MULHERES DIVINAS (2017) - FILM REVIEW

MULHERES DIVINAS (2017) - FILM REVIEW

Filme indicado pela Suíça ao Oscar 2018 de filme estrangeiro e foi destaque na mostra de cinema de São Paulo.

Nora Ruckstuhl é uma jovem dona de casa e mãe que vive com seu marido Hans e seus dois filhos Luki e Max em uma pequena e suja aldeia suíça. No campo é sentido pouco das grandes revoltas sociais provocadas pelo movimento de 1968. A vida de Nora também não é afetada por ela; ela é uma pessoa silenciosa, querida por todos e nunca há que sair da linha - até o dia em que ela começa a lutar publicamente e ferozmente pelo sufrágio feminino, que homens suíços devem votar, em 7 de fevereiro de 1971. 

A resistência de Nora e sua necessidade de se tornar ativa para a igualdade das mulheres começa quando seu marido resiste primeiro e depois se recusa a dar permissão para voltar ao trabalho. O fato adicional de que sua sobrinha adolescente, Hanna, foi enviada para reformar a escola e, em seguida, a uma prisão de mulheres porque ela não estava de acordo com as convenções da pequena cidade da aldeia, também a estimulou. Nora percebe que não basta em favor da votação em silêncio, mas que as mulheres precisam exigir em alto e bom som. 

Quando Nora, apoiada pela viúva e ex-proprietária do restaurante "Bären" Vroni, começa a fazer campanha pública pelo direito das mulheres de votar e organiza um evento informativo sobre o tema, ela começa uma briga com a Sra. Charlotte Wipf, chefe do "Anti-Politicization of Women Action Committee" e chefe do marido. 


Nora, entretanto, encontra continuamente mais aliados: Graziella, italiana divorciada que assumiu o restaurante e abriu uma pizzaria, e sua cunhada, Therese, se junta a eles. Juntos, eles preparam o evento e viajam para Zurique para uma marcha feminina pelo direito de voto. Em Zurique, eles também participam de uma oficina de mulheres para se envolver com suas regiões corporais mais íntimas. Nora percebe que, além de não poder falar sua mente como uma mulher em sua casa e aldeia muito tradicional, sua vida sexual conjugal não é quase o que poderia ser. 

O maior conflito ocorre na família de Nora quando Hans volta para casa de treinamento de reservas apenas para entrar no evento de Nora, onde a metade da aldeia se reuniu. Lá está sua esposa no púlpito, promovendo o direito de voto das mulheres, enquanto a plateia a atrapalha e dificilmente a deixa falar. O evento é um desastre e de volta a casa eles discutem a respeito; Nora está cheia de dúvidas sobre sua iniciativa, mas também sobre sua relação. 

Mas ela encontra nova coragem quando mais e mais mulheres da aldeia se atrevem a dizer em voz alta o que realmente pensam. Finalmente, eles decidem realizar uma greve de mulheres, e Nora se alegra quando muitas mulheres na aldeia atendem ao chamado. Isso, no entanto, não impede o ódio de seus oponentes, tanto que houve uma escalada violenta, acabando com a greve. 

Abatida, Nora volta para casa, mas logo percebe que ela não pode simplesmente retornar à sua vida antiga. Quando ela é convidada para uma entrevista de emprego, ela decide seguir seu desejo mais íntimo, deixando Hans com uma grande decisão: ele concede a Nora ou ele a proíbe e, assim, a perde? 

O direito de voto das mulheres é aprovado em 7 de fevereiro de 1971 e as mulheres suíças finalmente recebem direitos de voto; mas a luta das mulheres pela igualdade continua ainda hoje. 


Gênese da produção

Petra Volpe estava em preparação para a sua estreia "Dreamland" e simultaneamente escrevia o roteiro para "Heidi", quando começou a desenvolver a ideia de "Mulheres Divinas" com os produtores Reto Schaerli e Lukas Hobi em setembro de 2011. 

O fato de a Suíça não ter concedido às mulheres os mesmos direitos políticos que os homens até fevereiro de 1971 - como uma das últimas democracias desenvolvidas do mundo - é um fato bem conhecido na Suíça e além - e, talvez, da perspectiva de hoje, uma curiosidade. 

Fazer um filme sobre isso foi o ponto de partida do desenvolvimento do script para "Mulheres Divinas". O produtor Reto Schaerli: "O desafio de Petra Volpe como roteirista da" Ordem Divinas"era desenvolver uma história independente que não dependesse da questão do sufrágio feminino. A circunstância histórica é um vaso emocionante, mas deve ser preenchido com conteúdo." 

