30 SPIN OFFS QUE PRECISAM (OU NÃO) CONHECER

30-spin-offs-bons-e-ruins

Por definição, spin off é um termo usado para caracterizar um derivado. Sua utilização é ampla, mas hoje vamos tratar deles no cinema e na tv. 

De uma forma geral, spin offs de filmes ou séries tem apenas um objetivo: lucrar, principalmente em cima de personagens menores. Um exemplo são os Pistoleiros solitários de Arquivo X. Eles faziam sucesso com suas pequenas participações na série. Daí os produtores acharam que seria uma boa ideia levar suas aventuras para uma série derivada, imaginando que seria um sucesso. Erraram.

Spin off não é sinônimo de fracasso, mas assim como os Remakes, geralmente são tratados com desconfiança. Recentemente, Fear the Walking Dead provou que até os zumbis penaram para conquistar boa audiência no spin off. L. A Finest nasceu de Bad Boys, mas foi uma série que ninguém pediu. Joey, o spin off de Friends ficou esquecido. Alguns, porém repetiram o sucesso como Xena, que veio de Hércules e qualquer CSI ou Lei & Ordem.

Abaixo, citei alguns exemplos, separados por categorias. Mas de uma forma geral, spin off tem um risco alto de falhar miseravelmente.


10 SPIN OFS 
DESNECESSÁRIOS, FRACOS OU ... RUINS MESMO


Pode-se afirmar que o Superman foi muito mal tratado no cinema. Até hoje. Talvez por isto, o clássico de 78 se torne maior ainda. E entre uma e outra continuação ruim, veio um spin off que ninguém queria que fosse fraco, mas nos anos 80 era difícil os caras produzirem um filme de herói descente. 

Supergirl veio com pedigree. Foram feitas 5 versões diferentes do roteiro até se chegar ao formato definitivo. Em uma delas o filme iniciaria com a explosão de Krypton, mostrada em Superman - O Filme (1978). Inicialmente Christopher Reeve faria uma pequena ponta em Supergirl, interpretando o Super-Homem, mas saiu do projeto ainda antes do início de suas filmagens.  O tema de Superman - O Filme (1978), criado por John Williams, aparece na trilha sonora composta por Jerry Goldsmith para Supergirl. O diretor, Jeannot Szwarc, trabalhou com  Christopher Reeve no filme Em algum lugar do passado, em 1980.

O resultado nas bilheterias? Naufrágio. Custou em torno de 40 milhões e rendeu apenas 15. Restou passar no Cinema em Casa do SBT. 

➤Veredito: FRACO


O Fugitivo foi uma série de muito sucesso nos anos 60. Um remake no formato de filme ou série aconteceria mais cedo ou mais tarde. Aconteceu mais tarde e de forma incrível. O sucesso do filme foi arrebatador. A inspiradíssima direção de Andrew Davis (que realizou coisas como Nico, Acima da Lei, A força em alerta, Reação em cadeia, Um crime perfeito ) levou o filme a ser indicado para 7 Oscars, incluindo Melhor Filme. Venceu Tommy Lee Jones como coadjuvante. O seu inspiradíssimo personagem Samuel Guerard levantou a carreira do ator. 

O filme rendeu espantosos 368 milhões de dólares. Para efeito comparativo, o filme Shazam faturou em 2019 364 milhões (com hype de filmes de heróis e 3D para encarecer os ingressos, além do fato de que em 1993 eram menos cinemas, menos pessoas para assistir, não tinha internet divulgando filmes e muito menos multiplex) .

Obviamente, inventaram um spin off, já que a história não tinha como continuar. Então acharam uma boa ideia chamar Tommy Lee Jones para realizar um filme mais focado no caçador de fugitivos. O filme rendeu apenas 100 milhões, bem distantes do sucesso do anterior. Mas é um bom filme, apesar de arcos parecidos, é um filme de ação competente.

➤Veredito: DESNECESSÁRIO


Escorpião rei é um spin-off de um remake. Só isto já diz tudo. Mas se fosse feito em 2019, seria candidatíssimo a ser um estrondoso sucesso, isto porque hoje o astro mais rentável do mundo é o próprio Escorpião, ou seja, Dwayne Johnson.

