DICAS DE FILMES LANÇADOS PELA CLASSICLINE

Abaixo, 4 dicas de filmes lançados pela Classic Line que valem a pena serem vistos ou revistos. São ótimas produções, com grandes atores e feitas por reconhecidos realizadores, que podem ser comprados nas melhores lojas e no próprio site da empresa (Aqui). E em breve, farei matérias específicas de cada um.

Discípulo do diabo (1959)

Durante o período colonial um arrogante comandante militar inglês, o general Burgoyne (Laurence Olivier) tenta manter uma província da colônia sob controle, combatendo e perseguindo os rebeldes nativos que desejam a independência do país. Entre eles, está Dick Dudgeon (Kirk Douglas), que acaba preso por engano, no lugar do Reverendo Anthony (Burt Lancaster) durante a Guerra da Independência Americana. Incapaz de falar a verdade por conta de princípios morais, ele continua recebendo a pena no lugar do reverendo. Sua atitude faz com que a esposa do reverendo, Judith (Janette Scott), creia que esse é um ato de amor, apaixonando-se perdidamente por Dick. Em meio ao cenário de guerra, os personagens vão descobrir quem eles realmente são.


Átila, o rei dos Hunos (1954)

Durante o século V, o Império Romano encontra-se dividido em duas partes – uma com capital em Roma, governada pelo Imperador Valentiniano III (Walter Coy), e a outra com sua capital em Constantinopla, governada pelo Imperador Teodósio II (George Dolenz). O estado enfraquecido é atacado pelo chefe dos bárbaros, Átila (Jack Palance), que captura o guarda imperial, Marciano (Jeff Chandler), que trazia uma mensagem do Imperador romano alertando Teodósio contra os hunos. Nos dias que se seguem, Átila mantém Marciano em cativeiro, na esperança de aprender mais sobre os planos dos romanos. Tempos depois, Marciano o rouba o cavalo de Átila e foge para Constantinopla, para alertar Teodósio dos planos dos hunos, mas descobre que o Imperador e Átila já estão conspirando contra Roma.


Prisioneiro do passado (1947)

Vincent Parry (Humphrey Bogart) é um prisioneiro - acusado do assassinato de sua mulher - que escapa de San Quentin, pois quer provar sua inocência. Ele é ajudado por Irene Jansen (Lauren Bacall), uma pintora amadora que acredita em sua inocência e se oferece para abrigá-lo. Percebendo que está sendo perseguido e que não poderá viver em constante fuga, ele resolve fazer uma cirurgia plástica para modificar o rosto, e quando está se recuperando da cirurgia a dedicação de Irene faz com que o casal se apaixone. Agora, Vincent tem uma grande dúvida em sua vida: ou foge do país para viver um grande amor com Irene, ou fica na cidade para descobrir quem é o verdadeiro assassino.


Mar cruel (1953)

O tenente Ericson (Jack Hawkins), da Marinha Britânica, é promovido a capitão de uma corveta cuja missão é escoltar comboios que trafegam pelo Atlântico. Ericson anda inseguro desde que perdeu seu último navio e a maioria de seus homens em um ataque de U-boats alemães. A nova equipe é formada principalmente por gente sem experiência, incluindo o destemido Lockhart (Donald Sinsen), o que o coloca no mortal dilema entre destruir um navio inimigo ou poupar a vida de seus comandados. O filme, no estilo docudrama, é uma das produções mais subestimadas e comoventes entre aquelas ambientadas na Segunda Guerra Mundial. Indicado ao Oscar® de Melhor Roteiro Adaptado e a diversos prêmios BAFTA®, Mar Cruel é um dos melhores trabalhos de Jack Hawkins e um dos que o transformaram em astro internacional.



Tecnologia do Blogger.