O CHAMADO (SAGA) - DESVENDANDO OS FILMES

o-chamado-saga-desvendando-os-filmes

Chamados

O chamado é um dos mais influentes filmes de horror do cinema recente. Para quem não conhece a trama, após a morte de Tomoko Oishi (Yuko Takeuchi), um parente, uma repórter, Reiko Asakawa (Nanako Matsushima), ouve histórias de um vídeo que mata quem o vê uma semana exatamente após assisti-lo. No início não dá importância aos rumores, mas ao descobrir que um amigo de Tomoko, que assistiu o vídeo, morreu exatamente uma semana depois ela começa a investigar. Após ver a fita estranhas coisas começam a acontecer e, assim, pede ajuda ao seu ex-marido, Ryuji Takayama (Hiroyuki Sanada), para tentar deter o relógio da morte, que começou a fazer tique-taque uma vez mais. 

Além disto ela toma conhecimento da existência de Sadako (Rie Inou), filha de uma famosa para-psicóloga submetida décadas antes a vários experimentos. Quando Yoichi (Rikiya Otaka), seu pequeno filho, assiste ao conteúdo da fita isto a lança em uma corrida contra o tempo para encontrar um meio de combater a sinistra maldição, que se manifestará em sete dias.


O sucesso da moça chamada Sadako foi instantâneo, rendendo vários filmes: continuações, pre-quel, crossover, remake e continuações do remake.

Hideo Nakata é o responsável pela inserção de Sadako na nossa cultura cinematográfica. O diretor, que ainda realizou a continuação (tanto do seu filme quanto do excelente remake dirigido por Gore Verbinski) e está por trás do mais novo título da franquia chamado ...Sadako.

A lenda?

Sabia que "Chamado" é baseado em duas figuras reais?

Sadako foi uma garota japonesa de apenas 2 anos de idade quando a bomba atômica americana foi lançada em Hiroshima no dia 5 de Agosto de 1945, próxima a sua casa perto da Ponte Misasa. Sasaki se tornou um dos mais conhecidos hibakusha – um termo japonês significando "pessoa afetada pela bomba". Ela é lembrada através da história das mil Tsurus de origami que ela dobrou antes de sua morte, é até hoje um simbolo das vitimas inocentes da Guerra nuclear.


Depois de sua morte, seus colegas de classe começaram a trabalhar seriamente pela paz mundial. No Japão, dizem que as garças trazem vida longa e boa sorte. Quando voam pelas cidades ou pelos campos, parecem sóis dourados brilhando no céu.

E o que tem a ver esta história? Nada, mas olhem só que coincidência, não acham? 😄😄😄😄😄 

Escrevi sobre ela porque muitos procuram sobre a real Sadako, sem saber que ela tinha outro nome na vida real. Mas por puro acaso, houve uma menina, que guarda certa semelhança com a moça do filme, que ficou famosa no Japão, porém por motivos totalmente diferentes, como descrito acima.

Continuando ...

O filme é baseado numa história que aconteceu no Castelo Himeji, no Japão.  


Okiku, que trabalhava numa masmorra sob o castelo (foto abaixo), era servente de um samurai chamado Tessan Aoyama, e ele gostava particularmente dela. Na verdade, ele se apaixonou loucamente dizendo-lhe que iria deixar sua esposa e ficar com ela. Mas Okiku não pensando na possibilidade, o que levou ao seu aparente assassinato nas mãos do samurai. 


Há duas versões para a história. Além desta citada, outra que ela se jogou no poço (a menos provável).

Okiku jurou que ela rastejaria para fora do poço e apareceria para Aoyama todas as noites. Dito e feito. Aoyama foi enlouquecendo pelos gritos incessantes da fantasma vingativa. Ela era ouvida regularmente. Desenhos de Okiku a descrevem de forma muito similar a Sadako, com cabelos negros esvoaçantes e um longo vestido branco. 

O poço ainda pode ser encontrado do lado de fora do Castelo de Himeji, mas agora tem barras de ferro forjado cobrindo-o (foto abaixo).

Shizuko Yamamura é baseada em uma pessoa real chamada Chizuko Mifune, que nasceu em 1886 na localidade de Kumamoto, sustentava os rumores de ter o dom da previsão. Depois de uma manifestação em 1910, ela foi proclamada charlatã e se suicidou um ano depois ingerindo veneno.


