EDISON: O MAGO DA LUZ (1940) - FILM REVIEW


Hoje vamos falar do filme e de uma das personalidades mais importantes para o nosso cinema: Thomas Edison.

O americano Thomas Alva Edison nasceu em 11 de fevereiro em de 1847. Era filho de um marceneiro e de uma professora, e ainda criança mudou-se com a família para Port Huron, onde Edison entrou para a escola. Sua relação curta com o professor e padre Engle foi conturbada, pois ele não fazia as atividades propostas e era alvo de reclamações por suas inúmeras e incessantes perguntas. Após três meses na escola, a mãe de Edison, Nancy Eliot Edison, assumiu sua educação. Desta forma, ele se interessou pela Ciência, montando um laboratório em seu quintal. 21 anos depois  registrou sua primeira patente, um registrador elétrico com diversas finalidades. Em 1870, Edison desenvolveu e vendeu por cerca de 40 mil dólares um aparelho elétrico que indicava as cotações das bolsas de valores.

Em 1876, Edison criou uma espécie de centro de pesquisas em Menlo Park, onde existiam laboratórios, oficinas e mão de obra especializada. Em um período de quatro anos, ele patenteou cerca de 300 invenções, todas com imenso potencial tecnológico. Ao longo de sua vida, Thomas Edison registrou a patente de 2.332 invenções. 


O mago

Feito apenas nove anos após a morte de Edison, e à beira da Segunda Guerra Mundial, o filme surge como um reflexo das preocupações de sua época. É uma produção brilhante da MGM, o filme alterna como de costume, ficção e realidade (os detalhes de sua vida pessoal por exemplo, remanejados ou mesmo "inventados"). Na produção, Edison e sua esposa se comunicam trocando código Morse. No filme isso é apresentado como um carinho encantador, mas na verdade Thomas A. Edison era tão surdo que a única maneira que ele e sua esposa podiam falar era através do código Morse. Outra característica modificada, é que Thomas adorava charutos, mas o personagem masca tabaco.

Edison parecia ser um cara incrível. Seu objetivo se consistia em facilitar a vida das pessoas. Simples assim. Seu objetivo principal não era, nem de longe, se tornar rico com seus inventos. Certamente, o que moveu Edison rumo ao seu estrelado, foi sua incessante curiosidade e vontade de conseguir (e descobrir) coisas novas.


Este foi um dos filmes em que Spencer Tracy realmente acreditou e apoiou ativamente não porque ele estrelou, mas porque ele era um grande admirador de Thomas A. Edison. Isso era incomum, já que Tracy era conhecido durante a maior parte de sua carreira a ponto de desacreditar seus próprios dons, bem como a importância dos filmes. Além disso, antes deste filme, Spencer Tracy tinha sido um membro muito ativo da "Academia de Artes e Ciências Cinematográficas". Ele até recebeu o prêmio em pelo menos uma ocasião. No entanto, quando as indicações foram para os melhores filmes de 1940, Tracy ficou chocado que o filme foi negligenciado nas nomeações. Tracy jurou que nunca mais compareceria a outra cerimônia de premiação. Ele nunca fez. 

A ironia disto fica por conta das seis nomeações seguintes que ele recebeu, pois não venceu nenhuma. Em compensação, venceu duas vezes em sequência (feito repetido por Tom Hanks com Filadélfia e Forrest Gump), porém nos anos anteriores. Será que passaram a tratar Tracy como persona non grata? A história fala por si.

Os dois Edisons

Depois de ganhar dinheiro com Com os braços abertos (1938), a biografia do Padre Flanagan estrelada por Spencer Tracy e Mickey Rooney, a MGM deu ao produtor John Considine a missão de produzir duas biografias de Thomas Edison. E só para garantir que ambos os filmes fossem lançados, eles tiveram a ideia inovadora de fazer Rooney interpretar o jovem Thomas Edison enquanto Tracy faria a versão mais velha, e os filmes seriam lançados com apenas três meses de diferença. Interessante como um filme catapultou o sucesso do outro.

