UM ATO DE ESPERANÇA (2017) - FILM REVIEW

um-ato-de-esperanca-2017-film-review

Mais uma grande obra com um elenco de primeira sendo lançado. No filme, Fiona Maye (Emma Thompson) é uma eminente juíza da Alta Corte, que preside casos eticamente complexos do direito familiar. Com o serviço pesado, sua carga horária acaba exigindo um desgaste pessoal de Fiona. Em meio ao seu precário relacionamento com um professor (Stanley Tucci), ela precisa decidir sobre o caso de Adam (Fionn Whitehead), um garoto brilhante diagnosticado com câncer que se recusa em fazer a transfusão de sangue que salvará sua vida.

DO LIVRO PARA O FILME

“Há  alguns  anos,  encontrei-me  no  jantar  com  um  punhado  de  juízes”, lembra Ian McEwan, autor do roteiro do longa, bem como do livro que deu origem à produção. “Eles estavam conversando e eu estava educadamente resistindo à vontade de tomar notas. A certa altura, nosso anfitrião, Sir Alan Ward,   um   juiz   da   corte   de   apelação,   querendo   resolver   um   leve desentendimento,  levantou-se  e  alcançou  de  uma  prateleira  um  volume encadernado  de  seus  próprios  julgamentos.  Uma  hora  depois,  quando tínhamos deixado a mesa para tomar café, o livro estava aberto no meu colo. Esses julgamentos eram como contos ou novelas; o pano de fundo de alguma disputa ou dilema nitidamente resumido, personagens desenhados com pinceladas rápidas, a história distribuída em vários pontos de vista e, até o final, alguma simpatia se estendeu àqueles que, em última análise, a narrativa não favoreceria”.


“Não foram casos nos tribunais criminais, onde deve ser decidido, além de qualquer dúvida razoável, se um homem é um vilão ou uma vítima infeliz. Nada tão preto e branco. Essas histórias pertenciam à divisão da família, onde se concentram muitos dos interesses sérios da vida cotidiana: amor e casamento,   e   o   fim   de   ambos,   fortunas   destrutivamente   divididas, crueldade  e  negligência  dos  pais,  os  destinos  amargamente  contestados das crianças. Aqui, no meu colo, personagens realisticamente concebidos passaram por situações plausíveis e fascinantes, levantando questões éticas complexas”, explica McEwan.

“Três anos depois daquele jantar, Alan Ward me contou sobre um caso de Testemunha  de  Jeová  que  ele  presidira  certa  vez.  O  caráter  do  juiz  que estava  tão  compassivamente  e  racionalmente  concentrado  em  um  bom resultado   parecia   inseparável   da   história”,   comenta   o   escritor,   que completa: “Quando a ouvi, lembrei-me da minha impressão anterior – de que a divisão familiar da alta corte está enraizada na mesma base da ficção, onde  residem  todos  os  interesses  vitais  da  vida.  Com  o  luxo  de  reter  o julgamento,   um   romance   poderia   se   interpor   aqui,   reinventar   os personagens e as circunstâncias, e começar a investigar um encontro entre amor e crença, entre o espírito secular da lei e a fé sincera”.

O romance de McEwan, A Balada de Adam Henry (The Children Act), foi publicado cinco anos depois do referido encontro, em setembro de 2014. O título original do livro lembra a Lei de Crianças do Reino Unido, de 1989, que revolucionou a legislação relativa a crianças, colocando o bem-estar da criança  acima  de  tudo  em  casos  trazidos  à  divisão  familiar  da  justiça.  O romance  ganhou  elogios  generalizados,  com  o  Guardian  chamando-o  de “Imensamente agradável... Um triunfo da imaginação sobre a pesquisa”, o Observer chamando-o de ‘magistral’, enquanto GQ disse que o romance “mostra McEwan como um mestre da ficção que se esforça para nos ensinar como viver”.


A protagonista do romance é uma mulher: Fiona Maye, juíza da Suprema Corte  na  Divisão  da  Família.  Tendo  recentemente  presidido  a  um  caso eticamente  complexo  e  emocionalmente  exigente,  envolvendo  gêmeos, Fiona é convocada a decidir urgentemente se deve ou não permitir que um hospital  realize  uma  transfusão  de  sangue  em  Adam  Henry,  um  menino Testemunha de Jeová com leucemia, contra sua vontade. A vida pessoal de Fiona  está  em  um  ponto  desafiador:  em  seus  cinquenta  anos,  ela  está aceitando  não  ter  filhos,  assim  como  seu  casamento  com  o  professor universitário Jack parece estar desmoronando.

“Ela é uma mulher intensamente reservada”, diz McEwan acerca de Fiona Maye. “Suponho que ela seja mais uma na longa lista de personagens meus que tentam viver uma existência racional, mas descobrem que isso não é fácil e que a racionalidade nem sempre protege você do impacto que a vida traz. Ela está caminhando para o final de sua carreira profissional, que tem sido um grande sucesso, tendo supervisionado decisões nos tribunais de divórcio  por  meia  vida,  e  está  devastada  pelo  possível  colapso  de  seu casamento  estável  há  muito  estabelecido  com  Jack.  Ela  é  uma  mulher gentil,   mas   não   é  dada   a   uma   grande   quantidade   de   transparência emocional e ela acha que ela realmente não tem a linguagem para falar com seu marido sobre sua vida sexual, então, ela não está muito bem defendida contra essa crise que surge em sua vida”.