O sucesso absurdo (não digo por falta de merecimento, mas por ser inesperado) nos levou, no ano seguinte a Ring 2. O filme continua diretamente a história. Na hora da necropsia de Sadako (Rie Inou), Shizuko Yamamura (Masako), seu único parente vivo, tem por um breve momento uma visão assustadora, mas logo manda queimar o corpo. Omuta, um detetive da polícia, diz que isto não poderá ser feito, pois apesar de Sadako ter ficado em um poço lacrado por três décadas a perícia concluiu que a morte aconteceu no máximo há dois anos, ou seja, ela ficou quase trinta anos viva dentro do poço. Além disto, uma das pessoas que a encontrou morreu e a outra sumiu. Os poderes de Sadako afetam Yoichi (Rikiya Otaka), que sobreviveu ao vídeo e se tornou médium para extravasar a ira de Sadako. Mai Takano (Miki Nakatani), a namorada de Ryuji (Hiroyuki Sanada), quer entender a morte dele mas também é afetada e sua vida se torna um pesadelo. 

Sabendo que Yoichi desenvolveu os mesmo poderes psíquicos de Sadako, Mai precisa encontrar uma forma de evitar que Yoichi e ela mesma se tornem as próximas vítimas de Sadako. Também atingida por este poder está Masami Kurahashi (Hitomi Sato), que era uma condiscípula de um das primeiras vítimas de Sadako. Apesar de muitos tentarem chegar ao fundo do problema, incluindo Kawajiri (Fumiyo Kobinata), um psicólogo, e Omuta, que associou o caso à história vivida por Reiko, uma repórter de televisão, e Yoichi, seu filho, e descobre que o simples olhar do menino é agora o portador de uma terrível maldição.


Tudo ok, só que não...

Se prestarem atenção, verão que o Chamado é de 1998, e o segundo filme de 1999. E aí teremos o Chamado - Espiral de ...1998. A produtora Asmik-Ace Entertainment  fez como Peter Jackson em Senhor dos anéis, que realizou as três obras de uma vez só para economizar. A sequência, chamada por aqui de Ring - Espiral, se chamou Rasen. Previsto, originalmente, como a sequência de "Ringu", a trama se passa no mesmo dia em que o professor Ryuji Takayama, ex-marido de Reiko Asakawa, é morto por Sadako, como visto no final de "Ringu". O responsável pela sua autópsia é o dr. Ando Mitsuo, um patologista em depressão que era colega de Ryuji na escola de Medicina. Durante a autópsia, o interior do cadáver revela duas coisas muito interessantes: um esquisito tumor na garganta, que é retirado para estudos, e uma mensagem que estava sendo digerida no estômago do professor, contendo um código numérico.

A economia não funcionou por causa das exibições teste que acharam o filme ruim (e lhes garanto, perto do Chamado 3, versão americana, o Espiral é uma obra prima).


Bizarro, mas é verdade...

Ao contrario da genialidade de lançar a saga dos anéis ano a ano, afim de explorar todas as possibilidades ao longo daquele tempo, a proposta da Asmik-Ace, que usaria diretores diferentes (Hideo Nakata para Ringu e Jôji Iida para Rasen) e trabalharia basicamente com o mesmo elenco nos dois filmes era bizarra: os dois filmes chegariam aos cinemas no mesmo dia !!!

Um foi sucesso e o outro um fracasso completo.

Gente, os caras acharam que as pessoas veriam o primeiro filme nos cinemas e correriam para outro cinema para ver a continuação!! Já que a decisão foi equivocada, vamos piorar né? A empresa recolheu o filme, passou a tratá-la como bastarda e deu início às filmagens de um novo Ring, com o mesmo diretor do primeiro.

A novela chamada chamado (adoro este trocadilho infame) não parou por ai. No mundo das continuações, quando não há criatividade para continuarem as histórias, vem os prequels explicando a origem de tudo. Chamado 0 é o encarregado de mostrar a origem da Sadako...


Na trama, a tímida universitária Sadako (Yukie Nakama) envolve-se em um clube de teatro. Ao ver potencial na jovem, o diretor teatral começa a lhe dar mais atenção, o que causa ciúmes nos outros artistas. Por outro lado, um repórter investiga a espiritualista mãe de Sadako acreditando enxergar algo suspeito na moça. Assim, ele decide ir ao campus confrontar Sadako. Mas, neste exato momento, uma onda de assassinatos começa a rondar o clube de drama.

Outra situação recorrente em filmes de horror é o crossover, que nada mais é que juntar nas telas personagens que fazem sucesso em suas franquias, como os recentes Alien e Predador, ou Freddy e Jason. 

Paralelo ao sucesso de O chamado, veio o O grito, que conta a história da assistente social Rika Nishina, que recebe a tarefa de visitar uma família. Chegando lá, a jovem é amaldiçoada e perseguida por duas crianças: o pequeno Toshio e sua mãe, Kayako, uma mulher assassinada pelo marido. A partir deste momento, todos que ousam entrar na casa desaparecem, ou sofrem uma morte violenta.


