• ÚLTIMAS...

    20 FILMES QUE TODO PSIQUIATRA DEVERIA ASSISTIR


    A psiquiatria, expressão grega que significa “arte de curar a alma”, é um dos ramos da Medicina, o qual se direciona para o estudo das perturbações psíquicas humanas. Ela tem como objetivo evitar que elas ocorram, diagnosticar e tratá-las quando já se encontram em curso. Sejam elas de natureza física ou independente de qualquer lesão orgânica, como a depressão e o transtorno bipolar, entre outros, o psiquiatra busca sua cura ou pelo menos tenta amenizar o sofrimento do paciente.

    Dia 13 de agosto é comemorado o Dia do Psiquiatra. Esta data ainda é pouco conhecida, visto que foi instituída pela Associação Brasileira de Psiquiatria, ABP, pela primeira vez, neste ano. Mais do que uma data comemorativa, o dia 13 de agosto é uma homenagem a esta especialidade médica tão importante para a sociedade e para o bem-estar social.

    Como forma de homenageá-los, elaboramos 3 posts. O primeiro, sobre filmes que se passam em hospitais psiquiátricos (Clique aqui!!). O segundo é este, e o terceiro, sobre pessoas com dupla ou múltiplas personalidades, que será postado em breve.

    Confiram:

    Susannah Cahalan, uma jovem jornalista com uma carreira promissora descobre que possui uma doença que nenhum médico consegue diagnosticar. Presa em sua própria insanidade, ela se vê em uma rotina alterada, com inexplicáveis alucinações, surtos e ataques de paranoia. Sem poder contar com si própria, ela precisará da ajuda de todos a sua volta para aprender a conviver com as suas crises, em meio a insegurança e mudanças de comportamento.
    Dois escritores maníaco-depressivos, Carla (Katie Holmes) e Marco (Luke Kirby) acabam do mesmo hospital psiquiátrico. Os poemas de ambos são regidos por seus conflitos emocionais. Eles se aproximam e isso faz com que suas emoções tornem-se mais intensas, o que agrava a doença de cada um. Os médicos e familiares tentam separá-los, porém, cada vez mais o romance destrutivo deles se intensifica.

    A trama gira em torno da jovem Emily Hawkins (Rooney Mara), que acaba de ver o marido (Channing Tatum) ser libertado da prisão por um crime de colarinho branco. Mesmo aliviada, Emily tem crises de depressão e busca a ajuda de medicamentos prescritos para conter a ansiedade. Ela também busca amparo num tratamento psicológico, lidando com  profissionais (Jude Law e Catherine Zeta-Jones). O tratamento, por mais que comece de forma positiva, vai gerar consequências inesperadas na vida da jovem.
    Cinco contos curtas-metragens que exploram o impacto e a luta de pessoas que apresentam doenças mentais.
    Segmento de Lucy
    Dirigido por Bryce Dallas Howard e escrito por Deirdre O'Connor.
    O segmento Lucy segue a trajetória de Lucy, uma estudante de direito que se encontra em meio ao terror da esquizofrenia, em um hospital psiquiátrico onde, por meio do apoio de um novo amigo, de sua psicoterapeuta e tomando as medicações corretas, ela começa o seu caminho para a cura, podendo assim continuar sua vida de onde havia parado.
    Segmento de Grace
    Dirigido por Laura Dern e escrito por Howard J. Morris.
    Grace explora o mundo do transtorno bipolar através da experiência de uma filha adolescente cuja mãe lida com a condição.
    Segmento de Allison
    Dirigido por Sharon Maguire e escrito por Jan Oxenberg.
    Allison é aborda a comédia e os acontecimentos que levam aos dramas familiares por meio do retorno de Lucy, a personagem principal do primeiro segmento, que retorna para sua casa com a premissa de que se encontrava bem. Entretanto, sua irmã, com quem não possuía mais uma boa relação, utiliza a mesma semana para apresentar seu novo namorado, Luke, para os pais.
    Segmento de Eddie
    Dirigido por Bonnie Hunt e escrito por Stephen Godchaux.
    Eddie mergulha no mundo de depressão por meio do ponto de vista do comediante Eddie. Sua esposa, Julia, tenta lidar com o fato de como seu marido, que é tão amado, pode ser tão convivente com a tristeza.
    Segmento de Maggie
    Dirigido por Ashley Judd e escrito por Erin Cressida Wilson.
    Em Maggie, uma mulher que serve às forças militares americanas retorna da guerra para sua casa por seu filho e seu pai. Entretanto tem sua vida abalada pelo aparecimento do transtorno de estresse pós-distúrbio.

