Diálogo entre Rocket Raccoon e Senhor das Estrelas

Apesar da sequência de Guardiões da Galáxia ter estreado apenas três anos mais tarde, a história do Vol. 2 se passa apenas alguns meses após os eventos do primeiro filme. Cronologicamente, o filme acontece antes mesmo de Vingadores: Era de Ultron, porém possui uma incongruência, admitida pelos próprios diretores. Trata-se da cena de Stan Lee, na qual ele conta para os Vigias suas aventuras na Terra. Stan Lee fala da vez que ele foi um entregador de encomendas, porém isso só acontece em Capitão América: Guerra Civil, que cronologicamente só aconteceria dali dois anos. Mas claro, podemos dar uma forçadinha de barra e dizer que a cena pós-credito não retrata, necessária mente, o momento imediatamente após o filme.


Stan, ele é deixado para trás pelos alienígenas e reclama: "Pensei que vocês me dariam uma carona para casa."  Os alienígenas com quem Stan Lee estava conversando são os Vigias, uma raça muito avançada que observa e recolhe informações de todo o universo, sem nunca se envolverem em qualquer evento. Isso é uma grande evidência para uma teoria feita por fãs sobre quem é Stan Lee nos filmes da Marvel.

Mas não parou ai, há  cinco cenas nos créditos!

Após a morte de Yondu (Michael Rooker), Peter Quill (Chris Pratt) dá a Flecha Yaka a Kraglin Obfonteri (Sean Gunn). Então, numa das cenas dos créditos de Guardiões, ele tenta usar a Flecha mas foge quando acaba atingindo Drax (Dave Bautista) no ombro.

A segunda cena mostra Stakar Ogord (Sylvester Stallone), inspirado pelo sacrifício de Yondu Udonta, reúne sua esposa Aleta Ogord (Michelle Yeoh) e seus camaradas e propõe a reunião de sua antiga equipe.


Já a terceira traz Ayesha (Elizabeth Debicki) diz a sua camareira que ela está criando um ser capaz de destruir os Guardiões da Galáxia, decidindo chamar sua criação de "Adam", em referência a Adam Warlock.

Em um prelúdio do que será visto em Vingadores: Guerra Infinita, a quarta sequência mostra Peter Quill encontra um Groot adolescente jogando videogame e mostra seu desgosto pelas videiras que o garoto espalhou por toda a sala.

A última foi colocada acima, com Stan Lee.

O filme rendeu 863 milhões contra os 773 feitos pelo primeiro.


Homem-Aranha: De volta ao lar (2017)


Depois de atuar ao lado dos Vingadores, chegou a hora do pequeno Peter Parker (Tom Holland) voltar para casa e para a sua vida, já não mais tão normal. Lutando diariamente contra pequenos crimes nas redondezas, ele pensa ter encontrado a missão de sua vida quando o terrível vilão Abutre (Michael Keaton) surge amedrontando a cidade. O problema é que a tarefa não será tão fácil como ele imaginava.

O filme segue os eventos após a batalha com os Chitauri e mostra as consequências do acontecido. A produção é um retrato perfeito da geração atual.  O filme rendeu espantosos 880 milhões de dólares nas bilheterias (o segundo teria um feito ainda maior, rendendo mais de 1 Bi.). Considerando o "excesso" de homens aranhas no cinema (2002, 2004, 2007, 2012, 2014), é incrível como o personagem gerou tanto interesse, principalmente por conta do "endeusamento" dos filmes com o Tobey Maguire (o primeiro e o segundo, obviamente) e do hype negativo das produções com o ator Andrew Garfield (que foram sucesso da mesma forma).


Ainda que as histórias seja alinhadas, a linha temporal dos filmes da Marvel tem inúmeros problemas. E vamos combinar, é aceitável, afinal eles não sabiam que os filmes renderiam tanto interesse do público, gerando um hype de filmes de heróis jamais visto. No caso do Homem aranha acontece uma das maiores incongruências da linha temporal da Marvel. A cena inicial é em  2012. Porém, a cena seguinte diz que se passa oito anos depois. Isso faria com que a história de Homem-Aranha: De Volta ao Lar se passasse em 2020. Uma errata para essa incongruência foi feita em Marvel: The First Ten Years que oficializou o período em que o filme acontece, em 2016 (um ano antes do lançamento do filme).

