AMIGOS PARA SEMPRE (2019) - FILM REVIEW


Bryan Cranston, ator aclamado e indicado ao Oscar®, o comediante Kevin Hart e a vencedora do Oscar® Nicole Kidman se reúnem em "Amigos para sempre", da STXfilms e Lantern Entertainment, uma comédia baseada na amizade real e duradoura entre um homem rico com tetraplegia e o ex-presidiário que é contratado para ser seu cuidador.

Dirigido por Neil Burger (O Ilusionista, Sem Limite), com roteiro de Jon Hartmere,  "Amigos para sempre" narra a inesperada amizade entre Phillip Lacasse (Cranston), um bilionário da Park Avenue que ficou paralisado após um acidente de parapente, e o ex-presidiário Dell Scott (Kevin Hart), que precisa de ajuda para recomeçar sua vida. Recém-saído da prisão e desesperadamente precisando de emprego, Dell está frustrado com as oportunidades disponíveis a um ex-presidiário. Depois de encontrar-se na entrevista de emprego errada, Dell usa seu irreverente carisma para encantar Phillip, que, apesar dos protestos de sua assistente pessoal Yvonne (Nicole Kidman), oferece a ele a posição de cuidador.

Apesar de um começo difícil, os dois percebem rapidamente o quanto podem aprender com as experiências um do outro. Mesmo sendo de mundos diferentes, Phillip e Dell criam um vínculo improvável, superando suas diferenças e ganhando uma sabedoria inestimável no processo, que dá a cada um um senso renovado de paixão por todas as possibilidades da vida.


VISÃO DO PRODUTOR

 "Amigos para sempre" é inspirado no grande sucesso  de bilheteria de 2011, o filme francês Les Intouchables. Os produtores Jason Blumenthal, Todd Black e Steve Tisch da Escape Artists ficaram entusiasmados com a perspectiva de recriar o clássico francês, que haviam visto há alguns anos e absolutamente amado a história. Black diz: “Nossa decisão de refazer "Os intocáveis" surgiu do desejo de mergulhar mais fundo na vida das pessoas reais e incríveis em que o filme original é baseado. 

Queríamos saber mais sobre suas histórias e acreditamos que poderíamos dar ao público uma nova interpretação que honrasse o brilhantismo da versão francesa. ”

Embora o diretor Neil Burger tivesse imensa admiração pelo original, ele foi bem claro ao falar com Blumenthal, Black e Tisch que  achava que uma adaptação em inglês poderia levar a história a um nível inteiramente novo  ao público americano. Burger foi bastante específico sobre o que ele imaginou para o filme, mas foi sua capacidade de colaborar com os produtores, bem como com o escritor Jon Hartmere, que acabou materializando o roteiro. "Neil é o sonho de qualquer produtor", diz Black. "Ele tem uma visão muito firme do que quer, mas também incentiva o feedback e promove um ambiente de trabalho colaborativo e aberto que acreditamos tenha tornado o filme ainda mais tocante."


SOBRE O ELENCO

A equipe de produtores já admirava de longa data Bryan Cranston e Kevin Hart, e esperavam que o filme fosse um desafio bem-vindo para os atores, embora de formas diferentes, e esperavam ver suas respectivas interpretações dos personagens do filme original. Para Hart, este papel foi um ponto de partida e ofereceu ao ator uma oportunidade de apresentar ao público seus talentos dramáticos, mas ao mesmo tempo ainda pode usar seu humor e sagacidade, que são sua marca registrada, em sua performance.

“Quando as pessoas ouvem Kevin Hart, elas imediatamente pensam que será algo direto e divertido”, diz Blumenthal. “Vamos ver o Kevin comediante, com certeza, mas também um Kevin mais sério e dramático. Queríamos ter certeza de que sinalizamos para o público que esse não era o típico filme de Kevin Hart. Embora Kevin traga humor ao filme, seu papel vai além do alívio cômico enquanto seu personagem se esforça para mudar sua vida. ”

Cranston descreve o trabalho de seu colega no filme dizendo: “Este é um drama com toques cômicos porque você encontra humor em situações trágicas. Precisávamos disso para impulsionar a história e seguir com ela. Mas Kevin é um cara muito inteligente e ele sabia exatamente qual era o tom e o que ele precisava fazer. É perfeito para ele, em sua carreira, ser capaz de assumir um papel que não seja necessariamente a sua especialidade. Kevin é extremamente talentoso. Ele tem isso dentro dele em um nível profundo e que simplesmente está lá. Ele consegue o resultado quando precisa.