Sem contar que para um filme feito em 2002, há efeitos bizarros. Foram anos sofridos no desenvolvimento de rostos humanos em CGI. Entre filmes famosos, Homem aranha em 2001 teve momentos embaraçosos. Em 2002 veio Escorpião rei e em 2003, Matrix Reloaded. Ainda bem que chegamos vivos em 2019 e podemos vislumbrar personagens como o Professor Hulk em Vingadores- Ultimato.

Escorpião Rei mesmo assim se pagou nas bilheterias e ainda rendeu várias continuações (4) e uma pre-quel.

➤Veredito: FRACO


Quando a carreira do Batman declinou nos cinemas com o derradeiro Batman & Robin em 1997, algum produtor teve uma ideia "genial": enterrar de vez com um filme tão horroroso que é complicado até falar dele.

Sofrendo da maldição do Oscar vencido em 2002, Halle Berry paga o maior mico da carreira, O filme recebeu sete indicações ao prêmio Framboesa de Ouro e ganhou nas categorias de pior filme, pior atriz, pior diretor e pior roteiro. Halle Berry chegou à cerimônia para aceitar seu Framboesa de Ouro pessoalmente com seu Oscar de Melhor Atriz na mão e disse que aconselhou seu agente a ler os roteiros antes de aceitá-los.

O filme até que rendeu nas bilheterias, custando 120 milhões e recuperando 80. Não merecia nem 8.

➤Veredito: RUIM


Não é incomum casais colocarem forças em projetos. Foi assim com Affleck e Garner. O filme Demolidor serviu de veículo para Elektra brilhar e ter seu filme próprio. Como sabemos, a produção fracassou miseravelmente.

Na trama, Elektra (Jennifer Garner) é obcecada por sua morte e seu misterioso renascimento. Apesar de ter sido treinada na rígida disciplina do ninjítsu, ela não consegue controlar a fúria que sente pela morte dos pais. Sua ânsia por vingança faz com que parta para o exílio e se torne uma perigosa assassina profissional. Seu novo alvo é Abby (Kirsten Prout), uma garota de apenas 13 anos, e seu pai, Mark (Goran Visnjic), os quais precisam salvar de um perigoso inimigo, que possui poderes sobrenaturais.

Dizem as más línguas que o produtor Avid Arid achou o filme um erro. Até a atriz Jennifer Garner, que não gostou do resultado de Demolidor, fez Elektra apenas por razões contratuais.

➤Veredito: FRACO


O grande mérito de Wolverine está no seu título: Ele foi a origem de Logan e Deadpool. E só.

No filme, a Equipe X é formada apenas por mutantes, tendo fins militares. Entre seus integrantes estão Logan (Hugh Jackman), o selvagem Victor Creed (Liev Schreiber), o especialista em esgrima Wade Wilson (Ryan Reynolds), o teleportador John Wraith (Will i Am), o atirador David North (Daniel Henney), o extremamente forte Fred J. Dunes (Kevin Durand) e ainda Bradley (Dominic Monaghan), que manipula eletricidade. No comando está William Stryker (Danny Huston), que envolve alguns componentes do grupo no projeto Arma X, um experimento ultra-secreto. Entre eles está Logan, que precisa ainda lidar com o desfecho de seu romance com Raposa Prateada (Lynn Collins).

Pouco menos de um mês antes de seu lançamento nos cinemas uma cópia não finalizada de X-Men Origens: Wolverine foi lançado na internet. Apesar dos inúmeros downloads, houve uma campanha dos próprios fãs para que o filme fosse visto nas salas de cinema. Eu particularmente tenho esta versão e assisti na época. Achei-a mais divertida.

➤Veredito: RUIM, FRACO, MAS ÚTIL ...


A trilogia Bourne é perfeita. Um exemplo de como o cinema de ação pode ser dinâmico e inteligente.  Mas após o fim da história em 2007, uma pergunta bem natural veio a tona: o que aconteceu com os outros que tiveram o mesmo tratamento de Bourne.

Na história, após Jason Bourne revelar publicamente o projeto Treadstone, Eric Byer (Edward Norton) é encarregado de apagar os rastros que possam incriminar o governo dos Estados Unidos neste e em outros projetos sigilosos. Um deles chama-se Outcome, um projeto que pretende suprimir a dor e aumentar a sensibilidade, inteligência e força de seus agentes através de remédios tomados periodicamente. Com o fim do Outcome, seus agentes passam a ser eliminados a mando do próprio governo. Aaron Cross (Jeremy Renner) é um deles, mas consegue escapar sem que Byer perceba. Em busca de respostas, ele vai à casa da doutora Martha Shearing (Rachel Weisz) e a salva da morte certa. Juntos, eles precisam encontrar um meio de sobreviver ao mesmo tempo em que Aaron, sem seus remédios habituais, começa a sentir os efeitos colaterais da abstinência forçada.