Na primeira cena pós créditos, Adrian Toomes (Michael Keaton) encontra o criminoso Mac Gargan (Michael Mando) na prisão e descobre que ele tem "amigos" querendo matar o Homem-Aranha, antes de ser confrontado com um rumor sobre ele saber quem é o jovem herói. Toomes nega conhecer a verdadeira identidade do Cabeça de Teia e sai para ver sua família.


A segunda cena foi uma pegadinha para quem esperou aquele tempo todo! Capitão América filma um anúncio de serviço público sobre a importância da paciência e quebra a quarta parede, informando ao público que eles esperaram por nada.

Michael Keaton e Marisa Tomei já trabalharam juntos em O Jornal (1994), filme escrito por David Koepp, que, por sua vez, também escreveu o roteiro de Homem-Aranha (2002). Esse longa de 2002 foi dirigido por Ron Howard, cujo a filha, Bryce Dallas Howard, apareceu em Homem-Aranha 3 (2007).

A participação de Stan Lée é durante a cena que em o Homem aranha impede um roubo de carro. Ele aparece na janela reclamando do barulho. No filme também aparecem vilões tradicionais dos quadrinhos como Shocker e Scorpio.


J.K. Simmons demonstrou interesse de retomar seu papel de J. Jonah Jameson na trilogia do Homem-Aranha de Sam Raimi, mas acabou sendo escalado para Liga da Justiça (2017). Mas seu retorno aconteceu no segundo filme, Homem aranha - longe de casa.

What a f@$*# ...

Thor Ragnarok (2017)


Thor está aprisionado do outro lado do universo sem seu poderoso martelo e precisa correr contra o tempo e para evitar o Ragnarok, que é a destruição de sua terra natal e o fim da civilização de Asgard, a princípio pelas mãos de Surtur. Mas o que ele não sabe, é que o gatilho da destruição virá pelas mãos de sua irmã Hela.  Porém no primeiro embate, ele  tem seu martelo destruído, e no segundo, é exilado num planeta chamado Sakar, uma espécie de depósito de lixo humano vindo de pontos diversos da galáxia. Lá ele descobre que há um torneio de gladiadores e que é a forma de sair do planeta. Porém ele não esperava que o campeão seja seu companheiro de equipe, Hulk, que ficou a deriva no espaço após o conflito com Ultron.


Aliás, sabe por que Thor apresentou Hulk como um colega de trabalho? Porque uma criança da Make-A-Wish, uma fundação que realiza desejos de crianças com doenças graves, sugeriu isso durante uma visita ao set.

Ragnarok foi um divisor de águas na Marvel. Não só para a saga de Thor no cinema, mas influenciou o que viria a seguir: Guerra infinita e Ultimato. A pegada do diretor Taika Waititi´foi aprovada pelo público, e o que parecia improvável aconteceu: o filme rendeu o dobro da bilheteria do primeiro e obteve aprovação do público e crítica, dando moral ao personagem no cinema que parecia fadado a terminar suas aventuras solo no terceiro. Mas tudo mudou. Para o quarto filme, até a atriz Natalie Portman topou voltar. Com a personagem Valkíria, a Marvel deu ao público a primeira personagem central bissexual, que será mais explorado no quarto filme do Thor. Ragnarok também assume o lado cômico mostrado em Guardiões da Galáxia.


Stan Lee é o responsável por cortar os cabelos de Thor em Sakar.

A primeira cena dos créditos de Thor: Ragnarok faz uma relação direta com Vingadores: Guerra Infinita. Loki visita Thor em seus aposentos e pergunta se levá-lo de volta para a Terra é uma boa ideia, ao que o Deus do Trovão responde: "provavelmente não, mas sinto que tudo vai dar certo". Porém, uma enorme espaçonave — provavelmente de Thanos (Josh Brolin) — aparece na frente deles.

A segunda cena mostra o Grão-Mestre (Jeff Goldblum) tentando aplacar os cidadãos de Sakaar declarando a revolução de Sakaar como um empate.


