A ODISSEIA (1997) - FILM REVIEW

a-odisseia-1997-film-review

Incrível como há filmes que envelhecem bem. Odisseia é um destes felizes casos. Dirigido pelo russo Andrei Konchalovsky, de filmes como Tio Vania, Os amantes de Maria, Expresso para o Inferno e Gente diferente além do sucesso comercial Tango & Cash - os vingadores, com a dupla Stallone e Kurt Russel, A Odisseia foi concebida originalmente como uma minissérie em dois capítulos totalizando quase 3 horas de duração, há outra versão menor, de duas horas e meia, para servir melhor no propósito comercial. 

A produção da minissérie não deixa a menor dúvida sobre a qualidade da obra. Em especial, dois nomes bastante famosos: Francis Ford Coppola (Trilogia do Poderoso chefão e Apocalipse now) e Nicholas Meyer, diretor de obras como Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan, Um século em 43 minutos e O dia seguinte . Nomes estes que garantiam o espetáculo naquela época.



A obra traça a jornada de redenção do vitorioso e arrogante  Odisseu (Armand Assante). Após ser convocado para lutar a Guerra de Troia, ele passa uma década fora por conta da longa batalha. Quando ela chega ao fim, faz uma viagem de volta para casa, que é seu maior desejo. Porém sua arrogância e dar crédito à sua vitória aos deuses, ele é condenado por Poseidon a vagar eternamente pelos mares.  Ele enfrenta criaturas mitológicas, deuses e outros inimigos poderosos.

Essa adaptação do poema épico de Homero revela a força e bravura do herói e a sua luta para voltar ao lar, onde é aguardado pela amada Penélope (Greta Scacchi).

Homero foi um poeta da Grécia Antiga que nasceu e viveu no século VIII a.C. É autor de duas das principais obras da antiguidade: os poemas épicos Ilíada e Odisseia. Muitos historiadores e pesquisadores da antiguidade não chegaram a uma conclusão sobre se Homero existiu de verdade ou se é um personagem lendário, pois não há provas concretas de sua existência. Suas obras podem ter sido escritas por outros escritores antigos ou são apenas compilações de tradições orais do período.



No poema épico Ilíada, considerado o mais antigo da literatura ocidental. São 15.693 versos que narram os acontecimentos do último ano da Guerra de Troia (cidade chamada de Ílion pelos gregos). Já Odisseia, são 24 cantos que narram a viagem de volta do herói grego Odisseu (Ulisses) da Guerra de Troia. São 10 anos de aventuras até chegar à Ilha de Ítaca, onde era rei.

A atriz Isabella Rossellini interpreta Atena, a deusa grega da sabedoria, das artes, da inteligência, da guerra e da justiça. Considerada protetora das cidades, dos arquitetos, dos tecelões e dos ourives, ela foi cultuada em toda a Grécia Antiga, nas colônias gregas da Ásia Menor, na Península Ibérica, no norte da África e na Índia.

Ela é protetora do Odisseu (Ulisses), e sempre o guia para ter os melhores resultados nas batalhas assim como o filho dele, Telêmaco, depois que este cresce.


A Odisseia de Odisseu

Após a apresentação do trio que moverá a história (Odisseu, Penélope e o filho recém nascido do casal, Telêmaco), ele parte para a Guerra de Troia, prometendo voltar a todo custo. A Guerra de Troia foi um conflito bélico entre aqueus (um dos povos gregos que habitavam a Grécia Antiga) e os troianos, que habitavam uma região da atual Turquia. Esta guerra durou aproximadamente 10 anos e aconteceu entre 1300 e 1200 a.C. Gregos e troianos entraram em guerra por causa do rapto da princesa Helena de Troia (esposa do rei lendário Menelau), por Páris (filho do rei Príamo de Troia). Isto ocorreu quando o príncipe troiano foi à Esparta, em missão diplomática, e acabou apaixonando-se por Helena. O rapto deixou Menelau enfurecido, fazendo com que este organizasse um poderoso exército. Agamenon foi designado para comandar o ataque aos troianos.

Grandes nomes pereceram na guerra, com Heitor e Aquiles. A guerra terminou após a execução do grande plano do guerreiro grego Odisseu. Sua ideia foi presentear os troianos com um grande cavalo de madeira. Disseram aos inimigos que estavam desistindo da guerra e que o cavalo era um presente de paz.


Na praia, antes do cavalo ser entregue, um personagem chamado Laocoonte conspira contra o "presente de grego" enquanto os soldados estão dentro do aparato. Porém ele é morto por uma serpente do mar, enviada por Poseidon para proteger Odisseu de ser desmascarado. Porém, após a vitória, Odisseu se vangloria da vitória, sem dar qualquer mérito aos deuses e Poseidon o pune. Como dito acima, a arrogância distancia (mais) Odisseu de seu lar, que é obrigado a vagar pelos oceanos.

Depois de muitas tempestades e apuros ele e sua tripulação chegaram a uma ilha (das várias que se seguirão). O lugar parecia até um paraíso com árvores frutíferas que ali cresciam sem a necessidade de cuidados.  Eles só não sabiam que ali residia Polifemo, filho de Poseidon. Claro que depois de enfrentarem o gigante e vencerem, Odisseu continua se vangloriando de tudo, mesmo tendo perdido vários homens no processo.

