M. V. PACHECO - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS


Finalmente, chegamos ao fim de nossa trajetória. Foram 100 entrevistas ao longo de 3 anos. Gostaria de agradecer primeiramente a todos que contribuíram, direta ou indiretamente com a construção deste sonho, que se realizou com muita dedicação e persistência. 

E por conta da grande experiência, decidi fazer a segunda parte, com novas entrevistas, novos e incríveis entrevistados, que serão publicadas à partir de 2020 (ano sugestivo para o cinema, não?). Serão 100 entrevistas, porém com perguntas diferentes. 

Obrigado a todos que acompanharam. Esta centésima entrevista foi sugestão de alguns dos queridos entrevistados. 

E como sempre digo, fiquem com as respostas da nossa vítima das sete perguntas capitais de hoje...
(que no caso, sou eu mesmo 😃):

1)Quando nasceu sua paixão pelo cinema? Existe um momento que olhou para trás e pensou: "- Puxa, sou um cinéfilo"

M.V.:A paixão por cinema nasceu com 6 anos, vendo filmes no cinema, principalmente desenhos e produções dos trapalhões. Mas acho que o cinéfilo nasceu à partir do momento que decidi anotar os filmes que eu assistia. Eu lembro que pegava papéis aleatórios, e ia anotando. Até que um dia, resolvi comprar 24 cadernos, e colocar tudo em ordem.

E à partir dai, eu vivia de listas e guias. Os Guias eram do Rubens Ewald, que tive o prazer de entrevistar, e ajudaram bastante a me direcionar para os títulos que eu queria ver. E as listas, eu fazia de filmografias de diretores, e com isto, eu ia vendo tudo. Tudo mesmo.

O cinema sempre foi meu melhor amigo e meu maior amor. Era aonde eu me perdia e me encontrava. Viajava por galáxias, conhecia aventuras, horrores da guerra, enfim...vivia por duas horas, numa sala escura, a vida de outras pessoas...e personagens que me marcariam para sempre.


2)Coleciona filmes, cds ou algo relacionado à 7ª arte ? Se sim, cite números…

M.V.:O colecionador nasceu meio que por acaso. Eu não colecionava filmes, mas sempre colecionei coisas (latinhas, chaveiros, cartas de magic) e como amo cinema, foi um caminho natural. Eu comecei a comprar dvds dos filmes que amo. Daí, veio um cd aqui e ali, um vinil aqui e ali, mas sem me colocar como colecionador...

Ai vieram os action figures, Blurays, livros, e juntando tudo, ao longo dos anos, se formou uma grande coleção de cinema. Hoje tenho em torno de 11 mil títulos, entre Vhs, Dvds, Blurays, Super 8, e muitos filmes gravados em cds e outros muitos em Hds.



3)Conte como foi a experiência de fazer um longa metragem, em 2000, chamado "O último homem da terra"

M.V.:Fazer o filme foi uma experiência única. Me proporcionou visualizar o trabalho enorme que é a realização de um filme e dar um valor maior ao esforço que os diretores tem. Eu comecei querendo fazer um filme sobre drogas, estilo "Requiem para um sonho". Depois parti para a adaptação do conto de Richard Matheson, que foi levada ao cinema 3 vezes até hoje. Só que por razões logísticas, eliminei os zumbis da trama, e coloquei a questão do conflito pessoal.

E foi um desafio monumental filmar numa cidade inteira, vazia. Shoppings, clubes, estádio de futebol, praças, ruas. Foram 2 anos.

Um câmera (Leandro Pullig) surtou, por repetir a mesma cena 50 vezes, numa estrada. Contei com várias pessoas que faziam tudo com o máximo de boa vontade. Sem contar que eu engordei 20 quilos para o início do filme e perdi 25 para as demais cenas. Deixei cabelo crescer, barba, unhas. Até a roupa que usei foi a mesma durante todo o tempo.

Foi uma grande experiencia. Foi na época do VHS ainda. Imagino como teria ficado bem melhor hoje em dia, com estas câmeras em HD.  Eu sempre tive vontade de fazer uma continuação, mas desisti justamente pela diferença de qualidade. Eu inclusive filmei algumas cenas e sempre tive a ideia de romper fronteiras e fazer em outros países. Mas abandonei a ideia definitivamente.