Pantera negra (2018)


Após a morte do rei T'Chaka (John Kani), o príncipe T'Challa (Chadwick Boseman) retorna a Wakanda para a cerimônia de coroação. Nela são reunidas as cinco tribos que compõem o reino, sendo que uma delas, os Jabari, não apoia o atual governo. T'Challa logo recebe o apoio de Okoye (Danai Gurira), a chefe da guarda de Wakanda, da irmã Shuri (Letitia Wright), que coordena a área tecnológica do reino, e também de Nakia (Lupita Nyong'o), a grande paixão do atual Pantera Negra, que não quer se tornar rainha. Juntos, eles estão à procura de Ulysses Klaue (Andy Serkis), que roubou de Wakanda um punhado de vibranium, alguns anos atrás.



Há um tempo, não muito distante, imaginávamos se algum dia acertariam nas adaptações de de quadrinhos pata o cinema. Claro que há adaptações ótimas, como Superman de Richard Donner, Batman/ Batman o retorno de Tim Burton e Homem aranha 2 de Sam Raimi. Porém eram casos esporádicos. E desde 2008, a Marvel impôs um ritmo e um nível de excelência até agora nunca vistos.

10 anos depois o pensamento mudou. Agora, com tantos sucessos seguidos, começou a passar na nossa cabeça quando um filme receberia um Oscar. Cavaleiro das trevas fez isto. Mas a consagração definitiva veio com Pantera Negra. Concorreu a 7 Oscars, incluindo melhor filme, vencendo 3. O Filme bateu 1 bi e 346 milhões nas bilheterias mundiais.


A Pantera Negra foi criada em julho de 1966, dois meses antes da fundação do Partido das Panteras Negras. Como muitas pessoas acabaram relacionando o nome do partido com a história da trama, o personagem passou a ser chamar Leopardo Negro, mas nem os leitores nem os criadores abraçaram a ideia. No final, como se pode perceber, essa mudança não durou por muito tempo e o nome "Pantera Negra" voltou com tudo!

Ryan Coogler insistiu em trazer colaboradores de seus filmes anteriores para colocar seu próprio estilo no filme e diferenciá-lo das outras produções da Marvel. Entre os integrantes desse time remanescente estão Rachel Morrison (diretora de fotografia), Hannah Beachler (designer de produção) e Ludwig Göransson (compositor).


Pantera Negra tem duas cenas pós créditos. Na primeira, vimos T'Challa, acompanhado por Nakia (Lupita Nyong'o), Okoye (Danai Gurira) e Ayo (Florence Kasumba), viaja para o Centro Internacional de Viena e fala diante das Nações Unidas, afirmando que Wakanda abrirá suas fronteiras e utilizará seus recursos para ajudar o resto do mundo. Já na segunda, Shuri (Letitia Wright) visita um convalescente Bucky Barnes, que acordou de seu estado criogênico, e diz que ainda tem muito a aprender.

Stan Lee faz mais uma divertida aparição na boate, pouco antes da treta acontecer.

Vingadores: Guerra infinta (2018)


Vingadores: Guerra infinita é o maior evento cinematográfico da Marvel da história. A maior reunião de heróis já feita. Na trama,  Os Vingadores e seus aliados devem se dispor a sacrificar tudo em uma tentativa de derrotar o poderoso Thanos antes que seu ataque de devastação e ruína dê um fim ao universo. Para isto, Thanos (Josh Brolin)  chega à Terra, disposto a reunir as Joias do Infinito, que darão ao Titã louco poder supremo.


Após entrarem na franquia fazendo bonito com Capitão América 2 - O Soldado Invernal e Capitão América: Guerra Civil, os diretores Joe Russo e Anthony Russo agora assumiram o posto de responsáveis pela maior marca do Universo Marvel: Os Vingadores, tanto Guerra infinita quanto Ultimato.

