NORMANDIA NUA (2018) - FILM REVIEW

normandia-nua-2018-film-review

Em   Mêle   sur   Sarthe,   uma   pequena   aldeia   da   Normandia,   os agricultores  são  gravemente  afetados  pela  crise.  Georges  Balbuzard,  o prefeito da cidade, não aceita a difícil situação e decide tentar de tudo para salvar  seu  povoado.  Por  obra  do  destino,  Blake  Newman,  um  grande fotógrafo conceitual, que tem por estilo deixar a multidão sem roupas para suas  fotos,  está  passando  pela  região.  Balbuzard  vê  nesse  encontro  a oportunidade  de  salvar  sua  aldeia,  resta  saber  se  a  população  estará disposta a ficar nua...

Grande parte do elenco é composta pelos próprios moradores do vilarejo, que existe na vida real. Do mesmo diretor de "As Mulheres do Sexto Andar" e "Pedalando com Molière".

Conheçam mais detalhes do filme através das entrevistas com o ator principal e o diretor Philippe Le Guay:


Conte-nos a gênese do filme.

Phelippe Le Guay:  Desde  a  minha  infância,  passo  minhas férias  em uma casa de família em Perche, na Baixa Normandia, a três quilômetros da vila de  Mêle  sur  Sarthe.  Eu  tinha  visto  essas  fotos  de  um  artista  conceitual fazendo nudismo em cidades como Berlim, Cidade do México  etc., e me perguntava  o  que  aconteceria  se  esse  fotógrafo  parasse  nesse  buraco perdido  do  interior  da  França  e  decidisse  organizar  uma  foto  de  seus habitantes  em  um  campo.  Haveria  um  choque  de  culturas  que  poderia alimentar uma história.

Confrontar  as  aspirações  de  um  artista  conceitual  e  a  realidade camponesa francesa de hoje me pareceu uma ideia bastante original, mas difícil de articular: desenvolver esse projeto me levou quase quatro anos.

Por que tanto tempo?

Phelippe Le Guay:  Provavelmente  porque  era  necessário  ir  além  da  abordagem burlesca do confronto desses dois mundos. O filme só  faria sentido para mim se fosse irrigado pela verdade dos personagens, pela descrição de todo um mundo rural que, para dizer a verdade, eu mal conhecia. Estava indo para esta vila de Mille muito tempo atrás, mas eu não conhecia a realidade diária da vida das pessoas – vi apenas a superfície dela, como um morador da cidade que não vê nada além de belas árvores e prados no campo. Esta é a razão pela qual incluí a presença de uma família de parisienses no filme, encarnada por François-Xavier Demaison e Julie-Anne Roth.

Finalmente, eu tive que parar por um ano para trabalhar em outro projeto e, quando voltei, conduzi uma pesquisa real junto aos moradores locais. Conheci um mundo inteiro: camponeses tradicionais, defensores dos orgânicos, moderados, aqueles  que vendem diretamente aos consumidores através  de sistemas cooperativos... Essa imersão me permitiu entender suas dificuldades e seu sofrimento, é claro, mas também os aspectos morais dessa sociedade.

No filme, os personagens não falam com uma só voz, porém, todos têm em comum o fato de estarem desesperados, pois se sentem solitários, humilhados, com o sentimento de não serem nem vistos, nem ouvidos. É essa realidade emocional que eu queria restaurar.


A queda do preço da carne, o leite vendido com prejuízo, apreensões do equipamento agrícola, manifestações e bloqueios de estradas... Sente-se sua situação fisicamente. “Já estamos nus”, disse Balbuzard, reagindo ao pedido do fotógrafo, “e você quer tirar a roupa?”. Por que, de fato, esse desejo de tirar a roupa de todos?

Phelippe Le Guay: O que é estranho é que, no campo, a nudez não existe. É como se os camponeses nunca estivessem nus. O corpo permanece oculto. Em um momento  do  filme,  Balbuzard  diz  que  “mesmo  no  verão,  o  normando mantém  seu  suéter”, e é verdade  –  raramente  vemos  camponeses  em vestimentas diferentes de botas e calças. Em Mile sur Sarthe, a prefeitura construiu um lago artificial e as pessoas nunca vão se banhar lá! Enquanto na cidade, o corpo é explorado sob todos os ângulos, erotizado e banalizado através  da  publicidade.  No  campo,  continua  sendo  um  tabu.  Isso  não significa que os  camponeses   sejam    puritanos;    mas    seus    corpos permanecem um baluarte.