4)Quais experiências relacionadas à sua paixão pelo cinema, foram mais marcantes? 

M.V.:Cinéfilo tem suas experiências malucas. Vou citar algumas:

A primeira e talvez a mais conhecida, foi quando ganhei meu primeiro Vhs, lá em 1988 (tenho ele até hoje, um jvc). Gravei um filme que passou na sessão da tarde chamado...Tubarão. Eu tinha mania de rever filmes, e como foi meu primeiro (gravei na velocidade SP), assisti durante um ano. Todo dia. Foram 196 vezes. Como eu fiquei conhecido por esta maluquice, eu comecei a ver o filme nas viradas de ano, afim de que ele seja o último (e o primeiro) filme a ser assistido. E assim permanece até hoje. Já assisti ate na virada mesmo (00.00), mas o normal, é assisti-lo dia 31 e rever dia 1. Está em 249 vezes (em 2018).

Segunda: Uma vez fui para uma boate magnífica em Niterói (Rio de Janeiro), chamada Le Village. Eu adoro dançar, mas ao chegar na boate, tinha uma baita tela de cinema na pista, e ia começar a passar um filme (E.T.). E para completar, no segundo andar, tinha mesa com fone de ouvido. Não resisti e fui ver o filme. Quando acabou, começou Rambo 2. Também não resisti. Fui embora sem dançar nem uma música.

Terceira: Na época que as sessões de cinema na tv eram limitadas, a estreia da Tela Quente e do Cinema em Casa, em 1988 foi marcante. Tudo era gostoso de acompanhar, até mesmo as chamadas. Neste período, num belo dia, passou no mesmo horário Platoon e Mad Max (tipo numa quarta ou quinta feira, eu acho). Um na Globo e outro no SBT. E eu precisava ver os dois né? Então, pedi meu pai para pegar uma tv e colocar do lado da minha. Lembro ate que os filmes começaram com um pequeno intervalo de diferença. Eu priorizei o áudio do Mad Max e assisti os dois, simultaneamente.


Quarta: Esta foi terrível...Baixei o filme 21 gramas, com o Sean Penn. Isto em 2003. Naquela época, a gente acessava o pc só sábado depois das duas e domingo. Era uma luta. Então, quando fui ver o filme, ele estava de cabeça para baixo (problemas de codec), mas eu não sabia resolver e adotei uma solução caseira: coloquei um espelho em cima da tela do computador e vi o filme. Duas horas com a mão segurando um espelho.

Quinta: Num sábado, eu saí para uma festa, destas que acontecem em pátios de igreja. Estava ótimo, eu acompanhado e tal, mas 22.00 iria passar o filme "Os sete samurais"  na TVE. Bom, dá para imaginar que eu deixei ela na festa e fui ver o filme não é?

Sexta: Fui ver o Indiana Jones e a última cruzada no cinema, em 1989, no finado cine Excelcior. Ai, como eu fui curtindo o filme, fui ficando (na época podia ficar mais de uma sessão sem pagar extra). Vi uma...duas...três...na quarta sessão...aparaceu um parente meu no cinema perguntando se eu estava lá...Os funcionários sabiam até a poltrona que eu sentava.

Sétima: Durante uns dois anos, desde o filme Máquina Mortífera 2 (1989), eu vi TODOS os filmes no cinema, sempre duas sessões. Todos, inclusive os que não gostei.Não me perguntem o porque.

Oitava: Uma das melhores recordações da minha vida, foram as férias que eu passava na casa da minha madrinha, em Niterói. Ela alugava 15 filmes, para entregar em 3 ou 4 dias. Eu surtava quando chegava lá, porque eu me sentia na obrigação de ver tudo. As duas principais locadoras de lá eram a Video Cia e a Duvideodó. Foram grandes momentos que passei lá.

Oito e meio: Assistir 11 filmes em 24 horas foi sem dúvidas uma das maiores maluquices que eu fiz. Foram 5 Loucademia de policia e 6 Sexta Feira 13.