Obviamente, foi a estrela de Spencer Tracy quem deu ao filme sua maior autenticidade. Ele começou com uma vantagem, já que havia certa semelhança do ator com o inventor. Ele reforçou isso estudando biografias de Edison e revendo todas as filmagens existentes dele. A única coisa que ele não precisava estudar era a surdez do homem, pois o filho de Tracy, John, nascera surdo. 


O filme

A trama segue o inventor Thomas Edison participa de um evento que comemora os cinquenta anos da luz elétrica. Aos 82 anos, ele relembra sua carreira desde o dia em que chegou a Nova York, sem dinheiro, até seu triunfo como o criador da lâmpada incandescente

Dirigido por Clarence Brown, que recebeu seis indicações ao Oscar de melhor diretor ao longo de sua carreira, a história contada em flashback e começa com Edison (Tracy) chegando em Nova York para conseguir um emprego trabalhando com alguém que ele conhece como um colega operador de telégrafo Cavatt (Overman) apelidado de Bunt. Infelizmente, seu amigo está indo para o oeste para outras oportunidades, mas o tio de Overman, Ben Els (Travers) está disposto a deixá-lo pegar o trabalho de seu sobrinho ajudando-o a limpar o prédio. Tio Ben mora no porão de um estabelecimento de negócios de propriedade de Taggart (Lockhart) e, eventualmente, o carpinteiro Edison passa pelo secretário de Taggart, Edwin Hall (Foulger). Ao perceber um dispositivo falhando e vai consertá-lo, causando furor entre empresários, pois era um equipamento fundamental para eles. 

Um deles é um oficial importante do General Powell (Coburn) da Western Union, que ficou bastante intrigado com Edison e lhe deu emprego em seu laboratório. No trabalho,  Edison conhece sua futura esposa, Mary Stillwell (Johnson), que entende de código Morse porque ela também é uma telegrafista.  Há uma cena divertidíssima envolvendo a venda de uma patente, que só o cinema clássico é capaz de fazer. 


Edison e Mary se casam e o inventor usa o dinheiro para construir e abrir seu próprio laboratório em Menlo Park, empregando todos aqueles com quem ele trabalhou anteriormente. Durante um período de cinco anos, Devido a uma grave crise financeira, o Tio Ben sugere que ele trabalhe em sua ideia de luz incandescente. Seus funcionários decidem abrir mão de seus salários, decidindo continuar trabalhando. É nessa época que Edison começa a ajudar alguém que estava trabalhando em algo que o inventor achava que não era nada, mas isso o levou a inventar o dispositivo de gravação de voz (por exemplo, o fonógrafo). O sucesso desta invenção resolve seus problemas financeiros,e Edison e seus homens são capazes de concentrar todos os seus esforços na luz elétrica  para substituir o gás).

Depois que Edison descobre que sua luz incandescente só funcionará em um vácuo, e que então uma lâmpada de vidro é necessária, ele realiza vários experimentos até descobrir o material certo para o filamento, e assim, a lâmpada é inventada. Depois de aperfeiçoar outros detalhes, Edison propõe iluminar um distrito dentro da cidade para comprovar o valor total da luz elétrica. Naturalmente, Taggart, que possui uma grande quantidade de estoque de gás, usa seu representante Shade (Mitchell) para dificultar a tarefa do inventor propondo um prazo irreal (seis meses) e aprovado pelo conselho da cidade. 

No entanto, Edison e sua equipe trabalharam para fazer com que as lâmpadas elétricas ficassem no distrito, construindo dois dínamos grandes, suficientes para fornecer a eletricidade necessária e que  estejam prontas antes do prazo final e Edison entra para a história.


Classicline lançou esta obra inesquecível, que pode ser comprada clicando diretamente no link abaixo, da própria empresa.


.

Tecnologia do Blogger.