Pode-se pensar que, vivendo tão próximo da natureza, essa barreira não exista....

Phelippe Le Guay: Porque a nudez não é “natural”, mas uma noção profundamente cultural. A  mulher  parisiense  não  tem  nenhum  problema  em  se  despir, porque na cidade a nudez invade tudo: o espaço publicitário, é claro, mas também o teatro, a dança e até a ópera. Já no campo, é outra história. Os moradores terão que percorrer todo o caminho para se livrar da vergonha e dos  segredos  que  os  sufocam. No  filme, há  um  personagem que  diz  o tempo todo que ele não tem nada a esconder e, por acaso, ele é o único que manteve um segredo que o sufoca e de que ele terá que se libertar. No final,  quando  todos  concordam  em  ir  em  frente,  eles  encontraram  uma espécie de inocência original, um impulso vital e feliz.

É  através  do  ativismo  que  o  prefeito  da vila,  interpretado  por  François Cluzet, motiva seus cidadãos a se inscreverem no projeto do fotógrafo. Para ele, essa foto é uma forma de atrair a atenção da mídia.

Phelippe Le Guay: E ele está certo. Por várias décadas, a nudez se tornou uma arma. Tudo começou com o streaking, aquelas pessoas que aparecem correndo nuas em eventos dos mais variados, que surgiram nos campos de futebol nos anos 1970 para expor suas reivindicações. Ativistas contra a Guerra do Vietnã seguiram o exemplo e, mais recentemente, o FEMEN, organização feminista da Ucrânia, que é mencionada no filme.


Isso dá ao filme um caráter eminentemente político.

Phelippe Le Guay: É a história de uma comunidade se unindo através de um evento externo imprevisto. "Normandia nua" é uma ode ao coletivo. Ao ficarem nus  juntas,  as  pessoas  da  aldeia  são  bem-sucedidas  onde  falharam  até então:  finalmente  estão  livres  e  recebem  o  esperado  apoio.  O  que  é surpreendente é que são os verdadeiros aldeões, as pessoas reais da vila que vieram posar. Todos eles venceram suas limitações! No final, o efeito de  multidão  obscurece  a  nudez.  Com  todos  esses  corpos  juntos,  não podemos  ver  nada!  O  íntimo  desaparece  em  favor  de  uma  imagem incrivelmente primitiva.

Há uma variação na nudez quando a jovem Charlotte posa para Vincent. Le  Guay: Essa é a  situação  clássica  do  pintor  e  do  modelo.  Nós  nunca paramos para explorar o que está acontecendo nesta situação, a parcela de abandono,  a  parcela  de  controle.  Eu  encontrei  o  tema  do  meu  primeiro filme, “Les Deux Fragonard” (de 1989). Aqui, o antigo estúdio da aldeia se torna a parte involuntária de um jogo de pose, quando a garota surpreende Vincent tirando a roupa.

A comunidade que você descreve está ancorada na sustentabilidade. O progresso  está  lá,  mas  as  tradições  continuam.  Um  velho  camponês começa  a  cantar Paroles  de  Ile  Ne  Savent  Plus,  de  François  Budet,  uma fanfarra acompanha o casamento...

Phelippe Le Guay:   Este   fazendeiro   que   você   mencionou   é   um   ex-engenheiro agrônomo, muito envolvido no desenvolvimento da agricultura orgânica e ajudando agricultores tradicionais a se converterem. À sua maneira, ele é como um padre que vai de fazenda em fazenda pregando a boa palavra. Quanto à fanfarra, é a verdadeira fanfarra da aldeia, composta de forma heterogênea, mesclando todas as idades. Eu senti como se estivesse em filme do Milos Forman! Nesta jornada de hoje, o passado coexiste com o presente: não há lugar para nostalgia.

Há  essa  cena  em  que  Vincent  (Arthur  Dupont),  o  filho  do  fotógrafo  da aldeia, descobre as fotos deixadas por seu pai.

Phelippe Le Guay:  "Normandia nua"  é  também  a  história  de  uma  imagem.  Eu sempre fui fascinado pelo destino da classe dos fotógrafos, estes artistas obscuros que eternizaram feiras agrícolas, casamentos, comunhões – coisas que  marcaram  nossa  vida.  Quando  pensamos  que  em  todas  as  ruas principais havia o sinal amarelo Kodak e em poucos anos toda essa cultura desapareceu...


Na trama, você cria uma ligação entre a chegada dos norte-americanos ao desembarque dos Aliados em 1944.