“Fiona decide, no meio do processo, visitar o menino no hospital, o que é bastante heterodoxo”, continua o autor. “Ela quer descobrir exatamente quem ele é e o que quer. O julgamento de Fiona a favor da transfusão abre um mundo totalmente novo, desafiador, lindo e aterrorizante para Adam, cuja vida até agora foi circunscrita pelos ditames de sua religião. Com sua nova  vida  lhe  é  oferecida  a  liberdade,  o  direito  de  acreditar  no  que  ele escolhe e de pensar por si mesmo: um mundo de aprendizado, maravilha e amor”.


Alguns   meses   antes   de   o   romance   ser   publicado,   McEwan   estava debatendo o assunto com o diretor e amigo de longa data Richard Eyre, e o escritor trouxe a ideia de Eyre dirigir uma adaptação do texto para a tela. Tendo trabalhado juntos em seu primeiro filme, a peça para TV chamada The  Imitation  Game, no  final  dos  anos  1970,  e  novamente no  longa  The Ploughman's Lunch, no começo dos anos 1980, os dois esperavam trabalhar juntos  novamente,  como  McEwan  descreve:  “Ambas  foram  experiências muito agradáveis e eu pensei que iríamos trabalhar juntos novamente em breve, e continuamos a mencionar a ideia novamente pelos próximos trinta anos – mas nunca  chegamos a  colocar isso em prática. A perspectiva de trabalhar com Richard de novo era pura alegria e o foco da ambição de toda a vida, então, quando entreguei o referido romance, eu disse que se ele fosse posto em um filme, a pessoa que o dirigiria seria Richard – seria um trabalho muito centrado nisso. Uma das grandes coisas sobre Richard é que ele teve uma experiência tão longa no teatro que isso lhe deu abordagem e toque maravilhosos, e os atores adoram trabalhar com ele – e eu sabia que, com  Richard   dirigindo,   poderíamos   conseguir   alguém   com  quem   ele quisesse trabalhar no filme”.

O exame quase obrigatório dos dois protagonistas do romance, a juíza de meia-idade e  o  adolescente à  beira  da  morte  –  investigando  as  escolhas morais que eles enfrentam e o impacto que cada um tem na vida do outro –  ressoou  imediatamente  com  o  diretor.  “Ian  é  um  racionalista  que examina, às vezes de maneira forense, os personagens com os quais ele está preocupado”, diz Eyre. “Mas o mais importante é que ele confere a esses personagens uma humanidade de sangue puro, para que você nunca sinta que está assistindo a um tabuleiro de xadrez de imperativos morais. São sempre  pessoas   que  têm   vidas  das   quais   emergem  ações,   às   vezes benevolentes, às vezes desastrosas”, conclui o cineasta.


“A  intervenção  de  Fiona,  e  seu  julgamento  subsequente,  permitindo  a transfusão de sangue, levam a uma relação de dependência mútua entre a juíza, que tem estado, de certo modo, na posição de ‘brincar de Deus’, e o menino cuja vida ela salva”, continua o diretor. “Enquanto isso, o marido a acusa de desistir do casamento. Não é uma opção consciente, é justamente o  fato  de  que  o  seu  trabalho  muito  importante  e  que  tudo  consome  a preocupa na medida em que ela se torna cada vez mais isolada do mundo, das emoções e do seu relacionamento com o marido. Todo o tempo, ela se torna cada vez mais apegada a, ou obcecada por, um garoto cuja vida ela salvou, e ela se tornou para ele uma espécie de inteligência luminosa, de calma e tranquilidade – tudo o que não existe em outros aspectos de sua vida”.

McEwan   não   estava   inicialmente   interessado   em   escrever   o   roteiro: “Começou com um impulso talvez um pouco negativo, já que eu realmente não queria revisitar o material, mas eu não queria que ninguém mais fizesse isso, então foi uma boa ideia. Surpreso que achei o processo fascinante. Um romance  lhe  dá  acesso  ao  pensamento  das  pessoas,  um  roteiro  não,  e encontrar a transcrição do que está pensado ou implícito em um romance para o que deve ser dito e feito entre as pessoas em um filme é um desafio intelectual  e  emocional.  Uma  vez  que  achei  que  foi  muito  divertido,  me aprofundei  e  passei  tanto  tempo  escrevendo  este  roteiro  quanto  fiz  o romance”.

Para ajudar a trazer a história para a tela, Eyre e McEwan decidiram pedir ao  produtor  britânico  Duncan  Kenworthy  (indicado  ao  Oscar  por  Quatro Casamentos e um Funeral, em 1994) se ele aceitaria se juntar ao projeto. Kenworthy  leu  uma  cópia  pré-publicação  do  romance  e  imediatamente disse sim. “Eles me disseram oi!”, diz o produtor entre risos. “Há tão poucas oportunidades     de     contar     histórias     inteligentes,     envolventes     e emocionantes no cinema, e esse é um dos melhores materiais para isso. Eu sempre   amei   a   escrita   de   Ian,   mas   aqui   é   como   se   todas   as   suas preocupações tivessem encontrado a forma e o lugar perfeitos. A história central  soa  tão  direta  –  um  drama  no  tribunal  –  e,  no  entanto,  as complexidades emocionais de uma juíza brilhante e sem filhos, presa entre o   marido   e   o   menino   cuja   vida   ela   deve   salvar   ou   sacrificar,   são milagrosamente complexas”, completou Kenworthy.


