• ÚLTIMAS...

    WILSON CUNHA - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS


    Carioca nascido em 1941, é jornalista de formação. Começou a se interessar por cinema ainda na época de estudante. Foi redator do Caderno B, do Jornal do Brasil, e da revista Manchete. Crítico de cinema, foi diretor dos canais Multishow (de 1993 a 2009) e do Canal Brasil (de 1993 a 2003). Em 2009, foi contratado pela Telecine Productions, marca da Rede Telecine que assina coproduções cinematográficas, passando a exercer a função de consultor para desenvolvimento de projetos nacionais e realizando a análise e seleção de roteiros e novos projetos para coprodução do Telecine. 

    Foi conservador adjunto da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, entre 1964 e 1967, e, ao lado de Fabiano Canosa e Cosme Alves Netto, se tornou um dos responsáveis pela programação do cinema Paissandu, símbolo de uma cinefilia que ficou conhecida como "geração Paissandu".  Foi o primeiro diretor do departamento de cinema da Rede Manchete, quando criou e apresentou o programa Cinemania e deu grande visibilidade ao cinema brasileiro. No Multishow desenvolveu, pela primeira vez no mercado de TV por assinatura, uma programação sistemática de cinema brasileiro. 

    Deu formato ao Canal Brasil, no qual foi o primeiro diretor. O canal, representado por Wilson, foi o ganhador do Prêmio de Contribuição ao Cinema Brasileiro no Grande Prêmio Brasil de Cinema de 2000.

    E com muita honra, Wilson hoje é nossa vítima das 7 perguntas capitais.

    1.Quando nasceu sua paixão pelo cinema? Houve aquele momento em que olhou para trás e pensou: sou cinéfilo !!??

    W.C.:Antes da paixão foi o fascínio: por volta dos 4/5 anos o garoto gorduchinho foi ao cinema e, perplexo, viu um "presépio que se mexia". Era uma primitiva "Vida de Cristo".Levou um tempo até Oscarito, Bob Hope, Jerry Lewis & Dean Martin, Errol Flynn e John Wayne entrarem em cena. Agora o tal momento do "ferrou" foi quando, no início da adolescência - depois de um sensacional "Torneio Início do Campeonato Carioca" - pra quem ainda não estivesse nem aí, eram uma série de partidas entre clubes jogadas no mesmo dia e no mesmo Maracanã, verdadeira maratona de que o Vasco quase sempre se sagrava Campeão!!!! - pedi ao meu pai que, ao voltar do Maraca pra casa,  parasse o carro no Cine Santa Alice.Os velhos ficaram chocados ! (risos).



    2.Coleciona filmes, cds ou algo relacionado à 7ª arte ? Quem curte cinema, costuma ter suas relíquias em casa...

    W.C.:Já tive coleção de Cahiers du Cinéma ( desde os de capinha amarela), Sight and Sound, Cadernos de Cinema, páginas e páginas de cinema do Correio de Manhã,até mesmo uma penca de artigos meus da Tribuna de Imprensa, |O Jornal, Jornal do Brasil, Revista Manchete além de um sem número de trilhas sonoras ( primeiro em vinil, depois em CD), centenas de Dvds, paredes do quarto cobertas com cartazes de cinema, camisetas - e tudo mais que se possa imaginar.


    Nos últimos anos tenho cultuado o desapego e distribuído entre amigos a maioria do material, digamos, não fundamental.Por enquanto, continuam guardados comigo alguns remanescentes muito queridos - quem sabe em mais alguns anos de análise....



    3.Seu trabalho à frente do Cinemania na TV Manchete foi um dos mais importantes na minha formação cinéfila. Eu não perdia um programa, que apresentou à partir de 1988, se não me engano. Pode contar algumas curiosidades sobre o programa? Pode ser alguma história de bastidores ou mesmo das cartas que os telespectadores enviavam..

    W.C.:A televisão é uma série de felizes " acidentes" em minha vida pessoal e profissional. Eu estava na redação da Manchete, envolvido com  o fechamento dos layouts, quando o Pedro Jack Kapeller, diretor-superintendente da Rede Manchete de Televisão,  se aproximou da minha mesa e me perguntou se que eu queria dirigir o Departamento de Cinema da TV Manchete que estava sendo implementada. Aceitei e levei a máquina de escrever (!) da Redação da revista pois a tv ainda estava no osso...

    Na TV, aconteceu outro feliz "acidente": o convite de Luiz Gleiser para criar especiais de cinema - "50 anos de Balangandãs", em torno de Carmem Miranda, " A Magia do Cinema", etc - possibilitando a minha incursão pelo "fazer TV". O próximo passo, foi o nosso Cinemania - e eu nunca cansei de dizer para a equipe que quanto mais nos divertíssimos, mais o espectador entraria na nossa vibe. Sempre buscamos o lúdico - e, isto, inclusive, creio, atraiu um publico muito jovem. Levávamos informação mas, ao mesmo tempo, evitavamos qualquer ar professoral.