Phelippe Le Guay: É uma reaproximação inevitável. A batalha da Normandia foi a que decidiu   o   resultado   do   conflito   após   o   desembarque   nas   praias   da Normandia.  Basta  visitar  o  cemitério  de  Colville-sur-Mer  para  medir  a extensão do comprometimento dos americanos. No final de junho de 1944, os   Aliados   bombardearam   Mele   sur   Sarthe,   onde   dois   comboios   de munição  alemã  estavam  lotados,  e  destruíram  metade  da  aldeia.  Os libertadores também foram destrutivos! O que divide os aldeões mais uma vez, basicamente ninguém é nunca concordou.

Por fim, os moradores não comparecem à convocação no campo.

Phelippe Le Guay: Todos eles encontram formas de fazer outra coisa naquele dia. O prefeito se sente traído por sua vez, ele foi abandonado.

Esta deserção dá origem a uma cena em que François Cluzet ameaça se enforcar. É engraçado, mas também é muito violento.

Phelippe Le Guay:  As  estatísticas  estão  lá:  a  cada  ano,  trezentos  camponeses  se matam em sua fazenda, a maioria saindo de casa. A poucos passos da casa dos meus avós, havia uma casa de fazenda chamada “O Lobo Enforcado”. O fazendeiro acabou se enforcando e tivemos que renomear a casa. Eu não resisti a colocar esse detalhe no filme.

François Cluzet é excepcional no papel do prefeito. Você pensou imediatamente nele?

Phelippe Le Guay: Desde o início, isso era óbvio para mim. Eu gosto dessa mistura de charme e intensidade, como ele combina um sentimento de raiva e um lado infantil. Ele tem um olho negro que assusta e assim que ele sorri seu rosto se torna o de um adolescente! Geralmente, os personagens interpretados por Cluzet escondem algo, como já vimos em outros trabalhos dele, como em “A L’Origine”, de Xavier Giannoli (2009), e “Insubstituível”, de Thomas Lilti (2016). Aqui, pelo contrário, ele é um ‘único bloco’, honesto, generoso, um verdadeiro  caráter  positivo.  Ele  é  um  cara  que  vive  apenas  para  sua aldeia – sua esposa o deixou, ele não tem namorada, ele tem um lado um pouco monástico. Basicamente, ele é como um pai com seus cidadãos, um pai com filhos turbulentos... Ele os critica, mas tem ternura por eles. Ele é uma  figura  diretora:  é  ele  quem  tenta  as  fazer  coisas  acontecerem.  Eu estava  muito  ansioso  para  ele  dizer  aquela  frase  de  “Gênesis”,  que  foi originalmente pronunciada por um sacerdote: “No primeiro dia, Adão e Eva estavam nus e não se envergonhavam”.


Como foi trabalhar com Cluzet?

Phelippe Le Guay: François é mítico no set de filmagem. Ele incansavelmente lê o texto, se aproxima, questiona... Ele também sabia que tinha que interpretar ao  lado  de  não  profissionais,  já  que  papéis  menores  foram  vividos  por pessoas  da  aldeia  que  nunca  tinham  visto  uma  câmera.  É  preciso  muita generosidade para entrar em sintonia com atores improvisados. E então, ele primeiro vive a verdade das situações: ele não tenta ser engraçado, ele é sincero, o tempo todo.

Philippe Rebbot e Patrick d'Assumçao formam uma dupla irresistível em cena, especialmente na cena em Champ Chollet.

Phelippe Le Guay: É um pouco Dom Quixote e Sancho Pança! Essa oposição me faz rir e me toca. Philippe Rebbot traz algo tão cavalheiresco em sua silhueta e sua atitude, um olhar e uma ternura realmente pungente... E o maravilhoso Patrick d'Assumçao, seu oposto, está enredado na lei do silêncio, por essa herança do segredo de família que ele é obrigado a assumir. Ambos têm pouco a dizer um ao outro, mas fazem um monte de coisas juntos.

Conte-nos sobre  o personagem  interpretado  por  François-Xavier Demaison.

Phelippe Le Guay: É um parisiense que decidiu ‘ficar verde’ e quer voltar aos valores naturais  –  viver  em  paz,  longe  da  poluição,  comer  orgânicos...  Eu  me identifico muito com ele. Ao mesmo tempo, achei engraçado que, embora
o personagem tenha feito essa escolha com plena consciência, algo nele resiste e se rebela. Seu corpo protesta, ele tem alergias, tudo fica louco.

