YVES MONTAND - 10 FILMES ESSENCIAIS

yves-montand-10-filmes-essenciais

Seu nome de batismo era Ivo Livi e embora nascido na Itália, ele foi o ator que melhor encarnou o mito do homem francês. Simpático e carismático, Montand provou que além de um ótimo cantor era também um bom ator.

Montand começou sua carreira nos anos de 1930, imitando Maurice Chevalier nos subúrbios das cidades do sul da França. Em 1944, com o apoio de Édith Piaf, estreou em Paris, com o próprio espetáculo, no Théâtre de L'Étoile. Depois do primeiro sucesso, Luna Park, o estilo de Montand caracterizou-se por um equilíbrio entre lirismo e melancolia.



Comunista inicialmente e depois defensor da liberdade e contra qualquer ditadura, Montand foi parceiro constante do diretor Costa-Gavras com quem fez cinco filmes, entre eles "Z", "Estado de Sítio" e "A Confissão".

Foi casado por 30 anos com a atriz Simone Signoret até a morte dela em 1985, mas teve romances célebres com a cantora Edith Piaf no final dos anos 40 e com Marilyn Monroe.

Morreu de um ataque cardíaco em Novembro de 1991.

Direção: Henri-Georges Clouzot

Las Piedras é um vilarejo controlado pela Southern Oil Company (S.O.C.) que está tomado pela pobreza. Quando um incêndio é iniciado num poço de petróleo perto do lugar, o presidente da S.O.C emprega um grupo de homens para ir ao local de caminhão e prevenir novos acidentes. O verdadeiro problema surge quando obstáculos começam a aparecer, sendo o primeiro uma íngreme montanha.
Refilmado como O Comboio do Medo (1977).

Direção: Raymond Rouleau

Salem, 1692. O agricultor industrial John Proctor teve um caso com Abigail, uma jovem de 17 anos que ele e sua esposa aceitaram como inquilina em sua residência. Quando ela encontra John e Abigail abraçados, logo entende que algo entre os dois havia ocorrido e manda a moça embora. Abigail jura vingança. Sua chance surge quando ela acusa Elisabeth de feitiçaria e manipula garotas mais jovens para apoiar suas alegações de ver espíritos. O ministro da cidade e os políticos querem uma causa para demonstrarem poder e livrar a cidade da feitiçaria é a repressão ideal. Porém, John também é acusado. Abigail oferece a ele uma maneira de evitar seu enforcamento: Elisabeth confessar que é uma bruxa.

Direção: Costa-Gavras

O cadáver fresco de uma mulher é encontrado em um vagão de trem assim que ele chega em Paris, levando um policial a reter os viajantes dentro do veículo até a resolução do crime. Contudo, os passageiros remanescentes vão sendo assassinados um por um e os poucos restantes precisam solucionar o mistério antes que se tornem as próximas vítimas.
O lindo café onde o casal se beija continua aberto até hoje e é localizado em Montparnasse. Costa-Gravas supervisionou tanto a restauração de imagem e som do material bruto (feitas pela  Lumières Numériques e L.E. Diapason, respectivamente) quanto a digitalização da fita magnética 35mm original, organizada pela KG Productions.

Direção: John Frankenheimer

No Grande Prêmio de Mônaco Pete Aron (James Garner), um piloto americano que dirige um Jordan-BRM, tem problemas na caixa de marcha e faz seu carro mergulhar no mar. Porém o fato mais grave foi ter ferido seriamente o piloto inglês Scott Stoddard (Brian Bedford), seu companheiro de equipe. Este acidente provoca a demissão de Aron, que é contratado pela equipe japonesa Yamura. Durante a recuperação de Stoddard sua mulher, Pat (Jessica Walter), se envolve com Aron, pois ela parece determinada em deixar Scott. Paralelamente o piloto francês Jean-Pierre Sarti (Yves Montand) e o piloto italiano Nino Barlini (Antonio Sabato), ambos da Ferrari, se envolvem com Louise Frederickson (Eva Marie Saint), uma jornalista americana, e Lisa (Françoise Hardy), uma bela jovem.