“A  beleza  e  o  prazer  da  escrita  de  Ian  estão  em  sua  precisão  –  em  sua capacidade de  atingir absolutamente todas as ideias e emoções”,  afirma Duncan. “Ele adora pesquisar e investiga o meio de suas histórias com total diligência.  Tudo  isso  se  traduz  perfeitamente  na  tela.  Há  uma  clareza maravilhosa  e  quase  uma  inevitabilidade  sobre  o  roteiro  dele,  que  atrai você e entra”.

Para Kenworthy, estava claro que a parceria criativa de Ian McEwan e do diretor Richard Eyre renderia recompensas ricas. “Richard e Ian são amigos íntimos e cada um claramente conhece e valoriza os pontos fortes do outro. Mesmo que não fosse esse o caso, Richard sempre teria sido o diretor ideal para este filme, porque é o território que ele habitou tão perfeitamente antes em Iris e Notas Sobre Um Escândalo. Ele também é um diretor de elenco  consumado,  e,  além  de  suas  forças  narrativas,  este filme  sempre dependerá de algumas ótimas interpretações”.

SOBRE O ELENCO

Com  a  protagonista,  uma  juíza  de  primeira  instância  cuja  inteligência  e comprometimento  a  levaram  ao  topo  de  sua  profissão,  havia,  segundo Richard Eyre, apenas uma atriz que poderia fazer justiça ao papel de Fiona Maye:  Emma  Thompson.  “Se  Emma  não  quisesse  fazer  o  filme,  não teríamos  conseguido,  não  poderíamos  ter  conseguido”,  diz  o  diretor. “Emma é a atriz mais extraordinária e é impossível imaginar o papel que está   sendo   desempenhado   por   outra   atriz,   ainda   mais   agora   com retrospectiva”.

Não demorou muito para Thompson concordar em participar do projeto. Não foi apenas a sutileza da escrita, mas o fato de que o papel lhe permitiu mergulhar  em  um  mundo  totalmente  novo  e  fascinante.  “O  livro  é  tão simples e lindamente escrito”, explica ela, “mas acho que o que realmente me tocou neste projeto foi aprender sobre as juízas no tribunal de família e fazer a pesquisa para me preparar para o papel. O trabalho que fazem, a vida que levam, o trabalho penoso e a responsabilidade me tiraram o fôlego – fiquei tão impressionada com essas mulheres”.


A personagem está tendo que conciliar uma vida pessoal difícil e um caso profissional desafiador, o que foi um choque irresistível. “O filme começa no momento em que essa enorme ruptura surge no casamento de Fiona, que tem sido difícil por um tempo, e você vê ela ter que passar por isso indo direto para a sala do tribunal e trabalhar, trabalhar, trabalhar. Ela volta para casa para este abismo e ela não pode resolver isso porque ela tem que fazer o trabalho. Ela está lidando com o fato de que ela e seu marido não fazem sexo há 11 meses e ele está agindo porque ela não fala”.

“Um  truísmo  sobre  esse  tipo  de  trabalho,  é  que  ele  deixa  muito  pouco espaço  para  qualquer  outra  coisa”,  continua  Thompson.  “Eles  precisam absorver  tanta  informação  e  então  canalizar  o  que  precisam  para  um julgamento  que  devem  fazer  muito  rapidamente,  porque  alguém  pode morrer se não o fizerem. Experimentar um personagem que tem que lidar com esse tipo de salto intelectual foi inspirador e revigorante porque há uma grande energia desse tipo de capacidade intelectual, que é talvez por isso que eles podem continuar além do normal”, diz a atriz.

Thompson também reconheceu como a combinação era perfeita entre o material e o diretor. “A história com todas as suas complicações precisava de  alguém  como  Richard  Eyre”,  diz  ela.  “Ele  passa  sua  vida  contando histórias muito completas no palco. Ele sabe onde os atores devem ficar e sentar e sabe o que quer no dia-a-dia. Ele é um editor brilhante, não só ele pode  ver  o  que  você  está  fazendo,  mas  ele  pode  ver  como  tirar  mais proveito do seu desempenho. Eu era constantemente grata a ele”.


Duncan   Kenworthy   já   era   um   grande   admirador   da   habilidade   e sensibilidade  de  Emma  Thompson  como  atriz,  tendo  produzido  o  filme Simplesmente Amor (2003) em que ela estrela. “A cena de ela chorar no quarto – ou melhor, segurar as lágrimas enquanto endireita a colcha – é famosa  por  uma  razão:  que  é  que  Emma  habita  completamente  os personagens   que  ela  interpreta   por   inteiro.   Assim,   em "Um ato de esperança", todo gesto, todo olhar, toda entonação cabe a uma juíza da Suprema Corte. Ela é milagrosamente boa em colocar o trabalho, pensando e depois agindo”.