Desde o início do filme, o público consegue se identificar com Dell que se encontra em uma nova situação e descobre com ele como é a vida de uma pessoa tetraplégica. Enquanto Dell assume inicialmente o papel de cuidador de Phillip, à medida que o filme avança, fica claro que Dell e Phillip dependem um do outro. Cada um tem a sua luta pessoal, mas é a capacidade de aprender um com o outro que constrói esse relacionamento incrivelmente único.


"Percebo que esse é realmente o ponto crucial da história: enfrentar os desafios", diz Cranston. “Se você é um homem afro-americano que acabou de sair da prisão ou uma pessoa de 60 anos com tetraplegia que não consegue mover nada abaixo do pescoço pelo resto da vida, nem vê um futuro para si. Existem dilemas. A vida não é fácil."

"O que nem Phillip nem Dell esperavam é que eles entrassem na vida um do outro no momento perfeito e mudassem a vida um do outro quando mais precisavam", diz Blumenthal.

Embora Cranston tenha interpretado uma grande variedade de personagens, os requisitos físicos envolvidos em interpretar uma pessoa tetraplégica apresentaram um novo desafio para o ator. “Antes do filme, eu não sabia o quanto os atores dependem de seus corpos para uma performance ser convincente em uma cena”, diz Blumenthal. “Esse papel exigiu que Bryan abordasse seu personagem de uma forma totalmente nova e descobrisse como oferecer um desempenho emocional, divertido e, às vezes, desolador, sem usar a maioria das ferramentas que ele costumava ter à sua disposição.”

Um dos elementos mais importantes de fazer este filme para Burger foi o nível de autenticidade retratado nos personagens e em todos os aspectos da produção. Antes do início das filmagens, Cranston e Burger visitaram o ex-jogador de futebol Americano Eric LeGrand. LeGrand, que ficou paralisado em 2010 enquanto jogava futebol na Universidade Rutgers, conversou longamente com os dois sobre suas experiências e eles o observaram durante as sessões de fisioterapia.

Para a Cranston, manter a precisão e a atenção rigorosa aos detalhes no set exigia muita pesquisa e disciplina. O diálogo de Cranston com Phillippe Pozzo Di Borgo, em quem a história é baseada, foi essencial para sua preparação para o papel. Essas conversas tiveram um grande impacto em Cranston no que diz respeito aos testes emocionais pelos quais Di Borgo passou. Cranston conta: “Houve períodos em que ele queria desistir? Sim. Depressão profunda? Sim. Pensamentos de suicídio? Sim. Houve momentos em que ele pensava, eu tenho algumas opções. Sim. Sim a tudo que foi mencionado, afirma Cranston. "Coube a ele ser capaz de abraçar todos os desafios futuros, tanto bons quanto ruins."


Os desafios físicos de interpretar um personagem que fica completamente parado acabaram sendo resolvidos mentalmente por Cranston. "No começo, eu pensei que realmente teria que focar em ficar absolutamente quieto", disse ele. "Comecei a praticar segurando meu corpo de uma maneira rígida, mas você não consegue fazer isso por muito tempo.

Você fica muito tenso. Realmente tinha que ser apenas o oposto disso. Eu tive que entrar em um estado Zen para respirar e deixar fluir. Basta seguir o fluxo das coisas e fazer o corpo todo desmoronar na cadeira onde a única coisa que podia mover era o meu pescoço. E isso funcionou. ”Além de suas conversas com Di Borgo, Cranston passou um tempo com muitas outras pessoas com tetraplegia, aprendendo não apenas sobre suas rotinas diárias, mas também sobre como suas vidas mudaram - seus relacionamentos, emoções, percepções de si mesmos.

“Eu acho que significou muito para Bryan, porque eu o vi algumas vezes depois desses encontros e dava pra ver como eles o tinham afetado. Ele queria entregar uma performance que não apenas nos deixaria orgulhosos, mas também àquelas pessoas que ele visitou ”, diz Blumenthal.

Para garantir ainda mais a autenticidade, Bryan e Kevin trabalharam em estreita colaboração com vários consultores do Instituto Kessler de Reabilitação em Nova Jersey e do Hospital de Reabilitação Magee, na Filadélfia. Os consultores, que consistiam em pessoas tetraplégicas e auxiliares estavam presentes no set todos os dias para garantir que tudo fosse executado de uma maneira que parecesse verdadeira e genuína aos personagens, oferecendo orientação sobre tudo, desde a terminologia correta até a maneira correta de transferir uma pessoa com tetraplegia.