É um personagem que poderia cair na caricatura, o que nunca acontece. 

Phelippe Le Guay:  François-Xavier  é  um  ator  cintilante  de  inteligência,  tem  uma ternura verdadeira, sem um pingo de cinismo, com um lado muito infantil. Que é um pouco comum a todos os personagens deste filme. Apenas Chloe, filha  de  François-Xavier  Demaison,  tem  um  discurso  verdadeiramente adulto. Além disso, ela quer se tornar uma psicanalista! Ela está com raiva porque seus pais decidiram viver no interior do país sem pedir sua opinião. Sua revolta chega  ao ponto  de ela sonhar  uma  Normandia atingida pelo aquecimento global, tornar-se um deserto desolado, um verdadeiro Saara!


Você dá a ele o papel do narrador...

Phelippe Le Guay: Eu sempre sonhei em colocar uma voz em um dos meus filmes e nunca consegui. Aqui a história de Chloe define um ponto de vista um pouco fora do comum, descrevendo a vila como um cenário de conto de fadas. Sua relutância em morar no interior cria uma ironia, ainda que, emocionalmente, permaneçamos com os criadores e compartilhemos  de sua luta e suas dúvidas.

Como você desenhou o personagem do fotógrafo?

Phelippe Le Guay: Eu não queria tirar sarro de suas motivações, mas Newman é um artista que persegue uma obsessão. Ele carrega essa imagem da multidão no campo, nós a vemos ser construída com essa ideia do alinhamento das bases. Ele tem uma visão quase abstrata desses corpos nus e transforma isso em realidade. Toby Jones traz uma maravilhosa profundidade para este fotógrafo e também um lado lúdico. Ao seu lado, Bradley é um ex-fotógrafo de guerra, é obviamente o oposto absoluto de Newman.

O povo do interior tem a reputação de não se abrir facilmente. Foi difícil construir  relacionamentos  com  eles,  durante  o  processo  de  pesquisa  e depois no set?

Phelippe Le Guay: Embora eu seja parisiense, eu sou uma criança do interior. Eu me casei  na  igreja  de  Mêle  sur  Sarthe,  minha  família  tem  um  jazigo  no cemitério,  meu  avô  sempre  investiu  na  vida  da  aldeia,  meu  pai  foi  vice- prefeito... Sempre tive um pé ali. No entanto, não havia nada que sugerisse que aconteceria essa transição entre o mundo camponês e o do cinema. Um   pequeno   milagre   aconteceu:   a   produção   abriu   um   restaurante, contratou um cozinheiro, e, na noite em que a equipe jantou no local, os habitantes da aldeia tinham uma mesa aberta para eles.

E  finalmente  você  convenceu  a  todos  a  se  despir  no  campo  Chollet...Imaginamos que as negociações nem sempre seriam fáceis.

Phelippe Le Guay: Isso não foi feito em um dia. A resistência a se despir se tornou o assunto  do  filme.  O  paradoxo  é  que,  aparentemente,  a  sociedade  deve mostrar tudo, não há, em princípio, mais tabus. No entanto, assim que se volta ao pudor e à intimidade, encontramos situações arquetípicas em que essa dita modernidade não tem lugar. As pessoas da aldeia entenderam que poderiam expressar algo de sua condição participando juntos nesta foto. Alguns  foram  lá  ‘por  solidariedade  à causa’,  outros  não  viram  não  o problema  –  ‘Se  todo  mundo  vai,  eu  vou  também’.  Eu  não  fui  recrutar modelos em Paris e isso mostra no resultado, eles têm corpos que estão longe de serem corpos nos chamados ‘padrões de beleza’.


Você já pediu para improvisar?

Phelippe Le Guay:  Aconteceu  na  cena  da  represa  nacional,  onde,  exceto  Grégory Gadebois,  que  faz  o  açougueiro,  existem  apenas  verdadeiros  moradores locais. Lembrei-me do que me disseram durante nossas entrevistas e pedi que repetissem aquilo. Lá, eles são suas próprias palavras.

Com  uma  equipe  tão  misturada,  o  desenvolvimento  das  cenas  deve necessariamente se adaptar.

Phelippe Le Guay: Trabalhar com amadores reflete em muitas coisas: usamos duas câmeras para multiplicar os planos. Eu desisti do ‘combo’ para estar perto dos atores e ficar à disposição deles. Evitei levar muitos para não os cansar.