Ian  McEwan  acrescenta:  “Eu  confiei  em  Richard  e  desde  muito  cedo  ele queria Emma para o papel. Quando nos sentamos para uma leitura – aquele momento de ajuste para transformar o texto de modo que seja confortável aos   atores   o   seu  desenvolvimento   -   e   Emma   veio   com   muito   boas sugestões.   Ali,   ficou   claro   para   mim   que   ela   era   a   juíza   e   é   uma interpretação dominante. Ela captou algo muito britânico, um certo tipo de pessoa  cujos  sentimentos  são  profundos,  mas  cuja  expressão  desses sentimentos   é   altamente   fechada.   Ela   se   transforma  da forma   mais extraordinária – ela é o filme, e o levou para outro nível. Foi um verdadeiro privilégio trabalhar com ela”, afirma o autor/escritor.

Sir   Alan   Ward   –   consultor   jurídico   do   filme   –   concorda:   “Emma desempenhou   o   papel   magnificamente.   Ela   foi   surpreendentemente perceptiva e meticulosa em sua preparação. Eu a apresentei a um número de  juízes,  especialmente  do  sexo  feminino,  enquanto  ela  estava  ansiosa para  entender  as  pressões  de  ser  uma  mulher  no  trabalho  –  pressões diferentes das de ser um homem no trabalho. Ela entendeu essa sensação de isolamento que é preciso ter sem perder a humanidade que você precisa trazer  para  o  trabalho,  e  ela  capta  isso  em  sua  performance.  Ela  é maravilhosa”.


No papel do marido frustrado de Fiona Maye, Jack, está Stanley Tucci. Para Tucci, o filme preenche várias de suas ambições profissionais. “Eu sempre quis trabalhar com Emma Thompson – ela é uma das maiores atrizes de todos  os  tempos,  tão  versátil,  é  uma  comediante  e  uma  grande  atriz dramática.  E  sempre  quis  trabalhar  com  Richard  Eyre”,  diz  o  ator.  “Eu realmente  admiro  Ian  McEwan  como  escritor  e  achei  o  roteiro  muito bonito. Então, todos esses elementos eram muito atraentes”.

Tucci descreve o ambiente em que Fiona e Jack vivem “quase rarefeito”. Ambos  são  muito  bem-educados  e  moram  no  Gray's  Inn,  no  centro  de Londres, e não querem nada mais. Mas Fiona se tornou mais motivada à medida que envelhecia, quando outras pessoas podem estar diminuindo o ritmo  nesse  ponto  de  suas  carreiras,  e  é  esse  impulso  que  a  afastou emocionalmente do relacionamento. Ela acaba tendo uma espécie de caso de amor platônico com um jovem que está morrendo. Jack é um professor de história antiga e, diante de um casamento hesitante, afirma claramente que, por mais que a ame, sente falta da intimidade e gostaria de ter um caso extraconjugal.

“Quando surgiu a ideia de Stanley nesse papel, todo o filme fez sentido”, diz o produtor Duncan Kenworthy. “Stanley pode fazer coisas que outros atores não conseguem: é capaz de ser o ‘bad boy’ e dizer à heroína que ele vai ter um caso, mas ainda quer que você fique junto no final. Com Tucci no papel, Jack é exatamente como queríamos que ele fosse. Emma Thompson concorda: “Stanley é um ator tão maravilhoso – extraordinário, na verdade. Seu personagem é muito difícil de fazer, e ainda tem pessoas que gostam dele  –  Jack  tem  algumas  coisas  muito  difíceis  de  dizer,  mas  Stanley  foi notável”.



Para  Richard  Eyre,  “Stanley  traz  para  qualquer  filme  uma  espécie  de autoridade que nasce em parte da experiência, em parte de sua gravidade natural.  Ele  é  um  homem  muito  simpático,  maduro  e  inteligente”.  Ian McEwan acrescenta: “Fiquei muito feliz com a maneira como Stanley Tucci fez  o  papel  de  Jack.  Havia  tamanha  autoridade  na  maneira  como  ele  o representava.  Em  geral,  o  que  ele  traz  para  o  papel  é  dar  uma  leitura simpática e calorosa a Jack. Há também uma franqueza que é bem expressa por um americano para um inglês, e um toque humano que realmente faz a  diferença.  Logo  no  final  ele  tem  grande  ternura.  É  um  desempenho belamente equilibrado e bem ajustado”.

O papel de Adam, o adolescente que está preparado para morrer por sua fé, é interpretado pelo astro britânico Fionn Whitehead. “Esse foi um papel realmente crítico – Adam tem que ser tanto a criança que Fiona nunca teve, e também uma figura romântica para ela”, diz Kenworthy. “Fionn se encaixa em  ambas  as  categorias.  Ele  tem  dezenove  anos,  mas  foi  capaz  de desempenhar muito convincentemente um garoto de dezessete anos, ao mesmo tempo em que também tem a solidez que sugere a vida adulta e foi vital para o papel de Adam”.

Whitehead descreve Adam como “protegido, inocente e puro por causa de sua criação como Testemunha de Jeová. Fiona abre os olhos  dele para a beleza, a arte e os poemas, e para expressar tudo o que lhe foi reprimido. Tudo isso o impacta e ele é incapaz de se segurar. Toda a positividade e criatividade realmente o afetam e têm um impacto retumbante no jovem. Ele  é   uma  alma   muito   sensível  e  essa   foi   uma   das   coisas   que   me surpreendeu ao ler o livro: ele é tão aberto; a maioria das pessoas tem suas defesas, enquanto Adam está completamente sem barreiras. Ele foi muito interessante de interpretar, pois é completamente cru e experimenta coisas a  extremos,  então,  quando  ele  está  animado  com  algo,  é  a  pessoa  mais animada do mundo, e quando ele está angustiado, é surpreendente, e não há  muita  diferença  entre  estes  sentimentos.  Sua  receptividade  tem  um profundo  impacto  em  Fiona.  Por  causa  de  seu  trabalho,  ela  é  bastante desprovida de sensibilidade com as pessoas e anseia por proximidade com qualquer  um  naquele  momento,  então,  quando  ela  conhece  Adam,  ela percebe o que está perdendo”.


