DEPOIS DE HORAS (1985) - FILM REVIEW

depois-de-horas-1985

A última tentação de Scorsese

O diretor Martin Scorsese sonhava em levar a vida de Jesus desde a infância ao cinemas. Ele optou pelo romance "A Última Tentação" no final de 1970, e ele entregou a Paul Schrader para fazer a adaptação. O filme era para ser realizado logo após "O Rei da Comédia", com previsão de ser rodada em 1983 pela Paramount, com um orçamento de cerca de 14 milhões de dólares e filmado em Israel. O elenco original incluía Aidan Quinn como Jesus, Sting como Pôncio Pilatos, Ray Davies, como Judas Iscariotes, e Vanity (falecida precocemente em 2016) como Maria Madalena. A gestão da Paramount e sua controladora Gulf+Western ficou desconfortável com o investimento no filme, bem como os protestos religiosos que este causava antes mesmo da realização. O filme foi cancelado e Martin assumiu o filme "Depois de horas". (Leia meu review do filme aqui). O cancelamento abrupto da Paramount apenas quatro semanas antes do início da produção (os cenários foram construídos, os trajes preparados) fez com que Scorsese ficasse profundamente frustrado. 

Depois de horas vem então carregado da energia de Scorsese  com relação ao filme não realizado (ainda). Suas frustrações, anseios, nervosismo passaram para a personalidade do personagem principal, surgindo na noite como um alter ego do diretor, que entre erros e mais erros, torce para que a noite termine logo, e termine bem. O diretor, neste sentido, é perfeito para a obra, pois suas "intensidade" na direção dá um match perfeito com o timing necessário para a construção do clima que a história necessita.

depois-de-horas-1985

Desta forma, o filme retrata a história de uma noite na vida de Paul Hackett (Griffin Dunne), um operador de computador que trabalha no centro de Manhattan e odeia seu trabalho, como também não suporta sua solitária vida particular. Na noite em questão, cansado de ficar sozinho em casa, foi ler em um restaurante. Lá uma bela e encantadora jovem, que estava em outra mesa, puxa conversa dizendo que adora o livro que ele está lendo. Logo está na mesa dele e os dois conversam animadamente, parecendo compartilhar de alguns interesses comuns. Ela lhe diz que está indo para a casa de uma amiga, que é escultora e mora no Soho. Ela diz que sua amiga faz um tipo de trabalho que ela vende como peso para papel e pergunta se Paul quer comprar. Ele não tem o menor interesse, mas a mulher que está à sua frente lhe desperta muitas coisas, e assim diz que quer comprar. Como ela não sabe o preço dá o telefone de Kiki Bridges (Linda Fiorentino), a escultora, e vai embora. 

Já em casa, Paul liga para Kiki, usando como pretexto seu interesse por pesos para papel. Logo Kiki lhe diz que a jovem com quem falou chama-se Marcy, que vai ao telefone e sugere que ele a encontre no apartamento do Soho. Ele concorda prontamente, mas o que poderia ser uma noite agradável torna-se o início de uma noite conturbada. Os problemas já começam no caminho, quando Paul deixa voar pela janela do táxi sua única nota de vinte dólares. As ruas de Soho estão escuras e abandonadas, como um mau presságio. Marcy está passando alguns dias no apartamento de Kiki, que faz esculturas estranhas, tem gostos sexuais "excêntricos" e conversa estranhamente, ocultado ter sido queimada. No quarto de Marcy, Paul tem a conversa sucinta de um primeiro encontro e ela diz que seguramente eles terão grandes momentos. Entretanto tudo começa a dar e uma sucessão de eventos infernam a vida de Paul. Esta maré de má sorte vai em um crescendo, ao ponto de ser perseguido por uma turma que crê que Paul seja um bandido.

depois-de-horas-1985

Martin Scorsese disse a Griffin Dunne para abster-se de sexo e sono durante as filmagens para obter uma sensação mais realista de paranoia. O roteiro de Joseph Minion foi sua tese para a Columbia Film School. Ele recebeu um "A" de seu professor, o diretor iugoslavo Dusan Makavejev .