    Pat Solitano Jr. (Bradley Cooper) perdeu absolutamente tudo na vida: sua casa, o emprego e a esposa. Deprimido, ele vai parar em um sanatório, onde fica internado por oito meses. Ao sair, Pat passa a morar com os pais e está decidido a reconstruir sua vida, o que inclui retomar o casamento, passando por cima de todos os problemas que teve. Entretanto, seu novo plano começa a mudar quando ele conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), uma garota misteriosa que também tem seus problemas.

    Baseado no livro homônimo de John Kerr, tem a direção de David Cronenberg.
    O filme mostra uma densa ficção que focaliza o encontro entre Carl Jung (Michael Fassbender) e Sigmund Freud (Viggo Mortensen) na construção da psicanálise.
    Aborda a intensa e polêmica relação de Jung com a paciente Sabina Spielrein (Keira Knightley). Jung verá suas ideias conflitarem com as teorias de Freud, ao mesmo tempo em que se entrega a um romance alucinante e perigoso com a bela Sabina.

    Walter Black (Mel Gibson) é presidente de uma indústria de brinquedos, mas se encontra em um quadro de depressão. Por causa disso, ele está cada vez mais distante da esposa, Meredith (Jodie Foster) e dos filhos, Porter (Anton Yelchin) e Henry (Riley Thomas Stewart). A situação fica crítica quando Walter é posto para fora de casa pela esposa, fazendo com que ele comece a ter ideias suicidas. Certo dia, a caminho do hotel, Walter encontra no lixo um fantoche de Castor que acabará se tornando a nova técnica para ajuda-lo a se tratar da depressão. Ao longo do filme, vemos o desenrolar da história e a fuga da realidade através da criação de um personagem incorporado na figura do castor surge como um recurso de Walter para enfrentar a depressão. Porém, vemos também as implicações que isso acaba trazendo.

    Frankie (Halle Berry) é uma dançarina noturna que sofre com o transtorno de múltiplas personalidades, e luta diariamente contra seus alter egos bem específicos: uma criança de sete anos chamada Genius e uma mulher branca racista chamada Alice. A fim de eliminar estas vozes interiores, ela passa a frequentar sessões com um psicoterapeuta, Dr. Oz (Stellan Skarsgard), para decifrar e superar seus fantasmas pessoais.
    Helen Leonard (Ashley Judd) é uma mulher bem-sucedida que tem um casamento feliz e um relacionamento harmonioso com sua filha. Porém, existe algo que ela tem um segredo: sua bipolaridade, que surge como um surto devastador, transformando sua maneira de enxergar a vida. Agora, sua família e seus amigos tem a missão de fazê-la perceber que a vida continua bela.
    Um jovem casal apaixonado, Rebecca, 32 anos, e seu namorado Julian, 34, está ansiosamente esperando seu primeiro filho. O mundo deles parece perfeito quando Rebecca dá à luz a um menino saudável. Mas ao invés do amor incondicional que esperava sentir, ela se vê imersa num redemoinho de sensações de impotência e desespero. Seu próprio filho lhe parece um estranho. Com o passar dos dias, fica cada vez mais aparente sua inabilidade para cumprir com as obrigações maternas. Incapaz de admitir seus sentimentos para alguém, nem mesmo para Julian, ela desce ao fundo do poço, a ponto de perceber que está se tornando uma ameaça à criança.

    Em Esquizofrenia: Entre o Real e o Imaginário William Keane (Damiam Lewis) um homem atormentado por um sentimento de culpa: Ter tirado os olhos de sua filha por um breve momento. A busca diária por informações sobre o suposto desaparecimento em um terminal de ônibus em Nova York, não é o seu único conflito, a batalha contra a devastadora esquizofrenia transforma sua vida. 

    Spider (Ralph Fiennes) é um sujeito estranho e solitário. Após um longo período de internação em um hospital psiquiátrico, ele regressa às ruas do East End de Londres, lugar onde cresceu. As imagens, os sons e os odores dessas ruas começam a despertar lembranças de sua infância que há muito haviam sido esquecidas. No coração das memórias de Spider encontra-se o grande trauma da perda de sua mãe. Ele acredita que seu pai, o encanador Bill Cleg (Gabriel Byrne), matou a esposa para que uma prostituta tomasse seu lugar e fosse morar em sua casa.

    Inspirado no livro do americano Hubert Selby Jr., Réquiem para um Sonho mostra as histórias de quatro pessoas lidando com seus vícios. Harry, a namorada, Marion, e o amigo, Tyrone, são viciados em heroína e veem a oportunidade de vender a droga para realizar o sonho de abrir uma loja de roupas. A mãe de Harry, Sara, é uma viúva solitária que adora televisão e começa a tomar anfetaminas para emagrecer e caber num vestido. A anfetamina, porém, provoca transtorno mental relacionado à substâncias, e Sara sofre as consequências, como forte sensação de prazer, euforia, sentimentos de grandiosidade, perda da capacidade de autocrítica, agressividade, agitação e falta de sono.