Nona: Sem dúvidas, um dos momentos mais emocionantes da minha vida, que remeteu a um dos filmes que mais amo (Cinema Paradiso), foi voltar no Cine Excelcior, em 2014, antes de ser transformado em estacionamento. Durante a retirada das cadeiras, num domingo, eu entrei lá na hora do almoço, como se eu fosse um funcionário, peguei minha câmera e filmei tudo. Inclusive sentei na cadeira que eu havia sentado em 1982, com minha mãe, para assistir o filme E.T. Eu tinha 6 anos na época. Foi um filme que passou, lembrando de diversos momentos, como Totó faz em Cinema Paradiso. Foi emocionante.

Décima: Por fim, a criação do meu site. Foi uma experiência incrível. Conversei com tanta gente bacana. Entrevistei diversas pessoas importantes nas suas áreas de atuação, além de conversar com diversos atores e atrizes que remetem diretamente à gênese do meu cinema, nos anos 80. Um dos momentos mais marcantes desta jornada foi receber autógrafo de Steve Carver, diretor de Mcquade: lobo solitário, o melhor filme que Chuck Norris atuou.



5)Existe uma lista (pelo menos uns 10 filmes) que marcaram sua vida? 

M.M.:Claro, ainda que não respeite uma ordem, a lista se consiste nestes 10 filmes: Lawrence da Arábia, Poderoso chefão 1 e 2, Apocalypse now, Senhor dos anéis - o retorno do rei, Sete Samurais, Três homens em conflito, Era uma vez na América, Era uma vez no oeste, Bons companheiros.

Saindo dos 10, tem ainda Cinema Paradiso, Blade Runner, Fogo contra fogo,  Taxi driver, Touro indomável, Senhor dos anéis 1 e 2, 2001 - uma odisseia no espaço, E o vento levou, Exorcista.

Eu citaria ainda a melhor série que eu assisti (4 vezes até agora): Família Soprano


A melhor produção feita para a tv: 1900 do Bertolucci

E o ator que mais aparece na minha lista dos filmes da minha vida (que são 100) é o Robert de Niro, com 14 filmes.

Gostaria de citar também a espinha dorsal do cinema de horror, que amo, revejo sempre: Nosferatu (1922), Frankesntein (31), Psicose (60), Bebê de Rosemary (68), Noite dos mortos vivos (1968), Massacre da serra elétrica (74), Tubarão (75), A profecia (76), Despertar dos mortos (1978), Alien (79), Nosferatu (79), O iluminado (80), Lobisomem americano em Londres (81), Morte do demônio (81), Poltergeist (82), A hora do espanto (85), A bruxa (2015), Hereditário (18).
Percebam a importância do filme a Bruxa. Eram 30 anos sem um filme de horror encorpando a lista.



6)Há algum projeto em vista relacionado ao cinema? 

M.V.:Vou tocar o projeto do site, que fez 6 anos em dezembro/2018 e ver aonde ele vai me levar. Conquistei muita coisa bacana e espero ir além. Mas se eu encerrá-lo hoje, teria valido a pena e sido uma das melhores experiências da minha vida.


7)E se pudesse deixar uma lição desta vida dedicada ao cinema, qual seria? 

M.V.:Bom. Não me considero exemplo para deixar lição, mais vou deixar frases de filmes, que para mim, são mantras.

" - Faça ou não faça tentativa não há" Yoda em Império contra ataca (1980)

"- Não importa quanto tempo temos. Tudo o que temos de decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado." Gandalf em Senhor dos anéis (2001).

" - Ou você morre herói, ou vive o suficiente para se tornar o vilão."  Harvey Dent em Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008)


" - Eu nasci quando me beijou e morri quando me deixou. Eu vivi apenas algumas semanas enquanto você me amou."  Humphrey Bogart em No Silêncio da Noite (1950)

"- Espero que você leve uma vida da qual se orgulhe. Ou que tenha força para começar tudo de novo."  Benjamin  em O Curioso Caso de Benjamin Button (2008)

" - Que a força esteja com você" Guerra nas estrelas (1977)


Tecnologia do Blogger.