Por  ser  jovem,  Whitehead  reconheceu  as  verdades  da  forma  como  o personagem foi  desenhado  e  as  pressões  que  ele  é  forçado  a  enfrentar. “Adam está sendo aberto para o mundo ao seu redor”, diz o jovem ator. “Todas as maravilhas, assim como coisas ruins que estão diante dele, são algo com que a maioria dos adolescentes pode se relacionar. Esse foi um tema   interessante   para   explorar.   Ser   adolescente   é   frequentemente considerado o melhor momento da sua vida, mas ninguém fala realmente sobre a loucura de tudo, como de repente se espera que você cresça e como tudo isso é esmagador”.

Foi também, diz Whitehead, uma alegria saborear a elegância da escrita de Ian  McEwan.  “A  maneira  como  Ian  escreve  é  tão  vívida  e  descritiva  dos personagens, e o cenário de toda a história é tão rico”, diz Fionn. “Ele usa uma palavra em que outro escritor pode usar vinte - a escrita dele é muito precisa,  então  quando  você  lê,  toda  palavra  é  feita  para  estar  lá”.  A sensibilidade do jovem intérprete como ator foi imediatamente óbvia para todos  os  envolvidos. “Fionn é engenhoso,  charmoso  e  inteligente,  e,  de alguma forma, além de seus anos, mas ao mesmo tempo não é precoce”, diz Richard Eyre. “Ele é muito curioso, muito questionador e muito atento”.

“Fionn interpreta um rapaz que  é  criado  no  ambiente muito  fechado  da comunidade das Testemunhas de Jeová e recusa o tratamento que salva vidas”, diz Emma Thompson. “Fiona Maye é surpreendida por ele – não só ele é excepcionalmente bonito, mas também é um músico e um profundo pensador.   Ela   o   escuta   com   absoluta   sinceridade   e   convicção,   sem condescender com ele, e isso muda sua vida porque ele nunca foi ouvido antes assim. E ele a infecta com uma sensação de juventude e vitalidade e, portanto, não há dúvidas sobre o que ela deve fazer – e ela salva sua vida”.


Ian  McEwan  ficou  extremamente  impressionado  com  o  desempenho  de Fionn  Whitehead:  “Ele  tinha  uma  montanha  para  escalar  com  o  papel, porque  tinha  que  entregar  um  menino  que  viveu  em  uma  comunidade religiosa muito fechada, brilhante, mas determinado defender seu próprio ponto  de  vista  religioso.  Inocente  além  da  crença,  com  uma  fome  mal disfarçada  de  vida, vulnerabilidade, arrogância  e  uma  natureza  exigente, ele está faminto por  algo além de sua  instrução religiosa e sabe em seu coração  que  é  ela  quem  o  entrega.  Ele  subiu  lindamente  a  ele,  é  um desempenho fabuloso”.

A combinação de uma história convincente, temas ricamente complexos, uma escrita brilhante e um elenco de talentos superlativos fizeram com que filmar "Um ato de esperança" fosse uma delícia para Richard Eyre. “Estou entusiasmado por estar conduzindo esses atores brilhantes nesta história poderosa  criada  por  um  dos  nossos  maiores  romancistas  vivos”,  diz  ele. Para  Sir  Alan  Ward,  a  experiência  foi  extremamente  agradável.  “Foi  um privilégio ver, em Richard Eyre, um mestre no trabalho”, diz ele. “O cuidado e  o  conhecimento  de  Richard  sobre  o  assunto,  sua  compreensão  dos detalhes técnicos de ser um juiz e conduzir um teste e sua compreensão da fragilidade humana, tudo isso fez com que fosse revelador para mim e um par de meses muito enriquecedor em minha vida”.

O produtor Duncan Kenworthy conclui: “É impossível imaginar um elenco ou diretor melhores para dar vida à maravilhosa história dramática de Ian sobre o grau em que todos somos responsáveis por aqueles que amamos ou em cujas vidas nós intervimos”.


O ASPECTO VISUAL

Com elenco e equipe no local, as filmagens começaram em outubro de 2016 em locações no centro de Londres, no Gray's Inn, no Lincoln's Inn, no Royal Courts of Justice e nos palcos do Pinewood Studios. Era importante para os cineastas que Londres fosse mostrada sob uma luz particular,  como  explica  Ian  McEwan:  “Em  nossas  primeiras  conversas, Richard e eu decidimos que este filme deveria ser em Londres. Londres em filme   sempre   parece   ter   uma   qualidade   de   pia   de   cozinha   e   é frequentemente  sobre  ônibus  de  dois  andares,  suas  características  mais retratadas no cinema, e não sobre Blackfriars (centro da cidade) ou a ponte de  Waterloo.  Essas  são  coisas  lindas,  o  horizonte  é  lindo,  então,  foi maravilhoso que as tenhamos incluído no cenário”.