O Legado Bourne começou cercado de problemas desde a pré-produção. Meses depois de desistir do papel, Damon veio a público e atacou o roteiro escrito por Tony Gilroy, dizendo que era ilegível e constrangedor. Apesar disso, chegou a dar dicas para Jeremy Renner sobre atuar na franquia.

➤Veredito: FRACO


Harry Potter é uma obra prima. O desenvolvimento de cada personagem é um primor. A cada filme, tudo vai ficar mais denso, tenso, rumando para o inevitável confronto com o mal reencarnado e seus asseclas.

E depois de tanta grana que os filmes (e livros renderam), nada mais natural que inventarem moda. Até tentaram dar certa sequência, contratando o mesmo diretor de filmes anteriores (David Yates) e colocando um elenco de estrelas.  Os fãs de Harry Potter marcaram presença, mas se depararam com um universo frustrante. Tanto que a continuação rendeu bem menos (653 milhões contra 814 milhões do primeiro).

A trama mostra o excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York levando com muito zelo sua preciosa maleta, um objeto mágico onde ele carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-americana, que teme muito mais a exposição aos trouxas do que seus colegas ingleses, Newt precisará usar todas suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo.

➤Veredito: DESNECESSÁRIO


Vou começar a falar sobre Han Solo com uma frase polêmica: "- A Disney prostituiu a mitologia Star Wars". Após George Lucas vender sua empresa com Star Wars dentro para a Disney e ir viver no seu rancho, ninguém imaginava que iríamos ter filmes Star Wars todo ano, com direito a spin-offs e até séries de Tv. Ninguém imaginava que agora teríamos produtos Star Wars em qualquer loja da esquina a preços irrisórios. Antes era dureza conseguir.

Star Wars antes era algo mitológico. Muitos elementos ficavam na imaginação. Nestes últimos anos não só resolveram fazer continuações para a história (que eram planejadas pelo próprio Lucas há 250 anos) como vieram os spin-offs. E ainda anunciaram vários outros.

Han Solo entra nesta linha do tempo para frear a máquina de fazer dinheiro.  O filme, que custou em torno de 350 milhões de dólares, rendeu apenas 392. Numa época em que os Star Wars bateram 2 bi no cinema, a Disney ganhou um fracasso para chamar de seu. Muito em função das escolhas: Ator péssimo (gente, sério, dá pena ver Alden Ehrenreich atuando); Cameo aleatório (sim, Darth Maul foi escolhido pelo filho do diretor de forma totalmente randômica. O papo foi mais ou menos assim: Filho, qual personagem acharia legal colocar como ponta no final? Resposta - Darth Maul papai. Ele morreu muito rápido em Ameaça fantasma e merece uma segunda chance.); Roteiro péssimo, mostrando que tudo que sabíamos sobre Han Solo, ele parece ter vivido num único dia (ou sequência de eventos); Frases tipo: "Não confie em ninguém" são entoadas pelo próprio traidor; Olhares entregam o plot twist muito antes de acontecer. Enfim... Solo é a Mulher Gato da Disney.

➤Veredito: RUIM, FRACO E DESNECESSÁRIO


A dupla Tessa Thompson e Chris Hemsworth desenvolveu uma ótima sintonia em Thor Ragnarok. Eles tentaram repetir esta sintonia em MIB Internacional, mas passou longe de dar certo. Tessa tenta ser engraçada o tempo todo, o que não combina nada com sua área de atuação. O roteiro é bisonho, daqueles em que sabemos o plot twist final  com 15 minutos.

A trama, se é que podemos chamar assim, mostra  Molly quando criança, que presenciou a abordagem de dois agentes do MIB aos seus pais, apagando a memória deles acerca da súbita aparição de um ser extraterrestre. Como estava escondida, a garota não foi atingida pela ação. Obcecada pelos mistérios do universo, ela cresceu com o sonho de ingressar no MIB. Após muita pesquisa, ela (agora (Tessa Thompson) consegue descobrir a sede da agência e lá se candidata a uma vaga, sendo aceita por O (Emma Thompson). Ainda em experiência, e agora renomeada como agente M, ela é enviada a Londres para investigar algo estranho que tem ocorrido na agência local. É quando conhece o agente H (Chris Hemsworth), de grande renome pelos seus feitos no passado, mas demonstra uma certa arrogância e displicência na execução do trabalho.

