CARL GOTTLIEB - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS

Carl Gottlieb é um roteirista americano, ator, comediante e executivo. Ele é provavelmente mais conhecido por roteirizar junto com Peter Benchley o filme "Tubarão" e suas duas primeiras sequências, além de dirigir o cult de 1981, de baixo orçamento "Homem das cavernas" com o beatle Ringo Starr. .

Tubarão é um daqueles filmes que moldaram a história. Custou 9 milhões e rendeu quase 500 (em 1975 !!!). Acumula recordes até hoje. Foi o filme que catapultou Spielberg para o lugar que ele merece estar até hoje. E é o filme que mais assisti na vida (250 vezes até aqui). Então esta talvez seja minha entrevista mais pessoal. 

Confira como foi.


1) Como foi que nasceu o Carl Gottlieb? Como as portas do cinema se abriram para você?

C.G.: Como muitas pessoas, eu mergulhei nisso como resultado de outros textos que estava fazendo na época. Eu estava em Hollywood, escrevendo e atuando em televisão com variedades. Eu tinha amigos no ramo do cinema, e um deles (Steven Spielberg) me pediu para olhar para um roteiro que ele estava preparando. Eu tinha sido pago para escrever vários roteiros na época, então o modelo não era novo para mim. "Tubarão" era interessante, havia uma ponta para  eu atuar, então aceitei o trabalho em curto prazo, e o resto apenas fluiu. Eu não tive uma "luz" sobre o filme e como seria um sucesso, apenas uma coisa levou a outra, e eu era sabia o que estava fazendo.

2) Conte, com mais detalhes, como você se envolveu no roteiro de “Tubarão”?

C.G.: Steven me enviou o roteiro de  Howard Sackler para ler. Ele também me queria no filme como Meadows. Steven me queria para improvisar um pouco de humor, fornecer algum naturalismo e ajudar as pessoas da cidade que ele estava lançando no filme. Quando eu soube que iria me envolver no filme, li o livro e achei que era uma boa leitura para entreter num dia na praia. Achei que  roteiro de Sackler melhorou o livro em algumas áreas, mas foi deficiente em outras. Eu tive muitos pensamentos sobre como consertar o roteiro e os coloquei em um memorando que Steven deu aos produtores. Todos nos sentamos e conversamos. Eu recebi o mínimo do escritor com uma garantia de uma semana. Transformou-se em doze semanas!

3) Eu assisti "Tubarão" 250 vezes,(acredito que é um recorde). É um dos filmes da minha vida... Qual foi a cena que mais gostou de escrever?

C.G.: Eu costumo favorecer cenas que são longas no diálogo: aquela Sra. Kintner na praia, ou depois de matarem o tubarão errado, aquela do confronto entre Hooper e o Prefeito Vaughn no local do outdoor, e claro, a cena abaixo no convés da Orca na qual os homens comparam cicatrizes e na sequência, Quint fala o memorável monólogo “Indianópolis”.

Mas cara, 250 vezes? Você gostou mesmo do filme...

M.V.: Demais...

4) Você ficou impressionado com o grande magnetismo entre Richard Dreyfuss, Roy Scheider e Robert Shaw? Eu acho que é um dos melhores elencos de todos os tempos.

C.G.: Um dos milagres do filme é que a química entre os atores principais se adequava à química entre os personagens fictícios. Eles tinham algumas das mesmas peculiaridades e desde que eu estava escrevendo para esses atores específicos eu estava escrevendo atitudes que já estavam meio no lugar. Eu poderia amplificá-las e escrever para os pontos fortes dos atores. A grande química dos atores é um daqueles acidentes inefáveis ​​que você realmente não pode controlar. Você espera e reza para que isso aconteça e no "Tubarão" tivemos esta sorte.

5) Como foi a experiência de fazer o Tubarão 2 ? Foi o mesmo entusiasmo?

C.G.: Eles se meteram em problemas para escrever as sequências e me ligaram. Eu estava feliz em fazê-las e me pagaram bastante. Eu acho que eu fiz um trabalho muito profissional, dado o que eu tinha para trabalhar. O Tubarão 2 foi em seu tempo uma das sequências de maior sucesso do cinema e eu estou muito orgulhoso disso. O truque de ter as crianças em veleiros foi uma ótima ideia e fiquei muito feliz porque eu tive esta luz! Lembro-me de Scheider odiar ter que fazer o filme, mas ele era o único ator que tinha uma cláusula de sequência em seu contrato.

6) Agora, falando de cinema em geral. Quais são os filmes que mais gosta?  Há uma lista, tipo um Top 10? Tubarão é um deles?

C.G.: Bom, eu não assisto a muitos filmes, mas certamente, não colocaria nenhum filme meu numa lista. Soaria tendencioso. De qualquer forma, não sou adepto a listas.

7) Como o roteirista de sucesso que você é, se você pudesse dar algum tipo de conselho para as pessoas que estão te lendo neste momento, qual seria?

C.G.: Atenção caros escritores: Você ficará desapontado, desencantado e frustrado por toda a sua carreira, mesmo que tenha a sorte de realmente ter um roteiro produzido. Suas chances de ter mais de um filme são pequenas, apesar de seus talentos e habilidades. E provavelmente, você estará simplesmente desempregado como escritor muito mais do que trabalhará, a menos que encontre o caminho para uma série televisiva de sucesso, que é onde o melhor trabalho está sendo feito atualmente.

Há menos de 650 escritores em toda a América do Norte que realmente ganham dinheiro escrevendo roteiros, produzidos ou não. A melhor escrita dramática e cômica que está sendo feita hoje é na televisão, não na telona. Pode-se supor que é porque na televisão, o escritor é rei. Nos filmes, por razões históricas que nada têm a ver com talento, o diretor é Deus-Rei, e isso pode ter alguma relação com a falta de reconhecimento. Diretores não são autores, Autores são Auteurs (procure em seu dicionário ). Os diretores são os artistas indispensáveis ​​que dão vida ao roteiro, são os colaboradores mais importantes no processo de criação de filmes e são “artistas de interpretação”, como maestros de orquestra. Os escritores são "artistas da criação original", sem eles não há nada. Alguns dos melhores filmes foram feitos por escritores e diretores trabalhando juntos para realizar uma visão comum.

M.V.: Obrigado. Foi uma honra.



 

Tecnologia do Blogger.