O designer de produção Peter Francis recebeu a tarefa de criar a aparência do filme. Francis e Eyre optaram por criar designs muito  diferentes para refletir os mundos distintos de seus personagens. Depois de investigar os ambientes daqueles que trabalham no sistema legal, Francis decidiu evitar tons suaves e superfícies, e optar por um design mais rigoroso. “O mundo jurídico  é  bastante  arregimentado”,  diz  Francis.  “Tudo  parece um  pouco sisudo, com linhas duras e bordas afiadas, e todas as pessoas que trabalham lá  estão  vestidas  com  muita  inteligência,  muitas  vezes  uniformizadas”. McEwan  acrescenta:  “Aplaudo  a  decisão  de  Richard  de  que  Fiona  Maye deveria presidir uma moderna sala do tribunal e que nos afastássemos dos antigos painéis de carvalho, o que abriu possibilidades reais para o design. O  fato  de  que  o  escritório  dela  está  a  apenas  quatro  passos  da  sala  do tribunal e ela tem que bater na porta – então nós habitamos o espaço, há uma  espécie  de  rotina  nisso.  Imaginamos  que  Fiona  vivia  no  antigo apartamento de Alan Ward, e parte dela foi filmada em sua escadaria no Gray’s Inn, o que lhe deu uma ótima conexão”.


Graças aos contatos do Sir Alan Ward e às reputações de Richard Eyre e Duncan Kenworthy, a equipe recebeu permissão especial para filmar dentro do Great Hall of the Royal Courts of Justice (o mais importante palácio da Justiça  britânico)  e  capturar  seu  magnífico  design  gótico  vitoriano.  Para Francis, esse foi um benefício fantástico. “Isso nos dá escala imediata e nos coloca na realidade do mundo jurídico”, diz ele. “O universo de Fiona Maye está efetivamente confinado a uma milha quadrada: a Gray's Inn, onde ela mora, e o Royal Courts of Justice, onde ela trabalha. “Em contraste com seu tribunal e seu escritório, sua vida em casa precisava se sentir mais pessoal e  individual”,  continua  Francis.  “Nós  tínhamos  paletas  de  cores  bem distintas  para  os  dois  mundos,  com  o  apartamento  Gray's  Inn  da  Fiona unindo sua vida com Jack”. 

Ian McEwan  descreve  as  cenas  ambientadas  fora  de  Londres:  “Como  no romance,  achei  que  deveria  haver  uma  saída  de  Londres,  e  por  isso  me apeguei à noção de que juízes da alta corte têm que viajar pelo país para tribunais menores – tomando o judiciário londrino para as províncias, para julgar casos que não podem ser ouvidos na frente dos magistrados. Então, isso foi uma desculpa para fugir da cena apertada de Londres e abrir o filme lindamente em termos de design. Uma viagem de trem em que Fiona está lendo  as  cartas  intelectualmente  exigentes  de  Adam,  enquanto  toda  a Inglaterra  está  correndo  –  lindos  campos,  mas  também  o  mundo  pós- industrial  de  painéis  solares  e  prédios  apodrecendo  –  está  lindamente retratada”.

Francis  tem  orgulho  de  ter  sido  capaz  de  mostrar  alguns  dos  prédios arquitetônicos mais impressionantes da capital – mas ainda relativamente desconhecidos. “Acredito que fomos capazes de mostrar Londres no seu melhor”, diz ele. “Gray's Inn e Lincoln's Inn são muito centrais, mas bastante escondidos, e queríamos dar uma sensação real deste mundo bonito, quase secreto, bem no meio de Londres. Thomas Cromwell, famoso ministro de Henry VIII, era membro da Grey's Inn, e aparentemente o próprio William Shakespeare atuou no Gray’s Inn Hall, o cenário para o concerto de
Natal do nosso filme no clímax”.


BIOGRAFIAS

Emma Thompson – Fiona Maye

Emma  Thompson  nasceu  em  Londres  em  15  de  abril  de  1959,  em  uma família de atores – seu pai foi Eric Thompson, já falecido, e sua mãe, Phyllida Law,  co-estrelou  com  Thompson  em  vários  filmes  (sua  irmã,  Sophie Thompson, também segue a profissão). Seu pai nasceu na Inglaterra e sua mãe  é  de  origem escocesa.  A sagacidade  de  Thompson foi  cultivada  por uma  atmosfera  familiar  alegre,  inteligente  e  criativa,  e  ela  era  uma estudante   popular   e   bem-sucedida.   Frequentou   a   Universidade   de Cambridge, estudando Literatura Inglesa, e fez parte do Grupo Footlights da   universidade,   o   famoso   grupo   onde,   anteriormente,   muitos   dos membros do Monty Python haviam se conhecido.

Thompson   se   formou   em   1980   e   embarcou   em   sua   carreira   em entretenimento,   começando   com   passagens   pela   rádio   da   BBC   e excursionando com shows de comédia. Ela logo teve sua primeira grande oportunidade   na   televisão,   no   programa   de   humor   Alfresco   (1983), escrevendo  e  se  apresentando  junto  com  seus  companheiros  do  grupo Footlights,  Stephen  Fry  e  Hugh  Laurie.  Ela  também  trabalhou  em  outros programas   de   comédia   de   TV   em   meados   da   década   de   1980, ocasionalmente com alguns de seus companheiros de longa data, e muitas vezes com o ator Robbie Coltrane.