    Carol White (Julianne Moore) é uma dona-de-casa de classe média alta que vive com seu marido e seu enteado na Califórnia. A rotina de Carol é basicamente fazer ginástica, encontrar suas amigas e supervisionar a nova decoração da casa. No entanto, nem tudo está tão bem: Ela começa a sentir dores e enjoos, e passa a ter insônia e tosses. Apesar desses sintomas, todos os médicos alegam que sua saúde está perfeita. Não satisfeita, Carol vai até um grupo de pessoas que acreditam estarem doentes por causa do acúmulo de substâncias químicas no meio ambiente. A partir daí, ela muda completamente de vida.

    O filme conta a história de Harry e Kate; ambos são esquizofrênicos e se apaixonam durante uma sessão de terapia. Ele se apaixona e depois de uma perseguição frenética pelas ruas de Melbourne, conquistar a senhora com a ” cara de anjo “, como ele chama.  Eles ficam excessivamente confiantes com seu relacionamento e param de tomar os seus medicamentos. Eles vão morar juntos, o que desencadeia uma série de conflitos. Eles não têm dinheiro e dependem de tratamento psiquiátrico, que lhes permite viver com alguma normalidade. Mas Kate fica grávida e, apesar da oposição, decidir ir em frente, deixando até mesmo o tratamento para o bem da criança, mas eles vão chegar a um abismo do qual não podem sair.

    No início dos anos 60, Hank Marshall (Tommy Lee Jones), um cientista nuclear que trabalha para o exército, é encarregado de medir os níveis de radioatividade em testes atômicos. Carly Marshall (Jessica Lange), sua mulher, tem uma necessidade desesperada de ser o centro das atenções e, ao tentar minimizar suas frustrações, deixa o casamento em crise. Mas quando Hank é internado para "tratamento médico", para não revelar os altos índices de radioatividade que os testes demonstram, Carly decide ir contra tudo e contra todos para ter o marido de volta.

    Mr. Jones, um maníaco depressivo que, durante suas crises emocionais, é divertido, criativo e envolvente. Chocando a platéia esnobe de uma orquestra subindo ao palco para reger uma sinfonia de Beethoven, ou impulsivamente tomando uma caixa de banco e uma fuga romântica, Mr. Jones é um homem irresistível para qualquer mulher, incluindo a Dra. Libbie Bowen (Olin), a preocupa terapeuta designada para seu caso.
    Richard Gere, Lena Olin e Anne Bancroft estrelam esta emocionante história sobre um homem á beira da autodestruição que é salvo pelo amor. Gere é um show de interpretação como Mr. Jones

    Max Klein é um dos pouco sobreviventes de um acidente aéreo que vitimou a maioria dos passageiros. Afetado pela experiência, o comportamento de Max começa a sofrer grandes alterações. Não consegue retomar a sua vida, afasta-se da família e, julgando-se invulnerável, procura situações de risco, como andar no topo de arranha-céus. Depois de várias tentativas frustadas para ajudar Max, o psicólogo Bill Perlman apresenta-lhe outra sobrevivente, Carla Rodrigo, uma mãe traumatizada pela morte do seu bebé no acidente, e juntos vão iniciar o caminho para resolver os seus problemas...

    Bronx, 1969. Malcolm Sayer (Robin Williams) é um neurologista que conseguiu emprego em um hospital psiquiátrico. Lá ele encontra vários pacientes que aparentemente estão catatônicos, mas Sayer sente que eles estão só "adormecidos" e que se forem medicados da maneira certa poderão ser despertados. Assim pesquisa bem o assunto e chega à conclusão de que a L-DOPA, uma nova droga que já estava sendo usada para pacientes com o Mal de Parkinson, deve ser o medicamento ideal para este casos. No entanto, ao levar o assunto para o diretor, ele autoriza que apenas um paciente seja submetido ao tratamento. Imediatamente Sayer escolhe Leonard Lowe (Robert De Niro), que há décadas estava "adormecido". Gradualmente Lowe se recupera e isto encoraja Sayer em administrar L-DOPA nos outros pacientes, sob sua supervisão.

    Birdy (Matthew Modine) enlouqueceu com os traumas sofridos na Guerra do Vietnã, e agora acredita ser um pássaro – animal pelo qual sempre foi fascinado. Ele é mantido num hospital militar, onde recebe diariamente a visita de seu amigo Al (Nicolas Cage), que também lutou no Vietnã e agora se esforça em trazer Birdy de volta à realidade. Elogiadas atuações de Matthew Modine e Nicolas Cage neste filme que aborda loucura e amizade de forma densa e humana.



    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Scroll to Top