Embora haja um tom dramático, Hart e Cranston trazem equilíbrio para o filme. Ao perceber o quão poderosa é a dinâmica entre os dois personagens principais, o desafio para os cineastas foi escolher o elenco adequado para cercá-los. "Os atores coadjuvantes deveriam ser capazes de acompanhar a resistência, a comédia e o drama do que está acontecendo", diz Blumenthal.


O próximo personagem a ser escolhido foi o de Yvonne, a leal assistente pessoal de Phillip. Os produtores queriam desenvolver mais o personagem na segunda versão, e o elemento romântico entre Yvonne e Phillip (que difere da versão original), significava que seria importante achar uma atriz que não exagerasse no papel, permitindo mistério. Nicole Kidman os conquistou.

"Uma vez que focamos em Nicole Kidman, sabíamos que tínhamos algo realmente especial", disse Black. “Sua carreira nos mostra que ela sempre escolheu papéis que a desafiam e a levam em direções diferentes.”

"Nicole Kidman é simplesmente um encanto", diz Cranston. “Muitas vezes você pára de gravar e recomeça uma cena, e os atores vão para os camarins. Mas Nicole está sempre no set. Ela é uma atriz brilhante.

Outro papel desafiador foi o de Maggie, fisioterapeuta de Phillip. "Estávamos tendo problemas para descobrir como equilibrar Kevin, Bryan e Nicole com alguém que também pudesse entrar em cena e trazer algo realmente especial", disse Black. “Maggie era um personagem realmente importante, porque ela tinha que ter sensibilidade e leveza. E então encontramos Goldshifteh Farahani. ”Embora Farahani descreva sua personagem como prática, a compaixão que ela demonstra na tela equilibra a abordagem profissional de Yvonne e a tendência de Dell a usar o humor durante os momentos desafiadores enquanto ele cuida de Phillip.

  "Ela foi o quarto membro que nos ajudou a fechar o elenco, e agora podemos realmente ver esse conjunto ganhar vida com as pessoas que cercam o personagem de Phillip e atender a todas as suas necessidades".

No resto do elenco estão Aja Naomi King, que interpreta Latrice, ex-namorada de Dell e mãe de seu filho, Suzanne Savoy como Charlotte, a cozinheira de longa data de Phillip, Julianna Margulies, uma amiga com quem Phillip somente se correspondia e que finalmente ele tem coragem para marcar um encontro, Tate Donovan, o rico e um pouco desagradável colecionador de arte que vive no prédio de Phillip, e Genevieve Angelson, como a falecida esposa de Phillip, Jenny.


SOBRE A PRODUÇÃO

A busca por autenticidade de Neil Burger se estendeu bem além dos personagens do filme. Ele, junto com o elenco e a equipe, estavam determinados a aplicar a mesma precisão nos detalhes de cenário e figurino. Por exemplo, outro foco central do filme é a cobertura na Park Avenue, que serve como residência de Phillip e é também através dela que ele exibe sua preciosa coleção de arte. Sabendo que a cobertura de Phillip era tão vital para o filme, o designer de produção Mark Friedberg e a decoradora Beth Rubino tiveram que obedecer a parâmetros rigorosos.

Para Friedberg, o processo começou com uma extensa pesquisa e preparação antes de seu primeiro encontro com Burger. Naquele primeiro encontro, Friedberg veio preparado com várias referências arquitetônicas e idéias. Ele sentiu que o apartamento poderia seguir dois estilos em particular, em termos de decoração, e apresentou as duas opções a Burger. A primeira estava alinhada com o roteiro; uma cobertura na famosa elitista 740 Park Avenue. A segunda opção era um extravagante edifício na Tribeca. No final, os dois decidiram por um apartamento que seria na 740 Park Avenue, mas não seria decorado de acordo com os estilos tradicionais do edifício e sim, com arte e móveis contemporâneos.

Neil Burger gostou da idéia de que Phillip transpõe uma linha entre o elitismo típico de alguém que moraria na Park Avenue, mas também tem um pouco de irreverência”, disse Friedberg.

Embora considerassem a utilização de um apartamento real, no final, fez mais sentido construir o set em um galpão. A cobertura de Phillip da Park Avenue foi construída em um palco enorme. A equipe construiu mais de dois mil metros de espaço interior, embora conote um espaço com o dobro do tamanho, e eles o fizeram em aproximadamente três meses.

