YASUJIRÔ OZU - 10 FILMES ESSENCIAIS

yasujiro-ozu-10-filmes-essenciais

O diretor de cinema japonês nascido em Tókio filmou sua primeira  obra em 1927, ainda no cinema mudo. Ele já era um apaixonado pela 7ª arte na época.  Nos anos 30, ele foi um dos diretores mais populares do Japão. Seus filmes quase sempre lidam com a vida e os problemas das famílias japonesas de classe média.

Seu estilo é requintado por sua simplicidade. Ele filmou 48 filmes, 5 curtas e um documentário muito consistentes no tema e estilo.Suas reflexões que antes eram sentidas apenas no Japão, expandiram-se para o Ocidente.  O diretor faleceu em 1963, mas seu cinema se tornou eterno.

Veja os 10 filmes essenciais do diretor, hoje, TODOS os 10 lançados em home vídeo, algo há 20 anos, impensável. 


Filho único 

História de uma viúva operária que, por insistência do professor de seu filho, faz os maiores sacrifícios para colocá-lo no colégio. Anos mais tarde, quando vai visitá-lo em Tóquio, descobre que o filho pertence ao vasto exército de desempregados da cidade, mal se sustentando como professor de meio período de uma escola noturna da cidade. Este, percebendo que a decepção da mãe é justificada e motivo de profunda vergonha, promete se esforçar para vencer na vida. A mãe volta à província e à tecelagem de seda, onde trabalhou a vida inteira; nada lhe resta senão morrer.


Era uma vez um pai

Viúvo, o professor Horikawa não sabia como prosseguir na docência após o trágico acidente que causara a morte de um aluno seu. Abandonando o emprego, partiu com seu filho rumo a uma nova vida. Viu-se obrigado a separar-se do menino, para trabalhar e sustentar seus estudos. Uma despedida urgente. Única alternativa. Daí por diante, a vida destes dois, unida pelo sangue, nunca mais seria a mesma. O amor contido, acumulado para os escassos dias de verão, revela que o tempo não basta para tudo que há no peito.


Pai e filha

Noriko (Setsuko Hara) tem 27 anos de idade e ainda vive com o seu velho pai, o senhor Somiya (Chishu Ryu). O pai é um professor viúvo que deseja casar sua filha, que de acordo com a sociedade, está na hora de entrar em um casamento. Só que Noriko quer continuar cuidado do pai e vivendo com ele para que o velho homem não se sinta sozinho. Ele então, vai fingir estar se casando de novo para que a filha não tenha culpa de se casar e ir embora.


Também fomos felizes 

No período de superação da Segunda Grande Guerra no Japão, a família Mamiya vive uma vida normal e feliz. Vivendo dentro das normas sociais, chega a hora de escolher um pretendente para a jovem filha Noriko (Setsuko Hara). Enquanto os familiares e amigos dela se empenham em uma busca para encontrar um rapaz satisfatório, ela própria não se entusiasma tanto com a ideia e decide seguir de acordo com suas próprias e pensamentos, fazer seus próprios planos.


Era uma vez em Tóquio

Um casal de idosos deixa sua filha no campo para visitar os outros filhos em Tóquio, cidade que eles nunca tinham ido. Porém os filhos os recebem com indiferença, e estão sempre muito atarefados para terem tempo para os pais. Apenas a nora deles, que perdeu o marido na guerra, parece dar atenção aos dois. Quando a mãe fica doente, os filhos vão visitá-la junto com a nora, e complexos sentimentos são revelados.
Votado como o sétimo melhor filme dos 100 Maiores Filmes de Todos os Tempos, novembro de 2005.O negativo original foi perdido logo após o filme ser completado, por causa de um incêndio no seu laboratório na cidade de Yokohama.


Começo de Primavera 

Shoji (Ryô Ikebe),um empregado de escritório de meia-idade, entediado com as rotinas monótonas de seu trabalho e de seu casamento, aventura-se em um breve flerte. Ele tinha uma vida aparentemente tranquila, mas era uma fachada. Sua esposa acaba descobrindo a infidelidade, mas quando ele aceita uma transferência para o interior, ela o segue para reiniciar a vida conjugal.


Crepúsculo em Tóquio

Duas irmãs, já adultas, voltam a conviver graças a momentos difíceis em suas respectivas vidas. Takako (Setsuko Hara) tenta se salvar do casamento abusivo voltando para a casa do pai, enquanto Akiko (Ineko Arima) engravida por acidente e o pai da criança desaparece. As duas estão com o pai Sugiyama (Chishu Ryu) quando descobrem uma verdade terrível sobre a família: sua mãe, que elas acreditavam que estivesse morta, na verdade abandonou-as para constituir uma nova família com outro homem.


Ervas flutuantes

O filme conta a história de uma companhia ambulante de atores de teatro kabuki, um espetáculo popular japonês, que por causa de um dos seus formadores, chega a uma pequena ilha de pescadores. Foi Komajuro, um ator de meia idade, quem quis aportar ali, para assim se aproximar de um filho que abandonou. Para isso ele começa a frequentar a casa de uma antiga amante, Oyoshi, causando o ciúme da sua mulher Sumiko. Nesse meio tempo, a companhia, cada vez mais sem platéia, começa a falir


Bom dia 

Uma novidade vem abalar um tranqüilo bairro da periferia de Tóquio: um jovem casal comprou uma TV e todos os garotos do bairro vão à sua casa assistir ao torneio nacional de "sumo", ao invés de estudar. Dois destes garotos, os irmãos Isamu e Minoru pedem aos pais que comprem uma TV. Os pais recusam, e em represália os dois fazem uma greve de silêncio. Recusando-se a falar com os pais e com os outros colegas do bairro, os irmãos acabam provocando uma série de situações embaraçosas.


Dia de Outono

Quando o patriarca Miwa morre, três de seus melhores amigos decidem ajudar a viúva (Setsuko Hara) e a filha (Yoko Tsukasa) a reconstruírem suas vidas. O primeiro passo óbvio seria casar a filha, Ayako, mas ela é exigente e impõe um verdadeiro desafio para aceitar algum pretendente. O motivo principal é o medo de deixar a mãe, Akiko, sozinha no mundo e sem companhia. Assim, os três amigos decidem mudar o foco na missão e tentar arrumar um casamento para Akiko primeiro.
Tecnologia do Blogger.