Conte-nos sobre aquela luz, esplêndida.

Phelippe Le Guay:  Este  é  meu quinto  filme  com  Jean-Claude  Larrieu,  o  diretor  de fotografia.  Eu  amo  seu  comportamento  no  set,  sua  maneira  de  ver  as pessoas,  fazer  perguntas,  sentir  o  estilo  de  vida.  Antes  de  pensar  na imagem,  ele  imerge  na  realidade  das  pessoas.  Ele  vem  do  interior  do Sudoeste e ele poderia ter sido um dos protagonistas do filme. Queríamos que o filme fosse brilhante, que a luz exaltasse o campo, para celebrá-lo. E tivemos  muita  sorte  com  o  clima  durante as  filmagens. O sol  estava brilhando, a vegetação estava crescendo, as macieiras estavam florescendo, enfim, a natureza estava explodindo.

Por causa de um relatório sobre os riscos de cânceres causados pela carne vermelha que os moradores decidem reagir e posar para esta famosa foto.

Phelippe Le Guay: Eu não inventei nada, este relatório existe. Foi publicado no ano passado  pela  OMS.  Este  é  o  gatilho  que  desencadeará  a  adesão  dos moradores ao projeto de fotografia. De forma geral, a notícia chega ao filme de  todos  os  lados,  incluindo  a  posição  de  Chloe,  que  luta  contra  os habitantes locais e considera o açougueiro um assassino.


Quando foi essa famosa sessão de fotos?

Phelippe Le Guay: Idealmente, deveria ter sido no último dia de filmagem. Mas eu estava com muito medo de que o tempo mudasse. Então, filmamos uma quarta-feira em vez da sexta-feira e nos saímos bem porque em dois dias a temperatura caiu quinze graus.

Como você escolheu o local?

Phelippe Le Guay:  Nós  nos  encontramos  exatamente  na  mesma  posição  que  o personagem de  Toby Jones.  Visitamos  dezenas  de  locações  e finalmente encontramos  a  nossa,  bem  exposta  ao  sol,  com  esta  grande  árvore,  um elemento vertical e um elemento horizontal, e um monte para os caracteres se desdobrarem. Nós fizemos um casting de campo!

Como você conduziu essa cena?

Phelippe Le Guay: Eu temi fotografar essa cena e filmar as modelos de forma frontal. Daí a ideia de o helicóptero do parceiro de Demaison que vem buscá-lo no final do filme. Eu queria usar este ponto de vista em altura para reduzir a frontalidade  da  nudez.  Eu  tinha  desenhos  feitos  em  storyboard  para mostrá-los  aos  atores  e  tranquilizá-los.  Todos  nós  tivemos  o  ‘medo  do palco’, mas tudo começou em um impulso libertador, como crianças dando o grande mergulho.

O que você sentiu no momento desta foto?

Phelippe Le Guay: Alegria. Havia uma espécie de inocência primitiva em ver todos aqueles corpos correndo na grama verde, como uma visão de um paraíso perdido. Foi Adão e Eva, um mundo antes da culpa. Ninguém olhou para ninguém,   não   houve   voyeurismo.   Começamos   sem   repetição,   e   foi transformando  o  palco  que  percebemos  que  tudo  era  simples.  Estava ensolarado naquele dia, todos se sentiam bem. A música de Bruno Coulais amplifica essa alegria, ele compôs uma partitura grande e colorida. Esta é a primeira vez que trabalho com ele e devo dizer que foi mágico.


O filme mexe constantemente com o movimento e o contraste de tons, em diversos sentidos.

Phelippe Le Guay: Eu gosto da mistura de humor, ir da comédia ao drama e vice- versa. Neste filme, sempre foi a emoção que me guiou. Um dos meus filmes favoritos é “Depois do Vendaval” (1952), de John Ford, que não é realmente uma comédia, mas joga com a ternura que emana dessa comunidade. Outra referência  inconsciente é  “A  Mulher  do  Padeiro”  (1938),  de  Pagnol  –  eu assisti a ele no ano passado, no Festival Lumière, em uma magnífica cópia restaurada.  E  percebi  que  meu  filme  contava  quase  a  mesma  coisa!  Os esforços  de  uma  comunidade  para  se  reunir,  apesar  de  suas  divisões:  o professor briga com o padre, o padre está discutindo com o Marquês, mas todo este pequeno grupo terá uma causa em comum para salvar o padeiro. De certa forma, o filme   explora   o  mesmo viés, essa necessidade  primitiva  de  estarmos  juntos  superando  nossas  pequenas diferenças.

