A ÚLTIMA LOUCURA DE CLAIRE DARLING (2018) - FILM REVIEW

a-ultima-loucura-de-claire-darling-2018.

A última loucura de Claire Darling é a mais nova empreitada da diretora Julie Bertuccelli. Nascida em 1968, Julie estudou filosofia e, em seguida, trabalhou durante uma década como assistente de direção em uma série de longas-metragens, filmes de TV e curtas-metragens, trabalhando com Iosseliani Otar, Rithy Panh, Krysztof Kieslowski, Emmanuel Finkiel, Bertrand Tavernier, Jean Louis Bertuccelli, Christian de Chalonge, René Féret e Pierre Etaix, entre outros. 

Após um curso de documentário no Ateliers Varan, em 1993, ela fez cerca de 10 documentários para a Arte, France 3 e France 5. Seu primeiro filme de ficção em longa-metragem, Desde que Otar Partiu, de 2003, ganhou mais de 20 prêmios na França e internacionalmente, incluindo o Grande Prêmio na Semana da Crítica em Cannes, em 2003, o Cesar de melhor primeiro filme, e o Prêmio Michel d'Ornano.

A Árvore, de 2010, seu segundo longa-metragem de ficção, foi filmado na Austrália e estrelado por Charlotte Gainsbourg, sendo exibido na Seleção Oficial no Festival de Cinema de Cannes, em 2010 (Closing Film).

Julie dirigiu dois documentários de cinema, The Babel Court, em 2014, e Latest Cosmos News, em 2016, ambos indicados para o César. A última loucura de Claire Darling é seu terceiro longa-metragem de ficção.


Baseado na obra de Lynda Rutledge e com Catherine Deneuve, Chiara Mastroianni, Alice Taglioni no elenco, o filme se passa em Verderonne, uma pequena aldeia na região do Rio Oise. No primeiro dia de verão, Claire Darling acorda convencida de que está vivendo seu último dia. Ela decide então esvaziar sua casa e se livra tudo, sem distinção, cada item de marca e até mesmo sua coleção de relógios. Seus objetos amados ecoam uma vida trágica e extravagante. Esta última loucura traz de volta Mary, sua filha, a quem ela não via há 20 anos. Curiosidade: Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni, mãe e filha na vida real, voltaram a trabalhar juntas num filme.

Leia abaixo a entrevista com a diretora e roteirista Julie Bertuccelli:

Claire Darling é uma adaptação do livro Faith Bass Darling’s Last Garage Sale, de Lynda Rutledge. O que você gostou no livro?


Julie Bertuccelli: Sou uma grande colecionadora de coisas. Eu me sinto desconfortável em apartamentos que são muito vazios. E sou fã de vendas de garagem e de mercados de pulgas. As pessoas que vendem suas coisas ficam nuas sem perceber. Esses objetos são como uma janela para a história da família delas – são tingidos pela experiência, eles têm corpo e alma.


Uma amiga próxima me deu este livro, dizendo que isso a fez pensar em mim. Ela estava certa, terminei esta história, que englobava muitos temas com os quais me identifico, como o complexo relacionamento entre mãe e filha; como os mortos nos assombram; objetos e móveis que nos engolem e agem como um substituto da memória; mentiras, segredos e coisas não ditas nas famílias, distorcendo nossos relacionamentos; nossa morte iminente; a memória que construímos, que nos aprisiona e nos sufoca; e ser esquecido, o que nos deixa tristes, mas também nos liberta.

Em minha defesa, meu apego aos objetos deriva de várias gerações de colecionadores ardentes. As casas da minha infância estavam cheias de lembranças incongruentes de viagens, heranças de família, talismãs da sorte e coleções – tantas metáforas, laços emocionais, memórias, sentimentos, símbolos de um tempo ou lugar que perdemos e reflexos de nossas vidas, dos quais é difícil se libertar. Apesar de minhas objeções a esta loucura patológica quando era criança, acabei me contagiando também com o tempo.