Muito mais que um filme, é  um evento. Sua grandiosidade é traduzida na tela, principalmente ao descobrirmos que Thanos é um vilão ... humanista !! Sim, seu desejo, ainda que seja executado de forma tirânica, é a sobrevivência da humanidade. Os recursos estão cessando e a única saída na sua opinião é dizimar aleatoriamente metade da população do Universo. Ozmandias já havia flertado com a ideia em Watchmen. Thanos é um daqueles vilões com um propósito que acabamos compreendendo, tendo até simpatia por sua dor quando é obrigado a escolher entre a filha e uma joia. Suas motivações são contextualizadas, críveis e se encaixa perfeitamente no universo apresentado. A genialidade do roteiro é tão grande que no meio de um gigantesco número de heróis distribuídos em 2 horas e meia de produção, o maior tempo em cena disparado é do vilão.



Afinal, a ameaça parece muito maior que a soma do todo. E isto se mostra real no término da produção, quando uma trilha, simbolizando tristeza, desesperança e derrota ecoa na sala de cinema. Os roteiristas Christopher Markus e Stephen McFreely souberam trabalhar os grupos que se formam no filme, às vezes pessoas (ou criaturas) de personalidades opostas, dando a elas uma boa sinergia, usando os elementos vindos dos demais filmes, o que cá entre nós, é dificílimo.

Neste filme vemos Stan Lee trabalhar mais uma vez, mas em um novo emprego. Dessa vez ele é o motorista do ônibus escolar que está levando a turma de Peter Parker em uma excursão. Quando todos os alunos ficam surpresos com a nave alienígena que sobrevoa Nova York, ele é o único que mantém a compostura. Ainda por cima, tira um sarro deles, dizendo: "Até parece que é a primeira vez que vocês veem uma nave alienígena.



A cena pós crédito introduz a Capitã Marvel. Nela Nick Fury está em um carro com Maria Hill (Cobie Smulders). Com o estalo de Thanos, as pessoas vão desaparecendo. Antes de sumir, Nick aciona o pager para chamar a Capitã.



Homem formiga e a Vespa (2018)


Mais um filme que parece ter sido enfiado na linha do tempo da Marvel com o único objetivo de formar um link entre os Vingadores (Guerra infinita e Ultimato). Tinha tudo para dar errado neste sentido, mas o filme é mais uma aula de cinema de entretenimento. A Marvel marcou um golaço com mais um filme brilhante de equipe. Inclusive, com um dos melhores vilões (vilãs) apresentados (a) até aqui.


Na história, após ter ajudado o Capitão América na batalha contra o Homem de Ferro na Alemanha, Scott Lang (Paul Rudd) é condenado a dois anos de prisão domiciliar, por ter quebrado o Tratado de Sokovia. Diante desta situação, ele foi obrigado a se aposentar temporariamente do posto de super-herói. Restando apenas três dias para o término deste prazo, ele tem um estranho sonho com Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer), que desapareceu 30 anos atrás ao entrar no mundo quântico em um ato de heroísmo. Ao procurar o dr. Hank Pym (Michael Douglas) e sua filha Hope (Evangeline Lilly) em busca de explicações, Scott é rapidamente cooptado pela dupla para que possa ajudá-los em sua nova missão: construir um túnel quântico, com o objetivo de resgatar Janet de seu limbo.

Curioso como a Marvel conseguiu fazer um filme genial sobre um quarteto, sendo que a produção Quarteto fantástico foi uma completa bomba 3 anos antes (lançado no mesmo ano do primeiro Homem Formiga). E mais curiosa ainda a segmentação proposta pela empresa afim de atingir todos os públicos: seja com herói honroso, herói negro, heroína feminista, herói família, herói Deus, herói (bilionário e filantropo) rico e arrogante, herói (s) engraçado (s). Até mesmo orientação sexual já está sendo apresentada sutilmente. E claro, mais incrível como conseguem juntar tudo num Vingadores