A atriz se viu novamente colaborando com Fry em 1985, desta vez em sua adaptação para o palco da peça Me and My Girl, no West End de Londres, na  qual  ela  teve  um  papel  de  liderança,  interpretando  Sally  Smith.  O espetáculo foi um sucesso. Ela recebeu críticas favoráveis, e a força de seu desempenho levou ao seu elenco como protagonista na minissérie da BBC Fortunes   of   War   (1987),   na   qual   Thompson   e   Kenneth   Branagh desempenham   um   papel   importante   –   viveram   um   casal   britânico expatriado  que  vive  na  Europa  Oriental,  enquanto  a  Segunda  Guerra Mundial entra em erupção. Thompson ganhou um prêmio BAFTA por seu trabalho  no  programa.  Ela  se  casou  com  Branagh  em  1989,  continuou  a trabalhar com ele profissionalmente e formou uma produtora ao seu lado. No final dos anos 1980 e início dos anos 1990, ela estrelou uma série de produções  televisivas  e  cinematográficas  bem-sucedidas,  entre  os  mais notáveis seu protagonismo no longa Retorno a Howards End (1992), que confirmou  sua  capacidade  de  liderar  um  filme  em  ambos  os  lados  do Atlântico e apropriadamente a cobriu com honras – Emma ganhou tanto um Oscar quanto um prêmio BAFTA.

Desde então, Emma Thompson continuou a se mover sem esforço entre o mundo  do  cinema  de  arte  e  o  ‘mainstream’  de  Hollywood,  embora  até mesmo  seus  papéis  em  Hollywood  tendam  a  estar  em  produções  mais sofisticadas.  Ela  continua  a  trabalhar  na  televisão  também,  mas  é  muito seletiva  sobre  quais  papéis  ela  aceita.  Emma  escreve  também,  como  o roteiro de Razão e Sensibilidade (1995), de Ang Lee, em que também atuou, e a adaptação televisiva da aclamada peça Uma Lição de Vida (2001), de Margaret Edson, a qual ela também estrelou.


Thompson é conhecida por ser sofisticada, habilidosa, embora seus críticos digam desempenhos um tanto comportados e, é claro, por sua sagacidade, que ela não tem medo de apontar para si mesma - ela é uma destemida satírica  de  si  mesma.  Thompson  e  Branagh  se  divorciaram  em  1994,  e Thompson se casou com o também ator Greg Wise, e eles têm dois filhos.

Entre seus trabalhos mais recentes estão, além de "Um ato de esperança", participações em filmes como A Bela e a Fera (2017), Johnny English 3.0 (2018),  O  Bebê  de  Bridget  Jones  (2016)  e  em  MIB:  Homens  de  Preto  – Internacional (2019), que ainda está para estrear. Emma venceu o Oscar duas vezes, sendo uma como atriz (Retorno a Howards End, 1992) e outra como roteirista (Razão e Sensibilidade, 1995). Entre os mais de 60 prêmios que  Thompson  recebeu,  ganham  destaque  também  um  Globo  de  Ouro, dois BAFTA e o Festival de Veneza.

Stanley Tucci – Jack Maye

O  ator  Stanley  Tucci  nasceu  em  11  de  novembro  de  1960,  em  Peekskill, Nova York. Ele é filho da escritora Joan Tropiano e Stanley Tucci, professor de arte. Sua família é ítalo-americana, com origens na Calábria. Tucci tem três filhos com Kate Tucci, que faleceu em 2009, e  se casou com Felicity Blunt em agosto de 2012, e teve dois filhos com ela. 

Stanley   se   interessou   em   atuar   ainda   no   ensino   médio   e   passou   a frequentar o Conservatório de Artes Teatrais da Universidade Estadual de Nova York, em Purchase. Ele começou sua carreira profissional no palco, fazendo sua estreia na Broadway em 1982. Seu debute no cinema foi em A Honra  do  Poderoso  Prizzi  (1985).  Em  2009,  Tucci  recebeu  sua  primeira indicação ao Oscar – ele viveu um assassino de crianças em Um Olhar do Paraíso  (2009).  Ele  também  recebeu  uma  indicação  ao  BAFTA  e  uma indicação ao Globo de Ouro pelo mesmo papel. Além  desse papel, Tucci teve  recentemente  destaque  em  uma  ampla  gama  de  filmes,  incluindo Xeque-Mate  (2006),  O  Diabo  Veste  Prada  (2006)  e  Capitão  América:  O Primeiro  Vingador  (2011).  Tucci  alcançou  seu  público  mais  amplo  ainda quando  interpretou  Caesar  Flickerman  no  sucesso  de  bilheteria  Jogos Vorazes (2012).


Mantendo uma carreira ativa em filmes, Tucci recebeu grandes elogios por seu trabalho na televisão – ganhou um Emmy e um Globo de Ouro por seu papel no filme O Poder da Notícia (1998), um Emmy como convidado em Monk: Um Detetive Diferente (2002) e um Globo de Ouro por seu papel no filme da HBO Conspiração (2001). O  ator  também  teve  uma  extensa  carreira  por  trás  da  câmera.  Seus trabalhos de direção incluem A Grande Noite (1996), Os Impostores (1998), Crônica de uma Certa Nova York (2000) e Encontro às Cegas (2007); com exceção  de  Crônica  de  uma  Certa  Nova  York,  Tucci  também  marcou presença como roteirista de todos seus trabalhos na direção.