Leia agora a entrevista com o ator François  Cluzet:

Qual foi sua reação quando você descobriu o roteiro do filme?

François  Cluzet:  Eu  achei  a  ideia  louca!  Eu  já  conhecia  esse  estilo  de fotografar   multidões  nuas   em  lugares improváveis e alguns  desses trabalhos    me    impressionaram    muito.  Aplique-o  aos camponeses normandos  que,  mesmo  sob  calor  de  quarenta  graus  –  como  diz  meu personagem – não tirariam as calças por nada, é muito forte! A transição desses dois mundos me animou, e ainda mais porque serviu à causa dos camponeses. Eu amo comédia quando é criativa.

Você já conhecia Philippe Le Guay?

François  Cluzet:  Quase  trabalhamos  juntos  há  quinze  anos.  Na  época,  Philippe parecia tão estranho para mim que isso me intimidou. Eu sou menos tímido hoje  e  ele,  provavelmente  menos  estranho  também.  Eu  imediatamente quis realizar esse projeto com ele. Conheço seu cinema, vi aonde ele queria ir. No primeiro dia de filmagem, lembro para ter dito a ele: “Philippe, eu farei tudo para que você seja feliz e que se realize este filme!”.


Por que foi tão importante para você?

François  Cluzet: As pessoas da minha família eram camponesas. Ainda posso ouvir meu avô me dizendo: “Você sabe por quanto um bezerro foi vendido vinte anos  atrás?  Quinhentos  euros!  Você  sabe  por  quanto  se  vende  agora? Quinhentos   euros!”.   As   dificuldades   dos   criadores   me   tocam.  No filme  há  uma  frase  maravilhosa  para  resumir  sua  situação: “Nós   alimentamos  a  França  por   centenas   de  anos   e  agora   estamos morrendo  de  fome!”.  Levaria  uma  pequena  revolução  para  as coisas mudarem.

É um pouco como o que seu personagem sugere para as pessoas da aldeia. 

François  Cluzet: Diante do estado de desespero em que estão, a oferta do fotógrafo parece-lhe a melhor para salvá-los; mais eficaz em qualquer caso do que uma paralisação nacional. Claro, eles acham que ele é loucura.

Como você descreveria esse homem que se desgasta, abrindo mão de seus interesses por sua comunidade?

François  Cluzet: Como   todos   os   prefeitos   dessas   pequenas   comunidades,   ele conhece  todo  mundo.  Ele  tem  convicção,  autoridade,  muita  gentileza  e generosidade, mas também tem dúvidas. Ele considera seus aldeões seus filhos, quer que eles o obedeçam e não entende que eles resistem a ele. É um personagem lindo.

Ele quase deve fazer o mesmo trabalho de persuasão de Philippe Le Guay com o povo de Mille sur Sarthe para convencê-los a posar nus.

François  Cluzet: Balbuzard certamente tem mais dificuldades com seus cidadãos do que Philippe encontrou! As pessoas sabiam que Phelippe não os trairia e que o projeto apresentaria suas dificuldades de forma clara – seria também o projeto de todos. Sua bondade e honestidade os conquistaram, poucos diretores teriam conseguido isso. Há uma cena muito bonita em que meu personagem pede aos aldeões para se despirem. “Eu não tenho problema com isso, eu vou lá”, diz um fazendeiro; “Se você vai, eu vou”, responde outro... E se torna um grupo, sinto que é assim que as coisas aconteceram com  Philippe.  Com  corpos  que  não  eram  necessariamente  aqueles  que sempre queremos mostrar. Foi generoso com essas pessoas.


Você aceitou a ideia de ser fotografado nu?

François  Cluzet: Não. Eu poderia  até  desistir  do  filme  por  causa  disso. Imediatamente, disse a Philippe: “Sou muito tímido, é impossível. Ele me tranquilizou, disse que conseguiria, que eu usaria um tapa sexo cor de pele. Eu  queria  tanto  fazer  o  filme  que  aceitei.  Mas, quanto mais a filmagem acontecia, mais eu percebia que todos iriam jogar o jogo, exceto eu e não era possível. Eu decidi esquecer o sexo do cachê.

A foto é muito inocente.

François  Cluzet: Se houvesse a menor perversidade na abordagem de Philippe, as pessoas teriam sentido isso. Mas não, é comédia. O plano é levado de longe, só vemos nossas silhuetas.

Você teve medo de mudar de ideia?