As cenas pós-créditos acontecem ao mesmo tempo que Vingadores: Guerra infinita.  A primeira acontece algum tempo depois dos eventos do filme, Hope Van Dyne, Scott Lang, Janet Van Dyne e Hank Pym trabalham em uma versão reduzida do túnel quântico. O grupo está no topo de um prédio e o túnel foi montado dentro da van de Lang. Vestido como Homem-Formiga, ele se prepara para entrar no Reino Quântico mais uma vez. O objetivo é colher as partículas de energia que podem ajudar a curar Fantasma. Antes que encolha, Janet o aconselha a evitar criaturas que parecem fofas, mas são mortais, e qualquer vórtex temporal. Scott entra no túnel quântico e estabelece contato com a “superfície”. Assim que recolhe as partículas de energia, ele avisa a equipe e pede para ser retirado de lá. A resposta, porém, não chega. A câmera deixa o Homem-Formiga e mostra que Hope, Janet e Hank foram vítimas do estalar de dedos de Thanos. Scott Lang está preso no Reino Quântico.

A segunda, se passa dentro da casa de Scott é possível ouvir uma pessoa tocando a bateria elétrica dele. Quando descobrimos quem é, se trata de uma formiga que foi programada para acompanhar a rotina diária do herói.





E não podemos esquece de Stan Lee. Dessa vez, durante uma perseguição de carro, para despistar seus inimigos, a Vespa atira seus discos de encolhimento. Um desses discos atinge o carro estacionado de Lee, que imediatamente assume ser o efeito colateral de ter abusado de drogas recreativas durante os anos 60.

O filme também surpreendeu nas bilheterias, batendo na casa dos 622 milhões.

Capitã Marvel (2019)


Na onda extrema de representatividade do cinema de heróis, a Marvel atingiu o alvo com louvor. Pelo menos foi assim foi a resposta do público nas bilheterias. Pantera negra arrebentou, fazendo mais dinheiro nos EUA que Titanic e Vingadores: guerra infinita, por exemplo. Capitã Marvel veio no rastro, rompendo a barreira do 1 bi mundial.


Na história, Carol Danvers (Brie Larson) é uma ex-agente da Força Aérea norte-americana, que, sem se lembrar de sua vida na Terra, é recrutada pelos Kree para fazer parte de seu exército de elite. Inimiga declarada dos Skrull, ela acaba voltando ao seu planeta de origem para impedir uma invasão dos metaformos, e assim vai acabar descobrindo a verdade sobre si, com a ajuda do agente Nick Fury (Samuel L. Jackson) e da gata Goose.

Não há como negar que o sucesso de Mulher Maravilha, que chegou aos cinemas em 2017 foi o gatilho para encaixar a Capitã no Universo Marvel. Ainda mais com o filme da Capitã estreando dois meses antes do derradeiro Vingadores. Os filmes funcionam perfeitamente, mas a sensação de que foi um filme feito para colocar uma mulher capaz de resolver a treta com Thanos é flagrante, ainda que depois da produção iniciada, você entra na história e esquece deste detalhe. Aliás, este filme, assim como o Pantera Negra, entra facilmente numa lista do top 10 da Marvel, deste Universo Compartilhado.


Na primeira cena pós-crédito, Steve Rogers (Capitão América), Natasha Romanoff (Viúva Negra), Bruce Banner (Hulk) e James Rhodes (Máquina de Combate) estão em um laboratório na sede dos Vingadores. Com eles está o pager dado por Carol Danvers a Nick Fury (dispositivo que é explicado ao longo do filme da heroína e que havia aparecido antes na cena pós-créditos de Vingadores: Guerra Infinita, quando Fury o aciona antes de desaparecer). Rhodes então aponta que o pager, que estava ligado a uma máquina, “parou de fazer o barulho que estava fazendo”. Rogers e Romanoff conversam sobre a sua importância, lembrando que se Fury o acionou deve ter um significado importante. De repente, Capitã Marvel surge ao lado do grupo, seus cabelos estão mais longos e seu uniforme sofreu algumas modificações. Ela pergunta “Onde está Fury?”

 Na segunda cena, a gata Goose, que no filme é revelada como sendo uma alienígena da espécie Flerken, vomita o Tesseract como se fosse uma bola de pelos na mesa de Nick Fury. O trecho responde como o artefato voltou ao poder da SHIELD depois de ter passado um tempo no espaço por conta dos experimentos feitos por Mar-Vell (a Joia do Espaço foi encontrada por Howard Stark ao final de Capitão América: O Primeiro Vingador e se encontrava em poder da SHIELD, dona da base em que Mar-Vell conduzia seus experimentos).


