MORREM RUBENS EWALD FILHO, NARCISO IBÁÑEZ SERRADOR, FRANCO ZEFFIRELLI E PENG XIAOLIAN

morre-rubens-ewald-filho

Tributo da semana

Como de costume, prestamos nosso tributo aos que se foram ligados ao mundo cinematográfico:

Rubens Ewald Filho

Rubens foi certamente o crítico de cinema que tornou a profissão popular. Numa época que os cinéfilos careciam de fontes para consultar sobre seus filmes de interesse, os guias de video lançados pelo Rubens eram como a bíblia cinéfila. Fonte de consulta diária. A cada entrevista ou programa apresentado por ele, ficávamos conhecendo aos poucos uma figura de memória invejável, e que era uma pessoa quase necessária nas transmissões do Oscar. 

Tive o prazer de entrevistá-lo (leia aqui) e ajudá-lo nas pesquisas de seu último trabalho (que confesso, nem sei se saiu, que era um edição do Dicionário de cineastas revisada). 

Formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), o crítico de cinema trabalhou nos maiores veículos comunicação do país, entre eles Rede Globo, SBT, Grupo Record (portal R7 e Record News)[1], RedeTV!, TV Cultura (onde começou a carreira), revista Veja , Jovem Pan, e Folha de S.Paulo, além de HBO, Telecine e TNT, onde comandou o programa TNT+Filme e as entregas do Oscar. Também foi o crítico de cinema da Rádio Bandeirantes e comentou os filmes exibidos no Cine Clube, da Rede Bandeirantes. 


O crítico também aparecia em inserções na programação da rádio A Tarde FM de Salvador/BA. Exerceu o cargo de Secretário da Cultura de Paulínia-SP. Seus guias impressos anuais foram tidos como a melhor referência em língua portuguesa sobre a sétima arte. Rubens assistiu a mais de 37 500 filmes entre longas e curta-metragens (eu sigo seus passos, com 19.000 filmes assistidos).

Rubens foi internado no dia 23 de maio de 2019 em estado grave no Hospital Samaritano em São Paulo após um desmaio seguido de uma queda em uma escada rolante. Após quase um mês, a assessora Bia Venturini e o ator Germano Pereira, amigo, confirmaram o falecimento do crítico em 19/junho/2019.


Peng Xiaolian

Nascida na China em 26 de junho de 1953, Peng Xiaolian experimentou o terror da perseguição política de seu pai quando criança. Durante a Revolução Cultural , ela foi mandada para a província de Jiangxi por 9 anos, antes de entrar no prestigioso Beijing Film Academy . Ela estudou direção com realizadores  como Chen Kaige, Tian Zhuangzhuang e Li Shaohong, que são conhecidos como cineastas de quinta geração da China. 

Após a formatura na Academia de cinema de Pequim em 1982, Peng foi designada para trabalhar no Estúdio de Cinema de Xangai, onde ela trabalhou como assistente de direção. Apenas três anos depois, ela recebeu um filme adolescente, Me and My Classmate, para dirigir.  O filme foi um sucesso e arrebatou vários prêmios importantes na China. Como recompensa, ela teve a chance de dirigir um filme que ela queria dirigir: Women's Story (1988). Este filme a tornou conhecida no mundo, não apenas ao participar de festivais como o Festival Internacional de Cinema Feminino de Créteil e o Festival Internacional de Cinema do Havaí, mas também elogiada por sua forte subjetividade feminina e sua representação das mulheres chinesas rurais. 

Ela morreu em 19 de junho de 2019 com a idade de 65 anos.


Franco Zeffirelli

Gianfranco Corsi Zeffirelli, mais conhecido como Franco Zeffirelli. Também foi cenógrafo e diretor de teatro. Montou óperas líricas de sucesso nos anos cinqüenta e alcançou projeção mundial como diretor.  Nasceu de um caso que sua mãe, Alaide Garosi, teve com um comerciante. Ela morreu quando ele tinha apenas seis anos. Ambos eram casados. Ele cresceu aos cuidados de um grupo de mulheres chamadas Scorpioni.

Uma em especial, Mary O?Neill, assumiu o papel de mãe, introduziu-o ao inglês, a literatura, ao teatro e a Shakespeare. Zeffirelli estudou arquitetura em Florença e integrou um grupo de teatro. Depois da guerra mudou-se para Roma onde foi assistente de grandes diretores como Antonioni, De Sica, Rossellini e Visconti, com quem trabalhou em filmes como "A Terra treme"(1948) e "Belíssima" (1951). Zeffirelli é descendente de um dos irmãos de Leonardo da Vinci.

Em suas memórias, o cineasta assumiu sua homossexualidade e disse que foi apaixonado pelo grande cineasta e intelectual Luchino Visconti, com quem colaborou durante muitos amos. Curiosamente, ele também se destacou ao se opor a projetos de reconhecimento dos casais homossexuais, além de ter se apaixonado uma única vez por uma mulher: Maria Callas 

O diretor, nascido em 12 de fevereiro de 1923, faleceu dia 15 de junho de 2019. 


Narciso Ibáñez Serrador

Ele nasceu em 1935 em Montevidéu e desde cedo foi influenciado pelo mundo da atuação: seu pai era o diretor de teatro espanhol Narciso Ibáñez Menta , enquanto sua mãe era a atriz argentina Pepita Serrador. Ele passou sua infância na América Latina acompanhando seus pais durante as apresentações.

Em 1947 mudou-se para a Espanha, onde cursou o ensino médio na cidade de Salamanca . Ele começou a trabalhar com uma companhia de teatro e fez sua estréia com The Glass Menagerie, de Tennessee Williams . 

Em 1963 ele começou a trabalhar na televisão espanhola e mais tarde fez a transição para longas-metragens e dirigiu filmes como "Internato derradeiro" e "Os meninos", este último sua obra prima.

Ele morreu em 7 de junho de 2019 de uma infecção urinária aos 83 anos de idade. 



Tecnologia do Blogger.