Atualmente, além de estar no elenco de "Um ato de esperança", Stanley Tucci  marcou  presença  em  Transformers:  O  Último  Cavaleiro  (2017),  o terror Patient Zero: A Origem do Vírus (2018), Uma Guerra Pessoal (2018) e está filmando o terceiro longa da franquia Kingsman. 

Fionn Whitehead – Adam Henry

De  uma  família  de  londrinos,  Fionn  Whitehead  nasceu  e  cresceu  em Richmond Upon Thames, Surrey, nos arredores de Londres). Seu nome tem origem  na  lenda  folclórica  irlandesa  Fionn  mac  Cumhaill.   Whitehead cresceu em um ambiente artístico, muito devido ao fato de que seu pai, Tim, é um aclamado músico de jazz britânico que, formado em Direito pela Universidade de Manchester, decidiu investir na música e teve uma longa e variada carreira como compositor de jazz, intérprete e professor.


Fionn começou a atuar no Orange Tree Theatre quando tinha treze anos de idade, depois foi para Orleans Park School, onde ele se destacou. Depois, foi para Richmond College e entrou no Curso de verão do National Youth Theatre. Em 2015, ele era um aspirante a ator que trabalhava em um café em  Waterloo,  Londres,  até  estrelar  a  minissérie  britânica  Him  (2016), produzida pela ITV, mantendo-se ainda membro ativo do Youth Theatre.

O ano de 2017 foi marcante para Fionn Whitehead, já que o ator inglês de 19 anos de idade (ele nasceu em 1997) foi escalado para protagonizar o épico  histórico  britânico  de  Christopher  Nolan,  Dunkirk.  No  mesmo  ano, Fionn entrou para o elenco de UM ATO DE ESPERANÇA. Em 2018, o jovem intérprete participou do episódio especial da série de ficção científica da Netflix, Black Mirror: Bandersnatch.
Richard Eyre – Diretor

Richard  Eyre  nasceu  em  28  de  março  de  1943  em  Barnstaple,  Devon, Inglaterra, como Richard Charles Hastings Eyre. Casado com Sue Birtwistle desde 1973, Eyre tem uma longa carreira entre produções para o teatro, para o cinema e para a TV. Nos palcos, recebeu diversas vezes o prêmio Lawrence   Olivier   e   o   prêmio   da   crítica   londrina,   sendo   inclusive homenageado  por  sua  contribuição  para  a  arte  em  1997.  Seu  primeiro trabalho na direção de um longa foi em 1981, com O Jardim das Cerejeiras. Seu  primeiro  trabalho  de  projeção  internacional  veio  em  2001,  com  o drama Iris, estrelado por Judy Dench. Depois disso, ganham destaque A Bela do Palco (2004), o sucesso Notas Sobre um Escândalo (2006), estrelando Cate Blanchet, e O Amante (2008), com Antonio Banderas, Liam Neeson e Laura Linney. Seus trabalhos mais recentes são "Um ato de esperança" e uma adaptação da peça Rei Lear para a TV (2018).


Ian McEwan – Roteirista

Ian  McEwan  nasceu  em  21  de  junho  de  1948  em  Aldershot,  Hampshire, Inglaterra, como Ian Russell McEwan. Filho de militar, o que o fez viajar o mundo durante sua infância, Ian é casado hoje com Annalena McAfee, com quem está desde 1997, e foi casado com Penny Allen. É escritor e produtor com   diversos   filmes   baseados   em   seus   textos,   tendo   ele   inclusive roteirizado  alguns  deles.  Em  2008,  McEwan  figurou  na  lista  do  jornal Telegraph entre as 100 pessoas mais influentes da cultura britânica. Entre os filmes cujas histórias ou roteiros com sua participação estão, além de "Um ato de esperança",  Desejo  e  Reparação  (2007),  O  Anjo  Malvado (1993), O Inocente (1993) e Amor Para Sempre (2004).

Duncan Kenworthy – Produtor

Nascido no Reino Unido em 1949, Duncan Kenworthy recebeu um diploma de  honra  do  Christ's  College,  Cambridge,  Reino  Unido,  em  1971,  e  foi  à época   um   prestigioso   pós-graduando   bolsista   na   Universidade   da Pensilvânia. Antes de seu trabalho no cinema, ele tem vários créditos de trabalhos para a TV. Duncan trabalhou por vários anos na década de 1970 para o canal Children's Television Workshop, na equipe de Vila Sésamo. Ele também produziu vários dramas de TV, incluindo uma premiada séria da BBC sobre mitos gregos e uma adaptação de As Viagens de Gulliver (1995). Em  sua  carreira  como  produtor  cinematográfico,  trabalhou  em  sucessos como Quatro Casamentos e Um Funeral (1994), Um Lugar Chamado Notting Hill  (1999),  Simplesmente  Amor  (2003),  e  A  Legião  Perdida  (2003).  Entre 2004 e  2006, foi  presidente do  BAFTA.  Foi  indicado  ao  Oscar  de  Melhor Filme em 1995 por Quatro Casamentos e Um Funeral.


Tecnologia do Blogger.