Este foi o momento para eu visitar esses demônios e refletir sobre toda essa confusão que era parte de mim. E meu produtor, Yaël Fogiel, me incentivou a fazer isso.


A última loucura de sua heroína é manter uma venda de garagem para vender tudo em sua casa...

Julie Bertuccelli: Eu sei como a acumulação e a colecistite aguda têm um profundo significado psicanalítico. Dizem que colecionar é uma maneira de banir a morte – sempre a afastando, porque você sempre pode encontrar outra peça em um quebra-cabeça sem fim. E este edifício infinito, através de sua acumulação e composição, torna-se uma obra em si, uma reflexão consciente sobre o mundo incongruente de nossas criações humanas. Então, vender esses objetos é um ato ainda mais ousado para Claire Darling, uma vez que, como ela diz ao padre, eles a ajudaram nas provações de sua vida. Aceitar que todos esses objetos que ela comprou e apreciou sobreviverão a ela e podem ter outra vida, é nada menos do que aceitar sua morte.
  

Sua ação também evoca indiferença e liberdade...

Julie Bertuccelli: Essa ideia de ‘deixar ir’ era algo que eu gostava muito no livro. Ao vender suas coisas por quase nada, Claire Darling se liberta, não querendo deixar nada para ninguém. Dito isso, ela tem o cuidado de informar aos compradores a história anexada a cada objeto. Para ela, não se trata de vender coisas, mas passar uma história. Para mim, esse ato final de liberdade ecoa as frustrações de sua vida. É uma libertação. Claire Darling viveu a sua vida um pouco fora de sintonia com os tempos, e ela nem sempre foi gentil e atenciosa com aqueles ao seu redor, especialmente sua filha. Essa era sua maneira de se proteger, uma espécie de carapaça. Sem isso, ela teria se despedaçado. Em sua loucura final, ela aceita seus defeitos, seus excessos, seus erros e se reconcilia com a filha.


Os objetos são centrais para o enredo, mas não estão congelados nas imagens de antiguidades.


Julie Bertuccelli: Eu queria sentir a beleza deles, o lugar deles como parte de uma história, como os autômatos, que são mais carregados emocionalmente para mim, já que alguns no filme pertenciam à minha avó. Mas desde o estágio da escrita do roteiro em diante, tomei o cuidado de não entrar no esteticismo e garantir que os objetos estivessem entrelaçados com a história, sempre vista do ponto de vista de um dos personagens. Cada um deles oferece a oportunidade de contar um pedaço do quebra-cabeça da vida dessa família, com seus problemas, suas mentiras e seus dramas.
  

Assim como os objetos, o passado não está congelado em uma reconstrução, mas parte do presente.


Julie Bertuccelli: Minha corroteirista Sophie Fillières e eu jogamos com os diferentes níveis de tempo da trama – uma estrutura confusa e desordenada da memória e o fio único de um dia de 24 horas. Queríamos dar vida à intrusão de memórias fantasmas, aquela estranha impressão de simultaneidade, de presença-ausência que surge na ocasião de uma nova situação, de ver uma silhueta ou a visão de um objeto impregnado de memória.


O importante não foi o passado como tal, mas as memórias, que ressurgiram em fragmentos para Claire, para sua filha, ou Martine, a amiga de infância que administra uma loja de antiguidades. Isso não era necessariamente exatamente como as coisas aconteciam, mas não importava – é assim que ela se lembra deles, como momentos concentrados do passado.

Para nós, essa narrativa paralela parecia iluminar, dar complexidade e enriquecer o relato linear de um dia, o último dia dessa senhora que vê sua vida passar, como dizem em um momento fugaz para as pessoas que sofrem um acidente. Esse esforço para comprimir os vários fios temporais foi o princípio básico que eu levei para a direção, enquanto evitava qualquer artifício óbvio. Eu queria alcançar a subjetividade total, mas sem recorrer a imagens borradas ou a alterações de lentes ou cores. Foi assim que eu e a diretora de fotografia, Irina Lubtchansky, seguimos. Eu queria que as mudanças temporais ocorressem de maneira muito sutil, então, haveria a dúvida: isso realmente aconteceu? Quando Claire Darling sai para o jardim e a venda de garagem desaparece, pode-se imaginar o que é real e o que não é.