Petra Volpe realizou extensa pesquisa para o roteiro. Ela conheceu e entrevistou importantes exponentes da luta pelo sufrágio feminino. 


O elenco

A principal equipe artística em torno de Petra Volpe se juntou a ela novamente depois de colaborar anteriormente em "Dreamland": Judith Kaufmann ("13 Minutes", "When We Leave") é o diretor de fotografia. Ela é múltipla vencedora do Prêmio Alemão de Cinema. O designer de produção Su Erdt ("Aloys", "Wunderlich's World") trouxe a Suíça nos anos 70 de volta à vida e Linda Harper ("Dreamland," Cure ") desenhou os figurinos. 

Na frente da câmera, Petra Volpe reuniu um elenco cuidadosamente selecionado para os mais pequenos papéis de apoio. Ao lado de Marie Leuenberger ("Will You Marry Us?"), Max Simonischek ("The Foster Boy"), Rachel Braunschweig ("Wunderlich's World"), Sibylle Brunner ("Rosie"), Marta Zoffoli ("Para Roma com amor" ), Bettina Stucky ("Dreamland"), Peter Freiburghaus ("The Undertaker"), Therese Affolter ("Akte Grüninger"), Ella Rumpf ("Grave") e Nicholas Ofczarek ("Sennentuntschi") produzem performances incríveis. Sofia Helin, da Suécia, conhecida na Europa da série escandinava "The Bridge", brilha em sua aparência de convidados como Indra. 

"Mulheres Divinas" foi financiado com um orçamento de produção de CHF 3,3 milhões da Suíça. Produtor Lukas Hobi: "Isso só foi possível porque todos os parceiros e co-produtores cruciais apoiaram o projeto". O rádio e a televisão suíços SRF e Teleclub são co-produtores do filme. O projeto foi apoiado pelo Escritório Federal de Cultura, a Zurich Film Foundation, os cantões de Aargau, Lucerna e Appenzell Ausserrhoden, Suissimage / SSA, o Migros Culture Percent e a Fundação Dr. Fred Styger. Para o lançamento teatral na Suíça, os produtores estão mais uma vez trabalhando com o distribuidor independente Filmcoopi. 


Filmagens e Pós-produção

Trogen Appenzell Ausserrhoden serviu como o principal pano de fundo para a filmagem, que foi concluída entre 22 de fevereiro e 1 de abril de 2016, durante 30 dias de filmagem na Suíça. A equipe estava no local por várias semanas e conseguiu capturar a maioria dos motivos na região. Outras filmagens ocorreram em Herisau, Auenstein em Aargau e em Zurique. 

Appenzell foi escolhido principalmente como local por razões visuais. O fato de que os dois foram os últimos a conceder direitos de voto das mulheres no nível cantonal em 1989 e 1990, respectivamente, não é uma parte material do filme. Mas é claro que também havia um conteúdo de incentivo substantivo sábio, para mostrar esses locais em " Mulheres Divinas" que manteve o mais longo período contra a igualdade política de gênero. 

A pós-produção ocorreu em Zurique e Berlim. O múltiplo premiado editor Hansjörg Weissbrich ("Night Train to Lisbon", "Vor der Morgenröte") cortou o filme. A trilha sonora é de Annette Focks ("Three Quarter Moon", "Night Train to Lisbon") e foi gravada pela Filharmonia Wroclawska. 

Confiram uma entrevista com a diretora Petra Volpe

1)"MULHERES DIVINAS" É O PRIMEIRO LONGA-METRAGEM SOBRE O SUFRÁGIO FEMININO SUÍÇO E SUA RECENTE INTRODUÇÃO EM 1971. COMO VOCÊ ABORDOU O ASSUNTO? 

P.V.:A ideia de fazer um filme sobre o sufrágio das mulheres suíças inicialmente abre um campo muito amplo. É por isso que investiguei pela primeira vez por um longo tempo, para ouvir o máximo de vozes possíveis e para examinar o assunto de uma variedade de perspectivas. Só então desenvolvi os personagens por peça. Todos são inspirados por mulheres que conheci no curso da minha pesquisa. 

No desenvolvimento do roteiro, eu queria especialmente capturar a atmosfera do tempo e não apenas fatos históricos. Eu queria contar uma história que descreve como as mulheres não fechadas estavam na época, quanto elas foram tratadas como bens ( propriedade) e quão grande era a oposição, mesmo em 1971, quando as mulheres exigiam direitos políticos iguais. 