François  Cluzet: Não, a cena foi realizada no final das filmagens e muito preparada por nós  no dia anterior  à chegada  do prefeito, quando ele dá  o sinal de partida. Finalmente, tinha apenas que escurecer o dia. Lembro-me que me esforçava para remover meu jeans, ele ficou preso na minha pele, estava um dia quente, finalmente consegui, vi todos os outros entrando, comecei a correr e de repente eu me deparei com uma infinidade de nádegas. Foi engraçado e incrível!

O filme toca constantemente nos contrastes, no cômico e no trágico, na modernidade e nas  tradições.  Seu   personagem   em   si  é  cheio  de ambivalência.

François  Cluzet:  É  combativo,  mas  ele  também  tem  nuances  suaves,  como  se  o suicídio fosse uma possibilidade, por exemplo, mas a cena, eventualmente, volta-se para a comédia. Ele é muito humano, eu amo isso.


Estas são nuances muito sutis, é também um pouco sua marca registrada. 

François  Cluzet: Elas trazem muita emoção. Eu não sei de onde isso vem. Eu tento ser o mais sincero possível. Dando um passo em direção à escuridão quando se trata de uma cena dramática; ou ao contrário, o ridículo quando se trata de uma cena de comédia. Eu começo a tirar sarro de mim mesmo, eu gosto de parecer ridículo, amo isso.

Você está em quase todas as cenas. Como você se preparou o filme com Philippe Le Guay?

François  Cluzet: Philippe veio à minha casa várias vezes. Sempre preciso dissecar o roteiro,  cena  por  cena,  com  o  diretor,  fazer  perguntas  a  ele.  Estamos falando sobre todos detalhes que eu preciso saber, o que tenho que fazer e como não invadir outro personagem. Eu tomo notas. Essas reuniões com Philippe foram muito frutíferas. Costumo  trabalhar  sozinho,  preciso  me  apropriar  da  história.  Eu reescrevi  os  diálogos  mesmo  se  eu  voltar  àqueles  do  roteiro.  Às  vezes, apresento propostas ao diretor quando acho que encontrei uma resposta melhor, mas, principalmente, pedi  a  Phelippe para interpretar uma cena sem   falar   –   gosto   de   não   ter   um   diálogo,   para  passar a emoção. Simplesmente  pelo   olhar,  um  gesto.   E  atribuo   muita  importância  às vestimentas. Eles são essenciais.

Como você escolheu os trajes de Balbuzard?

François  Cluzet: Não é apenas uma roupa, é uma fantasia que me move. Eu preciso me  sentir  sensível.  Para  Balbuzard,  os  sapatos  também  me  deram  essa emoção. A figurinista Elizabeth Tavernier os mudou no último momento, pode parecer bobo, mas, ao coloca-los eu me tornei Balbuzard. Pode haver uma dimensão ridícula em um traje e isso é importante, é como brincar, então, não tenha medo de tirar sarro de si mesmo.

Você se prepara com muita antecedência?

François  Cluzet: Sim, muito, quero conhecer perfeitamente o roteiro para que, uma vez em frente às câmeras, eu tenha apenas que viver as situações. Ser ator, para  mim,  é  estar   realmente  vivo.  No  set,  eu  sei   bem  o   que  meu personagem dirá, eu descubro tudo ao redor dele.


Georges  Balbuzard  dirige  uma  fazenda  de  gado  leiteiro.  Você  sentiu  a necessidade de mergulhar neste ambiente?

François  Cluzet: Não. Quando criança, passei todas as minhas férias no interior com meus avós. O celeiro, o ato de ordenhar, levantar às quatro da manhã para ajudar  uma  vaca  a  parir,  isso  eu  já  conhecia.  Foi  o  suficiente  para  me lembrar das expedições que fiz com meu tio à beira do rio para procurar por  trutas  nos  buracos  ou  encontrar  lagostins.  É  importante  para  mim contar com a minha história: preciso encontrar uma intimidade, um eco nos personagens  que  interpreto,  eles  têm  um  relacionamento  com  a  minha vida. É aqui que recebo minhas emoções.

De um modo mais geral, em seus trabalhos mais recentes, você realmente dá  a  sensação  de  fazer  suas  escolhas  com  base  em  tópicos  que  lhe interessam particularmente.