Até por conta da expectativa em relação aos filmes anteriores, este novo foi um completo fiasco. Daqueles que você sai do cinema sem lembrar uma cena sequer do que viu. O desempenho fraco nas bilheterias (custou quase 180 e rendeu 250), provavelmente sepultou a ideia de continuar este spin off. Ainda bem.

➤Veredito: FRACO

5 SPIN OFFS 
DE ANIMAÇÕES FAMOSAS 
QUE NÃO PRECISAVAM EXISTIR

Animações não poderiam ficar de fora não é? Os filmes citados abaixo não são ruins. Alguns fizeram bastante sucesso, como Minions, que bateu 1 Bi e 100 nas bilheterias. E como alguns personagens fazem tão ou mais sucesso que o principal, é até natural tentarem investir neles. Mas nenhuma das 5 abaixo foram memoráveis como as incursões dos personagens nos filmes de origem, infelizmente. Reparem como alguns são feitos muitos anos depois. Isto acontece porque eles já tinham esgotado as ideias em continuações...

Mas confesso que sempre imaginei como seria uma série, de tipo uns 10 minutos por episódio, do personagem Scrat de Era do gelo.


Spin off de: Príncipe do Egito (1998)


Spin off de: Shrek (2001)


Spin off de: Carros (2006)


Spin off de: Madagascar (2005)


Spin off de: Meu malvado favorito (2010)


10 SPIN OFFS
QUE NINGUÉM PEDIU E FORAM EXCELENTES

Bora falar de coisa boa?


Stallone virou uma das figuras mitológicas do cinema.  Não só pela sua influência no cinema de ação dos anos 80, mas por saber se reinventar como ninguém. A Saga Rocky teve seu fim com o fraco Rocky 5 em 1990. Rocky Balboa  veio em 2006 e Stallone provou que mesmo com idade mais avançada, podia dar um calor num adversário mais novo. Em 2015 veio Creed. Ele foi nomeado para o Oscar e ganhou o Globo de Ouro. O spin off foi aclamado tanto pela crítica quanto pelo público. O filme rendeu 4 vezes mais que seu orçamento.
No filme, Adonis Johnson (Michael B. Jordan) nunca conheceu o pai, Apollo Creed, que faleceu antes de seu nascimento. Ainda assim, a luta está em seu sangue e ele decide entrar no mundo das competições profissionais de boxe. Após muito insistir, Adonis consegue convencer Rocky Balboa (Sylvester Stallone) a ser seu treinador e, enquanto um luta pela glória, o outro luta pela vida.
Imperdível.

Rogue one é baseado numa frase dita em Star Wars. Na trama, Jyn Erso (Felicity Jones) foi afastada de seu pai, Galen (Mads Mikkelsen), devido à exigência do diretor Krennic (Ben Mendelsohn) que ele trabalhasse na construção da arma mais poderosa do Império, a Estrela da Morte. Criada por Saw Gerrera (Forest Whitaker), ela teve que aprender a sobreviver por conta própria ao completar 16 anos. Já adulta Jyn é resgatada da prisão pela Aliança Rebelde, que deseja ter acesso a uma mensagem enviada por seu pai a Gerrera. Com a promessa de liberdade ao término da missão, ela aceita trabalhar ao lado do capitão Cassian Andor (Diego Luna) e do robô K-2SO.

Rogue one é uma pérola. Quase um ponto fora da curva no universo Star Wars. Não que isto seja negativo, pelo contrário. A Disney se distanciou daquele mundo justamente para mostrá-lo com mais veracidade. Mas muitos elementos da mitologia estão lá.

De uma forma geral, Rogue One é um filme que ninguém pediu, explicando coisas que ninguém perguntou. Assim como Solo. A diferença é que um foi um golaço e o outro, um gol contra.


Deadpool é o maior erro do cinema recente a ser traduzido no maior acerto. Confuso não? Explico. Ryan Reylonds foi Lanterna Verde. Só com esta informação, você já precisa parar e respirar fundo. Mas não parou por ai. Ryan Reynolds foi Deadpool no spin-off bomba Wolverine.