2)O PERSONAGEM É NORA BASEADO EM UMA PESSOA REAL? 

P.V.:A ideia para minha protagonista NORA veio de um material no arquivo Gosteli dos adversários femininos. Sobre isso, uma jovem dona de casa e mãe com uma escrita linda e cuidadosa escreveram: ela nunca estava politicamente envolvida, mas este chamado dos oponentes da votação agora a deixou tão irritada que ela mesmo estava pensando em lutar ativamente pelo direito de voto! Essa foi a primeira faísca para NORA, uma mulher que acorda e evolui para uma pessoa política. 

3)POR QUE VOCÊ ESCOLHEU APPENZELL? 

P.V.:O roteiro lê: "1971 na Suíça" - Eu sempre imaginei o filme visto do exterior e procurei um lugar que funcionasse como uma metáfora da ideia da Suíça, e pensei que Appenzell era perfeito. As colinas com as belas fazendas, as coberturas de montanha no fundo - é assim que se imagina a Suíça, e também é visualmente muito atraente. 

Mas também foi muito importante para mim não destacar particularmente o Appenzell - porque se torna tão fácil para si mesmo, sempre que esta questão se coloca, apontar para esse lugar em particular - de fato, o INTEIRO da Suíça demorou muito para dar às mulheres o direito de votar. Claro que havia mais lugares progressistas - ainda assim, faltava a vontade política até 1971 para tornar a questão uma prioridade elevada. Em uma comparação internacional, isso é ultrajante e difícil de entender. Na minha opinião, tem a ver com o profundo conservadorismo do nosso país que ainda se torna evidente em todos os tipos de questões. Considerando que a Suíça é um país altamente desenvolvido, continua lutando para continuar em termos de igualdade. 


4)COMO VOCÊ DESENVOLVEU O ESTILO VISUAL DO FILME? 

P.V.:Três anos antes da filmagem, comecei regularmente com minha figurinista Linda Harper, meu maquiador Jean Cotter, meu designer de produção, Su Erdt e minha fotografa Judith Kaufmann. Todos fizeram uma pesquisa muito aprofundada. Nós não só temos inúmeros arquivos, mas também álbuns de fotos particulares - sabíamos que, para reviver esse período de tempo, não podia parecer estilizado, mas deve ser o mais preciso possível. As cores, móveis e figurinos contribuem para um nível visual básico para relacionar as limitações com as quais as mulheres, mas também os homens, viviam. Ambos os sexos são prisioneiros de seus papéis, e isso é expresso no mobiliário, maquiagem e fantasia. 

Eu também olhei o material a partir desse momento para a encenação dos personagens. As pessoas falavam de maneira diferente. Todos eram muito mais submissos e mais lentos. Eu queria levar isso em consideração, mas de uma maneira que não pareceria muito lenta para a audiência de hoje. Esse foi um grande desafio, e tivemos que ensaiar muito para encontrar um bom equilíbrio. 

5)QUAL É A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA? 

P.V.:Esse tempo de mudança se reflete particularmente na música. A música era expressão de rebelião e mudança, e eu absolutamente queria que músicas de significado icônico fossem usadas no filme. A pontuação, por outro lado, deve refletir a grande transformação de NORA, acompanhar a jornada. Annette Focks e eu procuramos música que reconhecesse a dimensão do esforço de NORA dentro de seu mundo e lhe deu peso. 

6)CURIOSAMENTE, SEU ADVERSÁRIO É UMA MULHER. POR QUÊ? 

P.V.:Como já mencionei, os personagens foram inspirados pela pesquisa. Eu leio uma dissertação completa sobre os anti-suffragettes - os oponentes do direito de voto na Suíça. A partir da perspectiva de hoje, é difícil entender exatamente por que inúmeras mulheres em 1971 lutaram tanto contra a votação. Muitas vezes eram mulheres muito educadas, acadêmicas, rainhas da aldeia, que se estabeleceram muito bem e talvez simplesmente não quisessem que suas cozinheiras tivessem voz também. Quando você olha as entrevistas com eles, você pode ver um comportamento quase agradável de submissão. 