Uma técnica conhecida como "slating final" foi usada para capturar a reação de Paul quando ele entra no quase desocupado Club Berlin. Logo antes de filmar o filme, Griffin Dunne foi a um bar na esquina, pediu bebidas para os clientes e saiu correndo sem pagar. A cena se abre nele imediatamente depois que isso aconteceu fora da câmera. Scorsese projetou o filme como uma paródia do estilo de Hitchcock. Os elaborados movimentos de câmera ecoam sequências em Marnie, enquanto a pontuação de Howard Shore emula o estilo de um dos colaboradores mais freqüentes de Hitchcock, Bernard Herrmann .

Os primeiros trinta minutos do filme são baseados no monólogo de 1982 da NPR Playhouse, "Lies", do artista de rádio Joe Frank. Alguns dos elementos de diálogo e enredo do filme são levantados literalmente do programa, incluindo Paul encontrando Marcy na lanchonete, os pesos de papel com pães e cream cheese, Paul ligando para Marcy naquela mesma noite para comprar os pesos de papel, Paul perdendo seu táxi. quando ela voa pela janela, Marcy sendo estuprada por um ex-namorado que desceu pela escada de incêndio e adormeceu durante o estupro, sendo casada com um homem que trabalha no exterior e que ela escreve todos os dias, e disse que o marido é sexualmente estranho. Joe Frank entrou com uma ação contra os produtores e foi pago bem em um acordo.

depois-de-horas-1985

Na cafeteria onde Paul encontra Marcy pela primeira vez, um casal idoso sentado à mesa (foto acima), à direita de Marcy, com um tiro no ombro, é a mãe e o pai do diretor, que fazem pontas costumeiras nas produções do seu filho famoso. Catherine Scorcese fez inclusive, algumas pontas memoráveis, como a de Os bons companheiros, que ela faz a mãe do personagem de Joe Pesci. 

A cena com Griffin Dunne na estação de metrô é uma referência à sua aparição anterior em Um Lobisomem Americano em Londres (1981). Este é o único filme de Martin Scorsese a ser lançado na sexta-feira 13, considerado um dia de azar para os estúdios lançarem filmes.  Foi o primeiro filme dele com o diretor de fotografia alemão Michael Ballhaus (falecido em 2017) , que havia trabalhado com Fassbinder e, portanto, sabia tudo sobre orçamentos baixos, agendas de filmagens rápidas e diretores apaixonados.

E quase não tivemos Scorsese e nem final do filme...

Tim Burton foi a segunda escolha do diretor depois que os produtores viram Vincent (1982). Quando Martin Scorsese ficou disponível após atrasos de produção em A Última Tentação de Cristo (1988), Burton, segundo Griffin Dunne , graciosamente desistiu do projeto, dizendo que não queria ficar no caminho de Scorsese.

O diretor britânico Michael Powell estava por perto enquanto o filme estava sendo feito. Ninguém tinha certeza de como o filme deveria terminar. Michael Powell disse "Ele deve terminar de volta ao trabalho", mas isso foi inicialmente considerado muito improvável e difícil. Eles tentaram muitos outros finais, alguns até foram filmados. Mas o único que todos se sentiram realmente trabalhados foi ter Paul terminando de volta ao trabalho assim que o novo dia estava começando. Martin Scorsese apresentou a editora Thelma Schoonmaker ao diretor Michael Powell, que se casaram logo depois. E assim ficaram até 1990, quando ele faleceu vitimado por um câncer. 

depois-de-horas-1985

Mesmo assim, o diretor não se convencia de o final seria adequado. Ele pediu a seus amigos  Brian De Palma e Steven Spielberg que assistissem ao filme para que pudessem opinar sobre como o filme deveria terminar.  Muitas ideias foram consideradas para este final. Que bom que terminou tudo bem, tanto para o personagem quanto para seu próximo filme, Ultima tentação de Cristo, que finalmente saiu do papel, depois de muitas horas.


Classicline lançou esta obra inesquecível, que pode ser comprada clicando diretamente no link abaixo, da própria empresa.

depois-de-horas-1985



Tecnologia do Blogger.