E eu adicionei algumas visões de sonho que não estavam no livro, como a dança das crianças, as bicicletas na árvore e o carrinho de batida. Eu queria que o espectador pudesse se projetar nos vários níveis da realidade, mudar entre a fantasia, o conto de fadas e o realismo. Quando Claire vê todas aquelas noivas e de repente a vemos no meio delas, você pensa que deve ser uma lembrança. Mas quem são essas outras mulheres? Talvez todas aquelas gerações que fantasiam sobre o amor e tenham tanta esperança. E alguns deles talvez tenham vivido como Claire Darling, cheias de decepções, tragédias e desilusões. Eu continuei este entrelaçamento durante todo o tempo, com o editor, François Gédigier, e o compositor, Olivier Daviaud.


Há também aquela menininha que surge do nada e observa toda a agitação em volta da casa.


Julie Bertuccelli: A menina que aparece de vez em quando foi mais explicada no livro. Ela é uma espécie de criança selvagem que mora no vilarejo. No filme, suas aparições são mais mágicas e misteriosas. Ela é uma garota que vem espiar a venda de garagem? É Claire Darling ou sua filha Marie quando jovem? Ou a imagem da infância? O mesmo vale para o farandole no jardim. Ela é composta de crianças que agora moram na vila ou de crianças que passaram por essa casa ao longo dos séculos? Suas roupas são fantasias ou vestes da época?

Em sua cabana – que se pode imaginar como Marie ou Claire quando eram crianças – a garotinha inventa um mundo mágico com todos aqueles objetos, que podem ser carregados de drama e tensão, mas que também incorporam o prazer de tocar e contar histórias.
  

O seu desejo de injetar um pouco de onirismo nessa história vem do fato de você dirigir muitos documentários?


Julie Bertuccelli: A realidade em si é incrivelmente cinematográfica. Eu gosto de filmar e sei o quão maravilhoso pode ser, e que não há necessidade de inventar nada – tudo já é tão rico. Então, quando eu faço um filme de ficção, qual seria o sentido de fazer um documentário falso? Estou muito ligada ao realismo nos filmes, quero que as pessoas acreditem neles. Eu não gosto de atores com excesso de ação ou muitos efeitos. Dito isso, acho que seria inútil fazer uma ficção que fosse pura reprodução de uma realidade. Mesmo se alguém é inspirado por uma história verdadeira, o objetivo é ir além, adicionar outra dimensão. O filtro de ficção deve transcender a realidade, caso contrário, você também pode filmar uma história real com protagonistas da vida real. Neste filme, adorei brincar com o lado ficcional e dramático do enredo, misturando-o com o real. Como ter Claire e Marie, mãe e filha, interpretadas por Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni, mas também brincando com minhas memórias de infância, reconstruindo algo real.
  

A história entre mãe e filha também acontece no tempo real daquele dia.


Julie Bertuccelli: Ao realizar a venda de garagem, Claire Darling – conscientemente ou não – fez sua filha voltar para casa pela primeira vez em 20 anos. Esses objetos, que cristalizam as tensões entre eles, oferecem a oportunidade de discutir o passado, de aliviar certas memórias e de reexaminá-las, modificá-las, tomar posse delas novamente. Até que a morte chegue e não se possa mais falar, tudo é possível. Isso pode estar criar um diálogo de um com o outro, mas também olhando um para o outro, tocando-se fisicamente e por intermédio de objetos, como crianças se divertindo ou brigando sobre brinquedos ou bonecas.
  

Você pensou em Catherine Deneuve desde o começo para interpretar Claire Darling?