Quem planta vento, colhe tempestade

Partindo dali, e caindo numa nova ilha, encontra Éolo, que era conhecido como o deus dos ventos. Vivia em Eólia, uma ilha flutuante, com seus seis filhos e seis filhas. Zeus lhe concedeu o poder de acalmar e despertar os ventos, mas o advertiu de nunca conceder gratuitamente nenhum de seus poderes.

Odisseu foi recebido como um convidado de honra. Éolo o presenteou com um vento favorável em uma sacola de couro repleta com todos os ventos, para usar em sua viagem. Ulisses foi imprudente deixando a sacola abandonada a um canto. 

Mau assessorado, seus companheiros de jornada abrem o presente dado por Éolo, que seria usado para impulsionar sua volta para casa, porém, eles abrem quando justamente quando estão chegando em Ítaca (lar de Odisseu), e um vendaval muito intenso os leva para um lugar muito distante.


Eles vão parar na ilha de Eana onde ele encontra Hermes, mensageiro e Circe (Bernadette Peters). Hermes era o deus mensageiro, dos pesos e medidas, dos pastores, dos oradores, dos poetas, do atletismo, do comércio, das estradas e viagens e das invenções. Era considerado, na Grécia Antiga, o patrono dos diplomatas, dos comerciantes, da ginástica e dos astrônomos.Ele acaba tendo uma participação crucial mais a frente na jornada de Odisseu de volta ao seu lar. Já Circe era uma famosa feiticeira, considerada a Deusa da Noite, que com imenso poder da alquimia, elaborava venenos e poções mágicas. Segundo a lenda, costumava transformar os homens em animais, vivendo em um palácio cheio de artifícios.

Em seu palácio, os gregos se viram rodeados de leões, tigres e lobos. Lá Odisseu se "dá bem" com Circe, mas seu objetivo é mesmo voltar para casa.

Perdido, ele vai no Hades procurar Tirésias (Christopher Lee)  que o ensina que a jornada é mais importante que o destino. Tirésias era um profeta cego de Tebas desempenhando importante papel na maior parte das lendas do ciclo tebano. Ele era o maior, o mais considerado e um dos mais notáveis adivinhos. Enquanto tudo vai acontecendo,  Odisseu não se dá conta que a jornada vai tragando seus homens.


Seu próximo encontro será com Cila, e após esta passagem, ele perde tudo. 

Enquanto isto, homens disputam o amor de Penélope (Greta Scacchi), sua amada, já que muitos anos se passam enquanto Odisseu esta perdido. Em especial Eurymachus (Eric Roberts), que se destaca entre os concorrentes.

Após o encontro fatal com Cila, o monstro marinho que é uma mistura de Kraken com uma Medusa, Odisseu fica sem seu barco e sua tripulação, e  fica à deriva segurando num toco de madeira. Ele vai boiando até a ilha mais próxima. Lá encontra  Calipso (Vanessa Williams).

Reparem o sub-texto machista: enquanto Penélope se esforça para se manter fiel, Odisseu hora encontra monstros e os derrota, hora encontra rabos de saia, que ele não faz a menor questão de deixar de dormir com elas.

Enquanto isto, seu filho Telêmaco já com 18 anos, se revolta com aquela quantidade de homens querendo sua mãe, quando na realidade, acredita que seu pai esta vivo.  Sua fúria é percebida pelos homens. O garoto então, quer um barco para procurar o pai. Os "candidatos" veem nisto uma oportunidade de se livrarem do rapaz e fornecem a ele um barco, já que imaginam que ele perecerá no caminho. Ele vai até Esparta, guiado por Atena, e lá é parcialmente convencido por Menelau que seu pai está morto. Então, volta para casa.

2 anos depois, Calipso se encontra apaixonada por Odisseu, que vive na ilha só com mulheres. Ele vive em festa com elas até que Hermes chega com a mensagem para a Calipso do próprio Zeus, ordenando que ela liberte Odisseu. Ele finalmente sai da ilha e após uma nova discussão com Poseidon, vai parar de jangada numa ilha de pescadores, os Faécios. Mas na praia ele é obviamente recebido por um monte de mulheres prontas a lhe servir.

Alcínio o rei, auxilia Odisseu a voltar para casa. Ao chegar encontra primeiro Eumeu e depois Telêmaco. E agora terá que lidar com os intrusos além de ficar na dúvida se Penélope se guardou para ele (oi???). Atena o ajuda, deixando-o com o visual de uma pessoal bem mais velha, para que ele possa adentrar no palácio e descobrir o que precisa. 


Classicline lançou esta obra inesquecível, que pode ser comprada diretamente no site da própria empresa, com ótimos descontos no frete e promoções absurdas para ficarem tentados a levarem vários filmes. Não deixem de conferir.
O Digistak é lindo, contendo 2 dvds com duas versões, a de 2 horas e meia e a integral de 3 horas.





Tecnologia do Blogger.