Direção: Costa-Gavras

Suspense político, trata de fatos reais ocorridos em 1963 na Grécia. Em cenário político tenso, professor de medicina e deputado grego, um dos líderes da oposição esquerdista, organiza juntamente com correligionários uma reunião pela paz e contra a permissão de instalação de mísseis balísticos americanos em território grego. Com dificuldades, a reunião é realizada mas ao concluir sua fala, o deputado é atropelado e acaba morrendo dias depois. A polícia conclui que foi um acidente mas há indícios que levam o juiz de instrução a suspeitar da versão da polícia. Quando mais ele se aprofunda nas investigações, mais descobre até onde os políticos de direita estão dispostos a ir para encobrir o assassinato.
Z foi o primeiro filme a ser indicado nas categorias de melhor filme e melhor filme estrangeiro no Oscar. 

Direção: Jean-Pierre Melville

O ladrão Corey é libertado da prisão, no mesmo dia em que o assassino Vogel escapa do comissário Mattei, que o levava sob custódia para a penitenciária. Os destinos de Corey e Vogel se cruzam para assaltarem, junto com o ex-policial Jansen, uma joalheria. No entanto, o assalto é dificultado por Rico, antigo chefe de Corey que deseja vingança, e por Mattei, que na caça de seu prisioneiro força o escroque Santi a delatar os ladrões.

Direção: Costa-Gavras

Em um país comunista do Leste Europeu. Gerard (Yves Montand), o Vice-ministro de Relações Exteriores, é inexplicavelmente preso pelos superiores. Não lhe é contado por qual motivo foi detido, além disto é jogado numa cela onde não pode sentar e tem que ficar sempre andando. Paralelamente Lise (Simone Signoret), sua esposa, vê sua casa ser invadida por "agentes de segurança" que se comportam como nazistas. No outro dia, ao ir falar com o ministro, ouve a "versão oficial" na qual Gerard não está preso, mas isolado com outros camaradas para esclarecer alguns assuntos, já que precisam da sua ajuda dele em um assunto confidencial do Partido.  

Direção: Costa-Gavras

Em Montevidéu, Philip Michael Santore (Montand), um funcionário americano da entidade AID, é raptado por um grupo de guerrilha urbana de extrema-esquerda autodenominado Tupamaros. Mais duas autoridades são raptadas no mesmo dia, o cônsul Campos, do Brasil, e um outro, funcionário da embaixada dos Estados Unidos, sendo que esse consegue escapar. Durante o interrogatório pelos captores encapuzados, Santore se diz um simples técnico mas é confrontado com evidências de que sua missão real é instruir policiais de vários países sul-americanos, ensinando métodos questionáveis tais como tortura, intimidação e assassinatos sem julgamento, o que levaria a formação de "Esquadrões da Morte".

Direção: Claude Berri

Primeira parte de uma história que se passa na zona rural francesa nos anos 1920. Ugolin e seu padrinho Cezar são os últimos da imponente família Soubeyran. Ugolin tem apenas uma ambição na vida: criar cravos, e para isso, precisa de um bom terreno com bastante água, raro na região. Os Soubeyran propõem a Pique-Bouffige, dono de uma nascente abandonada, vender-lhes a terra, mas este se recusa e sofre um acidente mortal durante a briga que se sucede. O herdeiro é seu sobrinho, Jean de Florette, que se muda para a fazenda. Os Soubeyran, conhecendo a localização da nascente, bloqueiam-na para que Jean não possa usá-la e forçar-lhe a vender-lhes a terra por um preço menor.

Direção: Claude Berri

Manon, a filha de Jean de Florette, cresceu e virou uma bela camponesa. Inconformada com tudo o que fizeram a seu pai, ela e decide se vingar dos responsáveis pela morte dele. Ugolin, um dos principais responsáveis, acaba se apaixonando por Manon, sem saber dos seus planos de vingança.
Baseado num romance de Marcel Pagnol, “A Vingança de Manon”  é a continuação de “Jean de Florette”, ambos realizados pelo cineasta parisiense Claude Berri no mesmo ano.  O principal tema musical da trilha sonora, a cargo de Jean-Claude Petit, é tirado de “La Force Du Destin”, de Giuseppe Verdi. Aliás, esse tema é usado por Petit nos dois filmes.
Tecnologia do Blogger.