Julie Bertuccelli: Eu não escrevi o roteiro com uma atriz em mente. Eu queria criar um personagem inspirado no livro e alimentado pela minha própria imaginação. Quando o roteiro terminou e comecei a pensar no elenco, Catherine Deneuve parecia a escolha óbvia. Ela tem uma estatura, um lado de fantasia e grande liberdade. E eu sabia que ela ama coisas legais e é um ótima colecionadora também. Parecia óbvio oferecer-lhe o papel. Catherine é uma excelente atriz e adorei trabalhar com ela. Ela estava muito envolvida, inventando ideias sem ser intrusiva, interessando-se pelo filme como um todo, não apenas por seu próprio papel. Uma atriz de tal inteligência, com tanta experiência no cinema, é um verdadeiro presente. Eu amo a silhueta dela, que é ao mesmo tempo totalmente ela e a perfeita encarnação de Claire Darling. Saber que ela está vivendo seu último dia dá a essa mulher uma explosão de energia e uma malícia alegre. Você realmente não sabe se ela perdeu a cabeça ou se está apenas fingindo. Catherine é ótima em expressar essa complexidade, aquele estado intermediário.
  

É a primeira vez que vemos Catherine Deneuve com cabelos grisalhos!


Julie Bertuccelli: Eu queria mudar sua imagem familiar. Ela tem um comportamento tão jovem, repleto de vida, tive que envelhecê-la. Claire Darling era uma espécie de reclusa. Ela teve que desistir de seu desejo de seduzir. Ela continuou a se manter de pé e vestiu um belo vestido para o último dia, mas está prestes a afundar e as lindas madeixas loiras de Deneuve pareceriam erradas. Eu estava com medo que ela recusasse, mas ela entendeu a importância disso e concordou sem pestanejar. Ela ainda é sublime e radiante, mas foi importante para mim ela aceitar a idade de sua personagem.


E sobre a escolha de Chiara Mastroianni?


Julie Bertuccelli: Este também foi um tipo de escolha óbvia. Mas ela tem tamanha presença que eu hesitei no começo, eu temia que a realidade da vida estivesse presente demais e ofuscasse meu filme, que tudo que você veria era Deneuve e sua filha. No final, ofereci-lhe o papel e foi ótimo. Eu amei esses momentos delas trabalhando juntas, tudo carregado dessa ‘finesse’ e cumplicidade. Chiara se abriu, agindo de algum lugar lá no fundo. Isso a torna muito comovente, entre melancolia e raiva.

Chiara e Catherine já haviam interpretado mãe e filha antes, mas não de maneira tão intensa. Acho que elas realmente queriam fazer isso e foi fascinante para todos nós trabalharmos nesse nível dúbio, em um relacionamento complexo diferente do que elas têm na vida real. Foi fantástico procurar uma tristeza ou raiva que não existe na vida realidade, tendo que criar uma nova para a história.
  

O que dizer de Alice Taglioni interpretando o personagem de Catherine Deneuve quando mais jovem?


Julie Bertuccelli: Encontrar uma jovem Deneuve foi uma tarefa quase impossível! Catherine Deneuve é um ícone com o qual crescemos. Sabemos como ela era aos 20, 30 ou 40 anos – nós a vimos, e ainda podemos vê-la, nos filmes daquela época. Para começar, o diretor de elenco, Stéphane Batut, e eu nos perguntamos se não deveríamos procurar alguém que se parecesse com ela, nem tanto fisicamente, mas mais em termos de presença, a classe. Mas eu estava procurando por algo mais concreto, que é o que você vê em Alice, que tem uma beleza deslumbrante muito parecida com Deneuve.


Eu acho que foi um grande desafio para ela interpretar uma jovem Catherine Deneuve e estava muito animada em fazer isso. Nós tentamos ter uma boa semelhança física com o personagem, junto com Nathalie Raoul, a figurinista, e a maquiadora e cabeleireira, que trabalham regularmente com Catherine. Nós tínhamos que encontrar o corte de cabelo certo, as roupas certas, a silhueta certa. E, em termos de atuação, acentuamos a semelhança através de movimentos e dicção, sem ir tão longe como imitação. Alice Taglioni é uma atriz muito sutil e ela estava totalmente no papel, mas de uma maneira discreta, sem nunca se exagerar.
  