A participação de Stan Lee era muito esperada devido sua morte.  Na cena, Carol Danvers (Brie Larson) procura um Kree, alienígena que pode copiar a aparência de qualquer ser vivo, em um vagão de trem. Observando todos os passageiros, a heroína olha para um senhor lendo um roteiro, Lee, e dá um pequeno sorriso ao idoso.

Ultimato (2019)


Como prenunciado, a Capitã Marvel teria um efeito devastador nos planos de Thanos. A linha narrativa é tour the force emocional, daquelas dignas do tempo que a Marvel nos “tomou” com seus filmes alinhados. Ainda que o espectador mais atento apontasse falhas aqui e ali, é louvável um projeto como este, com tantos envolvidos.



São 3 horas de despedidas, amizades feitas, vidas concebidas, emoções desfeitas, relacionamentos "rebootados", enfim elementos incomuns num blockbuster, que se não merece o Oscar de filme do ano, certamente merecia ser o filme mais rentável da história, deixando Avatar, Titanic e Despertar da força comendo poeira. É um épico em todos os sentidos, ainda que intimista, trágico, bem humorado, e finaliza tudo ao mesmo tempo que reinicia muitas coisas.

Assim como foi em Senhor dos anéis - o retorno do rei, Ultimato merecia ser o último filme de todos. Foi a despedida de Stan Lee inclusive, no melhor estilo ... Stan Lee. Mas sabemos que a máquina de dinheiro criada pela Marvel não vai parar, ainda que a Saga do Infinito tenha finalizado. Uma pena. Merecia terminar no auge.



Endgame

Revendo todos os filmes, ainda que haja uma justificável falta de sintonia temporal e física dos personagens, afinal, muita coisa mudou em 10 anos, inclusive os efeitos. O Hulk por exemplo. O realismo atingido em Ultimato é impressionante. Até mesmo a inserção de heróis como Homem aranha foi em função de um acordo firmado entre a Marvel e a Sony com as produções dos heróis a todo vapor, ou seja, precisavam enfiá-lo na história afim de que faça parte da equipe. Da mesma forma, a Capitã Marvel, que veio com força da representatividade que tomou conta da sociedade nos últimos anos.  Assim como Pantera negra.

Tirando eventuais tropeços e encaixes forçados, temos um projeto brilhante, de encher os olhos. A desconstrução do personagem Tony Stark e a construção do herói Homem de ferro são fantásticas. Se alguém no mundo hoje merece um Oscar em 2020 é Robert Downey Jr. O crescimento do personagem é incrível. Assim como Thanos, que iria ser o "vilão da semana" em algum dos filmes e acabou virando o gigante a ser derrotado.



A emocionante batalha final e a postura do personagem ao ser finalmente derrotado merece todo nosso louvor. Ele se desfaz sem dizer mais nada, pois tudo que já havia sido falado ao longo dos filmes. Naquele momento, ele entende que perdeu.

Ao assistir os dois filmes em sequência, percebemos que o personagem a ser sacrificado seria mesmo Tony Stark, não só pela jornada de construção do herói que se encerrou com seu sacrifício, mas o Dr. Estranho deu dicas para os telespectadores mais atentos várias vezes. Os próprios personagens Arqueiro e Viúva negra sempre pareceram meio avulsos, inclusive sem seus filmes de origem, denotando que seriam figuras a serem sacrificadas em algum momento, o que ocorre quando chegam em Vormir. Por mais que sejam personagens sem uma conexão forte com o telespectador, eles tinham um elo forte entre eles, e isto faz com que nos importemos com o destino de ambos, quando este é colocado a prova, já que somente um sairia vivo com a jóia.  É um momento tão genial, que se você não tem a menor identificação com os personagens, vai se importar com seus destinos naquele instante.