François  Cluzet: Isso é verdade, mas também é acaso, uma série de escolhas feitas de coração e, consequentemente, os autores entraram em contato com as novidades.  Em  geral,  eu  faço  filmes  que  me  motivam  e  que  me  fazem querer ser o personagem, viver, acreditar em mim. E Philippe Le Guay me fez muito querer interpretar.

Como Le Guay dirige seus atores no set?

François  Cluzet: Como todos os bons cineastas, ele garante que seus atores estão felizes e se renderão à situação, ele sabe que é inútil direcioná-los quando eles  vão  na  direção  certa,  ele  deixa  você  fazer  tudo,  até  mesmo  alguns problemas. Mas quando ele sente que está faltando alguma coisa na cena, ele se faz muito presente. Eu não tinha ideia, por exemplo, em como tocar a sequência em que eu visito um novo campo com o fotógrafo. “Vá quase até  o  carvalho  para  mostrar  a  ele”,  disse-me  Phelippe,  “e  as  vacas, aproximem-se   delas”. Foi uma ótima indicação:  para  convencer  o personagem de Toby Jones a mudar de local, Balbuzard teve que ser tão eficiente  quanto  um  vendedor  de  carros.  Philippe  deu  muita  comédia  à cena. Por outro lado, para aquele momento dentro do trator, ele nos deu as chaves, nós não tínhamos imaginado a dimensão da amizade que existia entre nós. Por outro lado, diante das pessoas da aldeia, ele tinha que explicar muitas  coisas  –  elas  precisaram  muito  dele.  E  ele  sempre  fez  isso  com grande bondade, uma gentileza para escutar a todos. Ele fala muito baixo. Quando alguém fala, nós escutamos.

normandia-nua-2018-film-review

Você tem muitas cenas com as pessoas da aldeia: como você trabalha com os atores não profissionais?

François  Cluzet:  Desde  a  primeira  cena  que  filmamos,  uma  reunião  na  casa  rural onde discutimos as ações a serem tomadas, e foi decidido seguir adiante. Eles ficaram surpresos com a convicção com que eu falei e até aplaudi. E, em  seguida,  eles  entraram  no  clima,  com  a  mesma  convicção.  Isso  se espalhou por todos os lugares, foi ótimo. Então, claro, foi necessário editar. Raramente fazíamos muitas tomadas por cena, mas aqui fizemos cerca de vinte.  Foi  emocionante  sentir  o  quanto  eles  estavam  disponíveis:  eles estavam prontos para se entregar como loucos em cada tomada, sem nunca tentar  fugir  dessa  responsabilidade.  Percebemos  que  este  filme  foi  para eles a aventura de uma vida, que eles sabiam que talvez não houvesse um segundo filme ali, e que essa oportunidade teria que ser uma lembrança fantástica.

Você  nunca  tinha   filmado   com  Philippe   Rebbot,  Grégory  Gadebois, Samuel Churin, Arthur Dupont e Patrick d'Assumpcao.

François  Cluzet: Tal como aconteceu com Philippe le Guay, foi um verdadeiro amor à  primeira  vista.  Eles  têm  corações  tenros,  como  ele;  ótimos  atores  e grandes   parceiros,   prontos   para   trocar,   para   trabalhar   com   você.   É importante  autuarmos  juntos.  É  uma  questão  de  honestidade.  Às  vezes, estamos lá apenas para dar um impulso à pessoa oposta. Eu não acredito no desempenho individual do ator.

Você não tinha filmado com um parceiro anglo-saxão desde “Por Volta da Meia-Noite” (1986), de Bertrand Tavernier. Conte-nos sobre Toby Jones, que interpreta o fotógrafo americano.

François  Cluzet: Em casa, tudo passa pelos olhos. É o que chamamos nesse meio de ‘lógica interna do personagem’ e ele não se desvia disso. O medo que Toby mostra em seus olhos quando Grégory Gadebois o ameaça com uma faca na estalagem, é incrivelmente engraçado. Foi um prazer filmar com ele em um filme francês. Eu não falo inglês fluentemente para realmente apreciar as filmagens no exterior. Senti-me frustrado demais com o filme de Bertrand Tavernier, especialmente porque os  homens  do  jazz  falavam  gírias.  Eu  senti  como  se  estivesse  faltando alguma coisa. Eu gosto muito do coletivo, da atmosfera de igualdade para me arriscar.


Nos vemos em breve no “Le Collier Rouge”, de Jean Becker. Você não para de trabalhar!

François  Cluzet: Eu não vejo problema em fazer um filme depois do outro – se há um belo projeto, não posso perdê-lo.




Tecnologia do Blogger.