Como você escolheu o resto do elenco?


Julie Bertuccelli: Eu conheço Samir Guesmi há muito tempo. Quando ele era jovem, costumava trabalhar com meu pai e nós mantivemos contato. Ele é sensível e sempre em movimento. Tive o prazer de finalmente poder oferecer-lhe um papel. Eu gostei do personagem, com seu uniforme, mas eu também estava com um pouco de medo. Eu não queria escorregar na caricatura.

Quanto a Laure Calamy, gosto de seu potencial cômico e do fato de ser muito realista. Ela é descontrolada, traz uma energia, uma alegria que nós suavizamos um pouco para que ela se encaixasse com o tom do filme. Laure é brilhante no papel desta antiquária que tem uma visão diferente sobre esses objetos, abordando-os de outra maneira.

Olivier Rabourdin também é um ator fabuloso. Em um punhado de cenas, ele consegue transmitir um período de tempo inteiro, uma classe social em que o personagem não se sente em casa. Você pode ver claramente que o marido de Claire não está à vontade com sua vida. Ele herdou uma empresa, o dinheiro vem de sua esposa. Ele quer ser o cara de sucesso, mas exala o mal-estar de alguém que o sucesso iludiu.


Quanto a Johan Leysen, seu charme, sua doçura e calma pragmática eram perfeitos para evocar – sem dar muita importância – a ideia de que havia algum tipo de romance entre Claire e o padre. E foi um grande prazer encontrar os atores mais jovens, que foram incríveis, com sua semelhança com os mais velhos e seus temperamentos interessantes, como Colomba Giovani, Simon Thomas e Morgan Niquet.

Você participou da escolha dos objetos?


Julie Bertuccelli: É verdade, foi quase como escolher o elenco! Eu adorei trabalhar com o cenógrafo Emmanuel de Chauvigny, que é um velho amigo. Ele capturou a atmosfera perfeitamente, desde a pesquisa mais ampla até os detalhes que dariam vida e materialidade a essa história. Eu tive momentos maravilhosos garimpando com ele e sua equipe para encontrar os objetos. O relógio de elefante e as lâmpadas de Tiffany estavam no romance, mas também incluí muitas das minhas coleções, como os bichos de pelúcia ou os autômatos. Também procurei fotos e lembranças de objetos familiares.

E então filmamos na casa da minha avó. O romance é ambientado em uma vila nos Estados Unidos, mas eu rapidamente decidi que queria colocar o filme na França e fazê-lo em francês, e parecia óbvio usar a casa da família – e eu não poderia ter imaginado filmar em outro lugar. Como se eu precisasse dessa proximidade para ter uma melhor compreensão da história.

O que o circo estava fazendo na vila?


Julie Bertuccelli: O circo, os animais e os palhaços não estavam no romance. Aproveitei o máximo desta festa da vila para incluir este universo, do qual sou um grande fã. Eu gostei do fato de que havia outro circo na região, bem como o que estava acontecendo na casa. Estes são meus pequenos acenos para Iosseliani, Etaix e Fellini.
  

Foi o episódio com o exorcismo no romance?


Julie Bertuccelli: Sim, e mais – foi um dos elementos que achei mais intrigante. Eu não sou religiosa, embora eu tenha sido vagamente criada na cultura católica, mas eu amo essas palavras incríveis proferidas pelo padre durante o exorcismo para expulsar os maus espíritos da casa. Elas ecoam as diferentes missões que os personagens do filme empreenderam, que culminam e se reúnem no presente: o negociante de antiguidades hesita em levar os objetos para casa, o policial está em seu avião, os fogos de artifício começam, a casa em chamas, e assim por diante. Eu queria um conjunto final, com uma contagem regressiva para concentrar o tempo, enquanto o resto do filme está espalhado por vários períodos.


Tecnologia do Blogger.