Com o sucesso do filme da personagem Kayako (que seguiu os moldes do Chamado, com continuações, remakes...) até que demorou para ela "enfrentar" Sadako, que por aqui teve o bizarro título de "O chamado vs O Grito" (o original, logicamente, Sadako vs Kayako).

Na trama, após assistir a uma fita amaldiçoada, Yuri Kurahashi (Mizuki Yamamoto) automaticamente se torna a nova vítima da maldição de Sadako. Ela pede ajuda a Shinichi Morishige, um professor obcecado por lendas urbanas japonesas, que sugere como solução um confronto entre Sadako e Kayako em uma famosa casa mal-assombrada.

Mas ainda que a trajetória sugira que deveria ter ficado somente no primeiro, cada filme merece ser visto, ainda que a importância do primeiro seja maior.


Entreatos

Já seria apenas um mundo imperfeito se ficassem somente nestes filmes. Mas não. Outros filmes paralelos foram produzidos, demonstrando que o multiverso da Marvel existe no cinema como um todo. Veja abaixo o que saiu, mas que ficou meio perdido no nosso tempo e espaço.

Por exemplo, a primeira tentativa de levar o Chamado às telas, veio pelas mãos do roteirista Jôji Iida, que veio a dirigir a continuação do Chamado (Rasen) que foi limada dos cinemas pela produtora. O filme, feito para TV, data de 1995, três anos antes do outro fazer história nos cinemas.


Para complicar esta conta, um novo "Chamado"  foi lançado em 1999 (repare o ano). Na história uma jornalista chamada Sun-Ju (Shin Eun-Kyung) investiga a misteriosa lenda de uma fita de vídeo maldita depois que sua sobrinha morre junto com três amigos, todos no mesmo dia. Ela se une ao neurocirurgião Choe Yol (Chong Chin-yong), que fez a autópsia nos corpos dos jovens mortos e acredita haver algo sobrenatural no caso.

Detalhe, é um remake, feito no ano seguinte,  e é ótimo.

Em 1999 (reparem o ano novamente), eis que os produtores Kenji Shimizu e Sousuke Osabe, sob a direção de Yoshihiro Kitayama, levaram novamente para a TV as peripécias da Sadako, só que agora em formato de minissérie, de 13 episódios. Ela funciona como uma continuação (oi ?) do remake que saiu no mesmo ano de outra minissérie, Ringu: Saishûshô, com 12 episódios. 


Bom...recapitulando...

Nasceu o Chamado 1998...veio Chamado 1998 (descartado), que veio Chamado 1999 (continuação oficial), Chamado 1999 (remake do filme), Chamado 1999 (série de tv que continua o remake, que por sua vez era também uma série de tv, recontado tudo de novo), Chamado 2000 (que é um prequel), sem contar o esquecido Chamado de 1995, feito para a Tv e ignorado por todos...OK?

Bom, daí veio o filme que se chama Sadako 3D de 2012, que veio na onda do hype 3D.


No Brasil se chamou "A invocação" e conta a história de Akane (Satomi Ishihara), que descobre a existência de um vídeo de suicídio na internet que leva quem o assiste a praticar o mesmo ato. A cética professora começa a se preocupar com a história quando uma menina morre inesperadamente e decide investigar os acontecimentos. Junto com o namorado, Takanori (Kôji Seto), ela tenta conter Kashiwada (Yusuke Yamamoto) e impedir a execução de seu plano de levar o mundo ao completo caos com o poder maligno de Sadako.

No ano seguinte veio a continuação que ninguém precisava....A invocação 2. No filme, Nagi é uma menina de quatro anos que, desde a morte de sua mãe, assume uma postura tímida e reservada. Percebendo o comportamento estranho da sobrinha, Fuko Ando (Miori Takimoto), uma jovem estudante de psicologia, passa a observá-la atentamente. Durante uma de suas tardes juntas, Fuko repara que os desenhos feitos pela criança retratam situações mórbidas que parecem estar ligadas a assassinatos que têm se desenrolado na cidade. 


Chega?

Em 2002 veio O Chamado, filmaço de Gore Verbinski, que é a versão americana da coisa toda. 3 anos depois, O Chamado 2 deu as caras numa fraca continuação dirigida por ... Hideo Nakata (!!), que fez os dois primeiros (oficiais !!!). 

Confuso não?

O Chamado 3 veio ao mundo somente em 2017 pelas mãos do espanhol F. Javier Gutiérrez, mas acho melhor deixar este filme de lado...




Tecnologia do Blogger.