ROCKETMAN (2019) - FILM REVIEW

rocketman-2019-film-review


Jogos, trapaças e um Elton John fumegante.

A esta altura, todos já sabem que Rocketman conta a  trajetória de como o tímido Reginald Dwight (Taron Egerton) se transformou em Elton John, ícone da música pop. Desde a infância complicada, fruto do descaso do pai pela família, sua história de vida é contada através da releitura das músicas do superstar, incluindo a relação do cantor com o compositor e parceiro profissional Bernie Taupin (Jamie Bell) e o empresário e o ex-amante John Reid (Richard Madden).

Sabem também que o filme vem no rastro de um mega sucesso chamado Bohemian Rhapsody, que além de ter vencido 4 Oscars, Globo de ouro e Bafta, fez 900 milhões de dólares mundialmente (de longe, a maior arrecadação para um filme do gênero). Ou seja, sucesso de crítica e público.


Mas o que nem todos sabem é que o diretor Bryan Singer (de X-men e Aprendiz) foi afastado do longa por conta de acusações de assédio e em seu lugar foi chamado Dexter Fletcher, que viria a se tornar diretor também de Rocketman.

Voltando um pouco no tempo ...

No distante ano de 1998, fui ao cinema assistir a um filme com nome estranho chamado Jogos, trapaças e dois canos fumegantes. Mal sabíamos que nascia ali ...Rocketman. O diretor da pequena obra prima foi Guy Ritchie muito amigo de Matthew Vaughn, o produtor que veio a se tornar diretor de vários longas, inclusive ... Kingsman: Serviço Secreto com Taron Egerton.

Jogos trapaças contava a história de quatro caras, que queriam se dar bem, mas acabam se dando mal até no fim, se darem bem. Bom, a trama não interessa. O que interessa é um dos 4 amigos chamado ... Dexter Fletcher (foto abaixo no filme e mais abaixo atualmente). O ator, que faz o personagem Soap, veio a estrear na direção em 2011 com o ótimo Wild Bill. Seu terceiro filme, chamado Voando Alto, contava a história do inglês Eddie Edwards, cujo sonho era ser um competidor olímpico. Desencorajado por todos à sua volta, incluindo seu próprio pai e o comitê olímpico britânico, Eddie fez o possível e quase o impossível para fazer história nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1988.


Eddie Edwards foi interpretado por ... Taron Egerton. A experiência destes caras juntos, ao longo dos anos fez nascer o projeto Rocketman. Para terem uma ideia, em Kingsman – o círculo dourado, nada mais nada menos que Elton John trabalha no filme, como ele mesmo.

Resumindo Rocketman: O ator de Kingsman é dirigido pelo ator de jogos, trapaças e dois canos fumegantes que por sua vez é produzido pelo diretor de Kingsman e que também foi produtor em Jogos ... E mais dois detalhes: Steven Mackintosh (que faz o pai de Elton) e Stephen Graham (que faz o agente Dick James). Steven é um dos atores principais de jogos, trapaças, enquanto Stephen é um dos atores principais de Snatch, filme genial de Guy Ritchie que reeditou com brilhantismo a parceria com Matthew Vaughn.

Assim como Bohemian, o título do filme é uma homenagem a um dos muitos hits de Elton John. Rocketman é uma música de 1972 que garantiu a Elton 3 discos de platina nos Estados Unidos, além de ser considerada uma das melhores canções já feitas.



O filme é uma experiência, muitas vezes metafórica do que aconteceu realmente, como por exemplo, o show no lendário Troubadour que mostra Elton e a plateia flutuando. Ali o diretor trata de forma literal o que Elton fez com os presentes: colocou todos em êxtase com seu show espetacular. A linha temporal flutua como a personalidade de Elton no filme, que por vezes é explosivo, sempre impulsivo e viciado em um monte de coisas. Como ele mesmo diz, já usou todas as drogas que existem e já transou com tudo que se move. Elton era um vulcão...ou melhor dizer, um foguete, o rocketman do título, prestes a ir para aonde sua potência permitisse.

Algumas vezes, a liberdade criativa toma medidas propositalmente absurdas, porque era assim que Elton se comportava. Por exemplo, ele entoa em alguns momentos, canções que ele nem sonhava em compor ainda, mas que no filme fazem pleno sentido serem encaixadas naquele momento. Para ilustrar, em uma audição em 1960, ele canta uma música composta em 1983. Mas isto faz total sentido se entendermos que o filme é todo em flashback à partir da memória drogada e depressiva de um cara prestes a se matar porque não aguenta mais o mundo, seu mundo e talvez ele mesmo.


A família é toda mostrada do seu ponto de vista, o que nos dá uma visão totalmente parcial daqueles genitores, que pelo apresentado, eram monstros, mas talvez sejam apenas o reflexo do que ele via: o pai ausente (e ausente de amor) e a mãe .. (meu Deus, prefiro nem atribuir adjetivos à suas atitudes !!!). Curiosamente, seu incentivo musical veio de casa, por conta da coleção de vinis do pai e dos empurrõezinhos da vó Ivy (Gemma Jones), que parece ser o céu de Elton naquele inferno astral de desamor. A primeira vez que ele tocou piano foi justamente com a avó.

Assim como em Bohemian, que todo filme nos leva ao Live Aid, Rocketman  nos joga no centro do Madison Square Garden, no momento mais marcante do filme, ainda que dure bem pouco, se compararmos ao show completo de Bohemian Rhapsody.



Há ainda detalhes interessantes a serem observados. Elton participou, como imaginam, ativamente, mas incentivou Taron a dar sua visão do personagem, tomando as liberdades criativas que julgasse necessário. Porém John fez questão que as cenas gays tivessem relevância no filme, como de fato acontece. A cena de sexo entre John e Reid é intensa, mesmo que longe de explícita. Mas deu um caráter genuíno às relações.


Outra situação curiosa fica a cargo do ator Taron Egerton. O ator tem um característico sotaque inglês, e quem o viu em Kingsman, espera algo parecido, mas o que vemos em cena é completamente diferente. O ator  declarou que sempre gostou muito de cantar e atuar. Antes de viver Elton John em Rocketman (2019), ele gravou músicas para os filmes Sing: Quem Canta Seus Males Espanta (2016) e Voando Alto (2015). Ele usa a sua própria voz no filme Rocketman.

Reginald Kenneth Dwight e John Reid


A história contada no filme sobre a gênese do seu nome foi realmente aquela.  Ele realmente estava em turnê com uma banda soul. Só a questão do momento da escolha do nome (que o produtor conversa com ele, perguntando qual seria o sobrenome, já que o nome Elton já havia sido escolhido, e ele escolhe olhando um quadro dos Beatles) foi colocada para ilustrar um momento que já havia acontecido na sua mente.

Reid atuou como gerente de John por mais de 25 anos antes de o cantor encerrar seu contrato em maio de 1998. Durante seu tempo como gerente, Reid também trabalhou com o Queen (mostrado em Bohemian Rhapsody - seu personagem foi interpretado por Aiden Gillen, o Mindinho de Game of Thrones), mas bem que poderia ter sido o mesmo ator, para quem sabe eles iniciarem um Musicverse no cinema, interligando filmes biográficos sobre a vida de músicos famosos daquele tempo. Acho que não seria uma má ideia. 




Tecnologia do Blogger.