E o que dizer do Capitão América? Existe no universo apresentado até hoje um personagem mais digno de levantar o martelo de Thor? Desde a sua introdução ao Universo Cinematográfico da Marvel, Chris Evans apareceu como Steve Rogers/Capitão América em um filme por ano, a não ser em 2015. Esse foi o ano em que ele apareceu duas vezes, 10 no total. Ele estreou em Capitão América: O Primeiro Vingador (2011),  Os Vingadores (2012), teve uma breve aparição em Thor: O Mundo Sombrio (2013), Capitão América 2: O Soldado Invernal (2014), Vingadores: Era de Ultron (2015), outra breve aparição sem créditos em Homem-Formiga (2015), Capitão América: Guerra Civil (2016), uma participação especial em Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2017), Vingadores: Guerra Infinita (2018), aparição breve em Capitã Marvel (2019) e em Vingadores: Ultimato (2019). Em outubro de 2018, Evans anunciou oficialmente via twitter, por onde expressou sua grande satisfação por estar envolvido nesse universo por quase uma década.


Até o olhar de Chris transmite esta dignidade. Para um ator acostumado a fazer comédias esquecíveis, ele se tornou o "Capitão América" no cinema de forma definitiva, assim como Hugh Jackman, que será substituído em breve, como imaginamos.

Enfim, novos caminhos apontam para um futuro sem nossos heróis preferidos, mas que serão substituídos por outros que ainda  não são preferidos, mas certamente serão. Um futuro sem Capitão América e Homem de ferro ( mas se pensarmos bem, há 10 anos não sabíamos que precisávamos tanto deles). Hoje, um futuro sem Homem aranha. Um futuro com Eternos, Miss Marvel, Mulher Hulk, Quarteto Fantástico e X-men, ou seja ...como disse Steve Rogers naquela cena, que desde já, é uma das mais antológicas do cinema: Vingadores: Avante.

Easter Eggs

Há detalhes que valem a pena serem observados. Na cena inicial, Barton treina a filha. Nos quadrinhos ela assume o manto, se tornando a Gaviã Arqueira. 

Pepper Potts dá as caras na batalha final como "Resgate", a versão feminina de Homem de Ferro. Outros personagens aparecem como Ronin (o Gavião Arqueiro pós-morte da família) e Professor Hulk, a versão híbrida de Bruce com o Hulk.

Um dos diretores do filme faz uma participação. Na cena, Joe Russo interpreta um homem que teve seu marido transformado em poeira depois que Thanos concluiu seu plano em Guerra Infinita. O personagem relata isso durante um encontro do grupo mediado por Steve Rogers logo após a passagem de tempo de 5 anos. Na mesma cena, Jim Starlin, o escritor da história Desafio Infinito, saga que baseou a trama do filme, aparece como um homem mais velho sentado entre os participantes do encontro.

 

Quando Capitão e o Homem de Ferro voltam nos anos 70, eles entram na  base militar, e um dos easter eggs é o capacete clássico do Homem-Formiga, criado por Hank Pym. Ele pode ser visto quando Steve Rogers chega no escritório do cientista.

O ator Ken Jeong (de Se beber não case) faz uma pequena participação, como segurança do local em que Scott Lang reaparece. Na cena ele está lendo um livro  chamado The Terminal Beach, uma coleção de contos de ficção científica do escritor britânico J. G. Ballard. Um dos contos mais aclamados se chama “Endgame”.

Não sei se era piada interna, mas os diretores deram certa importância ao Howard - o pato. Ele não só aparece em outros momentos como dá as caras na batalha final de Ultimato. Não viu? Procure-o no canto, quando a Vespa aparece. 

 

Pouca gente entendeu o que aquele rapaz fazia no funeral de Tony. Aparentemente sem contexto, o rapaz é aquele menino que ajuda Tony no Homem de Ferro 3. O mesmo ator, Ty Simpkins.

O que parece ser apenas uma zoação, talvez seja uma indicação. Os Asgardianos da Galáxia realmente existem nos quadrinhos.

No final dos créditos, ouvimos sons de marteladas em ferro. Foi uma homenagem ao personagem que fez o maior sacrifício do filme. O som pode ser ouvido no primeiro Homem de Ferro, quando Stark faz sua primeira armadura.

 




Bilheteria $2,796,155,289.
Espera-se que seja imbatível.







Tecnologia do Blogger.