    As cartas são um caso à parte. Houve um tempo em que um jornal semanal, Shopping News, era entregue, gratuitamente, de casa em casa. Alex Viany era o responsável pela parte de cinema e lançou um concurso: a cada semana publicaria uma critica do leitor - e, pra mim, ainda adolescente, foi uma tremenda emoção quando vi minha primeira crítica publicada. acreditei que envolvendo, de alguma forma, o emotivo dos espectadores, o "Cinemania" estaria chegando mais perto do espectador. deu certo.


    M.V.:Nossa, que legal...

    W.C.:Agora, uma curiosidade: muitas vezes, quando um daqueles clipes especiais do programa não ficava muito bom, eu mesmo escrevia uma carta reclamando, pedindo que fosse refeito, e ia postar no correio aqui perto de casa..e o clipe era refeito....( Hoje nem a agência do correio existe mais...)

    Outra de bastidores: para colocar o primeiro programa no ar - selecionar aquelas vinhetas era uma coisa de louco - passei 36 horas na emissora....

    M.V.:Sério? Meu Deus...



    4.Qual experiência, dentro do universo cinematográfico, que mais te marcou?

    W.C.:A realização. Ter sido assistente de direção do Paulo Cesar Saraceni em "Capitu", produtor associado do Maurício Gomes Leite em "A Vida Provisória", me fez mergulhar, profundamente, nos intrincados processos de criação, na dificuldade, muitas vezes, dos realizadores em perceber as armadilhas em que estariam caindo. Ao mesmo tempo, consolidou em mim, a certeza de que ao crítico não cabe levarem consideração as dificuldades dos meandros criativos. Cada um dos espectadores também tem seus problemas - e, na bilheteria, além da meia-entrada ( nem sempre devida, é verdade), não fica pedindo misericórdia.




    5.Cinéfilos tem suas preferências. Existe uma lista dos "filmes da sua vida"?

    W.C.:Esta é, sempre, a parte mais difícil. Citarei alguns: "Dois Destinos", de Valério Zurlini, "30 anos esta noite" de Louis Malle, "A Marca da Maldade", de Orson Welles,os filmes de Blake Edwrads - sem dúvida meu diretor favorito e a quem tive o prazer de entrevistar em Londres, "O Homem do Sputnik", de Carlos Manga, "O Professor Aloprado" ( e uns tantos outros de Jerry Lewis), "Oito e Meio" ( e uns tantos outros) de Fellini, os westerns de Howard Hawks, os musicais de Minnelli.... e a lista continuaria infinita até filmes tão fortes quanto os atuais "O Insulto" ou " Três Anúncios para um Crime". Só lamento que o prazer pela aventura de um "Superman, o filme" tenha sido esmagado pela pasteurizada e tonitroante  produção em massa da Marvel.


    M.V.:Bom, na minha opinião, o Superman do Donner continua o melhor e mais charmoso filme de herói já feito.



    6.Fale um pouco sobre os seus próximos projetos, ou algum que esteja trabalhando neste momento.

    W.C.:Atualmente, após mais de 50 anos de trabalho, de escrever mais que um escravo egípcio às voltas com os papiros, desenvolvo apenas o projeto de tentar viver o melhor possível - nestes tempos tão impossíveis em que todos parecemos ter perdido o juízo. Buscar o equilíbrio já me parece um esforço tantálico.

    Neste período, chamemos de sabático, redescobri um prazer adolescente - frequentar as matines dos cinemas em dia de semana. É a quintessência da felicidade.


    7.E se pudesse deixar uma lição do tempo que se dedicou ao cinema, qual seria?

    W.C.:Viver intensamente o cinema, abrindo os olhos para tudo o que a tela nos oferece - saber "ver" um filme é mergulhar na diversidade que  tem a nos oferecer e, a partir dele, perseguir as pistas - intelectuais, emocionais - que ali nos são apresentadas. O cinema me salvou de uma possível vida medíocre: me deu amigos e, acima de tudo, um amor.

    M.V.:Obrigado amigo...Foi uma prazer.

    COMENTE USANDO SEU FACEBOOK:

    • Comente com o Google

    2 comentários:

    1. Grande entrevista com Wilson Cunha. Interessante que, ao perguntar a ele de onde vinha sua paixão pelo Cinema, me vi respondendo que também a minha foi muito cedo e me lembrei de como ia , aos domingos, no Posto de gasolina pedir a coluna do Jornal O Globo que vinha com a programação dos filmes de toda a semana. Assim, comecei a classificar e conceituar os filmes, algo que mudou com o tempo, após revê-los.
      Também assisti muito ao Programa Cinemania, lógico, kkk.
      Parabéns pela entrevista, M. V. Pacheco, que nos permitiu saber um pouco mais da vida , dos bastidores, de suas preferências e da paixão deste grande cinéfilo, Wilson Cunha.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Valeu Ovídio Andrade...A paixão pelo cinema, normalmente desperta nos futuros cinéfilos de forma bem similar...

        Excluir

    Item Reviewed: WILSON CUNHA - RESPONDE ÀS 7 PERGUNTAS CAPITAIS Rating: 5 Reviewed By: TUDO SOBRE SEU FILME
    Scroll to Top