E não é que com este repertório bombástico, ele insistiu no personagem que ninguém queria? A novela foi longa. Começou em 2000. O que importa é que o filme chegou em 2016 como Ryan queria. Na história, o ex-militar e mercenário, Wade Wilson (Ryan Reynolds) é diagnosticado com câncer em estado terminal, porém encontra uma possibilidade de cura em uma sinistra experiência científica. Recuperado, com poderes e um incomum senso de humor, ele torna-se Deadpool e busca vingança contra o homem que destruiu sua vida.

Desbocado, despretensioso e até mal feito em alguns momentos, Deadpool é uma aula do cinema descompromissado. O filme custou 58 milhões e rendeu  783 milhões em todo mundo.


Em 2029, Logan (Hugh Jackman) ganha a vida como chofer de limusine para cuidar do nonagenário Charles Xavier (Patrick Stewart). Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela (Elizabeth Rodriguez), uma mexicana que precisa da ajuda do ex X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 (Dafne Keen). Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce (Boyd Holbrook), interessado na menina.

Última vez que Hugh Jackman interpreta Wolverine. Ele mencionou sua idade e questões de saúde - o ator foi diagnosticado com câncer de pele - como fatores importantes para que ele se aposentasse do icônico papel.

Logan é um daqueles filmes que tinha tudo para dar errado. Numa rápida análise, X-men 1 e 2 foram bons, veio o fraco terceiro. Veio o spin-off Wolverine, que já foi ruim e a origem da equipe com X-Men: Primeira Classe. Em ambos os casos, nasceram franquias questionáveis. E Logan foi dirigido por James Mangold, que já tinha errado no filme anterior, Wolverine - imortal.

Mas ao vermos o trailer, com a música Hurt de Johnny Cash nos cinemas, o mundo prestou atenção. E quando estreou, confirmamos que Logan foi um ponto fora da curva.


Transformers foi um sucesso. Muito questionável em vários momentos, mas de tão bem feito, você acaba entrando na história. Michael Bay parece em casa fazendo o que sabe melhor: explodir coisas.

Veio o segundo...e foi fraco. O terceiro...foi razoável. O quarto...fraco...O quinto ruim...O que fazer quando a fórmula esgota? Crossover ou spin-off. Bumblebee foi a bola da vez. Havia todas as razões do mundo para desconfiar de mais uma bomba estava a caminho. Mas o resultado foi bem diferente.

Trocou diretor, trocou elenco, trocaram a estridência dos efeitos pela perfeita harmonia do CGI com truques práticos, trocaram aquele absurdo visual tecnológico pelo retro oitentista. E pronto. Em 1987, refugiado num ferro-velho numa pequena cidade praiana da Califórnia, Bumblebee, um fusca amarelo aos pedaços, machucado e sem condição de uso, é encontrado e consertado pela jovem Charlie (Hailee Steinfeld), às vésperas de completar 18 anos. Só quando Bee ganha vida ela enfim nota que seu novo amigo é bem mais do que um simples automóvel.

Bumblebee foi o primeiro filme da franquia à ser bem recebido pela crítica.

5 ÓTIMAS SÉRIES DE TV
QUE SÃO SPIN OFFS DE SÉRIES DE SUCESSO

Algumas séries nascem de outras, levando às telinhas a mesma qualidade que o público anseia. Há casos e mais casos, como Stargate, que fiz até um post separado para mostrar os vários spin-offs. Citei 5 que fizeram sucesso.


Spin off de: Star Trek

Spin off de: Barrados no baile


Spin off de: Cheers


Spin off de: Buffy, a caça vampiros


Spin off de: Breaking Bad

5 SPIN OFFS ESQUECÍVEIS FEITOS PARA TV

Há spin-offs que são incrivelmente ruins, desnecessários e chatos. E normalmente, são aqueles feitos para a Tv com algum parente de um dos personagens principais do filme.
Veja abaixo 5 exemplos bem ruins...


Spin off de: Férias frustradas (1983)


Spin off de: American Pie (1999)

Spin off de: Os gatões (2005)


Spin off de: Dr. Dolittle (1998)


Spin off de: Ace Ventura (1994)

Um detalhe final, este post talvez tenha uma parte 2...ou spin off.


Tecnologia do Blogger.