“O espaço é uma das nossas chances de mostrar quem é Phillip. A arquitetura era uma parte muito importante da história, mas para mim, era principalmente um pano de fundo para a arte ”, diz Friedberg. "Passamos muito tempo construindo a coleção de Phillip, já que essa é a maneira real como ele se expressa - o tipo de pessoa que ele é e a maneira como ele vê o mundo."

Embora Friedberg diga que um cenário como esse normalmente envolveria uma pintura que acentuava as molduras e várias paredes de cores diferentes, ele e a decoradora de sets, Beth Rubio, decidiram que parte da irreverência de Phillip seria exibida em sua decisão de pintar as paredes de branco e ter um piso preto brilhante.

"Seria um contraste visual e gráfico gritante para o edifício, muito diferente da maneira como ele foi idealizado logo que foi construído", diz Friedberg. "Isso deu uma sensação de modernidade, embora seja um lugar antigo."

Embora a maior parte da cobertura tenha essa aparência moderna, onde a maior parte das cores é proveniente das obras de arte de Phillip, a biblioteca permanece fiel à sensação do velho mundo da época em que o edifício foi construído.

“Sempre pensei na biblioteca como um lugar onde pudêssemos ver o interior do cérebro de Phillip um pouco mais. Um lugar onde as coisas que o fascinam são mais evidentes para nós, além de arte, ”diz Friedberg.

“Os acessórios e coleções na biblioteca são muito sobre movimento”, diz Rubio. “Essa foi uma escolha subliminar que fizemos, que os objetos ao seu redor mostrassem velocidade. Ele não tem mais essa opção, mas é confrontado por ela diariamente. Nós estávamos, de certa forma, mostrando o desafio diário de sua circunstância atual em relação a sua vida anterior ”.

A biblioteca exibe mais colecionáveis ​​do que pinturas - livros preciosos, desenhos de Da Vinci e representações científicas, mas o restante da cobertura mostra as obras de arte com as quais Phillip é tão encantado.

Era importante para Friedberg montar uma coleção que não refletisse apenas o preço ou a popularidade, mas sim a personalidade verdadeira e a história pessoal. “Queríamos que Phillip tivesse uma opinião pessoal sobre o tipo de arte que ele tem. Alguns tinham que ser de primeira linha como os Twomblys, Motherwells, Turners e Kandinskys ”, diz Friedberg.


“Ele tem pinturas que valem dezenas de milhões de dólares, mas ele as tem porque as ama. Ele pode até as ter comprado  antes de chegarem a esse valor. ”

Além dessas, sua coleção é composta de arte de pessoas que Phillip conhece ou conheceu. Ao projetar essa coleção, Friedberg e Rubino se divertiram misturando entre arte de nível de museu, arte de amigos, deles mesmos ou de seus filhos, e arte feita por artistas locais. A galeria principal no espaço de entrada onde a festa acontece apresenta uma série de artistas femininas de renome, incluindo Marilyn Minter, Helen Frankenthaler, Kiki Smith, Mary Cassatt, Lee Krasner e Patricia Meyerowitz.

“Não é algo que é mencionado no script ou em nenhum lugar. Não é necessariamente uma parte de história, mas é um ponto de design da coleção e também achamos que era algo que Phillip acharia interessante ”, disse Friedberg.

Além das pinturas e esculturas, as luminárias serviam como obras de arte adicionais dentro da cobertura. “Como trabalhamos com uma altura enorme, o que você normalmente não tem em um set de filmagem, a ênfase para a iluminação foi um tanto incomum. Foi uma oportunidade para nós usarmos acessórios de fabricantes que merecem ser vistos no cinema ”, disse Rubino.

Seguindo a fidelidade de Burger a um conceito realista, Rubino e Friedberg utilizaram muitas abordagens incomuns para construir e decorar o cenário. A biblioteca foi construída em carvalho verdadeiro, as lareiras, tanto a de pedra como a de mármore, eram verdadeiras lareiras, até médicos foram usados como consultores para construir o quarto principal que refletisse a quantidade de anos que se passaram desde o acidente de Phillip. Alguns dos locais da cidade de Nova York incluem o famoso Grey's Papaya na Broadway & 72nd Street, o Grand Army Plaza na 59th Street e Fifth Avenue; o Central Park; e os projetos Webster no sul do Bronx.



Tecnologia do Blogger.