É um mecanismo comum para as pessoas que não têm poder - eles apenas dizem: Nós não precisamos do poder! As mulheres que falam contra a igualdade na obediência ansiosa, mais veementemente do que a maioria dos homens é um fenômeno que ainda podemos observar hoje. Eu pensei que uma mulher que se encaixava com o adversário era mais emocionante, porque levanta mais perguntas. O antagonismo dos homens na história é um dado, reflete-se na mentalidade da época, e no fato de que se as mulheres finalmente obtiveram os direitos dos cidadãos intelectuais dependia inteiramente dos cidadãos de votação masculinos, devido à nossa democracia direta . 


7)COMO VOCÊ DESENVOLVEU OS OUTROS PERSONAGENS? 

P.V.:Todos os personagens e suas histórias expressam de que maneira as mulheres estavam em desvantagem na sociedade e como a injustiça prevaleceu - não era apenas sobre o voto. Hans pode, por lei, proibir Nora de trabalhar, a Vroni é dependente de sua filha porque seu marido desperdiçou todo seu dinheiro e dinheiro era um negócio de homem. A lei do casamento tornou as mulheres muito dependentes dos seus maridos e, de fato, tornaram-nas propriedade dos seus maridos - apenas em 1988 foi alterada com base no princípio da igualdade de mulher e de homem! As personagens femininas mostram os efeitos dessas desvantagens legais e como determinaram as vidas e as biografias das mulheres. 

8)MUITAS POSIÇÕES-CHAVE DURANTE A FILMAGEM (DIRETOR, ESCRITOR, CÂMERA, EQUIPAMENTOS, FIGURINOS, ETC.) ESTAVAM NAS MÃOS DAS MULHERES. ESSA FOI SUA INTENÇÃO? 

P.V.:Para mim, meus colegas são pessoas em primeiro lugar, que eu aprecio pela criatividade e pelo trabalho que admiro. Todos destacam pela força de seu trabalho e que têm um bom senso de humor e um grande coração. Eu tenho colegas do sexo masculino que são mais femininos do que eu ou qualquer outra mulher no set; então eu tenho mulheres no set que são realmente difíceis. O sexo biológico não é tão importante para mim. Sendo uma mulher, sendo um homem, esses são papéis com os quais você pode brincar, mas, em última análise, não são tão importantes em um nível humano fundamental. 

E, no entanto, acho importante que as mulheres sejam apoiadas. Na minha qualidade de diretor, posso ajudar as mulheres a obter emprego, que lhes é dada uma oportunidade. Você só precisa examinar as estatísticas e é evidente que as mulheres continuam em desvantagem no mundo profissional, e isso não é diferente na indústria cinematográfica. 


9)POR QUE ESSA HISTÓRIA AGORA? O TEMPO ESTÁ MADURO PARA ISSO? 

P.V.:Recentemente, vi uma foto: uma velha que segurava um cartaz: "Eu não posso acreditar, eu ainda tenho que protestar por essa merda!" Mas não previmos há um ano, quão extremamente oportuna seria nosso filme. Com o surgimento da política conservadora e de direita, a reação das mulheres e de todas as pessoas marginalizadas tem, obviamente, iniciado muito antes das eleições na América, mas agora tornou-se tão dolorosamente evidente quanto do nosso progresso avançado está em perigo e quanto mais precisa a fim de alcançar a igualdade para todas as pessoas. 

Até hoje, homens e mulheres são limitados por seus papéis de gênero prescritos. Há um sexismo internalizado profundamente enraizado em nossa sociedade. Isso prejudica nossas comunidades em níveis econômicos, sociais e políticos e não funciona em favor de ninguém. Quanto mais igual é uma sociedade, melhor ela é - isso é um fato estatístico. 

Você não tem que defender a igualdade emocionalmente - você deve simplesmente olhar para os números, eles são surpreendentes em alguns países. E a Suíça, infelizmente, não funciona muito bem. Em uma pesquisa do Economista - "The Glass Ceiling Index - O melhor e o pior lugar para ser uma mulher trabalhadora", a Suíça chega em quarto lugar para durar. O Conselho dos Estados é de 85% homens. Na minha opinião, a igualdade das mulheres deve estar no topo de toda agenda política - mas não é. 

Mas "Mulheres Divinas" é também sobre democracia e coragem civil, um assunto muito atual também. Ser capaz de votar não é claro, as mulheres lutaram por isso, e é uma prerrogativa valiosa que devemos nos lembrar nestes tempos realmente difíceis. Espero que o filme inspire as pessoas a fazer o que a NORA faz, lutar, resistir, elevar a voz e se fazer ouvir. 


Tecnologia do Blogger.